Reanimação Neonatal
4 pág.

Reanimação Neonatal


DisciplinaPediatria e Cirurgia Pediátrica127 materiais889 seguidores
Pré-visualização2 páginas
A Reanimacao Neonatal consiste em práticas de 
cuidado imediato, devendo ser iniciadas dentro do 
primeiro minuto de vida (Minuto de Ouro) 
Equipe: no mínimo 2 a 3 profissionais (enfermeiro, 
técnico e pediatra) 
 
Condições associadas a necessidade de reanimação: 
 
Conferir e preparar todo o material necessário 
1- Avaliação do RN 
Termômetro digital (manter 36,5 a 37,7°C), 
termômetro de parede (temp. da sala: 23 a 26°C), 
estetoscópio, oxímetro de pulso com sensor neonatal, 
monitor cardíaco, bandagem elástica. 
2- Manutenção da Temperatura 
Mesa de reanimação com acesso em 3 lados c/ fonte 
de calor rradiante, 2 campos cirúrgicos, 1 saco de 
polietileno 30x50 cm (recortar gola para touca), touca 
de algodão ou lã, colchão térmico químico. 
3- Aspiração de vias aéreas 
Aspirador a vácuo com manômetro e mangueira látex, 
sonda tranqueal (tam. Nº 6, 8 e 10), 1 dispositivo 
transparente p/ aspiração de mecônio 
4- Ventilação 
Fonte de O2 com mangueira de látex, fonte de ar 
comprimido, misturador de gases (blender) com 
fluxômetro em litros, balão autoinflável com válvula 
de segurança 40 mmHg e reservatório de O2, 
ventilador manual em T c/ circuito completo, máscara 
redonda com coxim de cada tam (nº 00, 0 e 1), 
máscara laríngea nº 1. 
5- Intubação 
Laringoscópio infantil c/ lâminas de cada tam (nº 00, 0 
e 1), 1 fio-guia, cânulas traqueais sem cuff, mín 2 de 
cada tam (nº 2,5/ 3,0/ 3,5/ 4,0 mm), fitas adesivas 
para fixação da cânula, 2 pilhas AA + 2 pilhas 
sobressalentes e 1 lâmpada de laringoscópio 
sobressalente. 
6- Administração de Medicações 
Solução de Adrenalina 1:10000 em seringas 
identificadas de cada tamanho 1ml, 5ml e 10 ml, 2 
ampolas de adrenalina 1:1000, 5 flaconetes de SF 
10ml, 1 frasco de SF 0,9% 100ml, 2 seringas de cada 
tamanho (1, 5, 10, 20 ml), 5 agulhas 40mmx12 mm 
(rosa), 2 torneiras de 3 vias 
7- Cateterismo Umbilical 
Bandeja c/ material estériol, cateteres umbilicais de 
cada tam (nº 3,5-4,0 F e 5,0-6,0 F), lâmina de bisturi, 
fita umbilical de algodão 
 
8- Materiais de Apoio e Avaliação 
Relógio de parede, clamp umbilical, álcool 70% 
p/ higenização das mãos, 2 pacotes com gazes 
estéreis, 1 pct de compressas 
8. Material para Transporte ate a UTI Neonatal 
(minino): 
Incubadora de Transporte sempre ligada a 
tomada e a aquecida - Luz acesa de bateria 
incubadora, Ventilador manual em T com 
Blender e fluxômetro, Oxímetro de Pulso, Bomba 
Perfusora (ou Bomba de Seringa) ligado a rede 
elétrica e com autonomia de bateria, Bala de 
Oxigênio, Bala de Ar Comprimido, Maleta com 
medicações de emergência. 
 
 
Ventilação é mais importante na Ressuscitação 
Neonatal 
 
Precisa ou não de Ressuscitação? 
\uf0b7 É a termo? 
\uf0b7 Está respirando ou chorando? 
\uf0b7 Tem bom tônus muscular (flexão)? 
 
Sim para todas: RN com boa vitalidade \uf0e0 não 
necessita de manobras de reanimação \uf0e0 Leva para a 
mãe \u2013 Pele a pele com a mãe e coberto com uma 
manta seca \uf0e0 Manter Temperatura 
*Clampeamento do cordão: 1 a 3 min RN > 34sem, 30 a 60s 
RN \u226434 sem 
O clampeamento deverá ser imediato em todas as 
situações que comprometem a circulação placentária: 
descolamento prematuro de placenta, placenta prévia ou 
em alterações no cordão como rotura, prolapso e nó 
verdadeiro 
 
Caso uma ou mais das questões seja NÃO 
Categorias de ação em sequência: ABC da 
ressuscitação neonatal 
A. Medidas iniciais de estabilização 
o Aquecer (RN sob fonte de calor) 
o Posicionar a cabeça \u2013 leve extensão 
o Aspirar vias aéreas (se necessário) 
o Secar 
o Reposicionar 
o 
B. Ventilação 
C. Compressões torácicas (massagem cardíaca 
externa) 
D. Administrar adrenalina e/ou usar volume para 
expansão 
 
Avaliação simultânea de: 
\uf0b7 Respiração 
\uf0b7 Frequência Cardíaca \u2013 no mín. 100 
FC é avaliada por meio de: 
-Ausculta do precórdio (durante 6s e x 10) 
-Palpação do pulso (cordão umbilical) 
-Oximetria e monitor cardíaco (ECG) 
 
