A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
PAPER COMPLETO ESTAGIO

Pré-visualização | Página 1 de 2

ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: O ENSINO DE ARTE
Autor: ADEMILSON DE SOUZA PINHEIRO¹
ANA RITA SOARES DE LIMA¹
Tutor externo: Marivaldo de Jesus Carvalho²
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Curso: Licenciatura em Pedagogia (PED. 2162) – Estágio
07/07/2020
RESUMO 
O presente paper tem como área de concentração O ensino de arte definido diante do tema proposto no projeto de extensão sobre: a arte e seu papel como promotora da inclusão, e tem como objetivo o ensino através das aulas de artes nos anos iniciais do ensino fundamental e de que forma ocorre este ensino voltado para a pessoa com necessidades especiais. Justifica-se também a importância da inclusão escolar através do ensino de artes. Neste trabalho conto com a elaboração do produto virtual “cartilha” que irá como anexo do paper de estágio, ao qual a área de concentração escolhida faz ênfase com a elaboração desta temática, e fala sobre o tema proposto no projeto de extensão: A arte e seu papel como promotora da inclusão e também pelo tema da disciplina de estágio.
Palavras-chave: aluno; professor; escola.
 1 INTRODUÇÃO 2
A presente pesquisa tem como área de concentração O ensino de arte definido diante do tema proposto no projeto de extensão sobre: a arte e seu papel como promotora da inclusão, e tem como objetivo o ensino através das aulas de artes nos anos iniciais do ensino fundamental e de que forma ocorre este ensino voltado para a pessoa com necessidades especiais. Justifica-se também a importância da inclusão escolar através do ensino de artes. Neste trabalho conto com a elaboração do produto virtual “cartilha” que irá como anexo do paper de estágio, ao qual a área de concentração escolhida faz ênfase com a elaboração desta temática, e fala sobre o tema proposto no projeto de extensão: A arte e seu papel como promotora da inclusão e também pelo tema da disciplina de estágio.
Esta temática traz reflexão sobre o papel do professor diante da inclusão, uma vez que o mesmo deve propiciar o manuseio de diferentes materiais como: pincéis lápis de cor, tintas, canetinhas, etc. E também realizar os trabalhos em diferentes suportes tantos tecnológicos e midiáticos, como: papéis, papelão, muro, tecido, plataformas educacionais, etc. Estes materiais devem estar ao alcance dos alunos, para que estes tenham autonomia em pegá-los e escolher o que mais se adequa ao seu cotidiano.
Por fim, vale ressaltar que o ensino de arte permite encontrar o belo em qualquer lugar que seja. Pois muitas vezes o que considera-se “o belo” é, na verdade, mera repetição de padrões que já estão enraizados na sociedade. No entanto, “o belo” pode estar presente em qualquer coisa, até mesmo no que não está dentro dos padrões estéticos. Se o aluno tomar consciência disso, ele se torna mais inclusivo, no sentido de aceitar e respeita as limitações do outro.
Este trabalho está elaborado da seguinte maneira; Resumo; Introdução; fundamentação teórica, vivencia de estágio; impressões do estágio e referenciais bibliográficos.
2 ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: O ENSINO DE ARTE3
A presente pesquisa aborda a temática do ensino de arte, cujo faz relevância a área de concentração escolhida, sua escolha surgiu através do tema proposto para a construção do produto virtual, que possui como tema: A arte e seu papel como promotora da inclusão. Tem como objetivo mostrar quais os benefícios que o estudo da arte pode trazer para o ensino da pessoa com necessidades especiais no ensino fundamental, dentre outros assuntos.
Como pode-se perceber, a arte tem papel fundamental no que diz respeito a inclusão, na história e nos diferentes sistemas culturais, e no que diz respeito aos alunos a arte tem impacto extremamente benéfico.
