A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
Aps 1º semestre - UNIP

Pré-visualização | Página 6 de 8

da ordem planetária tinha de ter sido o plano de Deus.
Antes de completar seus estudos na Universidade de Tübingen, Kepler foi convidado a dar aulas de matemática na escola luterana de Graz (mais tarde Universidade de Graz), no lugar de um professor que havia falecido. Em 11 de abril de 1594 ele começou a exercer o cargo de professor na escola de Graz. Foi onde publicou seu primeiro grande trabalho, “Mysterium Cosmographicum” (O Mistério Cosmográfico), em 1596. Com esta obra Kepler tornou-se o primeiro cientista conhecido a apoiar publicamente o heliocentrismo de Copérnico.
Em 1595 conheceu Barbara Müller, a quem começou a cortejar, porém apesar da sua nobreza, o pai de Barbara se opôs inicialmente ao casamento dos dois, pois a pobreza de Kepler fazia dele um partido inaceitável para sua filha. Após a publicação de sua primeira obra, “Mysterium Cosmographicum”, o pai de Barbara aceitou o casamento, e em 27 de abril de 1597 ela se casou com Johannes. Os dois tiveram dois filhos nos primeiros anos de seu casamento, que acabaram por falecer ainda na infância. Em 1602 eles tiveram uma filha, dois anos depois um filho e três anos depois mais um filho. 
Kepler foi para Praga no ano de 1600, quando ele e a sua família se viram forçados a deixar Graz, por não se converterem ao catolicismo. Em Praga encontrou-se com Tycho Brahe, um famoso astrônomo dinamarquês, e um tempo depois se tornou seu assistente. Em outubro de 1601, Brahe veio a falecer e Kepler o sucedeu como astrônomo e matemático imperial da corte de Rodolfo II, razão pela qual teve acesso às observações astronômicas de Brahe. Johannes Kepler teve a tarefa de continuar o trabalho deixado por Tycho Brahe, tentando determinar a órbita de Marte. Depois de várias tentativas ele superou o erro, cometido por vários astrônomos, de que os planetas se moviam circularmente e ao analisar as observações de Brahe teve obteve várias descobertas importantes. Em 1609 ele publicou o livro “New Astronomy” (Astronomia Nova), onde determinou a lei dos movimentos dos planetas e as duas primeiras chamadas Leis de Kepler (lei das órbitas e a lei das áreas), o que possibilitou que ele conquistasse um lugar de destaque no desenvolvimento da astronomia. 
Após a morte da sua primeira esposa, Barbara, ele tinha analisado 11 noivas em potencial e em outubro de 1613 casou-se com Susanna Reuttinger, de 24 anos de idade. Os dois tiveram 6 filhos, porém as três primeiras crianças morreram ainda na infância, e os outros três chegaram a atingir a idade adulta. 
Kepler se tornou professor de matemática em um colégio distrital de Linz, na Áustria, depois da morte do Imperador Rudolph II. Enquanto morava lá, publicou seu livro “Harmonices mundi” (Sobre a harmonia do mundo, 1619), onde apresentou sua terceira descoberta sobre o movimento planetário, a terceira Lei de Kepler (lei do período).
Entre 1617 e 1621 Kepler publicou os sete volumes do “Epitome Astronomiae Copernicanae” (Compendium da Astronomia Copernicana), no qual reuniu todas as suas descobertas e se tornou a introdução mais importante em relação à astronomia heliocêntrica. A Igreja Católica não concordava com a obra, pois esta contrariava a concepção aristotélica do universo, defendida pela igreja. 
O inicio da Guerra dos Trinta Anos, em 1618, entre os Reformistas Protestantes e a Contra Reforma, devastou a região da Alemanha e da Áustria e a caça as bruxas se tornou algo constante e comum. Kepler defendeu a sua mãe durante um processo em que ela foi acusada de feitiçaria e por pouco não foi executada. Antes da Guerra dos Trinta Anos o salário de Kepler já não havia sido pago de maneira regular, e durante a guerra ele praticamente não recebeu nada. 
