A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
6 - Exame Neurologico - Síndromes Neurológicas

Pré-visualização | Página 2 de 3

de interrogação, 
pois se trata de uma Síndrome clássica de neuropatia, 
Sensibilidade periférica ganhando a medula para subir 
órtex pode ocorrer por diversos trajetos. Nesse 
SENSIBILIDADE 
: o estimulo é 
recebido e caminha pelo mesmo lado em que foi 
/coluna posterior – 
), até que chega em uma região 
lemnisco medial, onde 
 
TATO PROTOPÁTICO (mais grosseiro), DOR e 
: logo após receber o estímulo, 
de lado. Assim, esse estímulo 
medula (trato 
espinotalâmico lateral e anterior), chega ao 
 
SÍNDROME MEDULAR CENTRAL 
Acomete, principalmente, o Trato 
afeta principalmente 
. Desse modo, 
se dizer que o trato espinotalâmico anterior 
(sensibilidade tátil), coluna posterior da medula 
(sensibilidade profunda, tato epicrítico, sensibilidade 
vibratória, propricepção) foram poupados. 
 A doença clássica que promove esse quadro é 
a Seringomielia, na qual há um 
região central da medula
modo, como se trata de um 
acometimento bilateral, existe uma 
perda da sensibilidade térmica e 
dolorosa dos dois lados do corpo do 
nível afetado para baixo. 
 
SÍNDROME MEDULAR ANTERIOR
 É bastante rara e ocorre 
por obstrução da artéria espinal 
anterior, acometendo 
bilateralmente o trato 
espinotalâmico lateral e anterior
Diante disso, existe perda da 
sensibilidade térmica e doloro
(devido o acometimento do trato espinotalâmico 
lateral) e perda da sensibilidade do tato protopático 
(do tato mais grosseiro, devido a lesão no trato 
espinotalâmico anterior). 
Fascículos Grácil e Cuneiforme. 
 
HEMISECÇÃO MEDULAR
SÉQUARD 
 Ilustra-se uma 
hemissecção medular que 
ocorreu no lado esquerdo
em que há uma perda 
tanto do trato 
espinotalâmico lateral e 
anterior do lado esquerdo
como houve uma perda 
dos neurônios da coluna posterior do lado esquerdo
Nesse sentido, espera
hemissecção medular (não completa
traumática) do lado esquerdo provoque: 
 perda da sensibilidade térmica, dolorosa e do tato 
protopático contralateral a lesão
estímulos cruzam logo que chegam a medula, 
portanto, essa perda afetará 
do nível afetado pela lesão (para baixo)
 perda da sensibilidade vibratória, da 
propriocepção e do tato epicritico ipslateral a 
lesão (perda afetará o 
PM IV – Elisson – Neuro 3 
(sensibilidade profunda, tato epicrítico, sensibilidade 
vibratória, propricepção) foram poupados. 
A doença clássica que promove esse quadro é 
, na qual há um cisto acometendo a 
região central da medula. Desse 
modo, como se trata de um 
, existe uma 
perda da sensibilidade térmica e 
dolorosa dos dois lados do corpo do 
 
SÍNDROME MEDULAR ANTERIOR 
bastante rara e ocorre 
obstrução da artéria espinal 
acometendo 
bilateralmente o trato 
espinotalâmico lateral e anterior. 
perda da 
sensibilidade térmica e dolorosa 
(devido o acometimento do trato espinotalâmico 
perda da sensibilidade do tato protopático 
mais grosseiro, devido a lesão no trato 
 Existe uma preservação dos 
Fascículos Grácil e Cuneiforme. 
HEMISECÇÃO MEDULAR/SÍNDROME DE BROWN-
SÉQUARD 
se uma 
hemissecção medular que 
ocorreu no lado esquerdo, 
perda 
tanto do trato 
espinotalâmico lateral e 
anterior do lado esquerdo, 
perda 
dos neurônios da coluna posterior do lado esquerdo. 
Nesse sentido, espera-se que uma 
hemissecção medular (não completa, normalmente 
) do lado esquerdo provoque: 
perda da sensibilidade térmica, dolorosa e do tato 
protopático contralateral a lesão (já que esses 
estímulos cruzam logo que chegam a medula, 
portanto, essa perda afetará o lado direito), a partir 
do nível afetado pela lesão (para baixo) 
perda da sensibilidade vibratória, da 
propriocepção e do tato epicritico ipslateral a 
rá o lado esquerdo mesmo, pois 
 
Talita Navarro – T5 
os estímulos dessas sensibilidades só cruzam na 
altura do lemnisco medial, ou seja, ainda não 
cruzaram na altura em que a lesão ocorreu)
 
SECÇÃO MEDULAR 
 Consiste na secção completa da medula, em 
que todas as modalidades de sensibilidades seriam 
perdidas do ponto lesionado para baixo
 
SÍNDROME CORDONAL POSTERIOR
 Seria o acometimento mais específico do 
cordão posterior da medula, ou seja, os 
grácil e cuneiforme seriam acometidos
haveria a perda da sensibilidade 
vibratória e da propriocepção 
bilateralmente. Uma doença clássica 
aqui envolvida seria a Sífilis Terciária 
(Tabes Dorsalis). 
 
