A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
111 pág.
ADM 1 SEMESTRE UNOPAR

Pré-visualização | Página 5 de 25

desperdício, e consequentemente promoveria a prosperidade dos patrões e dos empregados.
 
	Saiba Mais
Instrumento administrativo é a metodologia ou técnica estruturada que a Teoria Geral da Administração proporciona para o desenvolvimento do processo de administração e da qualidade decisória nas organizações.
De acordo com Silva (2008), Taylor revolucionou a forma de trabalho através da aplicação de métodos científicos, em várias organizações. Ainda de acordo com o autor, a originalidade desses métodos estava ligada diretamente à visão de engenharia. Taylor não possuía treinamento em administração, ele buscava investigar os procedimentos que deveriam ser realizados.
Segundo Maximiano (2006), trabalhando em uma fábrica de bombas foi Taylor que começou a observar algumas atitudes dos funcionários, chegando à conclusão de que só mesmo os que faziam corpo mole para o trabalho e o entendimento entre gerentes e as relações entre funcionários não eram os de boa cordialidade.
	 
Através de suas observações Taylor apontou alguns problemas de ordem administrativa, sendo que algumas até os dias de hoje são encontradas dentro das organizações.
A administração não tinha noção clara de divisão de suas responsabilidades com o trabalhador.
Não havia incentivos para melhorar o desempenho do trabalhador.
Muitos trabalhadores não cumpriam suas responsabilidades.
As decisões dos administradores baseavam-se na intuição e no palpite.
Não havia integração entre os departamentos da empresa
Os trabalhadores eram colocados em tarefas para as quais não tinham aptidão.
Os gerentes pareciam ignorar que a excelência no desempenho significaria recompensas tanto para eles quanto para as mãos de obras.
Havia conflito entre capatazes e operários a respeito da quantidade da produção. (MAXIMIANO, 2006, p. 38).
“Ao longo de sua carreira, Taylor procurou resolver esses e outros problemas que eram e continuam sendo comuns nas empresas”. (MAXIMIANO, 2006, p. 38).
3. ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO
 
Um dos estudos mais marcantes de Taylor foi a Organização Racional do trabalho (ORT). Com ele, Taylor tentou substituir os métodos empíricos e rudimentares de trabalho por métodos científicos, ficou conhecida por Organização Racional do Trabalho (ORT), se fundamento nos seguintes princípios:
Análise do trabalho e do estudo dos tempos e movimentos;
Estudo da fadiga humana;
Divisão do trabalho e especialização do operário;
Desenho de cargos e de tarefas;
Incentivos salariais e prêmios de produção;
Conceito de homo economicus;
Condições ambientais de trabalho, como iluminação e conforto;
Padronização de métodos e de maquinas;
Supervisão funcional. (CHIAVENATO, 2003, p. 57).
A (ORT) se deu ao fato de que Taylor, notou que os funcionários, aprendiam suas atividades através de observação com os companheiros vizinhos. (CHIAVENATO, 2003).
Taylor foi o criador e participante mais destacado no movimento da administração científica. Taylor é a figura central desse movimento não apenas pela natureza de suas contribuições, mas também porque muitos o reconheciam como sua liderança. (MAXIMIANO, 2006, p. 37).
Taylor com a administração científica teve vários seguidores, porém o destaque fica por conta de Henry Ford que provavelmente seja um dos mais conhecidos, tendo iniciado sua vida como mecânico, que contando com sua capacidade e conhecimento projetou sua primeira indústria de automóvel em 1899, porém fechou-a sem muito sucesso.
	QUESTÃO PARA REFLEXÃO
Quais as competências que preciso desenvolver para ser um gestor de sucesso?
 
