A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Sistema Endócrino

Pré-visualização | Página 1 de 2

POR: AMANDA CALFA
PARTE: 01
COD: AMANDA6995
FISIOLOGIA DO CONTROLE ENDÓCRINO
A endocrinofisiologia é o ramo mais novo da fisiologia, pois os estudos só começaram com o
pesquisador Claude Bernard no século XIX. Ele percebeu que algumas células possuíam a capacidade de
secretar substâncias para a circulação sanguínea. A partir disto, foi notado que o controle do corpo não se
dá apenas por meio do sistema nervoso, mas também de forma lenta e precisa pelo sistema endócrino. De
forma que a lentidão se contrabalanceia com a rapidez do sistema nervoso, de forma a manter a homeostasia
(capacidade do organismo se manter em equilíbrio diante das oscilações do ambiente).
Mais tarde, Cushing descreveu a Síndrome de Cushing, uma condição causada pela exposição a níveis
elevados de cortisol por um longo período. Mais tarde, também se começou a estudar os fenômenos que
envolvem o estresse: o que é estresse, as situações que levam ao estresse, qual a diferença do estresse
fisiológico para o patológico. E algo importante é que nem sempre uma situação estressora para um é
também estressora para o outro.
Mais tarde Lee, em 1940, isolou o hormônio do crescimento e o hormônio adrenocorticotrófico. Berson e
Yalow descrevem uma das técnicas muito importantes na época chamada Radioimunoensaio. Este foi um
método bastante empregado até um tempo atrás para se quantificar elementos hormonais do sangue. Hoje
existem técnicas mais avançadas para isso como o método ELISA. Nas décadas de 60 e 70 houve um
grande aumento das descobertas hormonais. Praticamente todos os hormônios que conhecemos hoje foram
descobertos nesta época.
Com o desenvolvimento de organismos multicelulares, que possuem tecidos e órgãos especializados,
dois sistemas principais se desenvolveram para comunicar e coordenar as funções do corpo:
1. O sistema nervoso integra as funções dos tecidos por uma rede de células e processos celulares
que constituem o sistema nervoso e todas as suas subdivisões;
2. O sistema endócrino integra a função dos órgãos por meio de substâncias químicas que são
secretadas a partir de tecidos endócrinos ou “glândulas” para o líquido extracelular. Esses
produtos químicos, chamados hormônios, são então carregados pelo sangue para os tecidos-alvo
situados à distância, onde são reconhecidos por receptores específicos de alta afinidade; estes
receptores podem estar localizados na membrana celular, dentro do citosol ou no núcleo da
célula-alvo. Essas moléculas receptoras permitem que a célula-alvo reconheça um sinal hormonal
único dentre os numerosos produtos químicos que são transportados pelo sangue e que banham os
tecidos do corpo. A precisão e a sensibilidade desse reconhecimento são notáveis, levando-se em
consideração a baixa concentração (10-9 a 10-12 M) em que muitos hormônios circulam. Uma vez
que um hormônio é reconhecido pelo seu tecido-alvo (ou tecidos-alvo), pode exercer a sua ação
biológica por um processo conhecido como transdução de sinal.
Alguns hormônios desencadeiam respostas imediatas, dentro de segundos (como o caso do aumento
da frequência cardíaca provocado pela adrenalina ou a estimulação do metabolismo hepático do
glicogênio causada pelo glucagon), enquanto outros podem exigir muitas horas ou dias (por exemplo, as
alterações na retenção de sal induzidas pela aldosterona ou os aumentos na síntese de proteínas provocados
pelo hormônio de crescimento [GH]).
O sistema endócrino se sustenta por meio de princípios básicos de comunicação nos organismos, estes
que ocorrem a partir de uma sinalização química através de via endócrina, parácrina ou autócrina.
● Sinalização endócrina
clássica: um hormônio transporta um sinal a
partir de uma glândula secretora através de
uma grande distância para um tecido-alvo;
● Sinalização parácrina:
regulação hormonal realizada por uma
hormônio produzido e secretado no espaço
extracelular, que atua na regulação nas células
vizinhas, sem nunca alcançar a circulação
sistêmica;
● Sinalização autócrina:
finalmente, os produtos químicos podem
também se ligar a receptores na superfície ou
dentro da célula que está secretando o
hormônio, e podem, assim, afetar a função da
própria célula secretora do hormônio.
