A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Aula 1 - Conceitos Nutricionais

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIFACS – UNIVERSIDADE SALVADOR
Curso: Medicina
Disciplina: Processos Nutricionais e Metabólicos (PNM)
Data: 01/09/2020
Nutrologia Conceitual - AULA 1· Energia é a quantidade de calor necessária para a gente conseguir elevar a temperatura da água em 1 grau C, isso é a definição de energia. No Brasil a gente mede a energia em calorias, logo 1 cal=4,1868J. Nós também utilizamos como medida a quilocaloria (Kcal). 
· Já Gasto energético total (GET) ou Valor Energético Total é tudo de energia que a gente precisa em um dia para manter as nossas funções vitais, fazer nossas atividades físicas e ainda para queimar os alimentos, fazer a quebra e absorver. 
Então, o Gasto energético total (GET) é composto pelo Gasto energético em repouso (gasto de energia que a gente tem para ficar em repouso, ou seja, só para respirar, sem usar nenhuma musculatura adicional) + Efeito térmico dos alimentos ( é o que a gente gasta para digerir os alimentos) + Gasto por atividade física. 
Só existe um método para aferir com precisão o nosso gasto energético, que é a calorimetria direta. Porém a calorimetria direta precisa de equipamentos muito caros, sendo usada apenas para pesquisas. Na nossa prática diária médica, é usada a calorimetria indireta, sendo esta considerada padrão ouro para estimar o mais próximo possível o gasto energético. 
A calorimetria indireta é feita através de um equipamento, caro também, onde você acopla uma máscara ao paciente e vai medir quanto de O2 ele inspirou e quanto de CO2 ele expirou ao longo de um período de tempo. Pega as duas informações, coloca na fórmula e encontra o gasto daquele paciente. A calorimetria pode ser feita com o paciente em repouso ou com o paciente em uma esteira, a ergocalorimetria. 
Harris-Benedict perceberam que o gasto energético era diferente entre homem e mulher e desenvolveram uma fórmula para estimar, diferente para cada sexo. Perceberam que o gasto energético é proporcional ao sexo, a idade, a altura e ao peso. Então essa fórmula preditiva é o que mais se aproxima ao que a calorimetria iria mostrar para a gente. 
Porém, na praticidade, para uso diário e rápido, outros pesquisadores criaram as fórmulas de bolso. Aqui eu trago uma variação de 25-35 Kcal/Kg/dia, que fica mais fácil. Eu olho o paciente, a depender da condição clínica do paciente, eu consigo fazer mais rapidamente olhando a fórmula de bolso, se eu desejo ganho de peso aumento a relação da fórmula, se eu quero perda de peso, diminuo essa relação. 
 
Vamos falar agora de nutrientes... 
Nutriente é qualquer elemento composto necessário para o metabolismo de um organismo vivo. Ele pode ser dividido em 2 grandes grupos, macronutrientes e micronutrientes. Os macronutrientes se resumem em proteínas, carboidratos, gorduras e a água. Os micronutrientes são as vitaminas e minerais. 
 
Sobre as proteínas: 
Os aminoácidos essenciais são aqueles que nosso corpo não é capaz de produzir, são adquiridos com a dieta. A presença de nitrogênio diferencia as proteínas dos outros macronutrientes. Para você avaliar o balanço proteico do paciente, a gente precisa saber quanto de nitrogênio eu estou dando e quanto de nitrogênio está eliminando, porque a gente só recebe nitrogênio na forma de proteína. E a gente pode analisar a quantidade de nitrogênio que tá sendo eliminado através da urina. 
**A gente pode classificar as proteínas (só a título de conhecimento)**
E quais são as funções das proteínas?
Entrando agora nos Carboidratos. Os carboidratos são hidratos de carbono, possuem carbono e água, juntos. 
Quanto à classificação: 
 
