Buscar

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 134 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 134 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 134 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

- -1
Bases e Contribuições
Maitê de Siqueira Brahm
Introdução
O cálculo de contracheques e a folha de pagamento são temas presentes na realidade de todos, visto que a
maioria das pessoas já teve a oportunidade de analisar um contracheque. Mas é difícil não se perguntar: o que
significam todas aquelas siglas? Porque existem tantos descontos? Porque não recebo algum benefício? Vamos,
ao longo deste tema, responder alguns destes questionamentos. Nesta primeira etapa, você vai analisar as
tabelas legais que incidem sobre os contracheques e buscar compreender a origem dos valores, índices e
impostos.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• descrever a origem dos descontos presentes nos contracheques, apresentando as tabelas de incidência e 
tabelas legais, bem como cálculo das bases.
Folha de pagamento
De acordo com Oliveira (2010), e a lei n. 13.467, em seu artigo 457, a folha de pagamento se divide em duas
partes distintas: proventos e descontos. Ficando assim:
- proventos: salário, hora extra, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, adicional noturno,
salário-família;
- descontos: quota de previdência, Imposto de Renda, contribuição sindical, seguros, adiantamentos, faltas e
atrasos e vale-transporte.
Nesta primeira etapa, você vai conhecer os descontos que incidem sobre a folha de pagamento e as suas
respectivas tabelas de incidência e as tabelas legais. Primeiramente, entenda quais são os elementos de desconto.
INSS: desconto do empregado para o Instituto Nacional do 
Seguro Social
O desconto para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é um dos mais conhecidos pela população e visa a
contribuição para aposentadoria e demais benefícios da seguridade social (licença-saúde e licença maternidade,
por exemplo). Para Oliveira (2010), a contribuição varia de 8% a 11%, de acordo com a tabela do salário
contribuição determinado pela previdência social. Este desconto incide sobre o salário mais horas extras,
insalubridade, periculosidade, adicional noturno, 13º e demais valores previstos na previdência social.
•
- -2
O valor é descontado diretamente na folha de pagamento, caso o trabalhador receba a mais que o teto previsto,
deve ser descontado apenas o valor máximo estipulado, que atualmente é de 11%, conforme tabela a seguir.
Tabela 1 - Tabela valores legais INSS
Fonte: BRASIL, 2018a.
Imposto de Renda e FGTS
A tributação do Imposto de Renda (IRRF) incide sobre diversas formas de proventos. De forma específica,
conforme Oliveira (2010), incide sobre: salários, ordenados, soldos, soldadas, subsídios, honorários, adicionais,
vantagens, extraordinários, suplementação, abonos, bonificações, gorjetas, gratificações, 13º, participações,
percentagens, prêmios, cotas-partes em multas ou receitas, comissões, corretagens, vantagens por transferência
de local de trabalho, verbas de apresentações.
Outro elemento presente nos contracheques é o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Este fundo
serve como um respaldo ao trabalhador que for demitido do emprego sem justa causa, uma vez que terá direito
ao saque do valor total do FGTS. É responsabilidade do depositar, em uma conta na Caixaempregador
Econômica, o valor referente à 8% do salário. Estes 8% não podem ser descontados do salário do trabalhador,
mas tem o salário como base de cálculo para o valor a ser depositado.
A composição final do FGTS é a soma total dos depósitos mensais realizados pelo empregador. É importante
ressaltar que são abertos alguns precedentes legais para o uso do FGTS, sendo o mais comum para a compra de
imóveis, não sendo necessária a demissão do trabalhador. Assim o trabalhador pode usar o seu saldo do FGTS
SAIBA MAIS
A partir de Lei n. 9.032/95 houve a obrigatoriedade do aposentado, que exerce atividade
abrangida pelo sistema previdenciário, voltar a contribuir! Quer saber mais sobre esse tema?
Leia o texto da legislação na íntegra.
- -3
imóveis, não sendo necessária a demissão do trabalhador. Assim o trabalhador pode usar o seu saldo do FGTS
para pagar uma parte do imóvel que deseja adquirir.
Confira, de forma resumida, a incidência dos três principais elementos do contracheque: IRRF, FGTS e INSS, nas
tabelas a seguir.
FIQUE ATENTO
A legislação que criou o FGTS foi o Decreto de Lei n. 5.107, de 1966. O percentual de 8% da
retenção do FGTS não deve ser descontado do trabalhador, o salário serve apenas como base
de cálculo do valor a ser depositado. Para os empregados contratados na condição de
aprendizes, este percentual do FGTS será de 2%.
- -4
Tabela 2 - Tabela de incidência INSS, FGTS e IRRF
Fonte: elaborado pela autora, baseado em BRASIL, 2016.
- -5
Tabela 3 - Tabela de incidência INSS, FGTS e IRRF
Fonte: elaborado pela autora, baseado em BRASIL, 2016.
As tabelas acima referem-se à incidência de INSS, FGTS e IRRF nos diferentes elementos que compõem o
contracheque. Pegue como exemplo o 13º salário e analise as duas linhas que compõem o benefício: até 30/11 e
até 20/12. Na primeira observe que incidem (colunas com afirmativa SIM) apenas no elemento FGTS, ou seja,
para depósito do FGTS se considera o valor da primeira parcela do 13º. Já para o IRRF e INSS não há incidência
de descontos na parcela de até 30/11. Na segunda linha, que se refere até 20/12, há a incidência dos três
elementos, FGTS, IRRF e INSS. Ou seja, serão considerados para cálculo de desconto de IRRF e INSS o valor da
segunda parcela e também para depósito de FGTS.
Tabelas legais salário família e IRRF
Como mencionado no item anterior, o Imposto de Renda incide sobre uma ampla gama de proventos dos
empregados. Mas como saber qual valor deve ser retido (ou seja, descontado) deste trabalhador? Existem
tabelas legais, elaboradas pela Receita Federal, que orientam esses descontos, balizados pelo valor do salário
deste trabalhador. Quanto maior o salário, maior o desconto. Trabalhadores que recebem até R$ 1.903,98
mensais são isentos deste imposto.
- -6
Tabela 4 - Tabela legal IRRF 2018
Fonte: BRASIL, 2018.
Outro elemento importante de levar em consideração na composição do contracheque é o salário família. Ele
atende uma série de requisitos, inclusive o fato de que acima dos 14 anos do filho perde-se o direito ao benefício.
De acordo com o Instituto Nacional do Seguro Social (2018, on-line),
O salário-família é um valor pago ao empregado, inclusive o doméstico, e ao trabalhador avulso, de
acordo com o número de filhos ou equiparados que possua. Filhos maiores de 14 anos não têm
direito, exceto no caso dos inválidos (para quem não há limite de idade).
Como pré-requisito para receber este benefício, é necessário ter filhos menores de 14 anos e ter a remuneração
máxima de R$ 1.319,18. O salário família conta com duas faixas e os valores recebidos pelos trabalhadores são
diferentes, confira na tabela abaixo.
Tabela 5 - Valor legal do salário família
Fonte: BRASIL, 2018b.
É importante ressaltar que os valores acima dos contemplados pela faixa 2 do salário família não recebem o
benefício.
Analise o exemplo a seguir:
Joaquim recebe um salário mensal bruto de R$2.500,00 e tem um filho de 7 anos. Veja sua contribuição ao IRRF,
FIQUE ATENTO
Diferente do INSS e IRRF, o salário família não é um desconto no contracheque, mas sim um
benefício assegurado pelo INSS a ser pago pelo empregador do trabalhador! E, acima dos 14
anos do filho, o beneficiado perde o direito de recebê-lo!
- -7
Joaquim recebe um salário mensal bruto de R$2.500,00 e tem um filho de 7 anos. Veja sua contribuição ao IRRF,
salário família, INSS e FGTS.
· a alíquota base pela remuneração mensal é de 7,5%, e, conforme a tabela, o valor a IRRF: ser deduzido é R$
142,80. O cálculo do desconto do IRRF será assim:
Remuneração – desconto do INSS – dependentes – Pensão Judicial – Previdência Privada
Base de Cálculo do IRRF x % IRRF – Dedução = desconto do IRRF
2.500,00 – 225,00 – 189,59 = 2.085,41
2.085,41 x 7,5% - 142,80 = R$ 13,60, este será o desconto do IRRF no contracheque
· a alíquota de desconto do INSS para o caso do Joaquim é de 9%,conforme tabela 1. O cálculo a ser feito:INSS: 
R$ 2.500 x 0,09=225.
· apesar do Joaquim ter um filho de 7 anos, o seu salário é superior ao estipulado na tabela 4Salário família:
(máximo de R$ 1.319,18), portanto não receberá nenhum valor.
· o desconto do FGTS é uma taxa única de 8%, que deve ser depositado em uma conta para o trabalhador.FGTS: 
O cálculo a ser feito: R$ 2.500 x 0,08=200.
Com o exemplo fica mais fácil compreender como realizar os cálculos e como aplicar na prática os valores de
bases e incidências. Assim, analise um contracheque e identifique todos os valores estudados. 
Fechamento
O propósito desta unidade foi introduzir você no cálculo de contracheques, familiarizando-o com alguns dos
principais impostos e benefícios trabalhistas. É importante entender a origem dos valores que estão nos
contracheques e onde você pode pesquisá-los quando houver dúvidas. Muitos dos elementos apresentados nesta
unidade já fazem parte do seu cotidiano.
Lembre-se da diferença entre INSS, que é descontado para seguridade social (aposentadoria e benefícios); o
FGTS, fundo que protege o trabalho em caso de demissão sem justa causa; e IRRF, imposto que incide sobre uma
série de proventos dos trabalhadores e o salário-família, um benefício calculado baseado no salário do
trabalhador.
Referências
BRASIL. , de 13 de julho de 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-Lei n. 13.467
2018/2017/Lei/L13467.htm>. Acesso em: 11 dez. 2018.
_____. Ministério do Desenvolvimento Social. Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). . 05 fev.Salário-família
2018c. Disponível em: <https://www.inss.gov.br/beneficios/salario-familia/>. Acesso em: 28 nov. 2018.
