A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
modelos administracao unidade1

Pré-visualização | Página 4 de 6

o surgimento 
da máquina a vapor, das locomotivas e do telégrafo. 
Na sequência, ganharam corpo as usinas siderúrgicas e a indústria automobilística. Segundo 
Ferreira et al. (2002), as usinas siderúrgicas tornaram-se responsáveis pela contratação de 
cerca de 9 mil empregados. Para se ter uma ideia do crescimento exponencial da indústria 
automobilística, a Ford, em sua planta em Highland Park (Illinois), contava com 13 mil 
empregados em 1914, 33 mil dois anos depois, e 42 mil em 1924. A planta da Ford em River 
Rouge (Michigan), no ano de 1924, contabilizava 70 mil empregados, sendo considerada a 
maior fábrica do mundo. Para efeito de comparação com a operação atual da Ford no Brasil, 
as unidades de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e São Bernardo do Campo (SP) empregavam, 
no início de 2009, cerca de 10 mil empregados. Evidentemente, é preciso considerar, 
necessariamente, a evolução tecnológica e de automação, o que, de toda forma, fornece uma 
ideia do porte daquelas plantas.
Essa escala de operações exigiu o desenvolvimento de métodos novos de Administração. Várias 
pessoas contribuíram nessa direção, com destaque para os engenheiros Frederick Winslow Taylor e 
Henry Fayol, que desenvolveram trabalhos pioneiros acerca da administração no início do século XX.
O americano Frederick Winslow Taylor deu início à Escola de Administração Científica, cuja 
base era o aumento da eficiência na indústria a partir da racionalização do trabalho. O 
europeu Henry Fayol estruturou a chamada Escola Clássica com foco no aumento da eficiência 
da indústria a partir da sua organização e da aplicação de princípios gerais de administração.
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Nota
Segundo Maquiavel, podemos entender que o primeiro passo para se alcançar alco eficaz , é se lançar um objetivo claro e definido, pois ele sera o prumo para que se obtenha o resultado esperado.null
bemol
Realce
bemol
Realce
15
Embora Taylor e Fayol não tenham se comunicado e tenham desenvolvido suas teorias a partir 
de pontos de vista diferentes, mas que se complementam com certa coerência, suas ideias 
constituem a chamada Abordagem Clássica da Administração e dominaram as quatro primeiras 
décadas da Administração. 
Administração
Cientí�ca
Ênfase nas Tarefas Ênfase na Estrutura
Teoria Clássica
Abordagem Clássica
da Administração
TAYLOR FAYOL
Figura 3 – Desdobramento da Abordagem Clássica.
Fonte: Chiavenato (2014).
1.2.1 A Administração Científica
Taylor foi um dos primeiros a oferecer o serviço de prestação de consultoria para empresas. 
Trabalhou para uma empresa fabricante de bombas hidráulicas, sendo depois admitido na 
Midvale Steel, uma siderúrgica. Trabalhou também em uma companhia de papel e em outra 
siderúrgica, a Bethlehem Steel (MAXIMIANO, 2006). Em 1911, ele lançou a obra Princípios de 
Administração Científica. 
Sua experiência permitiu-lhe observar e desenvolver grande parte dos princípios da 
Administração Científica. Veja a seguir quais são eles.
•	 Racionalização do trabalho: dispender menos energia para obter o mesmo 
resultado do trabalho, tornando-o mais eficiente.
•	 Divisão do trabalho: divisão de etapas e tarefas específicas da produção, 
contribuindo para a racionalização do trabalho e o aumento da produtividade. Por 
exemplo, um único homem era capaz de produzir um sapato: ele modelava, cortava 
o couro, costurava e dava o acabamento. A especialização do trabalho permitiu que 
diferentes indivíduos se dedicassem a cada uma dessas atividades, considerando suas 
habilidades, aptidões e treinamento na função, resultando em eficiência da produção.
•	 Tempos e movimentos: provavelmente constituiu a primeira abordagem científica 
do trabalho. Taylor investigou as atividades dos operários, eliminando os movimentos 
inúteis e tornando mais simples e rápidas suas funções, definindo um tempo médio 
para a realização de cada tarefa com qualidade. Diminuiu o tempo de produção, 
alcançando um resultado eficiente de maneira eficaz.
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
16 Laureate- International Universities
Ebook - Modelos de Administração
•	 Enfoque mecanicista do ser humano: ao serem fragmentadas as tarefas 
desempenhadas pelos indivíduos, o homem pode ser visto como parte integrante de 
uma engrenagem, não sendo considerada a sua condição humana.
•	 Homo economicus: esse conceito tem origem no fato de Taylor julgar que as 
recompensas e sanções financeiras eram as mais significativas para o trabalhador.
•	 Abordagem fechada: a Administração Científica não faz referência ao ambiente da 
empresa. Em outras palavras, a organização é vista de forma fechada, desvinculada 
de seu mercado.
•	 Superespecialização do empregado: o operário executa tarefas repetitivas e 
monótonas, conduzindo-o à alienação.
•	 Exploração dos empregados: a falta de consideração do aspecto humano dos 
operários, reforçada pela ausência, na época, de legislação trabalhista digna, 
legitima a exploração da mão de obra em prol de interesses patronais.
Esquematicamente os princípios da Administração Científica podem ser interligados como na 
imagem adiante.
 