· Lembrando que a sacarose é o açúcar de mesa.
· Já os polissacarídeos indigeríveis são as fibras.
Funções:
LIPÍDEOS 
Quando pensar em gordura, vocês podem falar de três tipos de gordura: os ácidos graxos (os que vão formar os triglicerídeos), os esteróis e os fosfolípides (que estão na membrana das células).
Os ácidos graxos são classificados em saturados e insaturados.
· Os ácidos graxos monoinsaturados possuem apenas uma ligação dupla entre os carbonos, enquanto os poli-insaturados, possuem mais de uma na molécula. 
· A nomenclatura cis ou trans refere à disposição espacial dessas moléculas. A cis normalmente é em forma de U, enquanto a trans fica na forma de um Z. 
· Existe também a diferença entre ácidos graxos de cadeia média e cadeia longa. Ác. graxos de cadeia média, tem em torno de até 16 carbonos, acima disso já é de cadeia longa. Então óleo de coco, por exemplo, é um ácido graxo saturado de cadeia média, quanto o óleo de girassol é de cadeia longa. Isso tem a ver com absorção dos tipos de gordura. 
Tem também a questão do ômega. Ômega diz respeito à onde está a ligação dupla desse ácido graxo poli-insaturado. Então, quando eu falo ômega 3, por exemplo, significa que no terceiro carbono está minha primeira ligação dupla, quando eu falo ômega 6, significa que minha ligação dupla está no sexto carbono. Assim, existem vários ác. graxos no ômega 3, vários ácidos no ômega 6 e também no 9. 
E O QUE ACONTECE QUANDO TEMOS VÁRIAS COMBINAÇÕES DE ÔMEGA ENTRE SI DENTRO DE UM ÓLEO? Vai fazer uma atividade mais pró-inflamatória ou anti-inflamatória.
Logo, quando se falar em ômega, tem que saber que é uma gordura insaturada. Quais as funções dos lipídeos? 
Lembrando que os lipídeos compõem a gordura perirrenal, a bainha de mielina, estruturas importantes. Por isso que na criança, por exemplo, a gente pode complementar um óleo na dieta, para ajudar na formação da bainha de mielina. 
VITAMINAS
 
(
 
=
 a cofator
)
 
As vitaminas classificadas como lipossolúveis não são eliminadas na urina e precisam da gordura para serem absorvidas. Algumas vitaminas em excesso são eliminadas na urina, por isso não faz sentido uma pessoa com dieta balanceada estar tomando vitamina C, porque vai sair pela urina. 
Sobre a vitamina A, quando falamos em vitamina A estamos nos referindo a um grupo de substâncias cujo composto é o mesmo. 
 
A gente só tem vitamina A pronta de origem animal, nos vegetais a gente tem uma precursora da vitamina A. 
Temos a vitamina D também, que agora está na moda. A gente pode adquirir de forma endógena, pela pele ou de forma exógena, através dos alimentos. 
 
A vitamina D está sendo bem cotada agora, mas na verdade a gente ainda nem tem um consenso para referência da dosagem de vitamina D. 
A vitamina E é uma vitamina lipossolúvel. Tem função antioxidante, está preparada para receber ou doar eletróns em ações químicas do metabolismo. Existem estudos mostrando que a vitamina E em excesso está relacionada ao câncer, porque em excesso passa a ser oxidante. Então a gente só suplementa para quem realmente precisa. 
Temos também a vitamina k, que é uma vitamina lipossolúvel. Sua função principal é na cascata de coagulação. 
 
Partindo para as vitaminas hidrossolúveis temos a vitamina C, chamada também de ácido ascórbico. 
 
Nós temos também as vitaminas do complexo B. B1, B2, B3, B5, B6, B9, B12 e ácido fólico, que algumas pessoas também colocam como do complexo B.
A maior parte das vitaminas do complexo B vem de origem animal, por isso que quem é vegano normalmente precisa de suplementação de vitaminas do complexo B. Elas atuam em diversas funções no organismo. 
 
MICRONUTRIENTES
São elementos necessários em pequenas quantidades diárias, normalmente não são encontrados sozinhos na corrente sanguínea, eles estão ligados a alguma outra molécula e tem algumas funções. 
 
 
CÁLCULOS NUTRICIONAIS 
Ex: Peso: 52 kg 
Altura: 1,68 m 
IMC: 18,4 -> um pouco abaixo do ponto de corte, então a gente calcula as necessidades nutricionais. A gente pode trabalhar com uma fórmula de ganho de peso, ou então eu calculo um peso ideal e trabalho para chegar nesse peso ideal. 
· Quando a gente quer fazer manutenção de peso, a gente usa aquele valor de 25 a 30 kcal por dia. Quando a gente quer promover ganho de peso é acima de 30 kcal e perda de peso é abaixo de 25 kcal. Isso é uma fórmula mais prática. 
Então com esse exemplo, vamos considerar 32kcal, querendo que ela ganhe um pouquinho de peso.