Os principais hormônios do corpo humano são produzidos por uma de sete glândulas endócrinas
clássicas ou pares de glândulas: a hipófise, a tireoide, as paratireoides, os testículos, os ovários, a adrenal
(córtex e medula) e o pâncreas endócrino. Adicionalmente, outros tecidos que não são classicamente
reconhecidos como parte do sistema endócrino produzem hormônios e desempenham um papel vital na
regulação endócrina. Esses tecidos incluem o sistema nervoso central (SNC), particularmente o hipotálamo, e
o trato gastrointestinal, fígado, coração, rim e outros. Em algumas circunstâncias, principalmente em certas
neoplasias, tecidos não endócrinos podem produzir hormônios que normalmente julgamos serem produzidos
somente pelas glândulas endócrinas (quadro intitulado Produção Hormonal Neoplásica).
Tipos de Hormônios
São divididos em três grupos a partir da sua estrutura química eda forma como são sintetizados no
organismo proteínas (ou peptídeos), esteróides e derivados de aminoácido (aminas):
● Os hormônios peptídicos conhecidos por serem hidrossolúveis, os hormônios proteicos
constituem a maioria dos hormônios e são sintetizados na forma de pré – pró – hormônios,
incluem um grande grupo de hormônios sintetizados por vários tecidos endócrinos. A insulina,
o glucagon e a somatostatina são produzidos no pâncreas. A glândula hipofisária anterior
produz: GH; as duas gonadotrofinas, (hormônio luteinizante (LH) e hormônio
folículo-estimulante (FSH)); hormônio adrenocorticotrófico (ACTH); tireotrofina (também
chamada de hormônio estimulante da tireoide ou TSH) e prolactina (PRL). O hormônio
paratireoidiano (PTH) é produzido nas glândulas paratireoides, e a calcitonina é produzida na
glândula tireoide.
Adicionalmente, outros hormônios peptídicos, como somatostatina e vários hormônios
estimulantes da liberação de outros hormônios (p. ex., hormônio liberador de GH [GHRH]),
são produzidos pelo hipotálamo. Secretina, colecistocinina e outros hormônios são
produzidos pelo trato gastrointestinal; contudo, esses tecidos não são considerados tecidos
endócrinos clássicos.
● Um número mais restrito de tecidos produz catecolaminas e hormônios esteróides. Os
esteróides derivam do colesterol e são sintetizados no córtex da suprarrenal, nas gônadas e
na placenta. São lipossolúveis, circulam no plasma ligados às proteínas (como a globulina
ligadora de corticosteróides ou albumina, uma proteína plasmática inespecífica) e atravessam
a membrana plasmática para se ligarem a receptores intracelulares. Seus receptores
encontram- -se tanto no citoplasma quanto no núcleo. O complexo receptor-hormônio pode
atuar como fator de transcrição, se ligando ao DNA e ativando ou desligando um ou mais
genes. Os genes ativados geram um novo RNAm, que determina a síntese de novas
proteínas.Eles podem ser divididos em cinco categorias: progestinas, mineralocorticóides,
glicocorticóides, androgênios e estrogênios, além do metabólito ativo da vitamina D. A
complexidade da ação dos hormônios esteroides é aumentada pela expressão das múltiplas
formas de cada receptor. Além disso, existe certo grau de inespecificidade entre os hormônios
esteróides e os receptores aos quais se ligam.
● Com relação aos hormônios do grupo das aminas estes são sintetizados a partir do
aminoácido tirosina e incluem as catecolaminas, como epinefrina, dopamina e norepinefrina e
os hormônios tireoidianos, os quais derivam da combinação de dois resíduos de tirosina que
foram iodados. Sua síntese depende da disponibilidade intracelular do aminoácido, do
conteúdo e atividade das enzimas envolvidas no processo de metabolização da molécula do
aminoácido. As catecolaminas obtêm sua especificidade por modificações enzimáticas do
aminoácido tirosina e são estocadas em vesículas secretórias