_____. Ministério do Desenvolvimento Social. Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Tabela de contribuição
. 14 mai. 2018a. Disponível em: <mensal https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/calculo-da-guia-da-
>. Acesso em: 27 nov. 2018.previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/
_____. Ministério do Desenvolvimento Social. Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Valor limite para o
https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/calculo-da-guia-da-previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/
https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/calculo-da-guia-da-previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/
- -8
>. Acesso em: 27 nov. 2018.previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/
_____. Ministério do Desenvolvimento Social. Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Valor limite para o
. 25 jan. 2018b. Disponível em: <direito ao salário-família https://www.inss.gov.br/beneficios/salario-familia
>. Acesso em: 27 nov. 2018./valor-limite-para-direito-ao-salario-familia/
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. . 16 mai. 2018.IRPF (Imposto sobre a renda das pessoas físicas)
Disponível em: <http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica>.
Acesso em: 27 nov. 2018.
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. . 08 nov. 2016. Disponível Tabela de incidência de contribuição
em: <http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/emissao-e-
pagamento-de-darf-das-gps-e-dae/calculo-de-contribuicoes-previdenciarias-e-emissao-de-gps/tabela-de-
>. Acesso em: 28 nov. 2018.incidencia-de-contribuicao
OLIVEIRA, A. . São Paulo: Atlas, 2010.Manual da prática trabalhista
https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/calculo-da-guia-da-previdencia-social-gps/tabela-de-contribuicao-mensal/
https://www.inss.gov.br/beneficios/salario-familia/valor-limite-para-direito-ao-salario-familia/
https://www.inss.gov.br/beneficios/salario-familia/valor-limite-para-direito-ao-salario-familia/
http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/emissao-e-pagamento-de-darf-das-gps-e-dae/calculo-de-contribuicoes-previdenciarias-e-emissao-de-gps/tabela-de-incidencia-de-contribuicao
http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/emissao-e-pagamento-de-darf-das-gps-e-dae/calculo-de-contribuicoes-previdenciarias-e-emissao-de-gps/tabela-de-incidencia-de-contribuicao
http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/emissao-e-pagamento-de-darf-das-gps-e-dae/calculo-de-contribuicoes-previdenciarias-e-emissao-de-gps/tabela-de-incidencia-de-contribuicao
- -1
Impostos
Maitê de Siqueira Brahm
Introdução
Nesta unidade, você irá aprofundar seus conhecimentos sobre o Imposto de Renda, o imposto com maior
arrecadação no Brasil desde a década de 1940. Vai compreender seu propósito, sua origem, a legislação que
regra e entender como funciona a sua base de cálculo.
O Imposto de Renda está presente no cotidiano de parte significativa dos trabalhadores e entender como
funciona seu mecanismo é crucial para realizar o cálculo de contracheques. Mas, afinal, para que serve o Imposto
de Renda? Como saber quanto reter do meu trabalhador por mês? O valor que eu pago de Imposto de Renda
mensal está correto? Essas e outras perguntas serão respondidas ao longo desta unidade temática.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• identificar a origem do valor de desconto do IRRF demonstrando as faixas de incidência e sua fórmula de 
cálculo.&nbsp;
História do Imposto de Renda no Brasil
Para iniciar a compreensão do Imposto de Renda (IRRF), é importante conhecer a sua origem no país. A ideia de
um imposto baseado na cobrança de um valor sobre os rendimentos dos brasileiros data de 1843, ainda no
reinado de Dom Pedro II, de acordo com informações da Receita Federal (2014). Mas, somente em 1922 que o
Imposto de Renda foi efetivamente criado. “[...] Foi instituído no Brasil por força do artigo 31 da Lei n. 4.625, de
31 de dezembro de 1922, que orçou a Receita Geral da República dos Estados Unidos do Brasil para o exercício
de 1923” (RECEITA FEDERAL, 2014, p. 31). Foi instituído, também, que só poderia incidir imposto sobre o que
era efetivamente declarado e, assim, criou-se a Declaração de Renda para verificar sobre quais valores era
possível incidir tributação deste imposto.
Em 1944, de acordo com a Receita Federal (2014), o IRRF tornou-se o imposto número um em arrecadação e, em
1979, passou a reinar de forma absoluta na posição, pois até então dividia com o imposto de consumo. Em 1964
passa por uma importante reformulação, de acordo com a reforma tributária (1964 até 1967), com o surgimento
dos incentivos fiscais (descontos para certos segmentos econômicos), definição do crime de sonegação e fraude
ao IRRF.
Outro momento importante para o Imposto de Renda foi que, a partir de 1991, teve início a informatização do
processo de Declaração de Renda (RECEITA FEDERAL, 2014). Além disso, em 1996 surge a opção da Declaração
Completa e da Declaração Simplificada, visto que o desconto geral de 20% sobre os rendimentos substituía todas
as diferentes formas de deduções admitidas na legislação.
A partir do início dos anos 2000 houve um aumento da preocupação da Receita Federal com o uso de tecnologias
para facilitar a Declaração de Renda e evitar as fraudes ao imposto, e foram aceitas declarações enviadas via
internet e telefone. Em 2010 foram excluídos os formulários em papel, sendo aceito apenas o envio através dos
programas on-line via internet. Para a Receita Federal (2016), o propósito da sua existência era:
O imposto sobre a renda é a forma de tributação que mais pode colaborar com uma melhor
•
- -2
O imposto sobre a renda é a forma de tributação que mais pode colaborar com uma melhor
distribuição de renda, ser utilizada como instrumento de justiça fiscal, está mais ligada à capacidade
contributiva da pessoa e que mais se presta a contribuir com uma sociedade menos desigual. Pode
ser cobrado mais das pessoas que possuem mais renda e cobrado menos das que têm menos.
(RECEITA FEDERAL, 2016, ).on-line
É visível a relevância do IRRF para a construção dos tributos no Brasil, sendo ele o mais importante atualmente.
Continuando o estudo, você irá analisar a legislação e, em seguida, a formade cálculo do IRRF, baseado nas
tabelas atuais.
Imposto de Renda – legislação, tabela de 
tributação e obrigatoriedade do pagamento
O imposto de renda incide sobre diferentes formas de proventos, como já estudado anteriormente. De acordo
com Oliveira (2010), incide sobre o IRRF: salários, ordenados, soldos, soldadas, subsídios, honorários, adicionais,
vantagens, extraordinários, suplementação, abonos, bonificações, gorjetas, gratificações, 13º, participações,
percentagens, prêmios, cotas-partes em multas ou receitas, comissões, corretagens, vantagens por transferência
de local de trabalho, verbas de representação.
SAIBA MAIS
Quer conhecer ainda mais sobre a história do Imposto de Renda brasileiro? Veja o vídeo
produzido pela TV Receita, que trata da constituição do imposto, objeto de estudo nesta
unidade.
- -3
Figura 1 - Diferentes elementos têm incidência do IRRF
Fonte: Franck Boston, Shutterstock, 2019.
A partir de agora, você vai entender mais sobre a legislação, tabela de tributação e a forma de cálculo do IRRF
retido na fonte.
Legislação do IRRF e tabela de tributação
A legislação que rege o IRRF é a Lei n. 11.482, de 31/05/2007, que efetua alterações na tabela do Imposto de
Renda. Já a Lei n. 13.149, de 21/07/2015, atualiza os valores da tabela mensal do Imposto de Renda Pessoa
Física, sendo esta a última atualização na tabela mensal.
Confira a seguir a tabela progressiva mensal.
FIQUE ATENTO
As alterações nas tabelas referentes à alíquota de Imposto de Renda são sempre estabelecidas
em legislações, como a Lei n. 13.149/2015. Na legislação são estabelecidas quatro faixas de
alíquotas que variam de 7,5% até 27,5%, dependendo da renda.
- -4
Figura 2 - Tabela de incidência mensal IRRF
Fonte: RECEITA FEDERAL, 2018a, on-line.
Outro valor importante estabelecido legalmente é o valor de dedução por dependente, ou seja, filhos, cônjuges
ou familiares que dependem do pagador do IRRF. O valor estabelecido é de R$ 189,59 de dedução mensal por
dependente. Ou seja, caso a pessoa tenha 3 dependentes, o valor mensal a ser deduzido será de R$ 568,77.
Obrigatoriedade IRR
A legislação do IRRF também estabelece para quais pessoas o pagamento do IRRF é obrigatório. “Instrução
Normativa RFB nº 1.794, de 23 de fevereiro de 2018, está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do
Imposto de Renda Pessoa Física referente ao exercício de 2018, a pessoa física residente no Brasil que, no ano-
calendário de 2017” (RECEITA FEDERAL, 2018, ):on-line
- -5
Figura 3 - Obrigatoriedade de Pagamento IRRF 2018
Fonte: RECEITA FEDERAL, 2018b, on-line.
Além das pessoas que têm obrigação de pagar IRRF, existem os casos em que há dispensa do pagamento do IRRF
2018, de acordo com Receita Federal (2018b, )on-line :
- não se enquadre em nenhuma das hipóteses de obrigatoriedade da tabela anterior;
- conste como dependente em declaração apresentada por outra pessoa física, na qual tenham sido
informados seus rendimentos, bens e direitos caso os possua;
- teve a posse ou a propriedade de bens e direitos, inclusive terra nua, quando os bens comuns forem
declarados pelo cônjuge, desde que o valor total dos seus bens privativos não exceda R$ 300.000,00,
em 31 de dezembro de 2017.
De forma sintética, a tabela presente neste tópico apresenta todas as situações em que é obrigatório o
pagamento de IRRF.
- -6
Cálculo do Imposto de Renda
Sobre este assunto, Oliveira (2010, p.59) afirma que “o imposto a ser descontado corresponderá à soma dos
valores obtidos pela aplicação das respectivas alíquotas sobre a porção de renda compreendida nos limites de
cada classe de renda da tabela progressiva.”
Para qualquer cálculo que necessite ser feito, é importante que você tenha acesso às tabelas atualizadas da
Receita Federal e INSS, visto que sobre o valor descontado à seguridade social não há incidência de IRRF. Com
acesso a essas informações você conseguirá, com facilidade, calcular o valor do IRRF retido na fonte.
