A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Semiologia da Suprarrenal

Pré-visualização | Página 1 de 2

Vitória Barbosa Turma XIII – 2020.1 
 
SEMIOLOGIA DA SUPRARRENAL 
 
➢ As suprarrenais são glândulas localizadas no polo supe-
rior dos rins, na porção retroperitoneal, a nível da 12ª 
vértebra 
➢ Essa glândula é composta por dois tecidos embriologia-
camente distintos: córtex (epitelial) e medula (neural) 
• Córtex: responsável por secretar mineralocorticoides 
(aldosterona), glicocorticoides (cortisol) e androgêni-
os (hormônios sexuais) 
• Medula: responsável por secretar as catecolaminas 
(dopamina, norepinefrina e epinefrina) 
➢ A síntese dos hormônios do córtex da suprarrenal será regulada por dois circuitos endócrino de feedback: eixo HHS e 
SRAA. Já a síntese das catecolaminas será regulada a partir de situações de estresse (ex: hipovolemia, hiperglicemia) 
➢ No que se refere as doenças da suprarrenal, estas estão diretamente relacionadas com a hiperprodução hormonal ou 
com o déficit hormonal 
➢ A hiperprodução hormonal cortical pode provocar: 
• Síndrome de Cushing: cortisol 
• Hiperaldoteronismo: aldosterona 
• Síndrome virilizante: androgênio 
➢ Já a hiperprodução hormonal medular pode provocar quadros de feocromocitoma 
 
HIPERPRODUÇÃO HORMONAL CORTICAL 
 
SÍNDROME DE CUSHING 
➢ Caracterizada pelo aumento dos níveis de cortisol (hipercorticolismo), provocada principalmente por um tumor na 
glândula ou pela hiperplasia bilateral 
➢ É considerada uma doença primária 
➢ A causa mais comum da SC é a iatrogênica, que resulta do uso prolongado de glicocorticoide por via oral, parenteral, 
intranasal ou cutânea, ocasionando a supressão do ACTH e atrofia adrenocortical bilateral 
➢ A SC endógena é mais raro e causa a perda do mecanismo de retroalimentação normal do HHS e do ritmo circadiano 
de secreção do cortisol 
➢ Sinais e sintomas: 
• Obesidade centrípeta 
• Membros finos 
• Giba dorsal 
• Fácies pletórica e em “lua cheia” 
• Estrias vinhosas largas 
• Hirsurtismo/ Hipertricose 
• Acne 
• Hipertensão 
• Hematomas e equimoses 
• Oligo ou amenorreia 
• Impotência 
• Hipotrofia muscular e astenia 
• Alterações do psiquismo 
• Tolerância à glicose reduzida 
• Hiperpigmentação cutaneomucosa 
➢ Diagnóstico: tem de ser realizada após se afastar, pela anamnese detalhada, o uso de glicocorticoides exógenos. É 
realizado pelo menos 2 testes com alta sensibilidade como cortisol salivar, cortisol urinário livre e teste de supressão 
com baixas doses de dexametasona 
➢ Achados laboratoriais: elevados níveis de cortisol e baixos níveis de ACTH 
➢ Exame de imagem: TC de abdome/ suprarrenais 
 
HIPERALDOSTERONISMO 
➢ Caracterizada pelo aumento dos níveis de aldosterona ocasionado principalmente pela presença de tumores 
produtores de aldosterona ou hiperplasia bilateral idiopática 
➢ Sinais e sintomas: 
• Supressão da renina 
• Paciente apresenta HAS (devido ao aumento 
da volemia) de difícil controle 
• Astenia e fraqueza musculas 
• Retenção de sódio 
• Excreção aumentada de potássio 
• Alcalose metabólica 
• Casos mais graves: doença cerebrovascular 
➢ Diagnóstico: relação aldosterona/ atividade plasmática de renina 
➢ Achados laboratoriais: elevados níveis de aldosterona (hiperaldosteronismo) e baixos níveis de renina (hiporeni-
nêmico) e potássio (hipocalemia) 
➢ Exame de imagem: TC das suprarrenais 
 
SÍNDROME VIRILIZANTE 
➢ Também conhecida como hiperplasia adrenal congênita 
➢ Caracterizada pelo aumento dos níveis de hormônios androgênicos ocasionado principalmente por uma deficiência 
da 21-hidroxilase ou pela presença de um tumor de androgênios 
➢ Trazem consequência para crianças e mulheres adultas, uma vez que, nos homens adultos a contribuição das 
suprarrenais para a produção de testosterona é pouco expressiva 
➢ Quadro clínico: 
• Infância: puberdade precoce periférica com características isossexuais no sexo masculino e heterossexuais no femi-
nino. Nos meninos ocorre aumento do pênis e preservação do volume testicular e nas meninas há aumento do 
clitóris sem desenvolvimento. Além disso, esses indivíduos apresentam fechamento epifisário antecipado o que 
resulta em baixa estatura 
• Mulheres adultas: presença de acne, hirsutismo, alopecia androgenética, irregularidade menstrual, infertilidade 
clitoromegalia, voz grossa 
 