Bebês com FC inadequada e/ou que não iniciaram 
movimentos respiratórios regulares devem iniciar 
imediatamente a ventilação com pressão positiva (VPP) 
 
Pacientes sem vitalidade adequada ao nascer 
precisam ser conduzidos à mesa de reanimação, 
indicando-se os seguintes passos: 
\uf0b7 Prover calor \uf0e0 pré-aquecer a sala de parto 
(temp. em torno de 23-26°C) 
Manter temp. corporal em RN < 1,5Kg : saco 
plástico e toca 
\uf0b7 Posicionar a cabeça 
\uf0b7 Aspirar vias aéreas (se necessário) \u2013 começar 
pela boca, dps narina 
Pacientes que apresentem obstrução à 
respiração espontânea por secreções 
Necessidade de Ventilação com pressão 
positiva (VPP) 
\uf0b7 Secar e estímulo tátil 
Tais passos devem ser executados em, no máximo, 30 
segundos 
 
Ressuscitação 
Após os cuidados iniciais: 
- Respiração ineficaz ou FC <100 bpm \uf0e0 iniciar VPP 
(bolsa + máscara) \uf0e0 precisa ser iniciada nos primeiros 
60s de vida \u201cThe Golden Minute\u201d 
 
Oxigênio suplementar 
IG\u226524 semanas: iniciar a ventilação com ar ambiente 
 
Acompanhar a StO2 através do oxímetro de pulso 
Oxímetro \u2013 sensor neonatal no Membro Superior 
Direito (área pré-ductal, melhor oxigenação) 
RN \u226534 semanas: região do pulso radial 
RN<34 semanas: no pulso ou na palma da mão 
 
Valores de SatO2 pré-ductais desejáveis, segundo a 
idade: 
Minutos de Vida SatO2 pré-ductal 
Até 5 70-80% 
5-10 80-90% 
>10 85-94% 
 
Nascidos com IG<34 sem 
-Concentração inicial de 30% (blender) 
-O2 suplementar guiado pela oximetria de pulso 
 
Técnica da ventilação com balão e máscara 
FR: 40 a 60ipm \u2013 \u201caperta/solta/solta/aperta...\u201d 
 
Qual é o sinal de que a ventilação está sendo útil na 
ressuscitação? 
1º: Melhora da FC (>100bpm) 
Melhora o tônus muscular 
Respiração espontânea 
 
Falha após 30 s de VPP 
-RN mantém FC <100bpm ou não retoma a respiração 
regular 
Falha na VPP: 
\uf0d8 Corrigir técnica da ventilação 
\uf0d8 Aumentar a oferta de oxigênio 
\uf0d8 Intubação traqueal 
Técnica da ventilação com balão e cânula traqueal 
Indicações: 
o ventilação com máscara ineficaz ou 
prolongada 
o Aplicação de massagem cardíaca e/ou de 
adrenalina 
Falha: após 30 s de VPP c/ balão e cânula traqueal 
 
O RN mantém FC<100bpm ou não retoma a 
respiração espontânea 
 
RN mantém a apneia ou a respiração irregular: 
-Intubação e ventilação mantidas 
-UTI neonatal 
 
RN mantém a FC <60bpm: 
-massagem cardíaca 
 
Relação Massagem-Ventilação 
Sincronia 3:1 
120 movimentos por minuto (90 movimentos de 
massagem e 30 ventilações) 
 
Profundidade das compressões \uf0e0 Aproximadamente 
1/3 do diâmetro anteroposterior do tórax 
 
Falha se: após 45 a 60 segundos de massagem 
cardíaca e VPP com cânula traqueal e oxigênio, o RN 
mantém FC < 60bpm 
Conduta: 
correção da técnica da VPP e massagem \uf0e0 Não há 
melhora \uf0e0 Adrenalina 
Via IV (veia umbilical de acesso fácil e rápido) 
 
Expansores de volume 
Indicação: solução cristaloide isotônica ou sangue 
total, na dose de 10 ml/Kg 
 
Evitando a Síndrome de aspiração meconial (SAM): 
Crianças de que nasceram vigorosas x RN deprimido 
 
Mecônio na sala de parto 
Líquido amniótico meconial x RN asfíxico \uf0e0 
Priorizar o início precoce da ventilação em RN com 
asfixia 
 
Atualmente o inicio rápido da VPP em todo RN 
banhado em mecônio que não apresenta respiração 
regular ou está bradicárdico no primeiro minuto de 
vida 
 
> Pré-termos tardios e pós-termos independente da 
vitalidade ao nascimento, deverão ser encaminhados a 
mesa de reanimação para realização de passos iniciais e 
avaliação de respiração e FC 
> Bebês banhados em mecônio que nascem com vitalidade 
ruim (com apneia ou gasping, hipotônico) devem realizar o 
clampeamento imediato e serem levados a mesa de 
reanimação, iniciado imediatamente passos iniciais 
incluindo obrigatoriamente a aspiração das vias aéreas 
superiores 
Se após os cuidados e avaliação inicial apresentarem 
FC >100 bpm e respiração