Figura 4 - O cálculo do IRRF
Fonte: Paul Maguire, Shutterstock, 2019.
Para que você consiga efetuar os cálculos é importante que você realize exercícios com valores de remuneração
EXEMPLO
Confira o pagamento da senhora Fátima, em 31/03/2017, com dois dependentes e uma renda
bruta de R$3.100,00. Qual a sua retenção na fonte?
1º cálculo: valor do desconto de dependentes: 2x R$189,59=379,18
2º cálculo INSS (consultar tabela unidade 1)11%: 3100x0,11=R$ 341,00
Total dos abatimentos do Cálculo IR: 379,18+341=R$ 720,15
Para chegar na Base de Cálculo: (Renda Bruta) – (Total dos abatimentos)
R$3100,00-R$720,15=R$2379,85 (valor da base de cálculo do IRRF)
A base de cálculo é de . A senhora Fátima encontra-se na primeira faixa (de R$R$2379,85
1.903,99 até R$ 2.826,65 – conforme tabela 1 dessa unidade), com alíquota de 7,5%. Para
saber o valor a ser retido na fonte calcula-se:
R$2379,85 x 0,075=R$ 178,49
Na última coluna da tabela 1 ainda se tem a parcela a deduzir do IR, ou seja, mais um valor que
deve ser DESCONTADO no cálculo do IRRF a ser retido na fonte. No caso da sra. Fátima: R$
178,49 – R$142,80 .= R$ 35,69
A retenção mensal da fonte da sra. Fátima é de R$ 35,69.
- -7
Para que você consiga efetuar os cálculos é importante que você realize exercícios com valores de remuneração
diferentes, mas seguindo sempre as instruções acima apresentadas. Atente sempre para as faixas de INSS e às
faixas de retenção do IRRF, observe também o caso de dependentes, visto que eles aumentam o volume de
abatimentos no cálculo.
Fechamento
Nesta unidade, você teve a oportunidade de discutir o Imposto de Renda de forma aprofundada, compreendendo
em quais situações ele é obrigatório e em quais não é. Outro ponto importante foi compreender a forma de
cálculo do IRRF retido na fonte mensalmente, que tem uma importante aplicabilidade prática no cálculo de
contracheques e nas folhas de pagamento. Além dessas informações essenciais, como o desconto por
dependentes, é fundamental você se manter atualizado com relação às mudanças nos valores deduzidos e nas
faixas de tributação através de fontes confiáveis, como o site oficial da Receita Federal.
Referências
BRASIL. Ministério da Fazenda. Receita Federal. segurança, rapidez e1977 a 2016 – o avanço tecnológico:
facilidade no preenchimento e na entrega da declaração. Brasília, 23 mai. 2016. Disponível em: <http://idg.
receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda/historia/1997-a-2014-o-avanco-
>. Acesso em: 02 jan.tecnologico-seguranca-rapidez-e-facilidade-no-preenchimento-e-na-entrega-da-declaracao
2019.
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. . Disponível em: História do Imposto de Renda <http://idg.receita.
 >.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda Acesso em: 02 dez. 2018.
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. História do Imposto de Renda. [ ]. Brasília, 07 mar. 2016.vídeo
Disponível em: < >. Acesso em: 02 jan. 2019.https://www.youtube.com/watch?v=iT6R1atkifk
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. enfoque da pessoa físicaHistória do imposto de renda no Brasil:
(1922-2013). Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.youblisher.com/p/997520-Historia-do-imposto-de-
>. Acesso em: 02 jan. 2019.Renda-no-Brasil/
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. IRPF (Imposto sobre a renda das pessoas físicas). Tabela de
. Brasília, 16 mai. 2018a. Disponível em:incidência mensal <http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido
/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#tabelas-de-incid-ncia-mensal>. Acesso em: 02 dez. 2018.
_____. Ministério da Fazenda. Receita Federal. Brasília,Obrigatoriedade do pagamento de Imposto de Renda.
26 fev. 2018b. Disponível em: <http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2018/apresentacao
>./obrigatoriedade Acesso em: 02 dez. 2018.
OLIVEIRA, A. . São Paulo: Atlas, 2010.Manual da prática trabalhista
http://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda/historia/1997-a-2014-o-avanco-tecnologico-seguranca-rapidez-e-facilidade-no-preenchimento-e-na-entrega-da-declaracaohttp://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda/historia/1997-a-2014-o-avanco-tecnologico-seguranca-rapidez-e-facilidade-no-preenchimento-e-na-entrega-da-declaracao
http://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda/historia/1997-a-2014-o-avanco-tecnologico-seguranca-rapidez-e-facilidade-no-preenchimento-e-na-entrega-da-declaracao
http://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda
http://idg.receita.fazenda.gov.br/sobre/institucional/memoria/imposto-de-renda
https://www.youtube.com/watch?v=iT6R1atkifk
http://www.youblisher.com/p/997520-Historia-do-imposto-de-Renda-no-Brasil/
http://www.youblisher.com/p/997520-Historia-do-imposto-de-Renda-no-Brasil/
http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#tabelas-de-incid-ncia-mensal
http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#tabelas-de-incid-ncia-mensal
http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica#tabelas-de-incid-ncia-mensal
http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2018/apresentacao/obrigatoriedade
http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2018/apresentacao/obrigatoriedade
- -1
Férias vencidas e proporcionais
Maitê de Siqueira Brahm
Introdução
Nesta unidade, você irá aprofundar seus conhecimentos sobre o cálculo de férias vencidas e férias proporcionais,
identificando as suas particularidades e aprendendo a efetuar o cálculo desses valores. As férias são um
elemento bastante constante no cotidiano e, geralmente, são atreladas ao descanso da rotina de trabalho e de um
valor extra no salário. Mas, afinal, quando se tem direito a férias? E se eu for demitido do meu emprego antes de
completar 12 meses de trabalho, terei direito às férias? A partir de quando tenho direito de gozar deste
benefício? É isso que você irá aprender, a partir de agora.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• conhecer os diferentes tipos de férias, identificando suas diferenças e as suas fórmulas de cálculo.&nbsp;
A legislação sobre férias no Brasil
Para iniciar a discussão sobre o direito a férias, deve-se compreender qual a legislação que garante este direito
ao trabalhador brasileiro. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 7º, inciso XVII, dispõe que é um direito
de todos os trabalhadores urbanos e rurais gozar férias anuais, remuneradas. Além disso, este direito está
positivado no artigo 130 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1943, e teve sua redação alterada pelo
Decreto-lei n. 1.535/1977, que será reproduzido na íntegra a seguir:
Art. 130 - Após cada período de 12 (doze) meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado
terá direito a férias, na seguinte proporção:
I - 30 (trinta) dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 5 (cinco) vezes;
II - 24 (vinte e quatro) dias corridos, quando houver tido de 6 (seis) a 14 (quatorze) faltas;
III - 18 (dezoito) dias corridos, quando houver tido de 15 (quinze) a 23 (vinte e três) faltas;
IV - 12 (doze) dias corridos, quando houver tido de 24 (vinte e quatro) a 32 (trinta e duas) faltas.
§ 1º - É vedado descontar, do período de férias, as faltas do empregado ao serviço.
§ 2º - O período das férias será computado, para todos os efeitos, como tempo de serviço (BRASIL,
1943, )on-line . 
É evidente, pelo texto apresentado pela CLT, que em função de faltas os trabalhadores perdem dias de direito a
férias, sendo o valor mínimo de 12 dias quando houver de 24 a 32 faltas. Outra informação importante de
consulta à legislação é com relação aos dias que NÃO SÃO CONSIDERADOS FALTAS, ou seja, não serão
descontados do período de férias, que são apresentados na tabela a seguir:
•
- -2
Tabela 1 - Condições em que a ausência do empregado não é considerada falta ao serviço
Fonte: Elaborada pela autora, baseado em BRASIL, 1943.
Na tabela acima foram apresentadas as situações em que não podem ser consideradas faltas no registro ponto do
trabalhador e as situações excepcionais nas quais a CLT garante.
- -3
É preciso mencionar que é garantido em lei o direito ao abono pecuniário, como prevê o art. 143 da CLT: “é
facultado ao empregado converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário,
no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.” Ou seja, dos 30 dias regulares de férias,
o trabalhador tem direito de vender esses dias ao seu trabalhador com a devida remuneração.
Agora que você já sabe quando o trabalhador tem direito a férias, é importante saber quais elementos incidem
sobre o cálculo desse benefício, é o que verá a seguir.
Férias: terço de férias a mais no salário
Conforme Oliveira (2010), está disposto no artigo 7º, inciso XVII, da Constituição Brasileira, o pagamento de um
terço a mais do que o salário normal no caso de gozo de férias anuais remuneradas. Para o cálculo desse valor,
consideram-se os elementos mencionado no artigo 457 da CLT.
Há ainda o respaldo do Tribunal Superior do Trabalho (TST), através da súmula n. 328, que afirma: “o
pagamento das férias, integrais ou proporcionais, gozadas ou não, na vigência da Constituição da República de
1988, sujeita-se ao acréscimo do terço previsto em seu art. 7º, inciso XVII.”
Tipos de férias a serem gozadas pelo 
trabalhador
Existem, basicamente, dois tipos de férias: as e . As vencidas seriam noférias vencidas proporcionais
andamento do contrato de trabalho, quando o trabalhador adquiriu o direito de gozo de férias. As férias
proporcionais são quando há demissão ou não há um período completo de 12 meses para gozo de férias,
contudo, elas devem ser remuneradas proporcionalmente.
Dentro das férias vencidas existem:
SAIBA MAIS
Existem algumas situações em que o trabalhador tem a perda do direito a férias. Para saber
mais consulte o artigo 133, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
FIQUE ATENTO
Os valores referentes ao pagamento do terço de férias recaem apenas sobre o salário do
trabalhador. Demais benefícios não são considerados para cálculo do terço de férias!
