A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Metodologia e prática do ensino de Matemática e Ciências - Unidade II

Pré-visualização | Página 3 de 11

e na vida do 
homem até o mundo atual, que faz o leitor realizar um exercício de reflexão 
científica que certamente ajudará na preparação de suas aulas de Ciências. 
E a segunda trata dos ecossistemas brasileiros ameaçados.
125
Re
vi
sã
o:
 L
uc
as
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
9/
05
/1
2
METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
O tema transversal Meio Ambiente traz a discussão a respeito da relação 
entre os problemas ambientais e fatores econômicos, políticos, sociais e 
históricos. São problemas que acarretam discussões sobre responsabilidades 
humanas voltadas ao bem-estar comum e ao desenvolvimento sustentado, 
para buscar a reversão da crise socioambiental planetária. Esta discussão 
necessita da fundamentação em diferentes campos de conhecimento. 
Assim, tanto as ciências humanas quanto as ciências naturais contribuem 
para a construção de seus conteúdos (BRASIL. (b), 1997, p. 35).
Assim, em coerência com os princípios da educação ambiental (tema transversal Meio 
Ambiente) e com o objetivo de acabar definitivamente com a crença de que o homem é o senhor 
da natureza e alheio a ela, verifica-se a necessidade de reconstrução da relação homem-natureza, 
de forma a garantir a ampliação do conhecimento acerca de como a natureza se comporta e como 
a vida se processa.
Portanto, é extremamente necessário conhecer o conjunto das relações na natureza para compreender 
o papel fundamental das Ciências Naturais nas decisões importantes sobre os problemas ambientais. 
Assim, podemos dizer que:
[...] um conhecimento profundo dessas relações só é possível através de 
aproximações dos conceitos, procedimentos e atitudes relativos à temática 
ambiental, observando-se as possibilidades intelectuais dos alunos, de modo 
que, ao longo da escolaridade, possam ser aprofundados os conceitos de 
interesse geral (BRASIL. (b), 1997, p. 36).
Como principal referencial teórico para os estudos ambientais, a Ecologia estuda as relações 
de interdependência entre os organismos vivos e desses com os componentes sem vida do espaço 
que habitam, resultando em um sistema aberto denominado ecossistema. De tais relações, é dado 
enfoque nos estudos de diversos fenômenos, como das cadeias e teias alimentares, das relações 
de produção, consumo, descarte e decomposição, do ciclo dos materiais e fluxo de energia, da 
dinâmica das populações, assim como do desenvolvimento e evolução dos ecossistemas. 
Em cada um desses estudos lança-se mão de conhecimentos da Química, da Física, da 
Geologia, da Paleontologia, da Biologia e de outras ciências, o que faz da Ecologia uma ciência 
interdisciplinar.
A título de exemplo da abrangência dos estudos ambientais do ponto de vista das Ciências, podemos 
apresentar duas questões de estudo: o fluxo de energia nos ambientes e as relações dos seres vivos com 
os componentes não vivos do meio. 
Como podemos verificar nos PCN de Ciências Naturais, o conceito de fluxo de energia no ambiente 
pode ser compreendido, em sua amplitude, somente ao reunir noções sobre:
1. fontes e transformações de energia;
126
Unidade II
Re
vi
sã
o:
 L
uc
as
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
9/
05
/1
2
2. radiação solar diferenciada conforme a latitude geográfica da região;
3. fotossíntese (transformação de energia luminosa em energia química dos alimentos produzidos 
pelas plantas) e respiração celular (processo que converte energia acumulada nos nutrientes em 
energia disponível para a célula dos organismos vivos);
4. cadeia alimentar (que sinaliza passagem e dissipação de energia em cada nível da cadeia);
5. dinâmica terrestre (a ocorrência de vulcões);
6. transformações de energia provocadas pelo homem. Esse assunto, por si só, suscita inúmeras 
investigações, como a origem remota dos combustíveis fósseis, formados num tempo muito anterior 
