Aula 03 Consultoria Organizacional
28 pág.

Aula 03 Consultoria Organizacional


DisciplinaConsultoria Organizacional929 materiais1.460 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Competências do consultor 
organizacional
Ao final desta aula, você deverá ser capaz de:
reconhecer as principais bases de formação de 
competências do consultor;
identificar os conhecimentos do consultor orga-
nizacional;
identificar as habilidades do consultor organiza-
cional;
identificar as atitudes importantes do consultor 
organizacional.
3AULA
Meta da aula 
Apresentar as competências essenciais 
do consultor organizacional.
1
2
3
ob
jet
ivo
s
4
8 C E D E R J C E D E R J 9
Consultoria Organizacional | Competências do consultor organizacional
8 C E D E R J C E D E R J 9
IntrOduçãO 
Imagine o consultor como um profissional que cuida de problemas 
das organizações, assim como um profissional da área da Medicina cuida 
de seres humanos.
A pergunta que gostaríamos que você fizesse é: como podemos 
avaliar as competências de um consultor? Antes de formular uma res-
posta, gostaríamos que você pensasse em como avaliaria se um médico 
é competente.
Se estivesse num consultório médico para tratar de uma doença, 
como avaliaria a qualidade do médico que estivesse tratando você?
Talvez pudesse pensar primeiramente que um médico competente 
precisa conhecer muito bem as causas e consequências das doenças que 
estão relacionadas com a sua especialidade.
Em seguida, ele deveria ter a capacidade de explicar as possíveis 
causas da doença e se esta, por algum motivo, necessitasse intervenção 
cirúrgica, ele teria que ser extremamente hábil em realizar a operação.
Um terceiro critério talvez fosse a postura deste médico em solucio-
nar o seu problema: como ele é seguro nos momentos de esclarecer suas 
dúvidas, a sua paciência e boa vontade quando você se sentir inseguro 
ou com medo, etc.
Enfim, um médico dever saber exercer sua profissão, deve ter 
habilidade para colocar em prática seus conhecimentos e deve ter vontade 
de curar doenças e salvar vidas. 
8 C E D E R J C E D E R J 98 C E D E R J C E D E R J 9
A
U
LA
 
