A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Aterosclerose

Pré-visualização | Página 1 de 3

Aterosclerose 
Definição 
A aterosclerose é um quadro clínico no qual depósitos de material gorduroso (ateromas ou placas 
ateroscleróticas) se desenvolvem nas paredes das artérias de médio e grande porte, levando a um 
fluxo sanguíneo reduzido ou bloqueado. 
 A aterosclerose é causada por lesão repetida nas paredes das artérias. 
 Muitos fatores contribuem para essa lesão, incluindo hipertensão arterial, tabagismo, diabetes 
e níveis de colesterol no sangue. 
 A obstrução dos vasos sanguíneos resultante de aterosclerose é uma causa comum de ataque 
cardíaco e acidente vascular cerebral. 
 Muitas vezes, os primeiros sintomas são dores ou cãibras quando o fluxo sanguíneo não 
consegue suprir as demandas de oxigênio dos tecidos. 
 Para prevenir a aterosclerose, as pessoas precisam parar de fumar, melhorar sua dieta, 
praticar exercícios físicos regularmente e manter o controle de sua pressão arterial, nível de 
colesterol e diabetes. 
 A progressão da aterosclerose para essas complicações de risco à vida, como um ataque 
cardíaco ou acidente vascular cerebral, requer tratamento emergencial. 
 A aterosclerose pode afetar as artérias de médio e grande porte do cérebro, coração, rins, 
outros órgãos vitais e pernas. 
 Trata-se do tipo mais importante e mais comum de arteriosclerose. 
Arteriosclerose 
Arteriosclerose, que significa endurecimento (esclerose) das artérias, é um termo geral para 
várias doenças em que a parede de uma artéria torna-se mais espessa e menos elástica. 
Existem três tipos: 
 Aterosclerose 
 Arteriolosclerose 
 Arteriosclerose de Mönckeberg 
Aterosclerose 
 Tipo mais comum 
 Significa endurecimento relacionado a placas 
 São depósitos de materiais gordurosos 
 Ela afeta as artérias de médio e grande porte 
Arteriolosclerose 
 Significa endurecimento das arteríolas, que são pequenas artérias 
 Ela afeta principalmente as camadas internas e intermediárias das paredes das arteríolas 
 As paredes engrossam, estreitando as arteríolas 
 Como resultado, os órgãos abastecidos pelas arteríolas afetadas não recebem sangue 
suficiente 
 Os rins são afetados frequentemente 
 Esse distúrbio ocorre principalmente em pessoas que têm hipertensão arterial ou diabetes 
 Qualquer uma destas doenças pode afetar as paredes de arteríolas, resultando em 
espessamento 
 
