A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
AV.  STORYTELLING

Pré-visualização | Página 1 de 2

Disc.:  STORYTELLING
		NPG1128_AV_201805019325  
	 29/08/2018 11:32:00 (F)  
	AV 
	
		Professor: MARIA ADELAIDE MAIO RODRIGUES
	Turma: 9001/AA 
	
	
	
	
	
	 
		
	NPG - STORYTELLING
	 
	 
	 1.
	Ref.: 663428
	Aula 1: AULA 1
	Pontos: 0,60  / 0,60 
	
	Contar uma boa história é uma poderosa ferramenta para se conseguir resultados impressionantes em todos os setores. Por isso, muito tem se falado sobre storytelling, que significa:
		
	
	Perceber que as mídias digitais não exercem influência sobre a comunicação humana e os formatos das histórias, como ocorriam nas oralidades.
	
	A arte de contar histórias -  em uma grande produção, utilizando apenas a mídia impressa,  para o mundo corporativo globalizado.
	
	As novas tecnologias não criarão condições para a convergência de todas as narrativas em uma mesma mídia, com os computadores conectados.
	
	A arte de contar histórias - na indústria da produção de conteúdo para TV, cinema, vídeo para a internet, publicações em geral, para a mídia impressa e digital e para o mundo corporativo como um todo.
	
	A influência que as mídias e formatos de storytelling exercem uns sobre os outros criou as condições para a narrativa do século XXI, conhecida como convergência das mídias impressas.
		
	
	 2.
	Ref.: 663449
	Aula 3: AULA 3
	Pontos: 0,60  / 0,60 
	
	Segundo Ithiel de Sola  Pool, um processo chamado "convergência de modos" está tornando imprecisas as fronteiras entre os meios de comunicações ponto a ponto, surgindo assim um novo meio de contar história. Quais seriam os recursos para criar estratégias de integração para histórias imersivas? Analise as alternativas abaixo, a seguir assinale  a opção correta.
I- De que a convergência deve ser compreendida apenas como um processo tecnológico que une múltiplas funções dentro dos mesmos dispositivos. Ela representa uma transformação cultural, um novo sistema de mídia em que os espectadores são incentivados a procurar informações e realizar conexões entre conteúdos múltiplos e dispersos. 
II-O planejamento e execução de um projeto transmídia passam muito perto do que se faz em um planejamento tradicional, mas o foco deve ser como engajar o espectador (muitas vezes coprodutor) na história.
III- É importante incentivar o uso e o cruzamento das ferramentas de Tecnologia da Informação (TI) ao processo de produção. Os dados sociais devem ser usados como ferramenta pelos produtores, com o suporte de softwares de análise de Business Inteligente (BI), voltado ao conteúdo, chamado de Content Inteligence (CI).
		
	
	II e III são verdadeiras 
	
	Somente I é verdadeira.
	
	Todas são falsas.
	
	Somente II é falsa. 
	
	Todas são verdadeiras 
		
	
	 3.
	Ref.: 700421
	Aula 7: AULA 7
	Pontos: 0,60  / 0,60 
	
	Pavlik (2001) prevê mudanças em três campos: "o jornalista tem que ser mais do que um contador de fatos, o papel do jornalista como intérprete dos acontecimentos será expandido e em parte modificado e os jornalistas online terão um papel central na ligação entre as comunidades". Sendo assim podemos afirmar: 
		
	
	As competências exigidas do jornalista passam a ser outras. A mudança começa na própria formação dos novos profissionais do jornalismo, esses profissionais deverão ter como única capacidade a formação intelectual. 
	
	As mudanças digitais, não modificaram a rotina do jornalista, pois o importante é apenas a técnica utilizada para escrever a notícia. 
	
	Com a existência do grande número de meios de comunicação, para o novo profissional do jornalismo fica em segundo plano a interpretação e a criatividade da informação. 
	
	Como fonte de notícias ou como parceiro técnico contratado pelas redações uma nova figura: o hacker. Na concepção estrita da palavra, o hacker nada mais é que um tecnologista que entende com pouca propriedade de computação não contribuindo na transição do jornalismo para o século XXI.
	
