A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Neurotransmissão adrenérgica e Colinérgica - Farmacologia

Pré-visualização | Página 2 de 2

B1 – Coração; 
B2 – Relaxamento muscular e da bexiga; 
B3 – Lipólise. 
Importante: Sistema imunológico – toda descarga adrenérgica e noradrenérgica 
é imunossupressora. Queda na imunidade. 
Ex em aula: Relacione a seletividade de receptores alfa e beta à droga: 
Pressão arterial e Frequência cardíaca. 
Fenilefrina – Aumento da pressão arterial e constância da frequência cardíaca. 
Isso faz com que a fenilefrina seja seletiva para alfa 1. 
Epinefrina – Aumenta tanto a PA quanto a FC. Isso faz com que esse fármaco 
seja não-seletivo, ou seja, a noradrenalina atua em ambos os receptores. 
Isoproterenol – Aumento da FC e constância da PA. Isso faz com que esse 
fármaco atue seletivamente nos receptores B1. 
 
 Neurotransmissão noradrenérgica: Controle e liberação. 
 Recaptação 1 – Neuronal, no próprio neurônio que o liberou. 
 Captação 2 – Extraneuronal, em tecidos que não os neuronais. 
Uma das formas de controle é o metabolismo (MAO e COMT) e o outro é o 
sistema de recaptação. 
MAO possui duas isoformas MAO-A (mais seletividade por noradrenalina e 
serotonina) e MAO-B (mais seletividade por dopamina – anti-parkisonianos). 
Primeiros antidepressivos a serem lançados. Inibidores da COMT também são 
utilizados para o tratamento do Mal de Parkinson. 
 Antidepressivos atuais: 
 SSRI – iseletivos, recaptação da serotonina. 
 
 Dopamina: 
 Neurotransmissor relacionado com o Mal de Parkinson, esquizofrenia 
e entre outros. 
 É um dos neurotransmissores mais complexos em termos de ação. 
 A dopamina tem influência tanto no sistema nervoso central quanto no 
sistema nervoso periférico. 
 No SNC ela está localizada em três principais regiões, a região 
responsável pela função endócrina, a região mesocortical e a região 
nigroestriatal (relacionada com o controle motor e Comportamental). 
 
 Doença de Parkinson: 
 Distúrbio neurodegenerativo e progressivo onde ocorre a perda da 
neurotransmissão dopaminérgica na região responsável pelo controle 
motor voluntário. 
 Clinicamente o Parkinson se mostra como tremor de repouso, rigidez 
muscular e hipocinesia. 
 Enquanto o Alzheimer é a perda de neurônio colinérgico na região do 
hipocampo, responsável pela cognição, memória e aprendizado; o 
Parkinson é a perda de neurônios dopaminérgicos na região de 
exclusividade da dopamina. 
 Quando o circuito funcional de controle motor começa a falhar devido 
a falta da dopamina, começam os chamados distúrbios de movimento: 
tremor, atetose/discinesia, distonia e a hipocinesia/bradicinesia tardia. 
 Quem controla o fluxo de dopamina são dois neurotransmissores, o 
GABA e a acetilcolina. Quando falta um neurotransmissor, o outro 
toma conta. 
 
 Tratamento: 
 Os fármacos utilizados tentam aumentar a quantidade de dopamina no 
SN. Existem os inibidores da COMT, os inibidores da MAO-B, os 
substituintes da dopamina (mais utilizados) e os antagonistas 
colinérgicos centrais. 
 Com os antagonistas colinérgicos centrais, nós inibimos a acetilcolina 
na tentativa de que haja uma maior produção da dopamina.