A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
148 pág.
SUPERVISÃO ESCOLAR

Pré-visualização | Página 8 de 36

e sistemático possível.
5. Análise do processo Ensino – Aprendizagem. Numa fase inicial 
do ciclo de supervisão este momento será vivido separadamente, 
mas com o estreitar da relação supervisor/aluno estagiário, a 
tendência será para que estes momentos do ciclo se realizem 
em conjunto, enriquecendo e abreviando o processo de Análise/
Avaliação/Reformulação.
6. Planificação da Reunião – Deverão ser momentos em que se 
procura encontrar soluções, estratégias e planos alternativos 
que	ajudem	o	aluno	estagiário	 a	 superar	 possíveis	 dificuldades	
e a melhorar a sua prática pedagógica. Numa fase inicial 
esta iniciativa será desenvolvida quase exclusivamente pelo 
supervisor. No entanto, procura-se que, com o decorrer da 
prática,	 o	 próprio	 aluno	 estagiário	 faça,	 também,	 uma	 reflexão	
crítica sobre a prática efetuada.
7. Reunião – Este momento de partilha pode ser organizado de 
formas diferentes, com objetivos diferentes. No entanto a maioria 
das	 vezes	é	um	momento	 conjunto	de	 reflexão	de	 trabalho	em	
equipe e de avaliação entre o supervisor e o educador. Podem 
surgir ocasiões em que a conferência de supervisão proporcione 
a reunião com outros estagiários ou supervisores, o que permite 
enriquecer, ainda mais, todo o processo de supervisão.
8. Análise do Ciclo – Mudança. Ao longo das várias fases do 
processo irão surgir aspectos a serem alterados e reformulados 
32
Supervisão escolar
ou se tornam mesmo pertinentes de reformular. Nesse sentido, 
aluno estagiário e supervisor planejam estratégias que ajudem a 
superar	 dificuldades	 sentidas,	 reiniciando	 o	 ciclo	 de	 supervisão	
que, assim, se vai recriando e otimizando ao longo do tempo e da 
prática vivida.
Fonte: O Supervisor Pedagógico enquanto Mediador. Disponível em: <http://repositorio.
ul.pt/bitstream/10451/775/3/17163_enq_teorico.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2011.
Atividade de Estudos: 
Você	acompanhou	alguns	definições	e	princípios	que	compõem	
a ação do supervisor escolar. Agora elabore o seu próprio conceito 
para	a	função	de	supervisor	escolar	e	justifique	sua	importância:
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
 ______________________________________________________
Algumas	Considerações
Mais	importante	do	que	definir	a	palavra	ou	as	funções	do	supervisor	escolar,	
devemos perceber a atuação dos mesmos que depende essencialmente da 
dedicação e do estímulo individual. Muitos estão presentes, mas não ativos ou 
não fazem qualquer diferença no andamento da escola. Outros fazem a diferença 
e	estão	atuantes	em	suas	funções	profissionais.	O	supervisor	tem	suas	funções	
profissionais	 na	 escola.	 Porém	 seu	 papel	 é	 ainda	 mais	 importante	 quando	
conectado com sua relevância política e social. 
33
A Supervisão Escolar no Sistema Educacional Brasileiro: 
História, Conceitos, Características e FunçõesCapítulo 1
É extremamente importante considerar as funções e descrever as 
características do supervisor na realidade educacional do Brasil. Torna-se ainda 
mais importante percebermos a importância social do supervisor em benefício 
dos alunos que não têm outra possibilidade de ascensão social a não ser através 
da educação que lhes permita conhecer a palavra para entender o mundo. O 
supervisor na função social pode transportar crianças fadadas ao fatalismo e à 
exclusão para um novo contexto de participação democrática na busca de uma 
cidadania crítica e atuante. Este assunto está mais aprofundado no Capítulo 3 
deste Caderno.
Referências
ALARCÃO, Isabel; TAVARES, José. Supervisão da Prática Pedagógica. 
Uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. 2 ed. Coimbra: Livraria 
Almedina, 2003.
ANDRADE, Narcisa Veloso de. Supervisão em educação. Rio de Janeiro: Livros 
técnicos	e	científicos,	1976.
BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes 
e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/LEIS/l9394.htm>. Acesso em: 11 maio 2011.
______. Senado Federal. Projeto de Lei Da Câmara Nº 132, de 2005. 
Disponível em: <http://legis.senado.gov.br/mate/servlet/PDFMateServlet?s=http://
www.senado.gov.br/atividade/materia/MateFO.xsl&o=ASC&o2=A&m=76130>. 
Acesso em: 26 maio 2011.
DOURADO, Luiz Fernandes (Coord.); OLIVEIRA, João Ferreira de; SANTOS, 
Catarina de Almeida. A qualidade da educação: conceitos e definições. Série: 
“Textos para discussão”, nº 24. Brasília: INEP/MEC, 2007.
FERREIRA, Naura Syria Carapeto (Org.). Supervisão educacional para uma 
escola de qualidade. São Paulo, Cortez, 2000. 
FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do 
oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1994.
GADOTTI, Moacir. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São 
Paulo: Instituto Paulo Freire. 2009.
34
Supervisão escolar
HARRIES, M. Discussion Paper on Social Work Supervision. Western 
Australian Branch of Australian Association of Social Workers, Londra, 1987.
JEUDY, Henri-Pierre- A sociedade transbordante. Lisboa: Edições Século XXI, 
1995.
MALDONADO, Monica Botelho. O Professor e o supervisor pedagógico: 
Solidão ou solidariedade? 2003. 143 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de 
Mestrado em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo 
Horizonte, 2003.
MEDINA, A. da S. Supervisão escolar, da ação exercida à ação repensada. 2. 
ed. Porto Alegre: AGE, 2002.
MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: 
Melhoramentos. 2009.
MOSHER, Ralph L. and; PURPEL, David. E. Supervision: The Reluctant 
Profession Boston:	Houghton	Mifflin,	1972.
NERICI, Imídeo G. Introdução à Supervisão Escolar. 3. ed. São Paulo: Atlas, 
1974.
OLIVEIRA, Helena Margarida Martins Rosário de. O supervisor pedagógico 
enquanto mediador entre o aluno estagiário e o educador acompanhante: 
o	caso	específico	do	estágio	na	educação	pré-escolar.	2008.	121f.	Dissertação	
(mestrado) – Curso de Ciências da Educação (Teoria e Desenvolvimento 
Curricular-Mediação em Educação), apresentada à Universidade de Lisboa, 2008.
PAJAK, Edward, Identification of Supervisory Proficiencies Project. Athens, 
USA: College of Education, University of Georgia, 1989.
PRZYBYLSKI, Edy. O Supervisor Escolar. Porto Alegre. Sagra, 1991.
RANGEL, Mary (Org.). Supervisão Pedagógica. 3 ed. São Paulo: Papirus, 2000.
SANTOS, Lucimar Marchi dos. Educação Musical nos anos iniciais do 
ensino fundamental: concepções e ações de coordenadoras pedagógicas 
escolares. 2006. 153 f. Dissertação (Mestrado) apresentada ao Programa de 
Pós-Graduação em Educação, Centro de Educação, da Universidade Federal de 
Santa Maria, 2006.
SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Campinas: Autores Associados, 1993.
CAPÍTULO 2
O	Planejamento	Escolar	e	os	
Desafios	da	Supervisão	para	
uma	Escola	Atual	e	Ideal
A partir da concepção do saber fazer, neste capítulo você terá os seguintes 
objetivos de aprendizagem:
 9 Conhecer	a	importância	do	planejamento	escolar	em	suas	etapas	e	dificuldades	
na circunstância de supervisor.
 9 Identificar	os	desafios	da	supervisão	na	elaboração	do	planejamento	escolar	e	
sua aplicabilidade na escola atual e para a escola ideal.
 9 Discutir o planejamento escolar como possibilidade de mudança no ambiente 
escolar. 
36
Supervisão escolar
37
O Planejamento Escolar e os Desafios da 
Supervisão para uma Escola Atual e IdealCapítulo 2
Contextualização
A educação para o século XXI se destaca através das mudanças ocorridas 
na sociedade que passou a ser muito mais ágil na informação e mais exigente na 
formação.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.