- -4
Dentro das férias vencidas existem:
· as individuais;
· as coletivas: conforme o art. 139 da CLT, elas poderão ser concedidas “a todos os empregados de uma empresa
ou de determinados estabelecimentos ou setores da empresa”;
· as férias pagas em dobro: como dispõe o art. 137 da CLT: “sempre que as férias forem concedidas após o prazo
de que trata o art. 134, o empregador pagará em dobro a respectiva remuneração”.
Figura 1 - A importância das férias vencidas para o trabalhador
Fonte: Glovatskiy, Shutterstock, 2019.
É importante que você se atenha na questão das férias pagas em dobro. O trabalhador deve gozar férias
referentes ao ano de ingresso no ano posterior, ou seja, caso tenha sido admitido em janeiro de 2016, ele tem até
dezembro de 2017 para tirar suas férias, sem que haja a necessidade de pagamento dobrado.
- -5
Figura 2 - Rescisão do contrato de trabalho gera férias proporcionais
Fonte: tommaso79, Shutterstock, 2019.
Já nas férias proporcionais existem:
· as coletivas proporcionais com menos de um ano: “art. 140 - os empregados contratados há menos de 12 (doze)
meses gozarão, na oportunidade, férias proporcionais, iniciando-se, então, novo período aquisitivo”;
· por rescisão de contrato de trabalho.
Cálculo das férias vencidas – 30 dias
Para iniciar o cálculo das férias vencidas, é importante consultar a tabela de incidência para saber se há
incidências de INSS, FGTS e IR, bem como quais os valores.
- -6
Figura 3 - A importância do cálculo correto para os tipos de férias
Fonte: Zerbor, Shutterstock, 2019.
O primeiro cálculo envolve um trabalhador, com período de 12 meses completos, salário de R$ 2.300,00 e gozo
de 30 dias de férias, sem abono pecuniário. Neste caso há incidência de INSS, FGTS e IRRF.
Férias 30 dias = 2.300,00
1/3 férias = 766,67
Valor bruto de férias = 3.066,67
INSS = 3.066,67 x 11% = 337,33
IRRF = 3.066,67 –337,33 =
IRRF = 2.729,34 x 7,5% - 142,80 =
IRRF = 61,90
LÍQ. FÉRIAS = 3.066,67 – 337,33 – 61,90
O valor total a ser recebido em férias será de R$ 2.667,44.
O cálculo para férias coletivas, individuais e em dobro são iguais. Apenas que, no caso de direito ao dobro de
férias, não há incidência de INSS, FGTS e IR. Assim, o valor a ser remunerado ao trabalhador não teria os
descontos, o valor a ser pago, somado ao 1/3 de férias, seria de R$ 2.667,44 + 3.066,67 = 5.734,11 e ele teria
direito de gozo apenas de 30 dias.
Cálculo das férias proporcionais e abono pecuniário
As férias proporcionais, diferentemente das vencidas, não sofrem a incidência de INSS, FGTS e IR. Veja como fica
o cálculo.
Um trabalhador com período de 8 meses completos e salário de R$ 3.500,00.
R$ 3.500/12 x 8 = R$ 2.333,33.
Como o trabalhador não completou 12 meses, ele tem direito apenas às férias proporcionais. Contudo, ainda
existe o direito a 1/3 de férias proporcional, assim, calcula-se: R$ 2.333,33/3 = R$ 777,78.
O valor total a ser recebido de férias proporcional é , referente aos 8 meses trabalhados. O cálculoR$ 3.111,10
acima serve também para saber os valores a serem pagos a trabalhadores que foram demitidos sem ter
completado 12 meses, ou seja, o cálculo será proporcional ao número de meses trabalhados.
- -7
Tanto o cálculo de férias proporcionais, quanto de abono pecuniário devem ser feitos com muita atenção para
que não haja erros. São vários detalhes que o responsável pela folha de pagamento deve estar ciente.
Os cálculos das férias precisam ser exercitados, diversas vezes, para garantir a fixação da forma de realizá-los.
Use a criatividade e altere o valor dos salários e número de meses trabalhados, assim poderá visualizar
diferentes cenários de pagamentos.
Fechamento
Nesta unidade, você teve a oportunidade de conhecer os tipos de férias: as vencidas e as proporcionais. Analisou
a legislação vigente que trata do assunto e entendeu as diferenças mais representativas entre elas. Lembre-se
que as férias vencidas são um direito do trabalhador em gozá-las dentro do período legal estabelecido, enquanto
as férias proporcionais devem ser remuneradas, com base no tempo de trabalho efetivamente praticado.
Os desafios desta unidade centram-se nos cálculos e no atentar para a minúcia de informações que os cálculos
corretos de férias exigem. É preciso que você esteja atento na realização dos cálculos, visto que eles têm uma
enorme aplicabilidade prática na rotina de folha de pagamento.
EXEMPLO
O sr. Jonas tem direito a 30 dias corridos de férias, contudo, vai vender 10 dias para requer o
abono pecuniário. Seu salário é R$ 2.369,00, qual será o seu valor de abono pecuniário?
Férias 20 dias = 2.639,00 / 30 x 20 = 1.579,33
1/3 férias = 1.579,33 / 3 = 526,44
Abono férias = 2.369,00 / 30 x 10 = 789,67
1/3 abono = 789,67 / 3 = 263,22
Valor do abono férias = 789,67 + 263,22 = 1.052,89
FIQUE ATENTO
Sobre o cálculo de abono e férias proporcionais não há a incidência de INSS, FGTS e IR! Além
disso, atente para o efetivo número de meses trabalhados para calcular as férias proporcionais.
- -8
Referências
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br
>. Acesso em: 12 dez. 2018./ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
_____. Decreto Lei n. 5.452, de 1 de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <
>.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm Acesso em: 12 dez. 2018.
_____. Tribunal Superior do Trabalho. Súmula n. 328. Disponível em: <http://conteudojuridico.com.br/sumula-
 >.organizada,tst-sumula-328,6890.html Acesso em: 12 dez. 2018.
OLIVEIRA, A. . São Paulo: Atlas, 2010.Manual da Prática Trabalhista
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452.htm
http://conteudojuridico.com.br/sumula-organizada,tst-sumula-328,6890.html
http://conteudojuridico.com.br/sumula-organizada,tst-sumula-328,6890.html
- -1
Cálculo do 13º Salário
Maitê de Siqueira Brahm
Introdução
O 13º é um direito do trabalhador brasileiro, garantido pela Constituição Federal, contudo, ainda pairam muitas
dúvidas sobre quem efetivamente deve receber. E, assim, surgem questões como: quando se tem direito ao 13º?
E se eu for demitido do meu emprego antes de completar 12 meses de trabalho, receberei o 13º? Como se chega
ao valor do 13º? Quando irei receber o benefício? Ao longo desta unidade, você vai saber a resposta para todos
esses questionamentos.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• entender como calcular o 13º salário, identificando os elementos necessários para sua obtenção.
O 13º salário na legislação brasileira
Para começar a explorar o 13º salário, é importante compreender a legislação que o regula. A lei que estabeleceu
o 13º salário foi a Lei n. 4.090, de 13 de julho de 1962, que afirma:
Art. 1º - No mês de dezembro de cada ano, a todo empregado será paga, pelo empregador, uma
gratificação salarial, independentemente da remuneração a que fizer jus.
§ 1º - A gratificação corresponderá a 1/12 avos da remuneração devida em dezembro, por mês de
serviço, do ano correspondente.
§ 2º - A fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho será havida como mês integral para os
efeitos do parágrafo anterior.
§ 3º - A gratificação será proporcional:
I - na extinção dos contratos a prazo, entre estes incluídos os de safra, ainda que a relação de
emprego haja findado antes de dezembro; e
II - na cessação da relação de emprego resultante da aposentadoria do trabalhador, ainda que
verificada antes de dezembro.
Art. 2º - As faltas legais e justificadas ao serviço não serão deduzidas para os fins previstos no § 1º do
art. 1º desta Lei (BRASIL, 1962, ).on-line
Além da Lei n. 4.090, o 13º salário também foi definido pela Lei n. 4.749, de 12 de agosto de 1965. Esta segunda
lei é de fundamental importância, pois apresenta a forma de pagamento do 13º e garante um outro benefício, o
adiantamento de 13º, conforme seguem trechos do texto da lei:
Art. 1º - A gratificação salarial instituída pela Lei número 4.090, de 13 de julho de 1962, será paga
pelo empregador até o dia 20 de dezembro de cada ano, compensada a importância que, a título de
adiantamento, o empregado houver recebido na forma do artigo seguinte. [...]
Art. 2º - Entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, o empregador pagará, como
•
- -2
Art. 2º - Entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, o empregador pagará, como
adiantamento da gratificação referida no artigo precedente, de uma só vez, metade do salário
recebido pelo respectivo empregado no mês anterior (BRASIL, 1965a, ).on-line
A Lei n. 4.749 institui as datas e a forma para pagamento do direito ao 13º, contudo, existe um outro dispositivo
legal que o regulamenta. É o Decreto n. 57.155, de 1965. Os elementos principais do decreto são transcritos a
seguir:
Art. 2º Para os empregados que recebem salário variável, a qualquer título, a gratificação será
calculada na base de 1/11 (um onze avos) da soma das importâncias variáveis devidas nos meses
trabalhados até novembro de cada ano. A esta gratificação se somará a que corresponder à parte do
salário contratual fixo. (...)
Art. 3º Entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, o empregador pagará, como
adiantamento da gratificação, de uma só vez, metade do salário recebido pelo empregado no mês
anterior.
§ 1º Tratando-se de empregados que recebem apenas salário variável, a qualquer título, o
adiantamento será calculado na base da soma das importâncias variáveis devidas nos meses
trabalhados até o anterior àquele em que se realizar o mesmo adiantamento.
§ 2º O empregador não estará obrigado a pagar o adiantamento no mesmo mês a todos os seus
empregados.
§ 3º A importância que o empregado houver recebido a título de adiantamento será deduzida do
valor da gratificação devida.