Kepler e sua família deixaram Linz em 1626, quando esta foi tomada por uma rebelião. Sua família foi para Regensburg e ele mudou-se para Ulm, onde publicou a sua ultima obra importante, chamada “Tabulae Rudolphinae” (Tabelas Rudolfinas, 1627). Essas tabelas foram baseadas nos dados e observações de Tycho Brahe, e reduziu boa parte dos erros da posição real de um planeta. Por um longo tempo a obra se mostrou precisa e trouxe a aceitação ao sistema heliocêntrico. Kepler considerou esse o seu principal trabalho astronômico e foi muito elogiado por ele, ao contrário dos seus livros anteriores.
Johannes Kepler passou a maior parte dos seus últimos anos viajando, e depois de Sagan foi para Regensburg ficar com a sua família. Porém ao chegar lá acabou adoecendo. Faleceu no dia 15 de novembro de 1630, com 58 anos de idade, na Baviera, Alemanha. 
Exposição de ideias, teorias e/ou leis
Johannes Kepler foi o primeiro a suspeitar que os planetas possuíam órbitas elípticas, e não circulares, e procurou uma forma de descrever o percurso dos planetas em torno do Sol. Ao utilizar as ideias platônicas sobre os cinco sólidos geométricos “perfeitos”, Kepler descobriu que as esferas podiam ser colocadas em intervalos correspondentes, ou seja, eles percorriam sua órbita em uma superfície esférica e giravam em torno do Sol. Em 1596, publicou o livro “Mysterium Cosmographicum”, onde mostrou que o Sol impele os planetas para suas órbitas, e que a força utilizada para isso diminui na proporção do quadrado da distância. Kepler ainda precisava aperfeiçoar as suas ideias com observações mais recentes dos planetas.
Figura 1 - O modelo planetário ideal construído 
a partir dos sólidos platônicos.
Kepler manteve contato com Galileu durante certo tempo, e este lhe enviou um dos telescópios que havia construído. Utilizando esse telescópio, Kepler confirmou a existência das “luas” de Júpiter, da qual duvidava, sendo o primeiro a utilizar o termo “satélite”, para indicar esse tipo de corpo celeste. Ele também aperfeiçoou o telescópio e o microscópio, além de fazer experimentos com a refração da luz e a reflexão. 
Uma de suas obras mais importantes foi “New Astronomy” (Astronomia Nova, 1609), na qual ele descobriu as Leis do Movimento Planetário, com a ajuda dos dados observacionais de Brahe. Nessa obra Kepler publicou as suas duas primeiras leis, chamadas Leis de Kepler.
Primeira Lei de Kepler:
A primeira lei de Kepler, chamada de lei das órbitas, diz que “os planetas seguem órbitas elípticas com o Sol localizado em um dos focos”. 
Sendo F1(foco) considerado o Sol, o ponto B que está mais longe deste é denominado Afélio, e o ponto A, que está mais perto do Sol é chamado de Periélio.   
Segunda Lei de Kepler:
A segunda lei de Kepler, chamada de lei das áreas diz que “o planeta percorre áreas iguais da órbita planetária em intervalos de tempos iguais”.
O planeta possui maior velocidade quando está mais próximo do Sol (Periélio) e menos velocidade quando está mais distante (Afélio).
Em 1619, enquanto morava em Linz, na Áustria, publicou seu livro “Harmonices mundi” (Sobre a harmonia do mundo), no qual descobriu a sua terceira lei sobre o movimento planetário.
.Terceira Lei de Kepler:
A terceira lei de Kepler, chamada de lei do período, diz que “os quadrados dos períodos de revolução dos diferentes planetas em torno do Sol estão na mesma razão que os cubos de suas distâncias médias do Sol”.
Portanto a lei do período é representada pela equação:
T = Período
a = Distância Média
K = Constante, que possui aproximadamente o mesmo valor para todos os planetas. 
Utilizando a lei da Gravitação Universal, K é dado pela equação:
G = constante gravitacional dada por: 
Sendo assim, temos a seguinte fórmula:
Análise de uma função
A terceira lei de Kepler será apresentada na planilha do Excel. Utilizando a fórmula,
será calculado o período de translação de Júpiter em torno do Sol, sabendo-se que :
Descobrimos que o valor de T² é , agora precisamos tirar a raiz do valor obtido, para descobrir T.
Sendo assim, descobrimos através da terceira lei de Kepler, que o período de translação de Júpiter em torno do Sol é de 374069742,8 segundos.
 
Impactos Produzidos 
Johannes Kepler, o astrofísico

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.