A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
apol 01 - HISTÓRIA DA FILOSOFIA ANTIGA

Pré-visualização | Página 1 de 2

Questão 1/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o texto a seguir: 
“Convenção (nómos) é aquilo que não é por natureza (phýsis), mas por opinião e por acordo entre os 
homens. A percepção das qualidades das coisas é subjetiva, isto é, depende das disposições do corpo de 
cada um […] de tal modo que diferentes homens terão diferentes percepções das coisas, e um mesmo 
homem, dependendo das disposições de seu corpo, terá percepções diferentes da mesma coisa”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da Filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 123. 
O texto acima se refere à teoria do conhecimento desenvolvida pelos filósofos atomistas. Conforme o livro-
base Introdução à Filosofia Antiga, Demócrito e Leucipo não são relativistas, porque: 
Nota: 0.0 
 
A as sensações dependem, em parte, da forma dos átomos e não são, portanto, inteiramente subjetivas. 
“Demócrito parece considerar, portanto, que o sujeito tem certa autonomia no ato de conhecer, na medida em que ‘traduz’ 
qualitativamente (doce, amargo, frio, quente) o que no próprio objeto é determinada constituição atômica. Aquela autonomia, 
porém, seria restrita: a liberdade de convencionar estaria limitada pelo tipo de átomo que compõe o objeto” (p. 114-115). 
 
B eles julgam que o ser é uno e imóvel, o que nega a mobilidade e a transitoriedade da realidade sensível. 
 
C eles postulam, assim como os demais pré-socráticos, a existência de um único princípio organizador do cosmo. 
 
D as percepções são, segundo Demócrito e Leucipo, determinadas pelos átomos e não pelos sujeitos. 
 
E os átomos são considerados partículas unas e indivisíveis que não admitem, portanto, o movimento. 
 
Questão 2/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o texto a seguir: 
“A filosofia pré-socrática é uma cosmologia ou física, tem o mundo como sua preocupação; a filosofia do 
período socrático é uma antropologia, isto é, tem o homem como sua preocupação principal”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: CHAUÍ, Marilena. Introdução à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 50. 
De acordo com o livro-base Introdução à Filosofia Antiga, o interesse dos filósofos do período 
antropológico se concentrava em quais disciplinas filosóficas? 
Nota: 10.0 
 
A Na lógica e na física. 
 
B Na metafísica e na lógica. 
 
C Na física e na ética. 
 
D Na ética e na política. 
Você acertou! 
Decorre daí a forma de nomearmos este período de antropológico: período no qual a preocupação da filosofia está em 
compreender a ética, a política, a virtude, as técnicas (p. 69-71). 
 
E Na política e na metafísica. 
 
Questão 3/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o texto a seguir: 
“Não existem formas ou ideias puras como no mundo inteligível platônico. […] Tipos gerais, gêneros e 
espécies (animal, mamífero etc.) só existem como resultado deste processo de abstração a partir da forma 
de cada um desses objetos concretos”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: MARCONDES, D. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005. p. 72. 
O texto acima se refere à parte da crítica de Aristóteles a seu mestre, Platão. De acordo com o livro-base 
Introdução à Filosofia Antiga, o que significa a concepção aristotélica de hilemorfismo? 
Nota: 10.0 
 
A A ideia de que as formas das coisas estão no mundo suprassensível. 
 
B A noção de que não existem gêneros ou tipos gerais mas apenas indivíduos. 
 
C A compreensão de que o mundo suprassensível é incognoscível. 
 
D A ideia de que a matéria, por oposição à forma, tem primazia no conhecimento. 
 
E A noção de que todos os indivíduos são compostos de forma e matéria. 
Você acertou! 
“Para Aristóteles, as ideias das coisas estão nas próprias coisas, e não em um mundo suprassensível, em um mundo ideal”. (p. 
177). 
“Diante dessa perspectiva, podemos compreender também a concepção aristotélica do chamado hilemorfismo teleológico (do 
grego, hylé significa matéria e morphé significa forma): todas as coisas são constituídas de dois princípios constitutivos 
básicos e fundamentais, são constituídos por matéria e forma (esta é a doutrina do hilemorfismo de Aristóteles)”. (p. 182). 
 