§ 4º Nos casos em que o empregadofor admitido no curso do ano, ou, durante este, não permanecer
à disposição do empregador durante todos os meses, o adiantamento corresponderá à metade de 1
/12 avos da remuneração, por mês de serviço ou fração superior a 15 (quinze) dias (BRASIL, 1965b, 
).on-line
O Decreto apresenta a forma de remuneração dos empregados com salário variável em seu artigo 2º. Já o art. 3º
estabelece o período de pagamento da primeira metade do 13º.
Outro esclarecimento importante é o trazido por Oliveira (2010), que afirma que o pagamento da segunda
parcela deve ser feito até 20 de dezembro do ano corrente, e seu valor corresponde à 1/12 da remuneração
referente ao salário de dezembro. É importante salientar que a fração, igual ou superior a 15 dias, será
contabilizada como mês de trabalho integral. Com relação às faltas legais e justificadas, estas não podem ser
deduzidas para pagamento do 13º.
O adiantamento, de que trata o Decreto, é quando o trabalhador solicita que a primeira parcela não seja paga até
30 de novembro (data legal limite da primeira parcela do 13º), mas sim no momento de suas férias. Nessa
situação, o trabalhador recebe a primeira parcela nas suas férias e a segunda em até 20/12.
FIQUE ATENTO
O 13º deve ser pago em duas parcelas: uma na data máxima de 30 de novembro e, a segunda
parcela, até 20 de dezembro!
- -3
Agora que você já entendeu como a legislação trata o 13º salário, aprenderá as formas de cálculo desse benefício.
Formas de cálculo do 13º salário
Vajamos as especificidades dos cálculos do 13º salário.
Cálculo da primeira parcela (entre fevereiro até 30/11)
A primeira parcela deve ser paga entre fevereiro e novembro, salvo quando ela for solicitada pelo empregado
junto às férias, o chamado adiantamento. Pessoas admitidas até 17/1 (regra dos 15 dias trabalhados contam
como integral) recebem o benefício de forma integral. Na primeira parcela não há incidência de descontos,
apenas de recolhimento de FGTS.
• Mensalista: salário mensal de R$ 1.365,00/12 = 113,75x6= R$ 682,50 a ser pago na primeira parcela.
• Diarista: se recebe R$ 25,00 por dia, recebe a meta de 30 dias. Logo, 25 x 30= 750 /2= R$ 375,00.
• Horista: recebe R$ 11,00 por hora, em uma jornada de 220h faz jus a sua metade. Logo, 11 x 220 =2.420
/2= R$ 1.210,00
• Salário variável: quando o salário é variável paga-se a metade da média mensal até o mês de outubro, 
pois a primeira parcela será em novembro.
Figura 1 - Salários variáveis para cálculo do 13º salário
Fonte: Elaborado pela autora, 2019.
SAIBA MAIS
Quer saber mais sobre a data de pagamento do benefício e outras informações importantes?
Leia a matéria da Folha de São Paulo, intitulada “Entenda como são calculadas a 1ª e 2ª
parcelas do 13º salário”.
•
•
•
•
- -4
Fonte: Elaborado pela autora, 2019.
Média mensal: 60.600/10 = 6.060,00 /2 = R$ 3.030,00 valor da primeira parcela.
• Salário variável mais fixo: nesse caso, é preciso verificar a média dos valores variáveis e somá-la aos 
valores fixos. Se atenha a média de salários apresentados na tabela 1 e um salário fixo mensal de R$ 
1.800,00. Sendo que esse trabalhador recebe o fixo + variável todos os meses, assim: média: R$ 6.060,00 
+ 1.800,00= 7.860,00/2= R$ 3.930,00 valor da primeira parcela.
• Salário por tarefa: esse tipo de remuneração se dá quando o trabalhador recebe por produção, 
exemplo, por número de peças.
Figura 2 - Produção por tarefa
Fonte: Shutterstock, 2019.
Veja como ficaria o cálculo no exemplo do trabalhador que recebe por número de peças produzidas. Um
empregado produziu 95 mil peças de janeiro a outubro, e a remuneração por peça foi de R$ 0,58. Calcula-se
primeiro a média mensal de produção: 95.000/10= 9.500 peças/mês. 9.500 x 0,58 = R$ 5.510,00/2 = R$
2.755,00 valor da primeira parcela do 13º.
• Trabalhadores admitidos após 17/1: quando os trabalhadores são admitidos ao longo do ano, o 
pagamento do 13º salário deve ser feito atribuindo 1/12 do salário mensal percebido, contado da 
admissão até o mês anterior do pagamento do total encontrado.
Imagine que um trabalhador foi contratado dia 19/7/2018, com salário mensal de R$ 2.400,00, trabalhou 5
meses, sendo que julho não conta (menos de 15 dias trabalhados). O cálculo ficaria assim: 2.400/12 = 200,00 x 5
= 1.000,00/2= R$ 500,00.
•
•
•
- -5
Esse modelo serve para todos as outras formas de remuneração trabalhadas acima, é importante encontrar o
número de meses trabalhado e realizar o cálculo proporcional.
Cálculo da segunda parcela (20/12)
Para o cálculo da segunda parcela, é importante consultar a tabela de incidências já estudada, assim você 
descobre se há incidência de INSS, FGTS e IRRF. Os critérios para o cálculo da segunda parcela são exatamente os
mesmos, contudo, nessa parcela incidem os descontos.
Figura 3 - Incidência de INSS, FGTS e IRRF na 2ª parcela do 13º Salário
Fonte: alexskopje, Shutterstock, 2019.
Veja como ficariam os cálculos da segunda parcela.
• Mensalista: salário mensal de R$ 2.500,00 e admissão em 10/1/17:
- INSS: 2.500 x 0,09 (conforme tabela de incidência) = 225,00
2.500 - 225= R$ 2.275,00
- IRRF: 2.275 x 0,075 = 170,62-142,80 =27,82, assim, R$ 2.275-27,82= R$ 2.247,18
- Valor de base da 2º parcela do 13º: R$ 2.247,18 – 1.250 (1º parcela) = 997,18
- Valor da segunda parcela R$ 997,18.
• Salário variável: para você entender melhor, veja no exemplo a seguir.
O 13º salário proporcional deve ser calculado para os empregados admitidos depois de 17 de
janeiro, e que tenham trabalhado 15 dias ou mais no mês de admissão, para que ele seja
contabilizado em sua totalidade!
FIQUE ATENTO
•
•
EXEMPLO
Estime que a soma dos salários do trabalhador, até novembro, foi de R$ 37.400,00.
- -6
Essa forma de cálculo da 2ª parcela se adequa às demais formas salariais analisadas no primeiro tópico, diarista,
horista, salário variável mais fixo e salário por tarefa.
Figura 4 - Pagamento da 2ª parcela do 13º salário
Fonte: Syda Productions, Shutterstock, 2019.
Não se esqueça de treinar os cálculos, principalmente da segunda parcela, e consultar as tabelas de incidência
quando for fazer exercícios relacionados a estas unidades.
Estime que a soma dos salários do trabalhador, até novembro, foi de R$ 37.400,00.
1° cálculo: média mensal 37.400/11= 3.400,00 (média mensal)
1ª parcela do 13º salário: 3.400/2= 1.700,00
2ª Parcela (INSS): 3.400,00 x 0,11 = 374,00
IRRF = 3.400-374= 3.026 x 0,15= 453,90- 354,80 = 99,10
3.026-99,10 = 2.926,90 – 1.700,00 (1ª parcela do 13º) = R$ 1.226,90 (valor da 2ª parcela do
13º salário).
- -7
Fechamento
Nesta unidade tivemos a oportunidade de aprender o que é o 13º salário e quem tem direito de receber esse
benefício. Podemos analisar a legislação que estabelece o benefício, quem tem direito de receber e quem tem
direito de receber proporcionalmente ao tempo de trabalho realizado.
Os desafios desta unidade centram-se nos cálculos e no cálculo de tempo a ser contabilizado para o pagamento
do benefício, visto que um mês contabilizado erroneamente pode incidir em uma enorme diferença no
pagamento de um trabalhador. Não esqueça de verificar também as tabelas trabalhistas vigentes.
Referências
BRASIL. Decreto n. 57.155, de 3 de novembro de 1965b. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed
>. /decret/1960-1969/decreto-57155-3-novembro-1965-397497-publicacaooriginal-1-pe.html Acesso em: 20
dez. 2018.
_____. Lei n. 4.090, de 13 de julho de 1962. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4090.
>. Acesso em: 26 dez. 2018.htm
_____. Disponível em: <Lei n. 4.749, de 12 de agosto de 1965a. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis
>. A/L4749.htm cesso em: 26 dez. 2018.
ENTENDA como são calculadas a 1ª e 2ª parcelas do 13º salário. , 30 nov. 2018. DisponívelFolha de São Paulo
em: <https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/11/entenda-como-sao-calculadas-a-1a-e-a-2a-parcelas-
do-13o-salario.shtml>. Acesso em: 09 jan. 2019.
OLIVEIRA, A. . São Paulo: Atlas, 2010.Manual da prática trabalhista
http://<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-57155-3-novembro-1965-397497-publicacaooriginal-1-pe.htmlhttp://<http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-57155-3-novembro-1965-397497-publicacaooriginal-1-pe.html
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4090.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4090.htm
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4749.htm
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4749.htm
- -1
Cálculo do contracheque
Maitê de Siqueira Brahm
Introdução
Você sabe o que são vencimentos e o que são descontos? Quando o trabalhador tem direito de receber vale-
transporte e qual o desconto? Quais são os descontos referentes a adiantamentos salariais? Nesta unidade,
iremos estudar o cálculo do contracheque de forma estruturada, passando pelos elementos que o compõem,
como vencimentos e descontos, INSS, IRRF, salário-família e FGTS, desconto de vale-transporte e de 
Ao final desta aula, você será capaz de:
• descrever como é realizado o cálculo do valor líquido, conhecendo os elementos que compõem o 
contracheque.