SÍNDROME DA DEGENERAÇÃO COMBINADA DA 
MEDULA 
 Ocorreria, principalmente, pela doença clássica
deficiência de vitamina B12, o que provocaria um 
acometimento e disfunção do cordão posterior (de 
modo que fascículos grácil e cuneiforme seriam 
acometidos), bem como o trato espinotalâmico 
lateral seria afetado. Assim sendo, haveria 
sensibilidade vibratória e da 
(fascículos), sensibilidade dolorosa e 
sensibilidade térmica (trato 
espinotalâmico lateral). Ademais, 
ocorre um acometimento do feixe 
piramidal, desencadeando sintomas 
motores. 
 
SÍNDROME DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA 
(Idiopática) ou PSEUDOTUMOR CÉLEBRE
 Ao se pensar em aumento no volume 
intracraniano, pode-se deparar com situações de 
hipertensão intracraniana, sobretudo em situações de 
traumas, em que pode ocorrer um hematoma 
intraparenquimatoso, hematoma subdural, hematoma 
extradural aumentando a pressão intracraniana. 
Nesses dois últimos tipos de hematomas (subdural e 
extradural), deve-se atentar para o intervalo lúcido
em que o paciente pode estar, aparentemente, bem, 
mas em pouco tempo existe um rebaixamento 
FPM IV 
os estímulos dessas sensibilidades só cruzam na 
altura do lemnisco medial, ou seja, ainda não 
cruzaram na altura em que a lesão ocorreu) 
Consiste na secção completa da medula, em 
de sensibilidades seriam 
perdidas do ponto lesionado para baixo. 
SÍNDROME CORDONAL POSTERIOR 
Seria o acometimento mais específico do 
cordão posterior da medula, ou seja, os fascículos 
grácil e cuneiforme seriam acometidos. Portanto, 
SÍNDROME DA DEGENERAÇÃO COMBINADA DA 
doença clássica 
, o que provocaria um 
acometimento e disfunção do cordão posterior (de 
fascículos grácil e cuneiforme seriam 
trato espinotalâmico 
. Assim sendo, haveria perda da 
e da propriocepção 
SÍNDROME DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA 
OR CÉLEBRE 
Ao se pensar em aumento no volume 
se deparar com situações de 
hipertensão intracraniana, sobretudo em situações de 
traumas, em que pode ocorrer um hematoma 
intraparenquimatoso, hematoma subdural, hematoma 
do a pressão intracraniana. 
Nesses dois últimos tipos de hematomas (subdural e 
intervalo lúcido, 
em que o paciente pode estar, aparentemente, bem, 
mas em pouco tempo existe um rebaixamento 
importante do nível de consciên
atentar também para as neoplasias, infecções que 
podem cursar com essa síndrome, a qual se caracteriza 
por apresentar: 
 cefaléia refratária aos analgésicos e que, na maioria 
das vezes, é de piora gradual
 vômitos, muitas das vezes, incoercíveis, em jato
(não precedido por náuseas ou vômitos, repentino)
 Tríade de Cushing (Clássica
bradicardia e irregularidade 
sendo que paciente está quase com uma herniação 
cerebral, logo, as medidas invasivas para 
descompressão e alívio da pressão intracraniana 
devem ser tomadas 
 Edema bilateral de papila
comprometimento visual
 Paralisia do VI par craniano
para lateral), culminando em um estrabismo 
convergente 
 Alteração e rebaixamento no nível de consciência
 Convulsões (em alguns casos pode ocorrer)
Há várias etiologias que podem desencadear 
essa síndrome, logo, deve
para tentar descobrir a causa, mas, independente da 
causa, essa síndrome necessita de um tratamento 
rápido. 
 
SÍNDROME CEREBELAR
 O paciente com essa síndrome é análogo a um 
alcoólatra. Deve-se pensar nos tumores cerebelar
(de fossa posterior), nas doenças genéticas (ataxias 
espinocerebelares que podem cursar com essa 
síndrome). Essa síndrome apresenta, portanto:
 Ataxia, ou seja, alteração na marcha, base alargada, 
perda de equilíbrio 
 Tremor de intenção 
 Dismetria e disdiadococinesia
testes, em que a pessoa tem dificuldade para 
acertar corretamente o alvo (por exemplo,