Questão 4/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o texto a seguir: 
“Górgias – […] a retórica nada tem a ver com a atividade das mãos, sendo alcançados por meio de discursos 
todos os seus atos e realizações. É por isso que eu considero a retórica a arte dos discursos […] 
Sócrates – Então dize a respeito de quê. A que classe de coisas se referem os discursos de que se vale a 
retórica? 
Górgias – Aos negócios humanos, Sócrates, e os mais importantes”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: PLATÃO. Górgias. In: _______. Protágoras, Górgias, Fedão. Belém: EDUFPA, 2002. p. 132-134. 
O texto acima é um excerto de um diálogo escrito por Platão. Nele, o sofista Górgias explica a Sócrates qual 
é natureza da arte que ensina: a retórica. De acordo com o livro-base Introdução à Filosofia Antiga, o 
aparecimento dos sofistas no século V a.C. é um fenômeno relacionado à necessidade de: 
Nota: 10.0 
 
A dominar a palavra numa sociedade democrática. 
Você acertou! 
“Muitas pessoas acabavam buscando aperfeiçoar suas habilidades discursivas, outras pessoas acabavam pagando para aqueles 
que sabiam “falar bem”, que eram dotados das técnicas de oratória, para falar por eles. Essa necessidade de “falar bem”, 
aliada à importância que o indivíduo obteve nesse momento da história da Grécia – como senhor do seu próprio destino –, por 
conta desse campo de atividade que podia gerar lucros para aqueles que se expressavam de maneira convincente nas 
assembleias, favoreceu o surgimento de um grupo de pessoas que se proclamavam sofistas”. (p. 126). 
 
B entender os fenômenos da natureza ou da phýsis. 
 
C compreender os fundamentos dos mitos e da poesia. 
 
D incorporar à religião grega os mitos dos povos orientais. 
 
E buscar o princípio organizador da realidade natural. 
 
Questão 5/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o texto a seguir: 
“As respostas dos filósofos à questão do fundamento das coisas […] são as mais variadas. Para Tales, é a 
água; para Anaxímenes, é o ar; para Demócrito, é o átomo; para Empédocles, os quatro elementos – terra, 
água, ar e fogo”. 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: ARANHA, Maria L. de A.; MARTINS, Maria H. P. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2003. p. 83. 
De acordo com o livro-base Introdução à Filosofia Antiga, a noção de arkhé constituiu uma das principais 
preocupações dos filósofos pré-socráticos. Por arkhé, eles entendem: 
Nota: 10.0 
 
A o conjunto ordenado das virtudes morais e políticas. 
 
B o princípio substancial de que são feitas todas as coisas. 
Você acertou! 
“Os primeiros filósofos gregos tentaram encontrar o princípio substancial ou substância primordial (a arché, em grego) 
existente em todos os seres, a ‘matéria-prima’ de que são feitas todas as coisas”. (p. 68). 
 
C o fundamento para a organização da pólis (cidade-estado). 
 
D a ideia de unidade e sistematicidade dos conhecimentos. 
 
E a perspectiva de explicação mítica da natureza. 
 
Questão 6/10 - História da Filosofia Antiga 
Leia o extrato de texto: 
“O mito [...] é uma forma de o ser humano se situar no mundo, isto é, de encontrar o seu lugar entre os 
demais seres da natureza.” 
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: BRAGA JUNIOR, A. D.; LOPES, L. F. Introdução à filosofia antiga. Curitiba: InterSaberes, 2015. p. 48. 
Considerando o extrato de texto e os conteúdos da Aula 1 (Vídeo 4, Tema 3: O surgimento da 
filosofia)

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.