Elementos do contracheque
Para começarmos a explorar os elementos constituintes do contracheque, é preciso entender o que são
proventos e descontos. Para Oliveira (2010), a divisão desses elementos se dá em:
• proventos (aqueles que somam valores ao contracheque do trabalhador): salário, hora extra, adicional 
de insalubridade, de periculosidade, noturno e salário-família;
• descontos (valores que diminuem o valor do contracheque): quota de previdência, Imposto de Renda, 
contribuição sindical, seguros, adiantamentos, faltas e atrasos e vale-transporte.
Ainda conforme Oliveira (2010, p. 44), o salário é “a contraprestação devida e paga pelo empregador a todo
empregado. Ele pode ser pago mensal, quinzenal, semanal, diariamente por peça ou tarefa; sempre se obedecerá
o salário-mínimo”. Fazem parte do salário as comissões, importância fixa estipulada e as gratificações legais.
Com relação aos descontos, temos o desconto do INSS e do IRRF e a contribuição sindical facultativa, a critério do
trabalhador, caso deseje contribuir.
Com relação aos adiantamentos, conforme Oliveira (2010), algumas empresas mensalistas fazem, no décimo
quinto ou vigésimo dia, um adiantamento (vale do salário) a seus empregados, e, geralmente, são permitidos
adiantamentos de até 50% do salário. Ressalta-se que não é permitido realizar outros descontos, salvo quando
•
•
•
SAIBA MAIS
Para que não tenha problemas e dificuldades em seu dia a dia profissional, você deve entender,
detalhadamente, sobre os descontos e os proventos a serem gerenciados na folha de
pagamento. Dessa forma, leia atentamente o artigo nº 457 da CLT e conheça os elementos
compreendidos na remuneração do trabalhador.
- -2
adiantamentos de até 50% do salário. Ressalta-se que não é permitido realizar outros descontos, salvo quando
resultar de dispositivo legal ou Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).
Cálculo do INSS, IRRF, salário-família e FGTS
Iniciaremos o estudo dos cálculos desses quatro elementos com uma situação-problema: Raul tem dois filhos de
10 e 12 anos e recebe mensalmente R$ 1.310,00. A partir desses dados, vamos identificar a sua contribuição de
INSS, IRRF, salário-família e FGTS. Lembrando que, para consultar as tabelas de valores de referência, você deve
acessar os oficiais da Receita Federal ou do INSS.sites
Figura 1 - Cálculo dos impostos
Fonte: Paul Maguire, Shutterstock, 2018.
Então, conforme os dados da situação-problema, temos:
• IRRF: ao consultar a tabela, é possível ver que Raul está isento de Imposto de Renda, pois sua renda é 
inferior a R$ 1.903,98 mensais;
• INSS: a alíquota de desconto do INSS para o caso de Raul é de 8%, conforme a tabela oficial. O cálculo a 
ser feito será: 1.310 x 0,08 = 104,80;
• Salário-família: Raul tem dois filhos que estão dentro da idade-limite (menos de 14 anos), portanto, 
receberá o valor referente à faixa 2, ou seja, R$ 32,80 por filho, totalizando R$ 65,60;
• FGTS: o FGTS é uma taxa única de 8%, que deve ser depositado em uma conta para o trabalhador. O 
cálculo a ser feito será: 1.310 x 0,08 = 104,80.
Observe essas informações na tabela de bases e de contribuições, a seguir:
•
•
•
•
- -3
Figura 2 - Bases e contribuições do trabalhador
Fonte: Elaborada pela autora, 2019.
Portanto, o valor líquido a ser recebido por Raul é de: R$ 1.310,00 – 114,80 = R$ 1.195,20 + R$ 65,60 (salário-
família) = R$ 1.260,80 de líquido a receber.
Agora que estudamos a forma de cálculo dos impostos e do salário-família, iremos visualizar como funciona os
descontos de vale-transporte e os adiantamentos ao trabalhador.
Descontos de vale-transporte e de 
adiantamentos
A legislação que institui o vale-transporte é o Decreto-Lei nº 7.619, de 30 de setembro de 1987. Com relação às
pessoas que têm direito ao benefício, o art. 1 dispõe que são os empregados (conforme definido na CLT), os
empregados domésticos (conforme definido na Lei nº 5.859/1972), os trabalhadores de empresas de trabalho
temporário (conforme a Lei nº 6.019/1974), os empregados a domicílio para os deslocamentos indispensáveis à
prestação do trabalho, os empregados do subempreiteiro (em relação a este e ao empreiteiro principal – art. 455
da CLT), os atletas profissionais (conforme a Lei nº 6.354/1976) e os servidores da União, DF, Territórios e suas
autarquias (BRASIL, 1987).
É importante ressaltar que o vale-transporte vale para todas as formas de transporte coletivo, sendo ele urbano,
intermunicipal ou interestadual, tendo o empregado o direito a seu recebimento. Além disso, o empregador está
livre do pagamento de vale-transporte caso disponha de transporte próprio (fretamento) para a realização do
deslocamento dos empregados.
Ainda conforme o Decreto-Lei nº 7.619/1987, art. 9, o vale-transporte será custeado pelo empregado (o
FIQUE ATENTO
Consulte as tabelas dos valores de referência no da Receita Federal ou do INSS para sabersite
os valores-base dos impostos. Além disso, lembre-se de que o salário-família se divide em duas
faixas e só têm direito a receber os trabalhadores com filhos de até 14 anos de idade.
- -4
Ainda conforme o Decreto-Lei nº 7.619/1987, art. 9, o vale-transporte será custeado pelo empregado (o
equivalente de até 6% de seu salário-base) e pelo empregador no que exceder essa parcela de até 6%. Então, a
base de cálculo para a determinação dessa parcela será o salário básico ou vencimento ou o montante percebido
no período, no caso do trabalhador remunerado por tarefa ou serviço, ou remuneração constituída
exclusivamente por comissões, percentagens, gratificações, gorjetas ou equivalentes (BRASIL, 1987).
Usando como exemplo a situação de Raul, que tem salário-base de R$ 1.310,00, ele teria um desconto de
R$ 78,60 referente ao vale-transporte. Também é importante considerar que o valor do vale-transporte
depende do tipo da condução que o trabalhador usa e do valor da passagem. Vamos supor que Raul usa 4 ônibus
diários com valor de passagem de R$ 3,50 cada. Ele teria, portanto, um gasto diário de R$ 14,00. Sendo 22 dias
trabalhados, seu gasto total seria de R$ 308,00.
O empregador fica então comprometido a gastar o valor referente a R$ 308 - R$ 78,60 = 229,40 reais.
Com relação ao desconto de adiantamento, a legislação brasileira, em especial a CLT, é bastante vaga acerca da
concessão de adiantamentos salariais, pois autoriza a concessão de adiantamentos, mas não estipula valores-
limite mínimos ou máximos. Algumas Convenções Coletivas de Trabalho preveem esse benefício ao trabalhador
e estipulam regras mais claras, sendo que a maioria prevê até 40% de adiantamento.
No que diz respeito à retenção de IRRF sobre os adiantamentos, o Decreto nº 3.000 de 1999, art. 621, afirma que
os adiantamentos dos rendimentos de determinado mês não estão sujeitos à retenção, desde que sejam
integralmente pagos no próprio mês a que se referirem, momento em que se realizam os cálculos e a retenção do
imposto total dos rendimentos mensais (BRASIL, 1999).
Retomando o exemplo de Raul, se ele solicitasse um adiantamento no mês de março, na folha de abril, seria
abatidoo valor total do adiantamento solicitado.
Figura 3 - Adiantamento salarial
Fonte: Shuttertock, 2018.
FIQUE ATENTO
É importante que fique claro que o empregado é responsável pelo custeio somente de uma
parte do vale-transporte, até 6% de seu salário bruto! O restante do gasto com passagens a ser
pago dependerá do valor da passagem do transporte e do trajeto utilizado pelo empregado.
- -5
Para fixar a aplicação dos cálculos compilados neste tema, vamos analisar a seguinte situação-problema como
exemplo.
Em seu dia a dia profissional e, até mesmo, para que consiga conferir se o que foi calculado em sua folha de
pagamento está correto, é fundamental que você saiba analisar essas informações. Portanto, analise na tabela a
seguir como ficará a folha de pagamento do sr. Garcia, conforme o exemplo:
INSS = 3.150,00 x 11% = 356,50
IRRF = 3.150,00 – 346,50 – 189,59 =
IRRF = 2.613,91 x 7,5% - 142,80 = 53,24
SALÁRIO FAMÍLIA → não tem direito
FGTS = 3.150,00 x 8% = 252,00
VALE TRANSPORTE = 3.150,00 x 6% = 189,00
ADIANTAMENTO = 3.150 x 10% = 315,00
LÍQUIDO = 3.150,00 – 346,50 – 53,24 – 189,00 – 315,00
LÍQUIDO = 2.246,26
Veja como ficam claros todos os elementos que devem ser considerados para o cálculo do contracheque. É
importante atentar para os elementos do vale-transporte e do adiantamento salarial, que devem ser analisados
de forma individual, dependendo da situação do trabalhador.
Fechamento
Neste tema, consolidamos conhecimentos sobre o cálculo do contracheque, podendo analisar a legislação que
estabelece o vale-transporte, quem tem direito ao seu recebimento e as contrapartidas por parte do trabalhador
para receber o benefício.
A aplicabilidade prática dos conhecimentos desenvolvidos aqui são enormes, visto que podem ser utilizados no
seu dia a dia, na conferência de seus direitos como empregado, bem como na avaliação dos benefícios dos
funcionários, estando atento à legislação trabalhista e suas alterações.
Referências
BRASIL. Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível
em: < >. Acesso em: 29/12/2018.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-lei/Del5452.htm
______. Decreto n 95.247, de 17 de novembro de 1987.. Regulamenta a Lei n° 7.418, de 16 de dezembro de
EXEMPLO
O sr. Garcia recebe R$ 3.150,00 mensais, tem uma filha de 8 anos e solicitou um adiantamento
de 10% do salário no mês 3. Sabe-se que o sr. Garcia usa 4 conduções diárias no valor de R$
3,90 cada. A partir desses dados, você deve conseguir calcular o salário do sr. Garcia no mês 4,
considerando INSS, IRRF, salário-família, FGTS, vale-transporte e adiantamento.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-lei/Del5452.htm
- -6
______. Decreto n 95.247, de 17 de novembro de 1987.. Regulamenta a Lei n° 7.418, de 16 de dezembro de
1985, que institui o Vale-Transporte, com a alteração da Lei n° 7.619, de 30 de setembro de 1987. Disponível em:
< >. Acesso em: 29/12/2018.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D95247.htm
______. . Decreto n. 3.000, de 26 de março de 1999 Regulamenta a tributação, fiscalização, arrecadação e
administração do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza. Disponível em: <http://www.
