A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO-convertido

Pré-visualização | Página 5 de 10

espermático 
 
✓ Movimento em massa; 
✓ Avaliação subjetiva; 
✓ É o movimento em forma de ondas em uma gota 
de sêmen puro; 
✓ Intensidade do movimento: motilidade, vigor e [] 
SPTZ; 
✓ Espécies? – Coletas com VA 
 
Turbilhonamento espermático 
 
Técnica: 
 
✓ 10 µL de sêmen puro em uma lâmina pré-
aquecida (37°C). 
✓ Observar no microscópio na objetiva de 10 ✕. 
✓ Avaliado numa escala de zero a cinco (0-5) 
 
Turbilhonamento espermático 
 
 
 
Motilidade espermática 
 
✓ Avaliação subjetiva; 
✓ Porcentagem (%) de SPTZ que apresentam 
movimento progressivo e retilíneo 
 
Outros tipos de movimento: 
 
✓ Oscilatório 
✓ Retrógrado 
✓ Lateralidade 
 
Motilidade espermática 
 
Um dos principais parâmetros na avaliação da 
capacidade fecundante do sêmen. 
 
Como avaliar? 
 
Análise realizada em microscópio óptico ou contraste de 
fase (10 a 40x); 
 
Uma gota sêmen (10 a 20µL) de sêmen são colocados 
entre a lâmina e lamínula previamente aquecida a 37°C; 
 
Motilidade espermática 
 
✓ Preferencialmente sêmen puro; 
 
✓ Avaliação pode ser dificultada em altas [ ] 
espermáticas; 
 
✓ Diluição em meio diluidor (1:1) - citrato de sódio 
a 3% ou com solução salina 0,9%; 
 
✓ Expressa em percentagem: 0 a 100% Ideal > 
70% 
 
Análise computarizada de espermatozoides 
 
✓ Análise parâmetros baseado na avaliação 
subjetiva resultando em variações de até 60%. 
 
✓ Avaliação objetiva da motilidade e morfologia 
SPTZ 
 
✓ CASA (Computer-assisted Sperm Analysis) - 
sistema computadorizado e automático de 
captura e análise de sucessivas fotos dos 
SPTZ; 
 
✓ Quando unidas, formam um filme com o trajeto 
de cada célula. 
 
✓ Por esse sistema é possível obter informações 
+ precisas e acuradas do movimento de cada 
célula espermática 
 
 
 
Vigor espermático 
 
✓ Representa a VELOCIDADE com que os SPTZ 
se desloca no campo; 
✓ Força de propulsão 
✓ Análise realizada em microscópio óptico ou 
contraste de fase (10 a 40x) 
✓ Classificado em uma escala de 1 – 5 (Ideal > 3) 
 
 
 
 
CONCENTRAÇÃO espermática 
 
✓ Determinada pela quantidade de SPTZ na 
câmara de Neubaueur (câmara de contagem) 
✓ Número de espermatozoides por mm³ → cm³ 
(mL) e no total do ejaculado 
 
 
 
✓ Necessidade de diluição da amostra: 
✓ Formol salino, água destilada ou citrato de 
sódio. 
✓ Diluições: 
o 1:20 Equino, cães (1+19) ou (10Ul 
sêmen em 190uL diluidor) 
o 1:100 a 1:200 Bovinos, suínos 
o 1: 400 Ovinos e caprinos 
Necessidade: Perfeita homogeneização da amostra 
diluída antes de colocar na câmara; 
 
✓ Lâminula sob a câmara; 
✓ Preencher os dois lados da câmara de Neubauer; 
✓ Câmara deve permanecer em repouso horizontal (5 
min) – cels depositem no fundo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
✓ Microscópio para contagem (objetivas de 10 e 
40x); 
✓ Conta–se cinco quadrados grandes (composto 
por outros 16 pequenos quadrados); 
✓ Em cada lado da câmara – totalizando dez 
quadrados grandes 
 
✓ Regra: Contagem em “L invertido” dos 
espermatozoides que se encontram sobre a linha 
(apenas a cabeça do SPTZ) 
 
 
 
 
 
Concentração espermática 
 
✓ Fazer a mesma contagem dos dois lados 
(retículos) 
✓ Uma variação de 10% entre os retículos é 
aceitável, 
✓ Além desse valor indica preenchimento ou 
homogeneização errônea: Recontar! 
 
 
 
O resultado encontrado é referente a concentração de 
espermatozoides no ejaculado por mm3, para converter 
esse dado para mL, basta multiplicá-lo por 103 (1000) – 
Regra de conversão de medidas*! 
 
*1 mL = 1 cm³ = 1.000 mm³ 
 
 
 
 
 
 
Qual a resposta? 
 
70x106 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Considerações finais 
 
✓ A avaliação dos parâmetros seminais 
microscópicos é a última etapa da escolha de 
reprodutores antes de confirmar a fertilidade 
dos mesmos. 
✓ Técnicas modernas de avaliação (CASA) 
podem tornar mais “qualitativa e quantitativa” o 
exame dos espermatozoides ejaculados. 
 
Parâmetros seminais em várias sp. 
 
