A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Posicionamentos radiografico

Pré-visualização | Página 1 de 8

Técnicas (Posicionamento)
Técnica Radiológica II
A rotina radiográfica utilizada na maioria dos hospitais são as incidências:
AP ou PA, Perfil Esquerdo ( em algumas situações o perfil direito também é usado, depende da lesão)
Temos outras incidências de estudo complementar onde aprenderemos algumas.
As rotinas são usadas no causa de traumas e lesões. Como fraturas, tumor e corpo estranho
Paciente deve permanecer imóvel e em apnéia nessas incidências.
Crânio
Também denominada Incidência de Caldwell, occipto-frontal ou PA verdadeiro de crânio; 
Paciente pode realizar esse exame em Decúbito ventral, sentado, Ortostáse ou Decúbito Dorsal (em caso de Trauma).
O posicionamento deve alinhar a Linha sagital Mediana de acordo com a Linha central sem rotação com a região da face próxima ao filme radiográfico A Linha Horizontal Alemã (LHA) deve estar perpendicular ao filme.
RC: Incide paralelo a LHA centralizado na linha sagital mediana e saindo no násio
Altura DFF: 1m 
Chassi 24x30
PA ou Póstero - anterior do Crânio
3
PA ou Póstero - anterior do Crânio
Usada em paciente Politraumatizado ou na posição em Decúbito Dorsal (pacientes acamados ou até mesmo pacientes que não conseguem fazer a posição em PA).
 RC: Incide paralelo a LHA centralizado na linha sagital mediana entrando na direção do násio, em alguns casos os técnicos utilizam a Glabela como ponto de referência.
Altura DFF: 1M
Chassi 24x30
AP ou Ântero – Posterior do Crânio
AP ou Ântero – Posterior do Crânio
O Perfil Esquerdo é utilizado como incidência de rotina.
O Perfil Esquerdo corresponde ao lado esquerdo mais próximo do filme.
O Perfil Direito corresponde ao lado direito mais próximo do filme.
O critério da determinação do lado depende da lesão. Onde o correto é aproximar a lesão ao filme radiográfico.
O paciente pode se posicionado em decúbito ventral, sentado ou em ortostase.
 
Perfil Esquerdo ou Direito de Crânio
A posição da cabeça deve estar totalmente em perfil sem rotações ou inclinações com o lado de interesse encostado no filme.
A LHA deve estar perpendicular a borda anterior do filme radiográfico ou chassi.
RC: Incide perpendicular em relação ao plano médio sagital e paralelo ao plano coronal, entrando aproximadamente 2cm acima e 2cm anterior ou adiante do poro acústico externo ou MAE (Meato acústico externo)
Alguns autores consideram o RC como 5cm acima do MAE.
DFF: 1M
Chassi: 24x30 em Horizontal
Perfil Esquerdo ou Direito de Crânio
Perfil Esquerdo ou Direito de Crânio
Essa incidência pode ser conhecida também como Reverchon, Bretton, Towne, Worms, Altschull, Grashey ou fronto-nucal.
Usada como incidência complementar
Paciente imóvel e em apneia.
O paciente pode ser posicionado em decúbito dorsal, sentado ou ortostase.
A cabeça do paciente alinhada sem rotação e o plano médio sagital paralela a LCM.
Semi-axial em AP 
RC: Incide com uma angulação podálica ou Caudal de aproximadamente 30º a 40º em relação a LHA centralizado no PMS, entrando no Frontal e saindo no MAE ou alguns casos 2 cm acima do MAE.
DFF: 1 M
Chassi 24x30
Semi-axial em AP 
Semi-axial em AP 
Conhecida também como incidência de HAAS ou nuco frontal. Usada como uma opção.
Paciente imóvel em apneia.
Posicionamento o paciente em decúbito ventral, pode ser feita sentado ou em ortostase.
Paciente com a cabeça sem rotação com o PMS alinhado e perpendicular com a LCM.
Semi – Axial em PA
RC: Incide com uma angulação cefálica de aproximadamente de 30º a 40º em relação a LHA. Entrando na nuca do paciente passando pelo MAE e saindo no frontal do paciente.
DFF: 1M
Chassi: 24x30
 
