A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Pulso Venoso

Pré-visualização | Página 3 de 3

tem reserva de Frank-
Starling, durante a manobra o coração não 
consegue se ver livre desse volume. 
Ele só vai e ver livre disso, quando retirar a mão do 
abdome e esse volume todo que jogou para dentro 
do átrio direito, sai e o átrio se esvazia, fica com 
espaço vazio e a coluna diminui para a medida pré-
manobra. 
Durante um refluxo hepatojugular patológico, a 
coluna sobe durante a manobra e só volta ao que 
era pré manobra, ao retirar a mão. 
Quais são as patologias não cardíacas que causam 
problemas no coração direito e acaba aumentando 
a pressão do átrio direito? 
→ Problemas pulmonares: aumento da pressão 
intrapulmonar e intratorácica 
∙ DPOC 
∙ Crise bronco-espasmo: represa muito ar, aumenta 
a pressão intrapulmonar que comprime o átrio 
direto 
∙ Pneumotórax: ar dentro do espaço pleural, gera 
um aumento da pressão sobre o átrio direito, esse 
aumento vai represar lá em cima. 
∙ Hidrotórax: o paciente fez um derrame pleural 
imenso, que aumentou a pressão intratorácica, 
comprime o átrio direito e represa sempre para 
trás. 
∙ Ascite volumosa: à medida que a ascite vai 
aumentando, o diafragma vai subindo cada vez 
mais, comprimindo o pulmão, a pressão pulmonar 
aumenta que comprime o átrio direito e represa 
sangue dentro da jugular. 
Ondas do Átrio Direito 
Imagine que eu estou com um aparelho medindo as 
variações de pressão dentro do átrio direito, todo e 
qualquer aumento ou diminuição de volume e 
pressão são percebidos por esse aparelho, que nada 
mais é que a jugular interna, que a ferramenta que 
eu tenho a beira do leito para enxergar isso. 
Existe um momento do ciclo cardíaco em que o 
átrio gera uma contração vigorosa, aumenta a 
pressão, vai represar mais sangue na jugular. Esse 
represamento gera uma onda positiva durante a 
contração atrial, conhecida como Onda A, que é a 
maior onda do pulso venoso. 
Logo depois que o átrio contrai, ele começa a 
relaxar, a pressão dentro dele começa a cair e a 
jugular começa a se esvaziar e ai na pele, na 
avaliação da jugular, eu vejo a pele colabando, no 
desenho eu vejo uma onda negativa, chamada de 
colapso X ou descendente X, que é desdente do 
relaxamento do átrio. 
Depois que o átrio relaxa muito, ele vai recebendo 
sangue e sua pressão vai subindo, ao ponto que a 
jugular não consegue se esvaziar tanto e começa a 
represar dentro da jugular. Esse represamento gera 
uma onda positiva chamada de Onda V. 
Depois que esse átrio está cheio, bem represado de 
volume dentro dele, o que vai acontecer é que a 
válvula tricúspide vai se abrir e o volume do átrio 
se esvazia e a jugular vai drenar para dentro do 
átrio e forma uma onda negativa como descendente 
ou colapso Y, que é a onda de esvaziamento atrial. 
Esses quatro momentos, geram 4 ondas, duas 
positivas e duas negativas que são os tremores que 
a gente enxerga no pulso venoso. 
Carolina Mendes – MED102 
 
 
 
O pulso venoso está aumentado, o normal é 4,5. 
Tem um represamento dentro do átrio direito e da 
jugular muito grande, é um sinal que o coração 
direito não está funcionando muito bem. 
Com essa história clínica, já se começa a pensar em 
insuficiência cardíaca. 
O paciente apresenta dois critérios maiores de 
insuficiência cardíaca – dispneia paroxística 
noturna e a turgência jugular. 
Outra situação, é o tamponamento cardíaco usado 
na emergência e para fazer o diagnóstico, usa o 
pulso venoso. 
O pericárdio são duas laminas amarelas e o saco 
pericárdico é um espaço que não tem quase que 
nada. O aumento do liquido entre as laminas, 
comprime intensamente o coração, essa membrana 
é elástica mas até um ponto e que ela não consegue 
distender mais. Quando isso ocorre, o pericárdio vai 
começar a comprimir o coração pelo liquido 
pericárdico, isso acontece na pericardite que 
costuma evoluir com derrame pericárdico que pode 
aumentar muito e fazer o que a gente chama de 
tamponamento pericárdico. 
O coração começa a ficar comprimido e essa 
compressão fecha o coração, ele não consegue se 
abrir para encher na diástole. A primeira câmara a 
se fechar é o átrio direito porque é a pressão mais 
baixa que tem, então o átrio direito começa a não 
receber volume, consequentemente nem o 
ventrículo direito, nem o pulmão, nem o átrio 
esquerdo e o ventrículo esquerdo, e o paciente 
entra em choque. 
O tamponamento cardíaco se caracteriza entre 
outras coisas, o paciente está hipotenso ou em 
choque. As bulhas ficam muito baixa porque o 
liquido não deixa você ouvir o batimento. Esse 
paciente fica taquicárdico e o pulso venoso é 
patológico. Porque na hora que o átrio direito fica 
apertado a jugular fica repleta de sangue. 
Então esse paciente vai ter: turgor jugular, 
taquicardia, hipotensão, choque e bulhas 
hipofonéticas. 
Tríade de Beck: taquicardia, choque e bulhas 
hipofonéticas. 
A maior causa de tamponamento pericárdico no 
Brasil é a tuberculose. 
O que eu faço com paciente tamponado? Tem que 
drenar, tem que usar uma agulha para tirar o 
líquido ou sangue para aliviar o coração.