 
 
 
 
 
 
Características seminais desejáveis para a seleção 
de touros para monta natural. 
 
 
 
Características desejáveis para dose de sêmen 
criopreservado de touros 
 
 
 
Características seminais desejáveis para a seleção 
de bodes para monta natural 
 
 
 
Características desejáveis para dose de sêmen 
criopreservado de bodes e carneiros 
 
 
 
Características seminais desejáveis para a seleção 
de garanhões para monta natural 
. 
 
 
Características desejáveis para dose de sêmen 
criopreservado de garanhões 
 
 
 
Características seminais desejáveis para a seleção 
de cães para monta natural 
 
 
 
Características desejáveis para dose de sêmen 
criopreservado de cães 
 
 
AULA 7 - INTERSEXO E OUTRAS ANOMALIAS DO 
DESENVOLVIMENTO DO APARELHO 
REPRODUTOR NOS ANIMAIS DOMÉSTICOS 
 
 
 INTERSEXO E OUTRAS ANOMALIAS DO 
DESENVOLVIMENTO DO APARELHO 
REPRODUTOR NOS ANIMAIS DOMÉSTICOS 
 
 
 
Conceito: A intersexualidade e outras anomalias do 
desenvolvimento do aparelho reprodutor são: 
 
 
 
 
Estudos indicam: 
 
✓ Malformações genitais e a redução da saúde 
reprodutiva; 
✓ Ocorrem por influência humana na busca de 
animais de alta produção; 
✓ Indicando um aumento no número de genes 
responsáveis por estas alterações presentes no 
concepto devido à consanguinidade. 
 
Em que momento pode ocorrer essas alterações? 
 
 
 
45-55 dias 
 
Há três aspectos para a diferenciação sexual durante o 
desenvolvimento embrionário e fetal 
 
1. Sexo cromossômico 
2. Sexo gonadal 
3. Sexo fenotípico 
 
1. Sexo Cromossômico 
 
Determinado no momento da fertilização 
 
 
 
 
2. Sexo gonadal 
 
✓ Determinado pelo gene SRY ; 
✓ Localizado no cromossomo Y → Responsável 
pela diferenciação dos testículos. 
✓ Se o indivíduo é do sexo genético XX (não 
possui gene SRY); 
✓ Gônada se diferencia em ovário. 
 
3. Sexo fenotípico 
 
✓ Desenvolve de forma ativa no macho → 
estimulado pela testosterona; 
✓ Produzida pelas gônadas diferenciadas (SRY); 
✓ Se os hormônios masculinos estão ausentes → 
tendência passiva é de diferenciação em 
genitália feminina. 
 
 
Como podem ser diagnosticadas? 
 
 
 
Citogenética como diagnóstico de intersexo e outras 
anomalias do desenvolvimento do aparelho reprodutor 
 
✓ Cariótipo; 
✓ FISH (Hibridação Fluorescente in situ); 
✓ PCR (Reação em Cadeia da Polimerase) 
✓ Testes podem ser realizados com amostras de 
diversos tipos de tecidos 
✓ Análise de linfócitos do sangue periférico (+ 
utilizada) 
 
✓ Possibilitam o diagnóstico preciso e precoce de 
um número crescente de condições; 
✓ Na MV ainda é pouco utilizada devido à ↓ 
demanda de profissionais especializados e ao ↑ 
custo dos equipamentos. 
 
 
PRINCIPAIS ANOMALIAS: 
 
✓ Freemartinismo; 
✓ Hermafroditismo; 
✓ Criptorquidismo; 
✓ Síndrome de Turner equina (63, X0); 
✓ Síndrome da insensibilidade androgênica; 
✓ Agenesia; 
✓ Hipoplasia 
 
Freemartinismo: Intersexualidade + frequente nos 
bovinos; Resultante da anastomose dos vasos das 
membranas fetais na gestação gemelar de fetos 
heterossexuais 
 
 
 
Resulta em vários níveis de masculinização do trato 
reprodutivo da fêmea: 
 
✓ Esterilidade, 
✓ clitóris hipertrofiado, 
✓ presença de pelos longos na vulva, 
✓ vagina mais curta, em fundo cego, 
✓ ausência de cérvix, 
✓ Gls mamárias não se desenvolvem 
✓ vestígios de gônadas masculinas. 
 
 
 
Como consequência... 
 
✓ Animal adulto deve apresentar inicialmente: 
✓ Histórico de falha reprodutiva, 
✓ Ausência de comportamento estral e/ou falha 
✓ na concepção na presença do macho 
 
Características do MACHO FREEMARTIN: 
 
✓ Sem alterações significativas na organogênese; 
✓ Crescimento testicular retardado; 
✓ Tendência a degeneração testicular; 
 
 
Quem é o responsável pelo Freemartinismo? 
Acredita-se: 
 
✓ Fator inibidor de Müller (MIF; Produzido pelas 
✓ células de Sertoli) + 
✓ Testosterona (Produzida pelas células de 
✓ Leydig). 
 
Nos estágios iniciais do desenvolvimento nos 
mamíferos: 
 
✓ Feto macho possui os ductos de Wolff: se 
desenvolvem em epidídimo, vasos deferentes e 
vesícula seminal → sob a