A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Correção PET 2 História 2021 2º Ano Ensino Médio PDF

Pré-visualização | Página 1 de 8

154
PLANO DE ESTUDO TUTORADO
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS
TURNO:
TOTAL DE SEMANAS: 
NÚMERO DE AULAS POR MÊS: 
COMPONENTE CURRICULAR: História
ANO DE ESCOLARIDADE: 2º ANO – EM
PET VOLUME: 02/2021
NOME DA ESCOLA:
ESTUDANTE:
TURMA:
BIMESTRE: 2º
NÚMERO DE AULAS POR SEMANA: 
SEMANA 1
EIXO TEMÁTICO: 
Mundo Moderno, Colonização e Relações Étnico-Culturais.
TEMA/TÓPICO:
Das Crises no Sistema Colonial ao Período Joanino / Transferência da Corte Portuguesa para o Brasil.
HABILIDADE:
Compreender e analisar o processo de ruptura dos pactos coloniais, dinamização econômica e social e 
mudanças políticas; o anfiteatro da Independência.
CONTEÚDOS RELACIONADOS:
 Mercantilismo, Liberalismo Econômico, Crise do Sistema Colonial.
INTERDISCIPLINARIDADE:
Filosofia.
TEMA: Crise do sistema colonial
Caro(a) estudante, nessa semana você vai comparar os conceitos de Mercantilismo e de Liberalismo 
Econômico e entender como aconteceram as rupturas com os pactos coloniais.
LEMBRANDO OS CONCEITOS
Mercantilismo ( séculos XV – XVIII ) : conjunto de ideias e práticas adotadas por várias monarquias 
europeias durante a Idade Moderna, fase do Capitalismo Comercial, e que tinha como principais carac-
terísticas: a intervenção do Estado na economia, o metalismo (acúmulo de metais preciosos, sobretu-
do ouro e prata), o protecionismo (o Estado impunha pesados impostos de importação para proteger a 
produção nacional da concorrência estrangeira) e a balança comercial favorável (exportar mais do que 
importar).
Liberalismo Econômico (século XVIII): conjunto de ideias defendidas por pensadores europeus do sé-
culo XVIII, em oposição ao Mercantilismo: não-intervenção do Estado na economia, livre concorrência 
155
entre quem produz e entre quem comercializa, câmbio livre; defesa da propriedade privada; liberdade de 
contrato de trabalho (jornada e salários). Seu principal defensor foi o escocês Adam Smith (1723-1790).
PARA SABER MAIS: 
Sobre Mercantilismo : <https://www.youtube.com/watch?v=IRKBsJI6QBg>. Acesso em: 10 abr. 
2021.
O que é Liberalismo ( político e econômico): <https://www.youtube.com/watch?v=CIm-huCe-
meA>. Acesso em: 10 abr. 2021.WSobre Adam Smith: <https://www.youtube.com/watch?v=OON-
w8xEmt2k>. Acesso em: 10 abr. 2021.
156
ATIVIDADES
Leia o texto abaixo e responda as perguntas sobre ele:
CRISE DO SISTEMA COLONIAL (SÉCULO XVIII)
O século XVIII (anos de 1700) foi de profundas transformações na Europa, com reflexos nas colônias 
das Américas: surgiram novas ideias políticas defendidas pelos filósofos iluministas, que questionavam 
principalmente o Absolutismo Monárquico (poder total dos reis), os privilégios de nascimento da nobre-
za e o poder da Igreja Católica. Defendiam a liberdade de expressão e o surgimento de regimes políticos 
que representassem os interesses da maioria dos cidadãos. Essas ideias chegaram nas três Américas 
e influenciaram inúmeras rebeliões contra o poder colonial e os processos de Independência.
O filósofo inglês John Locke (1632-1704) é considerado o pai do Liberalismo Político, que negava a ori-
gem divina do poder dos reis e defendia a ideia de que os cidadãos deveriam ter o direito de resistirem 
aos governos autoritários, além de terem amplo direito à propriedade privada.
Para ele, os direitos naturais dos seres humanos são: o direito à vida, à liberdade e à propriedade priva-
da, que deveriam ser garantidos por lei.
Ao defender a ideia de que todos os indivíduos deveriam ser iguais perante a lei, John Locke questionou 
os privilégios de nascimento que eram atribuídos à nobreza.