	A internet se tornou a mídia central do século XXI e trouxe mudanças não apenas na gestão das redações e no formato das notícias, mas também no papel do jornalista.
		
	
	 4.
	Ref.: 630787
	Aula 6: AULA 6
	Pontos: 0,60  / 0,60 
	
	A internet mudou não apenas a forma de contar histórias como também à forma de distribuí-las, item que tem peso importante na estratégia de produção em tempos de Storytelling Digital.
Tendo em vista o fragmento do texto acima e as nossas aulas, analise as frases abaixo, após assinale a opção correta.
I Uma área liderada de longe pela NetFlix é o poder das recomendações e indicações, totalmente subestimado pela maioria das empresas. Injetando milhões em pesquisa e desenvolvimento para aumentar este poder, a NetFlix apresentou ao cliente, de forma mágica, conteúdo de que muitas vezes ele nem ouvira falar e pelo qual acabaria se apaixonando. 
II Até hoje a NetFlix coleta dados de milhões de usuários e os utiliza para prover recomendações de extremo sucesso, com base nas preferências de programas e filmes de seus clientes e de grupos similares a eles.
III Segundo dados da HBO, 10 milhões de casas nos Estados Unidos têm acesso à internet e não têm acesso à TV a cabo ou por satélite, o que revela o potencial do conteúdo via streaming, que é o modelo do NetFlix.
		
	
	Somente I é verdadeira. 
	
	Somente II é falsa.
	
	II e III são verdadeiras 
	
	Todas são falsas. 
	
	Todas são verdadeiras. 
		
	
	 5.
	Ref.: 663459
	Aula 4: AULA 4
	Pontos: 0,00  / 0,60 
	
	As empresas contemporâneas possuem uma nova visão de  contadora de histórias, confirmando  a importância do storytelling no mundo empresarial. Essas empresas utilizam campanhas com multiplataformas para venderem seus produtos, e fidelizarem consumidores.
Analise as alternativas abaixo, a seguir Identifique como as empresas se tornaram contadoras de histórias e como devem aplicar os conceitos do storytelling digital, assinalando a opção correta.
I-Na sociedade contemporânea, uma campanha bem-sucedida será aquela que gerar engajamento do consumidor, sem ser imperativa e sim sugestiva. Para isso, é imprescindível conhecer bem o perfil do seu público-alvo.
II-Antes de surgir a internet, as empresas se comunicavam com o público por meio das companhias de mídia que, no caso da TV aberta era em larga escala. Consequentemente ocorrendo uma grande interatividade.
III-Algumas empresas escolheram a televisão como mídia principal, e uma série de filmes curtos para a TV demonstram  a intenção da empresa de transformar publicidade em entretenimento (advertainment).
		
	
	Todas são falsas.
	
	Somente I é verdadeira. 
	
	II e III são verdadeiras 
	
	Somente II é falsa. 
	
	Todas são verdadeiras 
		
	
	 6.
	Ref.: 663474
	Aula 6: AULA 6
	Pontos: 0,60  / 0,60 
	
	Revoluções implicam, por sua própria essência, em transformações sensíveis que reestruturam paradigmas das mais diversas naturezas (GABRIEL 2012). Sendo assim podemos afirmar sobre Netflix:
		
	
	Até hoje não apresentou ao cliente, de forma mágica, conteúdo de que muitas vezes ele nem ouvira falar e pelo qual acabaria se apaixonando. 
	
	Não tem o poder das recomendações e indicações, como a maioria das empresas. 
	
	Não conseguiu em dez anos, ultrapassar a Blockbusters como distribuidora de conteúdo online via streaming e também coprodutora de conteúdo. 
	
	Usa o banco de dados de consumo de seus assinantes de forma privada, lançou também o seu serviço de vídeo via streaming (é uma forma de distribuição de dados, geralmente de multimídia em uma rede através de pacotes). 
	
	Hoje é apenas uma distribuidora de DVDs via Correios para distribuidora de conteúdo online via streaming e também coprodutora de conteúdo. 
		
	
	 7.
	Ref.: 699837
	Aula 2: AULA 2
	Pontos: 0,60

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.