A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Atividade complementar de rh

Pré-visualização | Página 1 de 1

Atividade Complementar
Data: 23/08/19
Nome do aluno (a): Beatriz Penna Pedro
Nome do filme: Fome de poder
Nome do autor (a): Robert Siegel
Duração do filme: 1h 55m
Resumo: O filme “Fome de Poder” conta a história de Ray Kroc (Michael Keaton) que, de forma controversa, transformou um pequeno negócio de restaurante com atendimento rápido criado por dois irmãos empreendedores, Dick (Nick Offerman) e Mac (John Carroll Lynch), e um dos maiores conglomerados do mundo, o famoso McDonald´s. O diretor John Lee Hancock, famoso por filmes com trajetórias bonitas e leves, faz aqui um bom trabalho sobre uma história de vida de sucesso profissional, porém com alto custo moral e ético no processo da caminhada de Kroc no mercado do capitalismo selvagem, seja na vida pessoal com seu casamento, seja nos acordos firmados para cada degrau de poder que ele alcança (nisso o título em português do filme é muito feliz, dada a fome do protagonista em alcançar mais e mais sucesso).Um ponto interessante a ser destacado é a quebra da terceira parede na introdução e no desfecho, o que nos coloca na incômoda posição de uma espécie de cumplicidade com esse controverso protagonista e seus meios de alcançar o sucesso profissional a todo custo.Michael Keaton também emprega bastante personalidade ao seu personagem, com trejeitos e forma de falar que trazem um pouco dos excessos de Ray Kroc em seu estilo de caçador de oportunidades de fazer dinheiro, e além disso, podemos destacar também a boa trilha sonora de Carter Burwell, que conduz a história de forma bem perceptível, além do bom trabalho de design de produção da época em que se passa o filme.Um filme interessante que prende bem a atenção sobre até onde Ray Kroc chega com sua fome de poder, mesmo sabendo mais ou menos o final da história dado o óbvio tamanho da marca McDonald´s no mundo
Redação: O começo da minha longa e conflitante reflexão tenho que admitir que fiquei bem brava com o Ray Kroc (o criador da rede de franquias do Mc Donald´s). Afinal, ele teve algumas atitudes no mínimo questionáveis.Mas vamos focar na parte boa e em como ele conseguiu transformar o Mc Donald´s na maior cadeia mundial de restaurantes fast food do mundo e como podemos tirar lições valiosas de toda a história.Quando Kroc visitou pela primeira vez o restaurante dos irmãos Mc Donald´s em San Bernardino, Califórnia, ele teve uma grande e boa surpresa. O comum, na maioria dos drive-ins, consistia em muitas opções demais no menu, garçonetes patinando por todo lado e entregando as refeições dos clientes em seus próprios carros. Mas o que mais caracterizava as lanchonetes tradicionais era a demora na entrega do pedido e, até mesmo, a entrega errada.O que eles estavam oferecendo era bem diferente do comum. Na verdade, o modelo de negócio era uma novidade para praticamente todo mundo que não morava na cidade de San Bernardino.O menu era enxuto, com poucas opções, o atendimento funcionava no modelo self-service e, o que mais encantou Kroc, um sistema de linha de montagem chamado Speedee (que atualmente ainda é usado na grande maioria dos fast-foods), com todos os processos muito bem definidos.Cada um dos funcionários sabia exatamente o que fazer e quando fazer para entregar os lanches dos clientes o mais rápido possível.E, obviamente, sem perder o sabor e a qualidade, que eram essenciais para o sucesso do negócio e para os irmãos Dick e Mac. Era como uma máquina. Todos posicionados em seus devidos lugares, colocando duas fatias de picles em cada hambúrguer, dois jatos de ketchup, dois jatos de mostarda, as batatas sendo fritadas com o tempo cronometrado.
Comentario sobre o filme: Esse filme me fez refletir por um bom tempo como alguns processos, mindset e atitudes podem ser grandes diferenciais para uma empresa de sucesso. E, principalmente, para que uma empresa se diferencie e saia na frente dos seus concorrentes.E as lições que esse filme traz valem tanto para donos de bistrôs a CEOs de startups, ou mesmo para quem teve uma grande ideia, mas está com medo do que estar por vir.