Suas ideias foram fundamentais para que, posteriormente, o escocês Adam Smith (1723-1790), de-
senvolvesse o Liberalismo Econômico, que criticava o Mercantilismo, conjunto de ideias e práticas 
econômicas que vigoravam na Europa desde o final do século XV e que foram a base da formação dos 
impérios coloniais.
De acordo com a lógica mercantilista, as colônias deveriam ser áreas fornecedoras de matérias-primas 
(metais preciosos, principalmente ouro e prata; pedras preciosas, madeiras), açúcar e algodão, entre 
outros produtos, para suas metrópoles (países colonizadores), a preços baixos, e deveriam comprar 
delas produtos industrializados a preços elevados. 
O Estado (no caso, o Poder Real) concedia aos grandes comerciantes e banqueiros (burguesia) o direito 
de explorar a venda de produtos agrícolas através das Companhias de Comércio. As mais importantes 
foram a Companhia das Índias Orientais, que trazia produtos da Ásia, e a Companhia das Índias Ociden-
tais, responsável pelo comércio com as Américas.
As metrópoles impunham a suas colônias o direito exclusivo de comercializar com as regiões coloniza-
das, o que chamamos de monopólio comercial.
No caso específico do Brasil, tínhamos algumas fábricas, como as manufaturas de tecido, e alguma 
metalurgia de ferro. Em 5 de janeiro de 1785, a rainha de Portugal, D. Maria I, assinou um Alvará deter-
minando que todas as fábricas e manufaturas fossem extintas e abolidas do Brasil. Em pleno final do 
século XVIII, quando as ideias do Liberalismo Econômico já eram defendidas, esse Alvará foi uma tenta-
tiva de reforçar as práticas mercantilistas.
Para que os proprietários das indústrias existentes na Europa pudessem ampliar a venda de seus pro-
dutos para regiões distantes seriam necessários mercados livres; ou seja, sem restrições de entrada 
de produtos de qualquer país. Contudo, vimos que Portugal- e também a Espanha - impunham o mo-
nopólio comercial às suas colônias nas Américas. Essas restrições eram contrárias aos interesses dos 
capitalistas europeus, principalmente ingleses, que desejavam vender seus produtos diretamente para 
os consumidores que viviam fora da Europa.
Podemos então concluir que o colonialismo mercantilista opunha-se ao Capitalismo Industrial, que co-
meçava no final do século XVIII, tendo como base as ideias do Liberalismo Econômico: não intervenção 
157
do Estado na economia, livre comércio e trabalho assalariado, enquanto o Mercantilismo defendia o 
monopólio comercial e o trabalho escravo.
1 - Por que o século XVIII foi de profundas transformações na Europa ?
2 - Quais as consequências da expansão das ideias iluministas para as colônias das Américas ?
3 - Explique : Liberalismo Político e Liberalismo Econômico.
4 - Compare: Mercantilismo e Liberalismo Econômico.
5 - O que é monopólio comercial ?
Porque as ideias do Iluminismo que surgiram na Inglaterra e na França no final do século XVII começaram 
a se espalhar de forma mais intensa. O Iluminismo era contra os princípios da Sociedade de Antigo Regime, 
defendendo a divisão dos poderes em Executivo, Legislativo e Judiciário; a liberdade de expressão, política e 
religiosa; defendia ainda o liberalismo econômico e o fim dos privilégios do Clero e da Nobreza. 
Uma das principais consequências foi a Crise do Sistema Colonial. O Sistema Colonial, também conhecido 
como Pacto Colonial, tinha como um de seus pilares o monopólio comercial da Metrópole europeia sobre 
suas colônias. Por exemplo, somente Portugal poderia explorar comercialmente o Brasil. O Iluminismo 
defendia a liberdade comercial e isso, por sua vez, quebrava a exclusividade de comércio das potências 
coloniais que praticavam o mercantilismo, abrindo caminho para os processos de independência que 
viriam a acontecer no início do século XIX.
O Liberalismo Político defendia a liberdade de expressão de opiniões políticas sem a ameaça de ser preso 
ou assassinado pelo rei. Defendia ainda a divisão dos poderes em Executivo, Legislativo e Judiciário como 
forma de combater a concentração de poderes nas mãos dos reis absolutistas.
O Liberalismo Econômico defendia o fim da intervenção do Estado na economia e também o fim dos 
monopólios comerciais. Ou seja, o Liberalismo Econômico era contra as práticas do Mercantilismo 
típicas da Sociedade de Antigo Regime.
O Mercantilismo era um conjunto de práticas econômicas praticadas pelos Estados Nacionais 
Modernos entre os séculos