	Saiba Mais
O   primeiro “automóvel” criado por Henry Ford foi um quadriciclo.  Pesava 220 Kg e tinha dois cilindros. Não tinha volante, nem marcha ré e oferecia duas possibilidades de velocidade, 16 e 32 Km por hora, além de andar sobre 4 rodas de bicicleta.  Ford testou o famoso quadriciclo em 4 de junho de 1896, às quatro horas da manhã, nas ruas próximas à sua casa alugada em Detroit. :
Disponível em: <http://www.clubedofordinho.com.br/si/site/0025/p/Curiosidades>. Acesso em: 3 abr. 2014
Segundo Chiavenato (2003), Ford foi persistente. Em 1903, fundou a sua segunda fábrica e inovou e popularizou o automóvel, que anteriormente era fabricado em um processo artesanal, atingindo a uma classe que era a dos milionários. A sua ideia foi vender carros a preços baixos, dando total garantia a seus compradores.
“Ford (1863-1947), que otimizou as linhas de montagem, mas manteve situações de miopia nas análises do processo produtivo, tais como a visão muito estreita da realidade dos indivíduos, sem os considerar na plenitude do ser humano”. (OLIVEIRA, 2008, p. 78).
De acordo com Chiavenato (2003), Ford revolucionou as indústria, criando a linha de montagem em série ou também chamada de produção em massa, feito este que o permite a colocar carros no mercando com qualidade e com custo reduzido, sendo o seu diferencial a grande quantidade de peças padronizadas e trabalhadores especializados.
 
	Vídeo
Quer entender um pouco mais sobre a vida de Henry Ford? Convido você a acessar o vídeo Fordismo e Henry Ford.
<http://www.youtube.com/watch?v=al9AZjSbIF8>.
Alguns autores o consideram o pai da produção em massa. Segundo Maximiano (2006), a massificação ou trabalho em série faz com que cada peça ou componente seja montado em qualquer sistema ou produção final. Com o princípio da massificação, surge o controle de qualidade, com o objetivo de trazer uma uniformidade nas peças fabricadas. Com esta padronização Ford procurou simplicidade, diminuindo o número de peças em seus produtos.
A linha de montagem móvel tornou-se realidade para Ford, quando em 1914, fez a montagem do chassi de seus carros, processo pelo qual cada operário introduzia uma parte do carro conforme a esteira ia passando, e com isso diminuiu consideravelmente o tempo de fabricação de um veículo que antes era artesanal e agora mecânica. Veja exemplo:
4. INOVAÇÃO DE FORD
 
De acordo com Maximiano (2006), Ford não somente inovou com a fabricação de carro, tendo como destaque o Ford modelo T, que trazia consigo manual de orientação aos proprietários, inovou também na jornada de trabalho de seus funcionários, quando adotou oito horas diárias e para despertar a fúria de seus concorrentes dobrou o valor do salário de seus funcionários.
Henry Ford desenvolveu três princípios de administração:
Princípio da economicidade: propunha a redução de estoque da matéria-prima em transformação. Através da agilização da sua linha de montagem conseguiu que os carros fabricados em suas indústrias chegassem a mão do consumir com maior rapidez e liquidez.
Princípio da intensificação: com esse processo, o ciclo da finalização do produto diminuiu o que o tornou bem competitivo no mercado.
 Princípio de produtividade: recomenda o máximo de produção dentro de um determinado período por meio de especialização do operado da linha de montagem.
	Saiba Mais
Ford com sua filosofia de produção em série, conseguiu preços baixos e altos salários e organização eficiente do trabalho, destacando-se a rapidez de fabricação. Henry Ford apresentou aos quatro cantos do mundo um grande exemplo de administração eficiente individual que pode ser visto pela história até 
5. TEORIA CLÁSSICA
 
Dentro da abordagem clássica da administração tivemos também a participação importante de Henry Fayol outro personagem que trouxe muita contribuição para administração nos dias de hoje. Ao contrario de Taylor e Ford, que focavam a preocupação com a atividade realizada por cada operário, Fayol tinha a visão voltada para o aspecto geral da estrutura organizacional, que foi denominada de teoria clássica da administração ou simplesmente teoria administrativa.
	Reflexão
Como seria as organizações nos dias de hoje, se não houvesse estudos por parte de Taylor, Fayol e outros estudiosos da administração no inicio do século XX.
A teoria científica e a teoria administrativa buscava a eficiência nas organizações, porém com focos diferentes, pois Taylor se dedicava