A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
APOSTILA 4 - ANTIMICROBIANOS INESPECÍFICOS

Pré-visualização | Página 1 de 6

Farmacologia e Toxicologia 
 
 
1. Antimicrobianos / Antibióticos – Conceitos Gerais 
Os antimicrobianos ou anti-infecciosos são substancias químicas usadas para combater os 
microorganismos. Estes agentes podem ser específicos ou inespecíficos. 
Antimicrobianos Inespecíficos: atuam sobre microorganismos em geral, quer sejam patogênicos ou 
não; pertencem a este grupo os antissépticos e os desinfetantes. 
Antimicrobianos Específicos: atuam sobre microorganismos responsáveis pelas doenças infecciosas 
que acometem os animais; são os quimioterápicos. 
Quimioterápicos: substância química definida (produzida por síntese laboratorial) que, introduzida 
no organismo animal, age de maneira seletiva sobre o agente causador do processo infeccioso, sem 
causar efeito nocivo sobre o hospedeiro. 
Atualmente, o uso do termo quimioterápico foi ampliado, sendo empregado também com outra 
conotação, referindo-se a medicamentos usados no tratamento das neoplasias. Por isso, nos dias de 
hoje, há uma tendência de se abandonar o emprego do termo quimioterápico quando se tratar do 
combate a agentes infecciosos. 
Antibióticos (ATB): substâncias químicas (medicamentos) produzidas por microorganismos e seus 
equivalentes sintéticos que têm a capacidade de, em pequenas doses, inibir o crescimento ou 
destruir microorganismos causadores de doenças. 
• ATBs biossintéticos: obtidos a partir de cultura de microorganismos, a qual acrescentam-se 
substâncias químicas capazes de alterar a sua estrutura molecular. Ex: penicilina. 
• ATBs semissintéticos: obtidos em laboratório acrescentando-se radicais químicos ao núcleo 
ativo de um ATB isolado de um meio de cultura no qual cresce um microorganismo. Ex: 
amoxicilina. 
• Sintobióticos: obtidos exclusivamente por síntese laboratorial. Ex: cloranfenicol. 
 
 
O uso de antimicrobianos em medicina veterinária é feito com finalidades mais amplas, o médico 
veterinário indica antimicrobianos inespecíficos, por exemplo, os desinfetantes, para auxiliar na 
limpeza e desinfecção das instalações zootécnicas, de equipamentos e materiais que entram em 
contato com produtos de origem animal, equipamentos cirúrgicos, entre outros. 
Em relação aos antimicrobianos específicos, o medico veterinário, além de usá-los terapeuticamente 
e profilaticamente, emprega ainda na metafilaxia e como aditivo zootécnico melhorador do 
desempenho. 
• Uso terapêutico: é administrado a um animal que apresenta uma doença infecciosa, visando 
controlar a infecção. 
• Uso profilático: é uma medida preventiva, para garantir a proteção contra uma possível 
infecção. 
• Uso metafilático: é feito quando num rebanho há alguns animais com uma determinada 
doença infecciosa e o antimicrobiano é administrado em todos os animais do grupo, visando 
prevenir a instalação da doença em todo o rebanho. 
• Aditivo zootécnico melhorador do desempenho: visa diminuir a mortalidade, melhorar o 
crescimento e a conversão alimentar. Os antimicrobianos de uso terapêutico não devem ser 
usados como aditivo, pois favorece o desenvolvimento da resistência bacteriana. 
 
a) Ação Biológica dos antimicrobianos 
Em pequenas doses, os antimicrobianos podem ser Bactericidas ou Bacteriostáticos. 
• Bacteriostático: quando inibe a multiplicação da bactéria, mas não a destrói, com a 
suspensão da exposição ao antimicrobiano, a bactéria volta a crescer. 
• Bactericida: exerce efeito letal sobre a bactéria, sendo esse efeito irreversível. 
Da mesma forma são empregados os termos fungistático, fungicida, virustático e viricida. 
A atividade bacteriostática e bactericida do antimicrobiano depende de sua concentração no local. 
• CIM ou MIC: Concentração Inibitória Mínima – alguns antimicrobianos inibem o crescimento 
bacteriano em uma determinada concentração, a concentração inibitória mínima. 
• CBM ou MBC: Concentração Bactericida Mínima – necessitam de uma concentração maior 
para matar o microorganismo. 
Quanto maior a distancia entre esses valores, diz-se que o antimicrobiano tem atividade 
bacteriostática. 
Por outro lado, quanto mais próximos forem esses valores, diz-se que o antimicrobiano tem 
atividade bactericida. 
 
