A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Parto cesáreo

Pré-visualização | Página 1 de 1

1 Clarisse Nunes | Ginecologia e Obstetrícia | 6º período 
parto cesáreo 
Parto cesáreo ou operação cesariana consiste no 
ato da abertura da parede abdominal 
(laparotomia) e da parede uterina (histerotomia) 
para extração do concepto desenvolvido no útero. 
EPIDEMIOLOGIA A OMS recomenda que o índice 
máximo de cesarianas seja 15%. No BR, esse 
número é superior a 40% no SUS e 85% na rede 
privada, a média do país é 55%. É o procedimento 
cirúrgico mais realizado na mulher no Brasil. A 
MORBIMORTALIDADE MATERNA é maior neste 
procedimento do que no parto vaginal, por isso a 
indicação deve ser criteriosa. 
INDICAÇÕES ABSOLUTAS 
҉ Placenta prévia 
҉ Placenta acreta 
҉ Malformações genitais 
҉ Tumorações prévias 
҉ Desproporção cefalopélvica com feto vivo 
INDICAÇÕES RELATIVAS 
MATERNAS 
҉ Cardiopatias específicas 
҉ Pneumopatias específicas 
҉ Dissecção de aorta 
҉ Condições de elevação da PIC 
҉ História de fístula retovaginal 
FETAIS 
҉ Sofrimento fetal 
҉ Prolapso de cordão 
҉ Apresentação pélvica ou córmica 
҉ Gemelidade com 1º feto não cefálico 
҉ Gemelidade monoamniótica 
҉ Macrossomia 
҉ Malformações fetais específicas 
҉ Herpes genital ativo 
҉ HIV com carga viral > 1000 
MATERNOFETAIS 
҉ Cesárea prévia 
҉ Descolamento prematuro da placenta com 
feto vivo 
҉ Placenta baixa distando > 2 cm do orifício 
interno do colo 
PRÉ-OPERATÓRIO 
҉ Jejum de no mínimo 8h nas cirurgias 
eletivas 
҉ Tricotomia suprapúbica 
҉ Banho de chuveiro, se possível 
҉ Desinfecção do abdome e coxas com 
clorexidina degermante a 2% 
҉ Cateterismo vesical com sonda de Foley nº 
12 ou 14 
҉ Antissepsia com clorexidina alcoólica e 
colocação dos campos cirúrgicos 
҉ Administração de cefazolina/cefalotina 2 g 
IV na indução anestésica. Alérgicas, usar 
clindamicina 900 mg IV 
TÉCNICA DE PFANNESTIEL 
ABERTURA 
1. Com obstetra a esquerda, é feita a abertura da 
pele e TCS com BISTURI por meio de incisão 
ligeiramente encurvada formando arco, 10 a 
12 cm de extensão, 2 cm acima do púbis, ao 
nível das espinhas ilíacas 
 
2. Pinçamento e ligadura dos vasos atingidos 
As 4 indicações mais comuns de cesárea: 
҉ Falha na progressão durante o trabalho de 
parto 
҉ Histerotomia prévia 
҉ Apresentação anômala fetal 
҉ Sofrimento fetal 
 
2 Clarisse Nunes | Ginecologia e Obstetrícia | 6º período 
3. Incisão da aponeurose com bisturi, transversal, 
arciforme de concavidade superior, prolongando-
se lateralmente, com TESOURA DE METZEMBAUM , 
por 1 a 2 cm por debaixo da pele 
 
4. Pinçamento da aponeurose com PINÇAS DE 
KOCHER . 
 
5. Descolamento dos retalhos superior e inferior 
da aponeurose por DIVULSÃO DIGITAL , no sentido 
cranial 
 
6. Descolamento caudal até a sínfise pubiana. 
Descolar a linha média com TESOURA DE 
METZEMBAUM ou BISTURI ELÉTRICO . 
 
 
7. Pinçamento dos músculos retos abdominais 
com PINÇAS DE ALLIS. Divulsão digital longitudinal 
dos retos abdominais 
 
8. Abre-se o peritônio parietal com incisão 
longitudinal. Liberação do peritônio parietal por 
divulsão digital. 
 
9. Pinçamento do peritônio parietal com PINÇAS 
DE KELLY. 
 
3 Clarisse Nunes | Ginecologia e Obstetrícia | 6º período 
 
 
10. OU Celiotomia transversa com TESOURA DE 
METZEMBAUM . Incisão transversal do peritônio 
parietal, no mesmo sentido da diérese dos demais 
planos, e pouco acima da bexiga 
 
11. Colocação da VÁLVULA DE DOYEN suprapúbica. 
 
12. Incisão do peritônio visceral com BISTURI ou 
TESOURA DE METZEMBAUM , transversal, na altura 
da prega vesicouterina. 
 
