A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Relatório TEC 2 SUSPENSÃO ENXOFRE

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
CAMPUS JOÃO UCHÔA
FARMÁCIA
EDUARDA VAYLLANT LIMA TERRA
RELATÓRIO DE FARMACOTÉCNICA II
SUSPENSÕES: SUSPENSÃO DE ENXOFRE
RIO DE JANEIRO
2018
Introdução:
O enxofre é uma substância utilizada com frequência na formulação de cosméticos dermatológicos. Sua principal utilização é na composição de sabonetes para tratamento de doenças da pele devido suas ações antisséptica, antiseborreica, queratolítica, queratoplástica e escabicida que são capazes de combater oleosidade excessiva, atuar como secativo, na prevenção e combate a caspa e seborreia.
Objetivos:
Aplicar os conhecimentos adquiridos teoricamente no laboratório, reconhecer e identificar o comportamento dos componentes da formulação da suspensão de enxofre.
Materiais:
Bastão de Vidro
Cálice 125ml
Espátula
Proveta 10ml
Proveta 50ml
Pão duro
Gral e pistilo
Papel de pesagem
Balança de precisão
Conta gotas 
Enxofre 
Polissorbato 20 – Tween 20
Glicerina líquida
Polietilenoglicol 400 – PEG 400
Carboximetilcelulose
Benzoato de sódio (solução a 20%)
Água destilada 
Métodos:
Primeiramente, faz-se necessário converter as porcentagens dos componentes da formulação para ml ou gramas para que a pesagem possa ser feita e também o cálculo para uso da solução de benzoato de sódio 20%:
Enxofre:
5% ---------- 100%
x g ---------- 100ml
x = 5g
Glicerina líquida:
4% ---------- 100%
x ml ---------- 100ml
x = 4ml
PEG 400:
20% ---------- 100%
x ml ---------- 100ml
x = 20ml
Carboximetilcelulose:
0,4% ---------- 100%
 x g ---------- 100ml
x = 0,4g
Benzoato de Sódio:
20g ---------- 100ml
0,05g ---------- x ml
x = 0,25 ml (aproximadamente 4 gotas)
Fase dispersa:
Para a fase dispersa foram utilizados 5,1g de enxofre, 10 gotas de polissorbato 20 (Tween 20), 4ml de glicerina líquida e 20ml de polietilenoglicol 400 (PEG 400). Todos os itens foram colocados no gral e iniciou-se o processo de levigação com o auxílio do pistilo, onde foi formado um líquido de coloração amarelada e levemente granulado.
Fase dispersante:
Para esta fase aferiu-se o cálice para 100ml e foi necessário fazer o cálculo do volume usado na fase anterior para saber o volume de água que seria usado no qsp:
100ml de água destilada - 29,6g da fase dispersa = 70,4ml de água destilada para completar o qsp da formulação. 
Com o auxílio de uma proveta foram vertidos 70,5ml de água destilada onde foram adicionados 0,4g de carboximetilcelulosee diluídos sob agitação com auxílio de bastão de vidro. Após esta diluição foram colocadas mais 4 gotas de benzoato de sódio. Formando uma solução incolor e inodora. 
Após a preparação das duas fases, verteu-se a fase dispersa no cálice com a fase dispersante sob agitação por aproximadamente 2 minutos.
Resultados e Discussões:
Resultados:
Após a execução de todos os processos descritos no item acima foi obtida uma suspensão de coloração amarelada, pH entre 5,0/6,0 e volume final de 100ml.
Discussões:
Após a preparação desta formulação, notou-se a formação de uma suspensão do tipo floculada, porém com velocidade de sedimentação rápida. Uma solução para melhorar a velocidade de sedimentação das partículas da suspensão de enxofre seria o aumento da viscosidade da fase dispersante que faria com que as partículas de sedimentassem de maneira mais lenta.
Conclusões:
De acordo com o que foi estudado na aula teórica, foi possível concluir que cada componente de uma formulação atua de maneira específica e contendo um mecanismo de ação diferente para que a suspensão tenha o desempenho mais próximo do esperado.
Nesta formulação podemos ver a glicerina líquida na fase dispersa atuando como agente molhante que tende a melhorar o fluxo do veículo pela superfície da partícula permitindo a penetração da fase dispersante; os tensoativos Tween 20 e PEG 400 atuando como agentes floculantes que atuam na afetando o potencial superficial; a carboximetilcelulose atuando como doador de viscosidade atuando na ajuda do aumento da taxa de sedimentação.
Referências:
ALLEN, Loyd V.; POPOVICH, Nicholas G.; ANSEL, Howard C. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 6. ed. São Paulo: Editorial Premier, 2000.
SALDER S, Medicina Net. Disponível em: <http://www.medicinanet.com.br/bula/4598/salder_s.htm> Acessado em: 07 abr. 2018
VOCABULÁRIO CONTROLADO, Anvisa. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=354099&_101_type=document> Acessado em: 07 abr. 2018
ENXOFRE, Dermage. Disponível em: <https://www.dermage.com.br/dermage/paginas/estudo-enxofre.pdf> Acessado em: 07 abr. 2018