 
 
b) Atividade Concentração-dependente e Tempo-dependente dos ATBs 
Os antimicrobianos podem ser classificados em: 
• Concentração-dependente: são aqueles em que, quanto maior o nível sérico acima da CIM, 
maior a taxa de erradicação das bactérias, a qual, por outro lado, cai na medida em que 
diminui o nível do antimicrobiano. A administração desses agentes em doses elevadas com 
intervalos longos faz com que se alcancem concentrações máximas no local da infecção, 
produzindo efeito bactericida máximo. Ex: aminoglicosídios, fluorquinolonas e metronidazol. 
A posologia adequada desses antimicrobianos envolve administração de altas doses e longos 
intervalos entre as doses. 
 
• Tempo-dependente: o fator de maior importância para determinar a eficácia é o período de 
tempo em que a concentração plasmática fica acima da CIM de uma dada bactéria. O fato de 
se aumentar a concentração do antimicrobiano várias vezes acima da CIM não promoverá 
aumento significativo na capacidade de destruir o microorganismo. Ex: betalactâmicos, 
macrolídios e tetraciclinas. 
A posologia adequada envolve administrações frequentes desses antimicrobianos. Portanto, para os 
antimicrobianos tempo-dependentes, o tempo que a bactéria fica exposta ao agente é mais 
importante que a concentração do antimicrobiano necessária para matar o microorganismo. 
 
Há ainda antimicrobianos que têm características de atividade tempo-dependente e concentração-
dependente, são exemplos desses agentes, os glicopeptídeos (vancomicina, avoparcina) e rifampim e 
algumas fluorquinolonas. 
 
 
 
 
c) Classificação dos ATBs Específicos 
Os antimicrobianos específicos podem ser divididos em três categorias considerando sua atividade 
sobre: 
• Bactérias – antibacterianos; 
• Fungos – antifúngicos; 
• Vírus – antivirais. 
 
Os antibacterianos podem ser classificados segundo vários critérios, como: 
• A estrutura química, 
• A ação biológica (bactericida, bacteriostático), 
• O espectro de ação bacteriano (largo espectro, curto espectro, atuação sobre bactérias Gram 
negativas ou positivas), 
• E mecanismo de ação. 
A estrutura química e mecanismo de ação são os critérios empregados para apresentação dos 
diferentes grupos farmacológicos dos antibacterianos. 
 
 
Espectro de ação: é o percentual de espécies sensíveis (número de espécies/ isolados sensíveis); 
 
 
d) Fatores determinantes na prescrição de antimicrobianos 
A prescrição de um antimicrobiano envolve a tríade: agente etiológico, antimicrobiano específico e 
paciente. 
 
 
O agente etiológico (microorganismo) deve ser identificado, sempre que possível. Quando não for 
possível, deve-se presumi-lo, considerando dados como quadro clínico, localização do processo 
infeccioso, faixa etária, achados epidemiológicos e laboratoriais. Indica-se então o antimicrobiano 
que sabidamente é capaz de atuar sobre ao agente etiológico. 
A susceptibilidade de algumas bactérias ao antimicrobiano pode variar bastante, como, por exemplo, 
para a maioria das bactérias gram-negativas que adquirem facilmente genes de resistência, 
comprometendo a eficiência do tratamento. 
Seria desejável determinar a sensibilidade do agente etiológico aos antimicrobianos através do 
antibiograma, porém este procedimento requer tempo para se obter o resultado (cerca de 48 horas), 
e nem sempre se pode aguardar este período para dar início ao tratamento. Na grande maioria das 
vezes não há necessidade do antibiograma pelo fato de se conhecer o agente etiológico ou presumi-