(aproximadamente 650 milhões de anos) ao surgimento do homem na Terra (aproximadamente 
1,5 milhões de anos), a natureza desses combustíveis (hipóteses sobre o processo de fossilização 
em condições primitivas), os processos de extração e refino dos combustíveis (destacados no bloco 
“recursos tecnológicos”) etc.
 Saiba mais
Para refletir sobre as questões das transformações de energia provocadas 
pelo homem e sobre a preocupação com o meio ambiente, é recomendável 
a leitura da obra Usos de energia, de Helena da Silva Freire Tundisi. Nesse 
livro, você é convidado a conhecer uma visão ampla e multilateral da crise 
energética no mundo. 
O conceito de relação dos seres vivos com os componentes não biológicos do meio deve levar em 
conta:
• a relação geral entre plantas e luz solar (fotossíntese), que de fato é específica, considerando-se a 
variação da intensidade luminosa em diferentes ambientes terrestres e aquáticos no decorrer do 
ano, e as adaptações evolutivas dos organismos a essas condições;
• as relações entre animais e luz, considerando-se suas adaptações aos hábitos de vida noturno ou 
diurno;
• as relações entre água e seres vivos, que por si só merecem vários capítulos das Ciências Naturais, 
posto que repor a água é condição para diferentes processos metabólicos (funcionamento 
bioquímico dos organismos), para processos de reprodução (em plantas, animais e outros seres 
vivos que dependem da disponibilidade de água para a reprodução), para a determinação do 
habitat e do nicho ecológico, no caso de seres vivos aquáticos;
• as relações entre solo e seres vivos, que são variadas e muito antigas, pois a formação dos solos é 
considerada consequência dessa relação que ocorre há milhares de anos;
127
Re
vi
sã
o:
 L
uc
as
 -
 D
ia
gr
am
aç
ão
: F
ab
io
 -
 2
9/
05
/1
2
METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CIÊNCIAS
• as relações de seres vivos entre si no espaço e no tempo, determinando a biodiversidade de 
ambientes naturais específicos.
O enfoque das relações entre os seres vivos e não vivos, matéria e energia, em dimensões instantâneas 
ou de longa duração, locais ou planetárias, aplicado aos múltiplos conteúdos da temática ambiental, 
oferece subsídios para a formação de atitudes de respeito à integridade ambiental, observando-se o 
longo período de formação dos ambientes naturais – muito mais remoto que o surgimento do homem 
na Terra – e que a natureza tem ritmo próprio de renovação e reconstituição de seus componentes, por 
meio de processo complexo.
 Observação
Os fundamentos científicos devem contribuir para a formação de 
atitudes dos alunos. Não basta você ensinar, por exemplo, que não se deve 
jogar lixo nas ruas ou que é necessário não desperdiçar materiais, como 
água, papel ou plástico. Para que não sejam dogmas vazios de significados, 
é necessário que você informe aos seus alunos sobre as implicações 
ambientais dessas ações. 
Nas cidades, lixo nas ruas pode significar bueiros entupidos e água de 
chuva sem escoamento, favorecendo as enchentes e a propagação de 
moscas, ratos ou outros veículos de doenças. Por sua vez, o desperdício 
de materiais, considerado no enfoque das relações entre os componentes 
do ambiente, pode significar a intensificação de extração de recursos 
naturais, como petróleo e vegetais que são matéria-prima para a produção 
de plásticos e papel (BRASIL. (b), 1997, p. 37).
Assim, ao realizarem os procedimentos de observação e experimentação, os alunos devem buscar 
informações e estabelecer relações entre os elementos dos ambientes, subsidiados por informações 
complementares oferecidas por outras fontes ou pelo professor.
Nesse contexto, é importante considerar que os conceitos de Ecologia são construções teóricas e 
não fenômenos observáveis ou passíveis de experimentação. Esse é o caso das cadeias alimentares, 
do fluxo de energia, da fotossíntese, da adaptação dos seres

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.