A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
SEMIOLOGIA DA DOR

Pré-visualização | Página 1 de 1

SEMIOLOGIA DA DOR
CONCEITO:
“Dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a uma lesão real ou potencial, ou descrita em termos de tal” (definição da Associação Internacional para o Estudo da Dor - IASP).
A dor é mais que uma resposta resultante da integração central de impulsos dos nervos periféricos, ativados por estímulos locais. É um sinal de alarme e um mecanismo essencial de defesa, sensação penosa, desagradavel, produzida pela excitação de terminações nervosas sensíveis a esses estímulos, e classificada de acordo com o seu lugar, tipo, intensidade, periodicidade, difusão e caráter. 
A DOR COMPREENDE TRÊS MECANISMOS BASICOS:
 
· TRANSDUÇÃO: É o primeiro mecanismo que ocorre para ocasionar a dor. Consiste na ativação dos nociceptores ( receptores sensoriais que enviam sinais causando a percepção da dor em resposta a um estímulo que possui potencial de dano,terminações nervosas livres).
 
· TRANSMISSÃO: permite que o impulso nervoso, gerado a nível dos nociceptores, seja conduzido para estruturas no SNC
 
· MODULAÇÃO: vias responsáveis pela supressão da dor Nociceptores são terminações nervosas livres, difusamente distribuídos pelos tecidos, excitados por estímulos mecânicos, térmicos e químicos.
DECÁGONO DA DOR:
· Localização: Região em que o paciente sente a dor.
· Irradiação: o reconhecimento da localização inicial da dor e sua irradiação pode indicar a estrutura nervosa comprometida.
· Qualidade ou caráter: Solicitar ao paciente que descreva a sensação que percebe:
 Dor latejante ou pulsátil (ex: enxaqueca)
 Dor em choque (ex: lombociatalgiagia)
 Dor em cólica (ex: cólica biliar)
 Dor em queimação (ex: esofagite)
 Dor constritiva (ex: IAM)
 Dor em pontada (ex: pleurítica)
 Dolorimento (ex: musculares)
· Intensidade: Leve, moderada, intensa; Paciente deve classificar a intensidade em uma escala de 0 a 10, sendo 0 a mais leve e 10, a mais intensa.
· Duração: Contínua; Intermitente - marcar data e duração de cada episódio.
· Evolução: Revela a trajetória da dor; Modo de instalação: súbito x insidioso; Possíveis modificações; Características atuais.
· Relação com funções orgânicas: Avaliada considerando-se a localização da dor e os órgãos e estruturas situadas na mesma área; Dor lombar: movimentos de flexão, rotação; Dor torácica: movimentos, respiração, esforços; Dor hipocôndrio direito: alimentos gordurosos; Dor pélvica: micção, evacuação;
· Fatores desencadeantes ou agravantes: Fatores que desencadeiam a dor, como: álcool, alimentos gordurosos, estresse.
· Fatores atenuantes: São aqueles que atenuam a dor: descansar, relaxar, uso de medicação.
· Manifestações concomitantes: - Manifestações neurovegetativas que se devem à estimulação do SNA pelos impulsos dolorosos - sudorese, palidez, taquicardia, náuseas, vômitos.
CLASSIFICAÇÃO TEMPORAL DA DOR:
CLASSIFICAÇÃO FISIOPATOLÓGICA DA DOR:
TIPOS DE DOR:
ALUNA: AÇUCENA MOURA 
PROFESSORA: MARIANA CANCELA
MATÉRIA: PROPEDÊUTICA MÉDICA