>. Acesso em: 10/01/2019.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3000.htm
 OLIVEIRA, A. . São Paulo: Atlas, 2010.Manual da Prática Trabalhista
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D95247.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3000.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3000.htm
- -1
Rescisão de contrato de trabalho
Juliani Karsten Alves
Introdução
O cálculo da folha de pagamento, realizado pelo departamento de pessoal ou contador, mensalmente, envolve
diversas verbas. Devem ser calculados valores referentes, por exemplo, ao salário do empregado, ao 13º, às
férias e ao FGTS. Mas, como ficam essas verbas quando acontece a rescisão do contrato de trabalho? A forma de
rescisão altera as verbas?
Iremos estudar essas formas de rescisão do contrato de trabalho e os cálculos das verbas rescisórias neste tema,
pois cabe ao profissional contábil realizar esses cálculos.
A rescisão do contrato de trabalho
Para uma empresa ou empresário conseguir realizar as operações, há a necessidade de contratação de mão-de-
obra de terceiros. Nesse sentido, o contrato de trabalho é firmando para que uma pessoa física ponha sua força
de trabalho à disposição de outra pessoa física ou jurídica (MOURA, 2016).
Nesse sentido, o departamento de pessoal ou o contador assume o papel para formalizar as relações
empregatícias a que esses estão envolvidos. Entretanto, também é importante o suporte que esse profissional
deve oferecer no momento em que acontece a rescisão de contrato de trabalho firmado anteriormente entre
empregado e empregador.
Um dos fatores a que o departamento de pessoal ou o contador deve estar atento é a forma como ocorreu essa
rescisão, pois isso influenciará em quais e como ele deverá considerar as verbas trabalhistas no cálculo da
rescisão do contrato de trabalho.
A figura a seguir apresenta algumas das formas de rescisão dos contratos de trabalho, trazidas pela legislação
brasileira.
- -2
Figura 1 - As formas de rescisão
Fonte: Elaborado pela autora, 2018.
Além disso, há outras formas de rescisão, como a rescisão indireta, por término de experiência etc.
Nesse sentido, o profissional deve considerar que cada um desses tipos de rescisão trará uma peculiaridade em
como devem ser realizados os cálculos.
As verbas que devem ser consideradas pelo departamento de pessoal ou contador no cálculo das rescisões são:
saldo de salários, multa sobre o valor do FGTS, 13º salário proporcional, aviso prévio, férias vencidas, férias
proporcionais, depósito e saque do FGTS.
Vamos conhecer como é realizado o cálculo dessas verbas no caso da rescisão a pedido do empregado e rescisão
sem justa causa?
Cálculo da rescisão a pedido do empregado
Um dos casos previstos para a rescisão do contrato de trabalho é a pedido do empregado, conhecida como
pedido de demissão. Nesse caso, o empregador pede o seu desligamento junto ao empregador, comunicando se
trabalhará pelo tempo do aviso prévio, ou se deseja desligar-se imediatamente do empregador (MOURA, 2016).
Para o cálculo do tempo a ser concedido de aviso prévio é necessário estar atento a quanto tempo faz que o
contrato de trabalho está em vigor. Segundo a Lei nº 12.506, os empregados que possuem até um ano de serviço
para aquele empregador, o tempo de aviso prévio é de 30 dias. Entretanto, para empregados que trabalham além
desse período, serão acrescidos três dias por ano de serviço prestado na mesma empresa, sendo o limite de 60
dias, perfazendo um total máximo de até 90 dias de aviso prévio (BRASIL, 2011).
- -3
A seguir, no quadro são apresentadas as especificações em relação a cada uma das verbas trabalhistas devidas
quando ocorre a rescisão a pedido do empregado.
Figura 2 - Cálculo das verbas na rescisão a pedido do empregado
Fonte: Elaborado pela autora, 2018.
Portanto, nesse tipo de rescisão deve-se, resumidamente, ser pago ao empregado: o saldo de salários devido, 13º
proporcional, férias vencidas se houver, férias proporcionais, e o aviso prévio, se tiver sido trabalhado.
FIQUE ATENTO
Caso o trabalhador opte por trabalhar durante o tempo do aviso prévio, esse período será
contado como tempo trabalhado, inclusive sendo calculado INSS, IRPF e FGTS sobre a verba a
ser paga devido ao trabalho no tempo do aviso. Ou seja, para cálculo do aviso prévio
trabalhado e as verbas que incidirão sobre ele, deve-se considerá-lo como uma verba salarial
(OLIVEIRA, 2017).
- -4
Mas essas verbas são modificadas quando a rescisão acontece por vontade do empregador, seja com ou sem
justa causa, como estudaremos a seguir.
Cálculo da rescisão sem justa causa
Outro caso previsto para a rescisão do contrato de trabalho é a pedido do empregador, sem que exista justa
causa (MOURA, 2016). No quadro a seguir são apresentadas as especificações em relação a cada uma das verbas
trabalhistas devidas quandoocorre a rescisão sem justa causa a pedido do empregador.
EXEMPLO
Um funcionário trabalha há um ano em uma empresa e seu contrato de trabalho será
rescindido. Se o empregado solicitou a rescisão e não cumprirá o aviso prévio: a) saldo de
salários: haverá apenas o que a empresa estiver devendo dos meses anteriores; b) 13º salário
proporcional: por exemplo, se o contrato iniciou em setembro, em dezembro ele recebeu o
valor referente aos quatro meses daquele ano; c) férias: se ele trabalhou um ano, então deve
receber o valor de um mês de trabalho, acrescido de 1/3.
- -5
Figura 3 - Cálculo das verbas na rescisão sem justa causa a pedido do empregador
Fonte: Elaborado pela autora, 2018.
Entretanto, quando a rescisão também é a pedido do empregador, mas possui uma justa causa, o departamento
de pessoal ou o contador deve estar atento, pois o cálculo a ser realizado é modificado.
Cálculo da rescisão por justa causa
A rescisão do contrato de trabalho também pode acontecer por vontade do empregador, possuindo uma justa
causa para o encerramento da relação entre as partes (MOURA, 2016).
FIQUE ATENTO
A verba referente ao saque do FGTS não é paga pelo empregador. Esse valor está vinculado a
uma conta na Caixa Econômica Federal, sendo responsabilidade do empregador comunicar a
rescisão por meio do canal eletrônico Conectividade Social para que seja disponibilizado ao
empregado o saque desse valor.
- -6
No próximo quadro são apresentadas as especificações em relação a cada uma das verbas trabalhistas devidas
quando ocorre a rescisão com justa causa a pedido do empregador.
Figura 4 - Cálculo das verbas na rescisão com justa causa a pedido do empregador
Fonte: Elaborado pela autora, 2018.
Percebe-se que, nesse caso, por haver a justa causa, não há a existência de diversas verbas nos cálculos. Assim, é
necessário que o departamento de pessoal ou o contador certifique-se que realmente a situação é passível de
justa causa.
SAIBA MAIS
O Art. 482 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de
1943, traz os fatores que podem ser considerados como justa causa para a rescisão do contrato
de trabalho pelo empregador. Acesse a CLT e leia mais sobre todos esses fatores.
- -7
Cálculo da rescisão por acordo
A denominada Reforma Trabalhista, Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017, trouxe uma nova forma de rescisão
dos contratos de trabalho: a rescisão por comum acordo. Diferentemente das demais formas, esse tipo de
rescisão é uma decisão tomada conjuntamente entre o empregado e empregador.
No quadro a seguir são apresentadas as especificações em relação a cada uma das verbas trabalhistas devidas
quando ocorre a rescisão por acordo.
Figura 5 - Cálculo das verbas na rescisão por comum acordo
Fonte: Elaborado pela autora, 2018.
Ressalta-se que a rescisão por comum acordo é a única forma de encerramento de contrato de trabalho em que a
verba referente ao aviso prévio, se não trabalhada, será devida pela metade (BRASIL, 2017).
Fechamento
A partir dos conteúdos estudados, percebemos como o cálculo das rescisões exige cautela do profissional 
departamento de pessoal ou contábil. Dependendo da forma de rescisão, haverá mudança nas verbas a serem
consideradas, nos cálculos a serem realizados e, por consequência, nos valores a serem pagos pelo empregador e
recebidos pelo empregado.
Cabe ao departamento de pessoal ou contador, quando realizar o cálculo das verbas trabalhistas referentes a
uma rescisão, enquadrar corretamente essa rescisão em uma das formas trazidas pela legislação e, assim,
considerar como realizar a apuração dos valores devidos ao empregado. Também é necessária a atenção do
- -8
uma rescisão, enquadrar corretamente essa rescisão em uma das formas trazidas pela legislação e, assim,
considerar como realizar a apuração dos valores devidos ao empregado. Também é necessária a atenção do
profissional às recorrentes mudanças na legislação trabalhista, a fim de agir de acordo com a legislação vigente.
Referências
BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto-Lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943.Aprova a
Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.
>. Acesso em: 25 out. 2018.htm
______. Lei n. 12.506, de 11 de outubro de 2011. Dispõe sobre o aviso prévio e dá outras providências. Brasília:
Casa Civil, 2011.Disponível em: < >.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12506.htm
Acesso em: 25 out. 2018.
______. Lei n. 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo
Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio
de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília:
Casa Civil, 2017. Disponível em: < >.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm
Acesso em: 03 nov. 2018.
