Clinica_equinos_21
4 pág.

Clinica_equinos_21

Disciplina:Clínica Médica Veterinária De Equídeos12 materiais174 seguidores
Pré-visualização1 página
Clinica equinos 21/03/11 – Parte 1

- Enterites

	Nós vamos falar hj sobre 2 situações específicas de parede intestinal, então são aquelas condições que a gente tem refluxo, dor abdominal, principalmente nas duodeno jejunite, que são processos inflamatórios da parede abdominal. Qd a gente pensa em ID a gente pensa sempre em refluxo, qd a gente pensa em processos inflamatórios do IG a gente vai pensar em diarréia, então sempre que eu tiver uma diarréia instalada vou pensar principalmente em um processo inflamatório do colon, da parede do colon, na verdade o processo inflamatório em si, mas eu tenho alguns exemplos como as viroses, uma enterite viral em potrinhos, que eu vou ter acometido ID e eu vou ter um quadro de diarréia, então não é regra, regra. A regra é se eu tenho um processo inflamatório, uma duodeno jejunite, eu vou ter refluxo nasogástrico.
	Nós temos as duas afecções básicas, a duodeno jejunite, um processo próximo ao estomago, o processo inflamatório vai fazer com que o nosso paciente apresente um refluxo, e as colites vão ser caracterizadas pela diarréia, causadas principalmente pelo clostridium
Duodeno jejunite proximal, varias coisas podem causar um quadro de inflamação, agente pode chamar de enterite anterior ou gastroenterite hemorrágica, é tbm um processo inflamatório intenso da parede gástrica. Tudo que a gente encontra com aquele refluxo meio sanguinolento, com odor característico a gente acaba chamando de duodeno jejunite proximal, não tem os critérios exatos para saber qual foi a causa, da onde surgiu isso? Não, eu fazendo uma sondagem e encontrando esse refluxo característico eu já chamo de duodeno jejunite, independente da causa.
Vamos falar sobre a apresentação clinica, eu tenho a forma clássica, dor abdominal aguda, cólica, pq é um processo inflamatório, e dps eu tenho uma diminuição, sempre que eu sondar, eu faço um alivio por descompressão, então ele apresenta uma dor aguda, qd a gente sonda e faz a descompressão, a tendência é aliviar. Refluxo enterogastrico copioso, em grande quantidade, sinais de apatia, pode encontrar uma distensão de ID, posso ter um aumento da freqüência cardíaca, que esta relacionado tbm a dor, febre relacionada principalmente ao agente, ai com algumas características, por ex. salmonelose costuma dar febre depois, se instala, causa o processo inflamatório ai depois começa a apresentar febre. Se a gente avaliar o liquido peritonial pelo processo inflamatório eu vou ter ai aumento de proteínas e leucócitos. È um processo grave. Foto (pág. 5), essa é a apresentação clinica, a característica do refluxo.

A etiologia é difícil de determinar mas a gente pode ter envolvimento de clostridium, salmonela, micotoxicose. O processo inflamatório vai da mucosa até a serosa e vamos encontrar o refluxo, que costuma ser hemorrágico e com presença de proteínas. O processo inflamatório mais intenso é na mucosa. Água, sódio, uma secreção pancreática intensa é o que esta caracterizando essa grande quantidade de refluxo. Esse refluxo muito intenso, a produção, a manutenção de água nesse ambiente ela é muito grande por causa do processo inflamatório, não chega a dar pancreatite não, o pâncreas ele trabalha mais, ele secreta mais na tentativa de tentar controlar esse processo inflamatório.
Tratamento, os objetivos do meu tratamento para duodeno jejunite, primeira coisa que a gente tem que lembrar, esse potro ou esse cavalo ele fez uma cólica intensa, todo mundo lembra da cólica né, todo mundo lembra que quanto mais rápido formos atender o cavalo, mais rápido diagnosticarmos o problema melhor, nessa situação eu tenho uma condição em que eu não tenho quadro cirúrgico, tenho um processo inflamatório e tenho uma causa, geralmente bacteriana, processo infeccioso, eu tenho que controlar esse processo, no potro o processo vai ser muito mais rápido, as vezes vc não tem tempo hábil para repor aquilo tudo que ele já perdeu,um cavalo adulto é mais resistente. Uma coisa importante é acompanhar essas perdas todas. Então dentro do meus objetivos, descompressão gástrica, correção dos déficits, restabelecimento da fç intestinal, combater a endotoxemia e infecções. Na descompressão gástrica, posso fazer uso de uma sonda nasogástrica. Posso fazer cirurgias para remoção de segmentos intestinais inflamados, mas é um pouco complicado, pode não dar tempo e eu preciso tbm combater a causa. Correção de fluidos, os fluidos são sempre intravenosos geralmente em grandes volumes, se eu tenho um refluxo de 8 a 10 litros, se é um potrinho, eu tenho que repor essa perda que ele esta tendo, a manutenção em potrinho vai ser muito maior que em um cavalo adulto, então os volumes na reposição eles são grandes pq o processo de desidratação é muito rápido. Se eu tenho uma recuperação e ai eu preciso estimular a digestão, nesse caso eu posso fazer uma nutrição parenteral, dependendo da situação, já em um processo melhor, que eu já tenho o processo inflamatório controlado. Restabelecimento da fç intestinal normal, flinixina meglumina, que tem uma característica de agir nas alças intestinais, banamine vulgarmente chamando, a ranitidina IV, antimicrobianos, alguns antimicrobianos vc utiliza e qd vc começa ter efeitos sobre as bactérias começa a ter o restabelecimento da função, por isso esta ali com mais ou menos, e tbm utilização de flinixina meglumina como antiendotoxemico. Então por ex. vc pode começar com meloxican. Cada caso é um caso, então eu tenho que avaliar o que eu vou fazer, primeiro entraria com flinixina, poderia até entrar com aquela dose de 2 vezes ao dia, metade da dose 2x ao dia pq eu tenho o efeito na endotoxinas e vou ter efeito no processo inflamatório, alem da ranitidina IV. De antibióticos a gente tem uma série ai, gentamicina, a própria penicilina ela funciona, qd a gente falar de colite a gente lista os antibióticos todos. Ai o que nós vamos fazer?! Passagem de sonda nasogástrica para descompressão, fluidos, vão receber ai em torno de 100 litros e drogas que ajudam a controlar a endotoxemia:
-AINES casos leves a moderados: 0,25 a 0,5 mg/kg de flunixina

meglumina; casos severos: 1,1 mg/kg a cada 12 horas, ou;
– Polimixina B (AerosporinR) é um antimicrobiano: 1.000 a 6.000 UI/kg a cada 8 a 12 horas por dois a tres dias, ou;
– Pentoxifilina (TrentalR) : 8,0 mg/kg a cada 8 horas (bloqueia citocinas). Não se preocupem com as dosagens e sim como fazer o tratamento.
	Para eu ajudar na recuperação do funcionamento eu posso utilizar as substancias pró-cinéticas, dentre elas, metoclopramida, lidocaina ou eritromicina (acelera o esvaziamento gástrico), que é um antibiótico bastante utilizado para infecções respiratórias, por ex. pneumonias por rodococcus, tuberculose
	Lidocaina a gente conversou semana passada, pró-cinético, tem efeitos analgésicos de alça, tem efeito no controle das endotoxinas. As outras 2 todo mundo sabe, obviamente que eu não vou associar lidocaina com metoclopramida, ou vou usar um ou outro.

	Cirurgicamente o que pode se pensar é:

– Duodenocecostomia temporaria,

– Duodenojejunostomia,

– Jejunojejunostomia ou gastrojejunostomia