13. Descolamento do peritônio visceral. É ele 
desapegado do útero, em uma extensão de 2 a 3 
cm, para baixo e para cima, com gaze montada em 
pinça ou envolvendo o dedo. 
 
14. HISTEROTOMIA, no segmento inferior, por 
punção prévia do órgão com PINÇA DE KELLY, de 
KOCHER ou BISTURI, e subsequente divulsão 
bidigital. 
 
15. OU HISTEROTOMIA traçada a bisturi, que 
desenha a forma desejada, curvilínea, elevada nos 
ângulos para impedir o extravio na direção dos 
grossos vasos. 
 
4 Clarisse Nunes | Ginecologia e Obstetrícia | 6º período 
 
 16. Amniotomia, se necessário. 
PARTO 
1. Retira-se a válvula de doyen 
2. Extração do concepto com a MANOBRA DE 
GEPPERT: cabeça do feto com o occipital voltado 
para a incisão, e colocando a mão esquerda entre 
o púbis e a apresentação, enquanto o auxiliar faz 
ligeira pressão no fundo do útero. 
 
3. CLAMPEAMENTO DO CORDÃO UMBILICAL, 
8 a 10 cm da sua inserção abdominal, e se possível, 
1 a 3 minutos após o desprendimento fetal. Coleta 
de sangue do cordão. 
4. Aguardar o desprendimento da placenta, 
auxiliando sua saída com a MANOBRA DE 
CREDÉ. Nos casos em que houver demora da 
resposta uterina, realizar a extração manual da 
placenta. 
5. Após a saída da placenta administrar 
OCITOCINA 10 U EV, seguido de 20 U diluída em 
500 ml de solução glicosada a 40 gotas/minuto. 
6. REVISÃO E LIMPEZA da cavidade uterina com 
compressas cirúrgicas ou com chumaço de gaze 
montado em pinça longa. 
7. Pinçamento das bordas da histerotomia com 
PINÇA DE ALLIS. 
FECHAMENTO 
1. Auxiliar traciona as pinças colocadas nas bordas 
do útero, oferecendo-as à sínfise, enceta-se a 
sutura, plano único, com CATEGUTE CROMADO 
Nº 0 ou VICRYL 0 em PONTOS SEPARADOS 
 
2. OU histerorrafia em CHULEIO 
 
3. REVISÃO da cavidade abdominal, retirada das 
compressas, de eventuais coágulos e inspeção dos 
anexos. 
4. Aproximação das bordas dos retos abdominais 
com três PONTOS EM U e fio CATEGUTE 
CROMADO Nº0 OU VICRYL 2-0 
 
5 Clarisse Nunes | Ginecologia e Obstetrícia | 6º período 
 
5. Reparo da aponeurose com PINÇA DE 
KOCHER, sutura em PONTOS SEPARADOS, 
VICRYL Nº 0 
 
6. TCS é aproximado com CATEGUTE SIMPLES 
Nº 3-0, em PONTOS SEPARADOS 
 
7. Sutura da pele com MONONÁILON Nº 3-0 OU 
4- 0 ou MONOCRYL Nº 3-0. 
8. Curativo oclusivo 
CONDUTA PÓS-OPERATÓRIA 
1. Manter hidratação venosa e ocitocina por 12 
horas. Ocitocina: 5 U diluída em 500 ml de solução 
glicosada a 40 gotas/minuto. 
2. Dieta zero, nas primeiras 6 horas. 
3. Dieta branda a partir de 6-8 horas, conforme 
aceitação. 
 
1 Referências: Rezende obstetrícia / Carlos Antonio Barbosa 
Montenegro, Jorge de Rezende Filho. - 13. ed. - Rio de 
Janeiro : Guanabara Koogan, 2017 
4. Deambulação e banho, com ajuda, depois de 
retirada a sonda vesical (12 horas). 
5. Abrir o curativo entre 12 e 24 horas (a depender 
da hora da cirurgia). 
6. Analgesia: Diclofenaco-sódico: 75 mg IM, após 
concluído o curativo da ferida operatória + 
Dipirona: 2 ml IV, depois a cada 6 horas. 
7. Período de internação de 48 a 72 horas. 
8. Retirada dos pontos com 7 a 10 dias de pós-
parto. 
9. Revisão após 30 a 40 dias 
1 
2OPERAÇÃO CESARIANA Rotinas Assistenciais da 
Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de 
Janeiro