HIPERPRODUÇÃO HORMONAL MEDULAR 
 
FEOCROMOCITOMA 
➢ Corresponde a um tumor de células cromafins 
➢ Acomete principalmente indivíduos na faixa etária 30-40 anos 
➢ O paciente irá apresentar excesso de catecolaminas (resposta ao estresse/ compressão ocasionada pelo tumor) 
➢ As manifestações surgem em crise, com sintomas abruptos e de curta duração 
➢ Quadro clínico: 
• Presença de efeitos adrenérgicos 
• Resposta de “luta ou fuga” 
• Paciente em alerta 
• Piloereção, sudorese, dilatação brônquica 
• Taquicardia 
• Aumento da glicogenólise e lipólise 
• Hiperglicemia 
• Aumento da PA devido a resistência vascular 
(crises de HAS) 
• Cefaleia 
➢ Achados laboratoriais: aumento dos níveis das catecolaminas e pelas metanefrinas (mais utilizado) 
➢ Exame de imagem: TC e RM de abdome 
 
HIPOPRODUÇÃO DA ADRENAL 
 
➢ Corresponde ao déficit hormonal ocasionada pela destruição do córtex adrenal a qual irá atingir de forma global 
(mineralocorticodes, glicocorticoides e androgênios) 
➢ Mais frequente em mulheres (pois a sua causa está geralmente relacionada a doenças autoimunes) na faixa etária dos 
30-50 anos 
➢ Causas: 
• Adrenalite autoimune (isolada ou por síndrome poliglandular) 
• Adrenalite infecciosa (tuberculose, HIV, fungos) 
• Doenças infiltrativas não infecciosa 
• Hemorragia suprarrenal bilateral 
• Drogas 
• Adrenalectomia bilateral 
➢ ISP ou doença de Addison: caracterizada pela destruição do córtex da suprarrenal. Além da deficiência de cortisol, 
costuma ocorrer também deficiência de aldosterona 
➢ Insuficiência da suprarrenal secundária: caracterizada pela alteração na produção/secreção de ACTH e/ou CRH 
➢ Insuficiência adrenal crônica: entre as principais manifestações clínicas estão a astenia, fraqueza, anorexia e perda 
de peso, distúrbios gastrintestinais, como náuseas e vômitos, hiperpigmentação da pele e das mucosas. Em mulheres 
pode ocorrer diminuição da libido e pilificação pubiana axilar 
➢ Insuficiência suprarrenal aguda: conhecida como crise suprarrenal, trata-se de uma emergência endócrina potencial-
mente fatal. A apresentação clínica inclui início rápido de hipotensão e taquicardia, podendo evoluir para choque 
refratário e consequentemente levar a falência de múltiplos órgãos. Apresenta sintomas inespecíficos como anorexia, 
náuseas, vômitos, dor e distensão abdominal, fraqueza, apatia, cianose e palidez 
➢ Diagnóstico: dosagem de cortisol e ACTH plasmáticos basais matinais e testes de estímulo 
➢ Achados laboratoriais: hiponatremia/hiperpotassemia, acidose metabólica, hipoglicemia, anemia, linfocitose e 
eosinofilia, redução dos níveis cortisol, aldosterona e DHEA e aumento do ACTH e da renina 
➢ Exame de imagem: TC de abdome que irá mostrar caso haja presença de infecção, hemorragia, doença infiltrativa ou 
neoplasia 
 
EXAMES COMPLEMENTARES 
 
DOSAGEM BASAL DE CORTISOL E SEUS METABÓLITOS 
➢ Uma vez que o cortisol circula no plasma ligado a proteína e de maneira livre, é possível medir o cortisol total 
(plasmático) associado a proteínas carreadoras ou sua fração livre (urinária e salivar) não ligada a proteínas 
• Alguns medicamentos e doenças podem alterar a produção das proteínas carreadoras, sendo mais acurado medir 
sua porção livre 
➢ TOME NOTA: o cortisol é um hormônio circadiano, logo, os seus níveis plasmáticos começam a se elevar nas fases tardias 
do sono, alcançam um pico ao despertar (5,0 a 15 μg/dl), caindo durante o dia (2,5 a 12,5 μg/dl) e alcançando seus 
níveis mais baixos à noite (2,0 a 5,0 μg/dl). Dessa forma, a profissão do paciente (trabalhadores noturnos, viagens 
longas com mudança de fuso horário) podem alterar diretamente os níveis de cortisol (rompimento do