A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
Clínica Médica de Equinos 02

Pré-visualização | Página 1 de 7

V e t e r i n a r i a n D o c s 
www.veterinariandocs.com.br 
 
 
 
 
1 
www.veterinariandocs.com.br 
Clínica Médica de Eqüinos 
 
 
Enfermidades Osteomusculares 
01-Artrite 
Definição 
Todo e qualquer processo inflamatório que atinge as articulações, o qual pode 
comprometer qualquer estrutura que compõe as articulações (ossos, cartilagens, cápsula 
articular, tecido sinovial, ligamentos colaterais periarticulares e intra-articulares, líquido 
sinovial e tecidos periarticulares) em conjunto ou separadamente. 
Articulação 
-Cápsula articular: camada externa fibrosa e interna (tecido sinovial 
propriamente dito); 
-Cartilagem articular; 
-Camada basal: assentada sobre o osso subcondral (calcificada); 
-Camada intermediária: alto conteúdo de água e conseqüente capacidade de 
absorver impactos. 
-Camada superficial: delgada e composta por colágeno; 
Causas 
Primárias: 
-Traumas diretos; 
-Ferimentos: com penetração de microorganismos; 
Secundárias: 
 
2 
www.veterinariandocs.com.br 
-Má conformação óssea (aprumos irregulares); 
-Deficiências nutricionais (proteínas, vitaminas e minerais); 
-Superalimentação; 
-Osteocondrite dissecante (O.C.D.); 
-Pneumonias por Rhodococcus equi; 
-Infecção do cordão umbilical (artrite séptica e osteomielite do potro); 
Classificação das artrites quanto ao tipo 
01-Artrite serosa (traumática): 
Causas: 
-Traumas diretos (coices ou pancadas em obstáculos); 
-Traumas indiretos: pela má conformação levando a uma sobrecarga das 
estruturas que compõe a articulação; 
-Inflamação aguda da membrana sinovial: tem-se aumento na produção de 
líquido sinovial acarretando em um líquido com baixa concentração de ácido 
Hialurônico, tem-se então distensão da cápsula articular por derrame de sangue ou soro 
e ocorrem modificações na viscosidade do líquido sinovial agravando do quadro clínico. 
-Casos discretos: pode não haver alterações radiográficas; 
02-Artrite infecciosa (supurativa): 
Causas: 
-Traumas diretos (penetração de microorganismos); 
-Punções articulares sem assepsia (iatrogênica); 
-Via hemática ou linfática (processos em outros locais); 
-Microorganismos mais envolvidos: Shigella equuli, Streptococcus pyogenes, 
Staphylococcus aureus, Corynebacterium pyogenes (as quais são supurativas) e 
Escherichia coli (não supurativa); 
Características: 
Colonização bacteriana na membrana sinovial causando uma reação inflamatória 
com posterior hipersecreção de líquido sinovial levando a distensão da cápsula e 
alteração funcional da articulação. Com a liberação de mediadores inflamatórios tem-se 
destruição da cartilagem articular; 
*Alterações radiográficas: podem ser observadas após 2 a 3 semanas do início; 
 
3 
www.veterinariandocs.com.br 
03-Artrite degenerativa (osteoartrite ou artrite hipertrófica) 
Características 
-Geralmente acomete animais adultos; 
-Pode ser resultante de artrite serosa crônica ou mal curada; 
-Degeneração e proliferação de ossos; 
-Lesões nas cartilagens; 
-Espessamento da membrana sinovial e da cápsula articular; 
-Casos mais graves podem evoluir para anquilose (fusão devido a proliferação); 
04-Artrite anquilosante (anquilose): 
Causas 
-Fase final da artrite degenerativa ou qualquer outro tipo de artrite grave e 
crônica; 
-Artrites tratadas inadequadamente; 
Características 
Caracterizado por degeneração e hipertrofia ou proliferação óssea nas lesões 
cartilaginosas e periostiais, levando a um estado final de ossificação e restrição total ou 
parcial dos movimentos; 
Potros: é menos freqüente. Podem apresentar artrite raquítica (deficiente 
ingestão de Ca, P, Cu, Zn); 
Observa-se parorexia, pelagem opaca e sem brilho; 
Acentua-se com desvios de conformação ou alterações na placa fiseal; 
Sinais clínicos Gerais 
-Aumento de volume articular: 
-Distensão da cápsula; 
-Espessamento da cápsula; 
-Inflamação de tecidos periarticulares; 
-Periostites e osteoperiostites; 
-Aumento na temperatura articular e dor; 
-Claudicação (varia de intensidade e tipo – alta, média ou baixa); 
 