3
Em p r E s a 
c l i E n t E
Significa a empresa 
que contrata os ser-
viços de consultoria 
e que geralmente se 
encontra envolvida 
num problema 
organizacional.
Com o consultor organizacional isso não pode ser diferente. 
Ele deve ser dotado desses conjuntos de qualidades que chamamos de 
competências.
Entretanto, não existirá a cura de uma doença se o paciente não 
cooperar, pois ele deve seguir as orientações do médico. O mesmo ocorre 
nas organizações: os consultores apoiam as melhorias, mas não são os 
responsáveis exclusivos pela solução dos problemas enfrentados.
O consultor é o agente externo encarregado de analisar, diagnos-
ticar problemas, desenvolver e promover mudanças em diversas áreas da 
EmprEsa cliEntE e assume a responsabilidade de auxiliar a mesma no pro-
cesso decisório; entretanto, ele não possui controle direto da situação. 
COMPEtÊnCIAS dO COnSuLtOr
Como se pode observar, o consultor organizacional, independen-
temente da área em que esteja atuando, é responsável não só pela parte 
exclusivamente técnica do processo de mudanças, mas também por toda a 
interação e implementação das mudanças mencionadas nas diversas áreas 
da empresa cliente e pela análise dos impactos destas na sociedade. 
Para desempenhar todas essas atividades, o consultor organiza-
cional necessita possuir um conjunto de competências (conhecimentos, 
habilidades e atitudes \u2013 CHA) como qualquer outro profissional. Esse 
conjunto compõe as competências do consultor e se exterioriza nas várias 
características comportamentais, administrativas e interpessoais neces-
sárias para que ele desempenhe toda essa gama de atividades envolvidas 
no serviço de consultoria. Assim, gErEnciar compEtências é fundamental.
Conhecimento Saber
Competência técnica
Habilidade Saber fazer
Atitude Querer fazer Competência comportamental
Figura 3.1: Pilares das competências.
gE r E n c i a r 
c o m p E t ê n c i a s 
Significa desenvolver 
o conjunto de conhe-
cimentos, habili-
dades e atitudes 
correlacionadas, que 
afetam a maior parte 
do trabalho de uma 
pessoa, impactando 
o seu desempenho 
e seus resultados, 
podendo ser medido 
e melhorado por 
meio de treinamento 
e desenvolvimento 
(DUTRA, 2001).
10 C E D E R J C E D E R J 11
Consultoria Organizacional | Competências do consultor organizacional
10 C E D E R J C E D E R J 11
A necessidade da identificação mais apurada das competências 
que caracterizam o consultor organizacional de excelência vem, dentre 
outros fatores, do aumento da demanda por serviços de consultoria, oca-
sionado pelas rápidas mudanças presentes no ambiente interno e externo 
das organizações. Junto ao aumento dessa procura por serviços veio 
também o aumento da oferta de consultores no mercado. Há dez anos, 
talvez houvesse apenas um consultor expert disponível para determinado 
projeto, hoje há milhares, o que faz com que as empresas procurem o 
melhor consultor disponível. Assim, esses padrões de exigência tendem 
a ser cada vez maiores (WOOTON, 1995). 
Porém, torna-se extremamente difícil definirmos com exatidão 
quais características fazem com que o consultor organizacional esteja 
habilitado, de fato, a desempenhar suas atividades de forma eficaz para 
a empresa cliente. Isso devido a todas as incertezas internas e externas 
que cercam e interagem com a organização, influenciando-a. Dessa 
forma, serão apresentadas em termos bem amplos quais características 
se fazem necessárias nos profissionais de consultoria organizacional, 
independentemente da área de atuação, de forma que ele seja capaz de 
criar valor para a empresa cliente.
CArACtErÍStICAS ESSEnCIAIS dO COnSuLtOr
Antes de estudarmos quais as competências específicas do con-
sultor empresarial, devemos nos questionar: o que leva um indivíduo a 
seguir determinada carreira? O que leva um profissional a seguir a car-
reira de cirurgião plástico e não a de pediatra? O que leva uma pessoa 
a seguir a carreira de consultor e não a de gerente de produção em uma 
empresa? As respostas para essas perguntas podem se resumir em uma 
palavra: vocação.
Todas as profissões demandam das pessoas inclinações, pendor e 
talento \u2013 vocação \u2013 para desenvolver as atividades inerentes às mesmas, 
e assim também acontece com a profissão de consultor. Oliveira (2007) 
afirma que a sustentação da vocação do profissional de consultoria é 
efetuada por um tripé: a integridade do consultor, o valor que o profis-
sional de consultoria proporciona para a empresa cliente e a felicidade 
que o consultor tem e expressa por sua atuação profissional.
vo c a ç ã o
Diz respeito ao 
talento e à aptidão 
pessoal. Pode ser 
entendida também 
como um dom natu-
ral ou habilidade 
adquirida que torna 
o indivíduo uma 
referência na área 
em que atua.
10 C E D E R J C E D E R J 1110 C E D E R J C E D E R J 11
A
U
LA
 
3A integridade está relacionada com o comprometimento do 
consultor com o projeto da empresa cliente. Podemos citar como com-
petências para essa integridade: clareza e transparência dos objetivos a 
serem alcançados e conhecimentos implementados, sigilo em relação às 
atividades e informações de seus clientes, dentre outras.
O valor que o profissional proporciona para a empresa cliente é 
aquele que resulta da mudança proporcionada pelo consultor na empre-
sa cliente, ou seja, o resultado no curto, médio e longo prazo que seu 
serviço propiciará. 
A felicidade em relação à sua atuação profissional é um elemento 
extremamente subjetivo, uma vez que está relacionado à motivação e à 
realização profissional, ou seja, às suas características pessoais e a seus 
anseios. 
Valor proporcionado
Integridade