De acordo com Robinson (1992, p. 54):
A dança é uma potência altamente significativa. A linguagem simbólica que utiliza (em termos de movimento, espaço, tempo) todas as faculdades, tanto cognitivas, como físicas e afetivas. Seria indispensável para o desenvolvimento das crianças que estas pudessem ter acesso a esta forma particular de expressão e de organização simbólica de seu universo, sob pena de uma carência de integração global e um empobrecimento do pensamento e da imaginação. (...) A criança tem direito a dança.
Por tanto, por meio desta arte o aluno pode expressar-se e envolver-se uns com os outros. Robinson (1992, p. 65) diz que, “a experiência da dança é tão exigente e excitante para o professor como é também para o aluno, por que prende o coração de mistério, se é verdade que a dança é a suprema expressão de nossa condição humana”. É de grande importância esta relação do educador neste trabalho corporal, para que se sinta motivado para incentivar os estudantes em processos de aprendizagens onde o corpo possa falar e se expressar em todas as suas dimensões. Vargas (2007, p. 78), também pontua que: “são riquíssimas oportunidades de vivencias sociais e de importantíssima colaboração para a formação da personalidade de nossos meninos, meninas e adolescentes”, sendo eles com ou sem deficiência.
Para Carvalho (2011, p. 28) ao referir que “pensar inclusão a partir da perspectiva da educação na diversidade é reconhecer as diferenças individuais; é reconhecer a existência de limitações que criam barreiras que precisam ser removidas, sem considera-las como obstáculos intransponíveis”.
Por tanto, quando mantemos uma visão de inclusão, sem a intenção de excluir o diferente, percebemos a manifestação de desejos, sentimentos e personalidades que surgem no espaço artístico.
2.1 A IMPORTÂNCIA DA ARTE NO PROCESSO DE INCLUSÃO: O ENSINO DE ARTE.4
A arte torna-se indispensável diante do processo inclusão educacional, uma vez que a mesma está presente na sociedade, segundo FERRAZ & FUZARI (1993, p. 16), [...] a importância da Arte na formação de crianças, jovens e adultos, na educação geral e escolar, está ligada à: “função indispensável que a arte ocupa na vida das pessoas e na sociedade desde os primórdios da civilização, o que o torna um dos fatores essenciais de humanização”.
É de suma importância investir no desenvolvimento da criança através do ensino de arte, pois por meio da arte a mesma desenvolve suas habilidades e potencialidades, despertando assim, seus conhecimentos individuais e sociais. 
Para SALDANHA (1999, p. 11): 
“É preciso compreender a importância do fazer artístico como manifestação da atividade criativa do homem no mundo, para compreender assim a importância da Arte na escola”.
O ensino de arte como já mencionado está presente em todas as coisas, em todos momentos, em todas as disciplinas do currículo de Educação Especial. A disciplina de Arte proporciona ao professor vivencias e descobertas com seus alunos, promovendo nos alunos o autoconhecimento e o desenvolvimento de potencialidades.
Segundo JUNIOR (1999, p. 15):
Cabe a escola encontrar respostas educativas para as necessidades de seus alunos e exigir dela uma transformação. A inclusão na escola seria, então, o processo pelo qual a própria escola adapta-se, transforma-se para poder inserir em suas classes regulares crianças e jovens portadores de necessidades especiais que estão em busca de seu pleno desenvolvimento e exercício da cidadania.
Por tanto, é necessário propor uma educação de qualidade a partir das experiências com a arte, pois a descoberta e a criatividade são um dos aspectos artísticos importantes na aprendizagem.
Para TIBOLA (2001, p.9) A valorização da arte no cotidiano de nossas escolas especializadas tem possibilitado a revelação de talentos imaginéticos. 
Das singelas aulas de educação artística alçamos voos mais altos e os resultados são surpreendentes
3 VIVÊNCIA DO ESTÁGIO
O presente estagio ocorreu na forma virtual, a escolha da escola para a realização do estágio ocorreu via internet, através do site da Secretaria Municipal de Educação da cidade de Breves- Pa. Neste período de Estagio Obrigatório foram realizados os seguintes procedimentos: produção do produto virtual cartilha, paper e projeto de estágio, que contribuíram