4 
www.veterinariandocs.com.br 
-Processos agudos: tem-se a exacerbação da sintomatologia; 
-Processos crônicos: sinais mais discretos e tendência a recidivas periódicas 
(podem produzir lesões definitivas); 
Diagnóstico 
-Anamnese e História Clínica; 
-Sinais clínicos; 
-Exames complementares: 
-Radiografia: verifica-se presença de gás no interior da articulação, 
processos degenerativos ósseos e cartilaginosos, proliferação osteocondral, hipertrofias 
ósseas e anquilose; 
-Ultrassonografia e artroscopia; 
-Artrocentese: via evacuatória e terapêutica além de diagnóstica; 
*Tricotomia e assepsia rigorosa. Animais indóceis devem ser tranquilizados; 
-Exame laboratorial e cultura do líquido sinovial: cultura (pesquisa de 
microorganismos) e antibiograma, contagem total e diferencial de leucócitos, contagem 
de eritrócitos, proteína total, viscosidade, coágulo de mucina, análise de partículas em 
suspensão (fibrina e restos ósseos e cartilaginosos) e outros (glicose sérica, FA, 
desidrogenase lática, AST, trasaminase glutâmica pirúvica); 
Tratamento 
01-Artrite serosa: 
Fase aguda: 
-Corticosteróide: 
 
 
*Contra-indicado em caso de artrite infecciosa 
-Associação de corticosteroides intra-articular e sistêmicos: durante 1 a 2 
semanas; 
-AINEs: 
 
Betametasona: 15mg/mL (1,5 a 2,5mL intra-articular – BID/TID com intervalos de 5 a 7 dias 
Fenilbutazona: 4 a 8mg/kg – VO / SID durante 5 a 7 dias 
 
5 
www.veterinariandocs.com.br 
*Como adjuvante: embrocação tópica DMSO a 20% associada a substância heparinóide 
sobre a articulação, antes da aplicação de bandagens compressivas (agudas ou crônicas); 
**Evitar associação de AINES e cordicosteróides; 
-Drogas eutróficas articulares: 
 
 
 
*Proporcionam proteção da matriz cartilagínea e ao líquido sinovial, interferindo na 
ação das prostaglandinas, e conseqüentemente, no ciclo do ácido Araquidônico, e 
estimulando o metabolismo do ácido hialurônico e outras glicosaminoglicanas; 
-Duchas por aspersão: TID durante pelo menos 20 minutos (aliviam os sinais 
inflamatórios); 
-Imobilização e repouso: com ataduras gessadas ou sintético, manter animal em 
baia (cama alta e macia) por pelo menos 20 dias; 
Forma crônica: 
-Corticosteróide intra-articular 
-Substâncias eutróficas articulares; 
-Revulsão: com pomadas iodetadas; 
-Fontes de calor: diatermina e infravermelho (rigoroso controle veterinário); 
-Manter o animal com ligas (pode ficar em local mais amplo); 
-Insucesso do tratamento: certificar através de radiografia que não há fissuras ou 
fraturas articulares minúsculas (“chips”), descartada a possibilidade deve-se instituir 
tratamento com hialuronato de sódio ou glicosaminoglicanas (caso não tenha sido 
utilizado) e se artrite for decorrente de má conformação ou deficiência nutricional deve-
se corrigir; 
02-Artrite infecciosa: 
-Antibióticos por via sistêmica: 
 
 
*Realizar antibiograma prévio; 
Hialuronato de Sódio: 20 a 40 mg intraarticular com intervalos de 1 a 2 semanas 
Glicosaminoglicanas Polissulfatadas: 500mg a cada 3 ou 4 dias (4 a 7 aplicações) 
Pentosanpolisulfato: 10mg/kg IM a cada 2 dias durante 4 semanas 
Sulfadiazina-Trimetoprim: 30mg/kg BID 
Outros: penicilinas, estreptomicina, neomicina e cefalosporians 
 
6 
www.veterinariandocs.com.br 
-Antibióticos por via intra-articular: potencializa a ação dos antibióticos 
utilizados por via sistêmica em casos graves. 
 
 
 
-Tratar infecção primária (caso de via hematógena): concomitante ao início da 
antibioticoterapia sistêmica; 
-Drenagem