MOURA, M. . 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.Curso de direito do trabalho
OLIVEIRA, A. . 29. ed. São Paulo: Atlas, 2017.Cálculos trabalhistas
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12506.htm
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm
- -1
Tipos de folha de pagamento
Juliani Karsten Alves
Introdução
Dentre as funções do administrador de pessoal ou contador, uma delas é dar o suporte à empresa no que diz
respeito às verbas trabalhistas oriundas dos contratos de trabalho firmados entre ela e empregados. Nesse
sentido, mensalmente o profissional tem de realizar os cálculos das verbas e descontos, e esclarecer para a
empresa questões como: quanto pagar para esse funcionário? O que aconteceu para ser necessário pagar um
valor maior a ele? E o que será descontado dele? Todos esses questionamentos são esclarecidos pelo profissional
e expostos em uma obrigação acessória denominada folha de pagamento mensal, a ser entregue ao empregador.
Ao final desta aula, você será capaz de:
• classificar uma folha de pagamento como analítica ou sintética;
• reconhecer os elementos que compõem a folha de pagamento.
A folha de pagamento
O profissional, ao ser responsável pelo Departamento de Pessoal da contabilidade de uma empresa, depara-se
com obrigações que vão além da elaboração e registro do Livro Diário. Nesse sentido, surgem as denominadas
obrigações acessórias, que devem ser cumpridas com igual importância que as principais. O decreto n. 3.048, de
6 de maio de 1999, traz a folha de pagamento como uma obrigação acessória das empresas:
Art. 225. A empresa é também obrigada a:
I - preparar folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a
seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de
pagamentos;
II - lançar mensalmente em títulos próprios de sua contabilidade, de forma discriminada, os fatos
geradores de todas as contribuições, o montante das quantias descontadas, as contribuições da
empresa e os totais recolhidos (BRASIL, 1999).
Portanto, não basta a empresa estar em dia com os salários que acordou pagar aos seus funcionários. É
necessário que se saiba todas as verbas remuneratórias a que o funcionário tem direito e as que devem ser
descontadas dele, além de elaborar uma folha de pagamento mensalmente e manter em cada estabelecimento da
empresa uma via da respectiva folha e os recibos de pagamento (SILVA, 2015).
•
•
- -2
Além dessa obrigação mensal trazida pela legislação, de elaboração da folha de pagamento, é necessário que a
folha de pagamento apresente elementos obrigatórios para que esteja adequada.
Elementos da folha de pagamento
A folha de pagamento precisa contar com alguns elementos obrigatórios, conforme estabelece o art. 225, inciso
VII, § 9º do Decreto n. 3.048/1999, que regula a Previdência Social, e que podem ser conhecidos no quadro a
seguir:Quadro 1 - Os elementos obrigatórios na folha de pagamento
Fonte: BRASIL, 1999.
Em relação ao elemento das parcelas, é importante conhecer as que integram a remuneração, bem como os
descontos legais a constarem na folha de pagamento.
FIQUE ATENTO
O prazo de realização da folha de pagamento tem que se adequar ao dia do pagamento do
empregado, de forma que esteja pronta para apresentar à empresa os valores a serem pagos
aos funcionários. Geralmente, a empresa paga mensalmente os salários, nesse caso, até o 5º dia
útil do mês subsequente ao vencido (BRASIL, 1943). Assim, esse é o prazo para fornecer a
folha de pagamento à empresa.
- -3
A principal parte integrante da remuneração diz respeito ao salário. Romar (2013, p. 410) define o salário como
“a retribuição devida e paga diretamente pelo empregador ao empregado como contraprestação pelos serviços e
pelo tempo que este fica à sua disposição”. Na figura a seguir são ilustradas as verbas que integram essa
remuneração.
Figura 1 - Como é formada a remuneração
Fonte: Elaborado pelo autor, 2018.
A primeira verba que integra a remuneração é o salário base. Esse componente refere-se à “contraprestação
salarial fixa paga pelo empregador ao empregado em decorrência do contrato de trabalho” (ROMAR, 2013, p.
387). Essa verba integra a base irredutível da remuneração (BASILE, 2018).
Já as comissões e percentagens referem-se a uma parte variável a ser recebida pelo empregado, normalmente
estão atreladas a um serviço prestado ou produção alcançada pelo empregado, fazendo com que ele receba uma
verba a mais como contraprestação.
E as gratificações são reconhecimentos financeiros com justificativa, geralmente “destinados ao trabalhador pela
assiduidade, produtividade, empenho, dedicação, permanência, maior responsabilidade, alcance de metas,
confiança” (BASILE, 2018, p. 14). Há também a gratificação natalina, que consiste no 13º salário obrigatório.
Além dessas verbas que integram a remuneração, há os descontos que aparecerão na folha de pagamento, e não
necessitam da autorização do empregado para que sejam realizados. A figura a seguir apresenta esses descontos:
FIQUE ATENTO
A legislação exige também que essas informações referentes a remunerações estejam nos
livros contábeis Diário e Razão, até noventa dias, contados da ocorrência dos fatos geradores
das contribuições, estando de acordo com o regime contábil da competência (BRASIL, 1999).
Portanto, em uma fiscalização podem ser exigidos esses registros após esse prazo.
- -4
Figura 2 - Descontos que não necessitam de autorização do empregado
Fonte: Elaborado pelo autor, 2018.
Todos esses descontos apresentam previsão legal para que a empresa possa realizar. Ou seja, não dependem da
vontade do empregado, e caso a empresa não os faça, pode vir a ser responsabilizada legalmente.
Além desses, há descontos que são admitidos desde que haja a autorização do empregado. São exemplos desses:
seguro de vida, vales para refeição, vales para transporte, despesas com medicamentos, vales para compra em
supermercados, mensalidade sindical, cesta básica, entre outros (SILVA, 2015).
Além da obrigatoriedade de realizar a folha de pagamento e nela constarem todas essas verbas, o gestor deve
SAIBA MAIS
A contribuição sindical foi um dos pontos que a Reforma Trabalhista modicou. Após essa
mudança, deixou de ser obrigatório o desconto da remuneração de um dia do empregado, que
era repassado ao sindicato representante da sua categoria. Acesse a Cartilha da Reforma
Trabalhista, da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, e se atualize
sobre outros pontos que também sofreram alterações.
EXEMPLO
No caso do Imposto de Renda, o contador deverá analisar se a remuneração devida ao
empregado possui incidência desse imposto a ser retido ou não. Em 2018, um funcionário que
recebe até R$ 1.903,98 será isento dessa verba, enquanto outro que receba de R$ 1.903,99 até
2.826,65 sofrerá a retenção na alíquota de 7,5%. Assim, essa retenção fará com que o valor
pago pelo empregador ao empregado seja menor do que o salário.
- -5
Além da obrigatoriedade de realizar a folha de pagamento e nela constarem todas essas verbas, o gestor deve
estar atento aos dois tipos de folha existentes: analítica e sintética.
Folha de pagamento analítica e sintética
Outro conhecimento importante sobre a folha de pagamento é no sentido da forma que ela é apresentada, ou
seja, de forma analítica ou sintética. A folha de pagamento analítica refere-se ao modelo que apresenta de forma
detalhada a memória do cálculo de cada uma das parcelas pagas pelo empregador, bem como de cada uma das
retenções realizadas. Já a folha de pagamento de forma sintética é feita através da apresentação resumida dos
valores totais pagos pelo empregador e descontados do empregado. A figura abaixo apresenta um modelo de
folha de pagamento.
Figura 3 - Modelo de folha de pagamento
Fonte: OLIVEIRA, 2017, p. 16.
Percebe-se que ela é formada por diversas colunas e linhas, o que demonstra que ela apresenta de forma
discriminada cada um dos valores. Portanto, pode-se concluir que foi realizada de forma analítica. O ideal é que
se tenha a possibilidade, através do sistema informacional que utiliza, de gerar ambos os tipos de folha de
pagamento. Pois, por exemplo, no caso de análises gerenciais pode ser suficiente saber os valores de forma
resumida, mas já no caso de um litígio será necessário apresentar as folhas de pagamento de maneira analítica,
para que possa ser conferida cada uma das verbas e descontos daquele funcionário.
- -6
Fechamento
Por meio dos conteúdos estudados, é possível perceber como o cálculo das verbas remuneratórias e descontos
exige cautela para que se elabore a folha de pagamento de forma adequada. Além de colaborar com o correto
pagamento e desconto dessas verbas, elaborar a folha de pagamento é uma exigência legal.
Deve-se estar atento a cada um dos funcionários da empresa, sabendo as verbas a ele pagas e descontadas, para
que realize a folha de pagamento, sintética ou analítica, com as informações corretas e, assim, dê o suporte que a
empresa precisa. Além disso, elaborar e apresentar a folha de pagamento corretamente cumpre com as
exigências legais e evita, por exemplo, futuros processos trabalhistas para a empresa.
Referências
BASILE, C. O. Direito do trabalho: remuneração, duração do trabalho e direito coletivo. Coleção sinopses
8. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.jurídicas, 
BRASIL. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outrasDecreto n. 3.048, de 6 de maio de 1999.
providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3048.htm>. Acesso em: 06 nov.
2018.
_____. Decreto-lei n. 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm>. Acesso em: 07 nov. 2018.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO. a novaA reforma trabalhista – 
Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://cnc.org.br/sites/default/files/arquivos
/cartilha_reformatralhista_interativa_0.pdf>. Acesso em: 07 nov. 2018.
OLIVEIRA, A. 29. ed. São Paulo: Atlas, 2017.Cálculos trabalhistas.
ROMAR, C. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.Direito do trabalho esquematizado.
SILVA, M. 14. ed. São Paulo: Érica, 2015.Administração de departamento de pessoal.
http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/DEC%203.048-1999?OpenDocument
- -1
Encargos sociais
Juliani Karsten Alves
Introdução
As empresas contratam a mão de obra de seus empregados para conseguir o apoio para realizar suas atividades
mensalmente. Isso gera alguma obrigação para o empregador? Sim, pois esses contratos de trabalho trazem para
o empregador obrigações perante seus funcionários, que serão expostas na folha de pagamento mensal.
Entretanto, além do que é pago ao funcionário, será que a empresa tem mais alguma obrigação? Terá de fazer
algum recolhimento que será calculado sobre o valor da folha de pagamento? Você irá