Semi - Axial em PA
Mais conhecida como Hirtz, ou axial de crânio. Usada no estudo complementar da base do crânio.
IMPORTANTE: Essa incidência não deve ser utilizada quando o paciente é um trauma (Politraumatizado ou vem de uma artrose cervical avançada).
O paciente pode ser posicionado sentado ou em decúbito dorsal.
O corpo do paciente deve estar alinhado, isso que dizer o PMS paralelo a LCM. 
Axial submento vértice (HIRTZ)
O pescoço do paciente deve estar estendido de maneira que o vértice (topo) da cabeça esteja em contato com o filme Radiográfico.
RC: incide perpendicular em relação a LHA. Entrando na região submentoniana (submandibular) e saindo no vértice (região superior da cabeça).
DFF: 1M
Chassi 24x30
Axial submento vértice (HIRTZ)
A sela turca está localizada no esfenóide aproximadamente 2cm acima e 2cm adiante do MAE. Está tem a função importante de abrigar a glândula Hipófise que está ligada ao Hipotálamo
É considerada uma glândula mestra, pois secreta hormônios que controlam o funcionamento de outras glândulas.
A rotina radiográfica para o estudo da Sela turca consiste em 3 incidências: PA, Perfil esquerdo e Semi-Axial AP.
Indicada para pesquisa de fratura, calcificações das clinoides anteriores e posteriores e tumor na Hipófise.
Paciente imóvel e em apneia.
Sela turca
Paciente pode realizar em decúbito dorsal, sentado ou ortostático.
Cabeça do paciente alinhada em relação a LCM sem rotação.
RC: incide perpendicular ao PMS entrando na altura do násio ou da Glabela ou entrando pela parte posterior da cabeça e saindo na altura do násio ou da Glabela.
DFF: 1M
Chassi: 18x24
PA ou AP de sela turca
PA ou AP de sela turca
Paciente em Decúbito Ventral, sentado ou em ortostático
Cabeça do paciente em perfil total colocando o PMS paralelo e a LHA perpendicular em relação ao filme.
RC incide perpendicular em relação ao PMS entrando 2 cm anterior e 2cm acima do MAE.
DFF: 1M
Chassi: 18x24 
Perfil de Sela Turca
Perfil de Sela Turca
Paciente em decúbito dorsal, sentado ou ortostático.
Paciente com a o PMS alinhado em relação a LCM, a LIOM perpendicular em relação a LCM.
RC incide de 30º a 35º em relação a LIOM
DFF: 1M
Chassi: 18x24
Axial de Sela Turca - Towne
A rotina radiográfica utilizada na maioria dos hospitais são as incidências para o estudo do Cavum, da própria face, das orbitas, Ossos próprios do nariz, Arco Zigomatico, Mandíbula e ATM.
As rotinas são usadas no causa de traumas, lesões, pós-cirúrgico, luxações e até mesmo para encontrar algumas patologias.
Para cada parte, vejamos que tem suas incidências especificas algumas que já conhecemos na parte do crânio, mas serão revistas e usadas para ajudar no estudo.
Paciente deve permanecer imóvel e em apnéia nas incidências 
Ossos da face
Paciente pode realizar esse exame em Decúbito ventral, sentado, Ortostáse ou Decúbito Dorsal (em caso de Trauma).
Está incidência, pode ser feita de boca aberta e fechada.
O paciente deve ficar com o PMS paralelo a LCM e com a LIOM perpendicular a LCM
RC: Incide perpendicular, orientado entre o MAE e o canto externo da órbita 
Altura DFF: 1m 
Chassi 18x24
Cavum 
25
Cavum
Usado o método de Waters (mento-naso)
Paciente pode fazer em Decúbito Ventral, sentado ou em ortostático.
A cabeça do paciente fica inclinada encostando o mento na LCM, com isso o PMS e LMM ficam perpendicular ao filme.
RC: Incide perpendicular entrando na parte posterior da cabeça do paciente e saindo na altura do acântio ou no násio
Altura DFF: 1M
Chassi 24x30
Ossos da face 
Ossos da Face
Para estudo da Orbita temos as seguintes incidências: Parieto- orbital mais conhecido como método de Rhese. Dentre essas também temos as incidências PA com raio inclinado (Fronto-naso com 15º caudal) , AP com raio inclinado( Fronto-naso com 15º cefálico) , Mento naso, Obliquas PA (Hartman), Obliquas PA semi-axiais (lysholm) –angulação de 20º caudal.
Paciente pode ser posicionado em Decúbito ventral, sentado ou ortostático.
Incidência para Orbita
Paciente e posicionado de tal maneira que o PMS fique angulado de 50º a 55º na horizontal e 35º na vertical, isso faz com que LAM fique perpendicular ou com um angulação de 25º cranial.
Conclusão: Alinhe a cabeça do paciente encostando a orbita de interesse