A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Micoses superficiais e tumores cutâneos

Pré-visualização | Página 2 de 2

e chupetas). 
 
 
o INTERTRIGINOSA: acomete dobras cutâneas e são desencadeadas pela umidade má 
higiene, obesidade, gestação de DM. 
 ▪ Lesões eritematosas: úmidas, com delicada descamação periférica e papulo-pústulas 
satélites, com eventual exulcerarão e fissura. 
 
➢ DIAGNÓSTICO: clínico e podemos realizar exame micológico direto e/ou cultura em Ágar 
Sabouraud. 
➢ DIAGNOSTICO DIFERENCIAL: dermatite seborreica e de contato, psoríase inversa, tinha. 
➢ TRATAMENTO: 
o Afastar os fatores que favorecem a patogenicidade da levedura. 
o Cutânea: antifúngicos tópicos 2x/dia ate desaparecerem os sintomas. 
o Candidíase oral: nistatina suspensão de 6/6h por 14 dias, bochechar e engolir. 
o Formas extensas ou resistentes: antifúngico sistêmico. 
 
 
 
TUMORES CUTÂNEOS 
 
CARCINOMA BASOCELULAR: 
➢ Tumor maligno cutâneo mais frequente. 
➢ Patogênese relacionada a exposição a radiação ultravioleta B: dano ao DNA. 
 o Áreas expostas, fototipos mais baixos. 
➢ Risco baixo de metástase, porém localmente invasivo e destrutivo. 
➢ Tratamento cirúrgico deve ser adotado sempre que possível. 
➢ VÁRIAS FORMAS CLÍNICAS: 
o Mas há dois aspectos em comum: telangiectasias e aspectos peroláceo. 
o Lesão ulcerada ou não: pápula, placa, nódulo (mais comum), infiltrativo, 
normocrômico, eritematoso, castanho escuro, negro. 
 
➢ Albinos são grupo de altíssimo risco para carcinoma basocelular. 
CARCINOMA ESPINOCELULAR: 
➢ Segundo tumor maligno cutâneo mais frequente. 
➢ Lesão prévia mais frequente: queratose actínica (áreas expostas ao sol). 
 o Proliferação de queratinócitos epidérmicos citologicamente aberrantes em resposta a 
exposição prolongada à radiação UVB. 
➢ Correlações do CEC: 
 o Oral: tabagismo e etilismo/ Genital: HPV/ Úlcera crônica ou cicatriz: Úlcera de 
Marjolin. 
 o Imunossupressão por medicamentos é um importante fator de risco. 
➢ QUADRO CLÍNICO: 
 o Pápula, pápula queratósica, nódulo (ulcerado ou não), placa, lesão verrucosa. 
➢ Possibilidade de metástase não é rara. 
➢ Tratamento cirúrgico sempre que possível. 
 
MELANOMA: 
➢ Câncer cutâneo de maior morbimortalidade 
➢ Transformação maligna a partir de um nevo (⅓ dos casos) ou lesão nova (⅔) 
➢ FATORES DE RISCO: 
o Exposição solar; 
o Múltiplos nevos melanocíticos; 
o Nevos atípicos (melanócitos atípicos na patologia, 
porém não melanoma); 
o História pessoal e familiar e prévia de melanoma. 
➢ Tratamento cirúrgico se possível. 
➢ Sangra espontaneamente. 
➢ Subtipo mais comum: extensivo superficial. 
 o Outros: nodular, acral, lentigo maligno, amelanótico, etc. 
 
 
➢ ABCD DO MELANOMA: 
o A: assimetria; 
o B: bordas irregulares; 
o C: cor variável; 
o D: diâmetro > 06mm; 
o E: evolução (tamanho, cor e forma). 
 
1-Candidíase 
2- Melanoma 
3- Tinea pedis interdigital 
 
4- Carcinoma basocelular 
5- Tinea cruris 
6- Carcinoma espinocelular 
 
7- tinea cruris 
8- Ptiriase versicolor