 
Estudo de
tempos e
movimentos
Seleção
cientí�ca do
trabalhador
Determinar
método de
trabalho
“Lei” da
fadiga
Padrão de
produção
Supervisão
funcional
Plano de
Incentivo
salarial
Condições
ambientais
de trabalho
Máxima
e�ciência
Maiores
lucros e
maiores
salários
Figura 4 – Abordagem microscópica e mecanicista da Administração Científica.
Fonte: Chiavenato (2014).
NÃO DEIXE DE VER...
Para ampliar seus conhecimentos sobre a Administração Científica, assista ao filme 
Tempos Modernos, com Charles Chaplin.
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
bemol
Realce
17
1.2.2 Outros autores que contribuíram para a Administração 
Científica
Taylor é considerado o “Pai da Administração Científica”, mas outros estudiosos contribuíram 
muito para a consolidação dessa abordagem, como Carl Barth (1860 – 1939), Henry Lawrence 
Gantt (1861 – 1919), Harrington Emerson (1853 – 1931), Frank Gilbreth (1868 – 1924), e 
Lilian Gilbreth (1878 – 1961).
Henry Ford (1863 – 1947) também foi um desses estudiosos. Ele não era engenheiro, nem 
economista, mas um empresário com uma visão bem pragmática. Ford afirmava que o operário 
adaptava seus movimentos à velocidade da esteira rolante, adequando-se à velocidade e, por 
conseguinte, a um nível de produção predeterminado. Ford se preocupava com a economia 
de material e tempo, perspectiva diferente de Taylor, que se preocupava com a economia do 
trabalho humano.
Veja quais foram as principais contribuições de Ford para a Administração Científica.
•	 Integração vertical e horizontal – conceitos adotados até hoje. Integração vertical 
significa produção integrada, envolvendo desde a matéria-prima até o produto final 
acabado. As esteiras rolantes constituem uma representação da operacionalização da 
integração vertical. A integração horizontal se materializa, por exemplo, na criação e 
no estabelecimento de uma rede de distribuição de automóveis.
•	 Padronização – conceito operacionalizado por meio da linha de montagem, 
diferente do praticado comumente. Os operários não se locomoviam até o produto 
em produção (carro), os produtos (carros) é que se moviam na linha de montagem 
até o posto de trabalho do operário. A introdução de maquinário ao longo da linha 
de montagem também colaborou com o conceito de padronização, garantindo maior 
uniformidade aos produtos.
•	 Redução de estoques e aceleração da produção – com a introdução da linha de 
montagem, Ford conseguiu reduzir o ciclo de produção cerca de 10 vezes, o que, por 
sua vez, permitiu a redução de estoques e a necessidade de investimento imobilizado 
em produtos. Essas condições