Arteriosclerose de Mönckeberg 
 Afeta artérias de pequeno a médio porte. 
 Ocorre o acúmulo de cálcio dentro das paredes das artérias, o que as torna rígidas, mas sem 
estreitamento. 
 Esse distúrbio essencialmente inofensivo geralmente afeta homens e mulheres com mais de 
50 anos. 
Causas 
O desenvolvimento da aterosclerose é complicado, mas o evento primário parece estar 
relacionado a lesões sutis e repetidas no revestimento interno das artérias (endotélio) através de 
vários mecanismos. 
Esses mecanismos incluem 
 Tensões físicas decorrentes de fluxo sanguíneo turbulento (como o que ocorre no local em 
que as artérias se ramificam, principalmente em pessoas que têm hipertensão) 
 Tensões inflamatórias envolvendo o sistema imunológico (como quando as pessoas fumam 
cigarros) 
 Anormalidades químicas na corrente sanguínea (como colesterol alto ou nível alto de açúcar 
no sangue como ocorre no diabetes mellitus) 
Infecções por algumas bactérias ou vírus (como Chlamydia pneumoniae ou citomegalovírus) 
também podem aumentar a inflamação no revestimento interno da artéria (endotélio) e levar à 
aterosclerose. 
Formação de Placas 
 A aterosclerose começa quando a parede da artéria lesionada cria sinais químicos que fazem 
com que certos tipos de leucócitos (monócitos e células T) se adiram à parede da artéria. 
 Essas células se movem para a parede da artéria. 
 Nessa região, elas são transformadas em células espumosas que coletam colesterol e outros 
materiais gordurosos e desencadeiam o crescimento de células do músculo liso na parede da 
artéria. 
 Com o tempo, essas células espumosas carregadas de gordura se acumulam. 
 Elas formam depósitos irregulares (ateromas, também chamados de placas) com uma 
cobertura fibrosa no revestimento da parede da artéria. 
 Com o passar do tempo, há o acúmulo de cálcio nas placas. 
 As placas podem se espalhar por todas as artérias médias e grandes, mas elas geralmente 
começam onde as artérias se ramificam. 
Ruptura de Placa 
 As placas podem crescer dentro da abertura (lúmen) da artéria, provocando um estreitamento 
gradual. 
 Quando a aterosclerose estreita uma artéria, os tecidos supridos pela artéria podem não 
receber sangue e oxigênio em quantidade suficiente. 
 As placas também podem crescer na parede da artéria, onde não bloqueiam o fluxo de sangue. 
 Ambos os tipos de placas podem se romper, expondo o material na corrente sanguínea. 
 Esse material desencadeia a formação de coágulos de sangue. 
 Esses coágulos de sangue podem bloquear todo o fluxo sanguíneo através de uma artéria 
repentinamente, evento que é a principal causa de um ataque cardíaco ou acidente vascular 
cerebral. 
 Às vezes, esses coágulos sanguíneos se desprendem, viajam através da corrente sanguínea e 
bloqueiam uma artéria em outras partes do corpo. 
 Da mesma forma, pedaços da placa podem se desprender, viajar através da corrente 
sanguínea e bloquear uma artéria em outros lugares. 
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-do-cora%C3%A7%C3%A3o-e-dos-vasos-sangu%C3%ADneos/hipertens%C3%A3o-arterial/hipertens%C3%A3o-arterial
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-hormonais-e-metab%C3%B3licos/dist%C3%BArbios-relacionados-ao-colesterol/dislipidemia
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-hormonais-e-metab%C3%B3licos/diabetes-mellitus-dm-e-dist%C3%BArbios-do-metabolismo-da-glicose-no-sangue/diabetes-mellitus-dm
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-do-cora%C3%A7%C3%A3o-e-dos-vasos-sangu%C3%ADneos/doen%C3%A7a-arterial-coronariana/s%C3%ADndromes-coronarianas-agudas-ataque-card%C3%ADaco-infarto-do-mioc%C3%A1rdio-angina-inst%C3%A1vel
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-cerebrais,-da-medula-espinal-e-dos-nervos/acidente-vascular-cerebral-avc/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-o-acidente-vascular-cerebral
https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-cerebrais,-da-medula-espinal-e-dos-nervos/acidente-vascular-cerebral-avc/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-o-acidente-vascular-cerebral
Fatores de Risco Para Aterosclerose 
Alguns fatores de risco para a aterosclerose podem ser modificados. Os fatores de risco 
modificáveis incluem: 
 Tabagismo 
 Níveis altos de colesterol no sangue 
 Hipertensão arterial 
 Diabetes 
 Obesidade 
 Sedentarismo 
 Baixo consumo diário de frutas e legumes 
Os fatores de risco que não podem ser modificados incluem: 
 Ter histórico familiar de aterosclerose precoce (ter um parente próximo do sexo masculino que 
desenvolveu a doença antes dos 55 anos ou uma parente próxima que desenvolveu a doenças 
antes dos 65 anos) 
 Idade avançada 
 Ser do sexo masculino 
Há muitos fatores de risco que ainda estão sendo estudados, como níveis elevados de proteína C 
reativa (uma proteína inflamatória) no sangue, níveis de alguns componentes do colesterol, como 
apolipoproteína B ou lipoproteína (a), e fatores psicossociais (como ansiedade ou baixo nível 
socioeconômico). 
O Tabagismo e a Aterosclerose 
 Um dos fatores de risco modificáveis mais importantes é o tabagismo. 
 O risco de um fumante desenvolver algumas formas de aterosclerose, tais como doença 
arterial coronariana, está diretamente relacionado com a quantidade de tabaco fumada 
diariamente. 
 O risco de um ataque cardíaco triplica em homens e aumenta seis vezes em mulheres que 
fumaram 20 ou mais cigarros por dia em comparação com os não fumantes. 
 Em pessoas que já têm um alto risco de doença cardíaca, o uso do tabaco é particularmente 
perigoso. 
 
 O uso do tabaco diminui o nível de