A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Pré-visualização | Página 1 de 3

13
pedagogia
ESTE TRABALHO FOI REALIZADO E POSTADO, UTILIZE PARA REFERENCIAS, AUXILIO NA CONSTRUÇÃO DO SEU!
Além de ser uma atitude antiética, o plágio em trabalhos acadêmicos é crime. A Lei 9.610, de 1998, foi criada para regular os direitos autorais tanto artísticos quanto acadêmicos. ... Segundo o Código Penal (artigo 184), o plagiador está sujeito a multa e até a detenção, de três meses a um ano. 
produção textual: A 
importância da ludicidade na Educação Infantil
2021
ESTE TRABALHO FOI REALIZADO E POSTADO, UTILIZE PARA REFERENCIAS, AUXILIO NA CONSTRUÇÃO DO SEU!
Além de ser uma atitude antiética, o plágio em trabalhos acadêmicos é crime. A Lei 9.610, de 1998, foi criada para regular os direitos autorais tanto artísticos quanto acadêmicos. ... Segundo o Código Penal (artigo 184), o plagiador está sujeito a multa e até a detenção, de três meses a um ano. 
produção textual: A 
importância da ludicidade na Educação Infantil
Trabalho apresentado à UNOPAR – Universidade Norte do Paraná, como requisito parcial à aprovação das Atividades Interdisciplinar no 4º semestre do curso de Pedagogia.
Cidade
2021
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO	3
2 DESENVOLVIMENTO	4
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS	11
REFERÊNCIAS	12
1 INTRODUÇÃO 
	O presente trabalho, tem como finalidade apresentar a relevância da ludicidade na Educação Infantil para o desenvolvimento, descoberta e aprendizagem dessas crianças. Nesse sentido, o objetivo é conhecermos estratégias que podem ser utilizadas ao abordar a ludicidade no ambiente escolar. Também conhecer o sujeito a partir das fundamentações teóricas que embasam sobre a Educação Infantil no documento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Elaborar atividades que atendam esses fundamentos da BNCC e preparar o aluno para cumprir os requisitos formais de construção de um trabalho cientifico. 
	Dessa maneira, destaca-se que o aluno adquire o interesse nas atividades por conta de práticas lúdicas, principalmente na Educação Infantil. Destacamos a Educação como a primeira etapa da educação básica e a ludicidade imprescindível no processo de interação e brincadeiras nas ações pedagógicas. Contudo, a partir dos campos de experiências, o presente trabalho apresenta a maneira de explorar a ludicidade. 
	Diante a situação geradora de aprendizagem, problematiza-se a necessidades de reflexão das práticas dos professores, por meio da proposta realizada pela professora Luiza. No entanto, evidencia experiências conforme os objetivos e aprendizagem, desenvolvimento para Educação Infantil seguindo a BNCC de maneira lúdica e atrativa. Desse modo, corresponde-se os questionamentos sobre a maneira de organizar uma sequência didática, tipos de experiências podem ser desenvolvidas, quais ações e estratégias que podem ser utilizadas para evidenciar a ludicidade no contexto escolar. 
	Para tanto, escolhemos a temática música para promover os campos de experiências “Corpo, Gestos e Movimentos”, e “Espaços, tempos, quantidades, relações e transformações” para os alunos de 4 (quatro) anos. Assim, está com 3 planos com sugestão de atividades que desenvolva a aprendizagem dos alunos através de brincadeiras rítmicas. 
2 DESENVOLVIMENTO 
	A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica, a qual determina a Constituição Federal de 1988, o atendimento nessa etapa é de crianças da faixa etária de 0 a 6 anos. Vale ressaltar também a Lei de Diretrizes e Bases (LDB), a qual em 1996 a Educação Infantil passou a ser parte integrante de uma Educação Básica, correspondendo ao Ensino Fundamental e Médio. Nesse contexto, a modalidade do Ensino Fundamental, foi antecipado em 2006, o atendimento de crianças a partir de 6 anos de idade e na Educação Infantil de zero a 5 anos. 
	Em foco na Educação Infantil, a qual será enfatizado nesse trabalho, a BNCC aponta que:
Como primeira etapa da Educação Básica, a Educação Infantil é o início e o fundamento do processo educacional. A entrada na creche ou na pré-escola significa, na maioria das vezes, a primeira separação das crianças dos seus vínculos afetivos familiares para se incorporarem a uma situação de socialização estruturada (BRASIL, 2018). 
	Nesse sentido, de acordo com o documento, percebemos a importância do professor entender que na Educação Infantil o cuidar e o educar estão vinculados, e, necessita acolher as vivencias e os conhecimentos construídos pelas crianças no ambiente familiar. Isto é, acatar os conhecimentos que as crianças possuem para sistematizar em sua proposta pedagógica com objetivo de ampliar suas experiências, conhecimentos e habilidades. Contudo, é preciso considerar a criança como um sujeito histórico de direito, aquela que irá interagir, relacionar suas práticas cotidianas e vivências, construindo sua identidade. 
Cabe compreender que a Educação Infantil não é um local para o cuidar, como muitas vezes é visto, não é um ambiente criado para a criança ser cuidada até que seu responsável vá busca-la, e sim um ambiente para a aprendizagem e desenvolvimento da criança, não queremos dizer que não haverá nenhum tipo de cuidado, porque afinal ele é essencial, mas não é sua única responsabilidade (CARMO, et al., 12902)
	De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (DCNEI, Resolução CNE/CEB nº 5/2009)27, define que a criança é sujeito histórico e de direito, destacando as interações e brincadeira, experiências que as crianças constroem e apropriem-se dos conhecimentos através de suas ações, interações com seus pares e com adultos, a qual possibilita as aprendizagem desenvolvimento e socialização (BRASIL, 2018).
	Contudo, entendemos que na Educação Infantil é preciso conscientizarmos que a criança tem como direito o ato de brincar e essas atitudes promove a elas aprendizagens e potenciais, para seu desenvolvimento integral. Além disso, nesse processo de brincadeira e interação, a criança expressa seus afetos, media suas frustrações, soluciona problemas, controla suas emoções, etc. 
	No entanto, ao tratarmos de direitos, na BNCC constata-se os seis direitos de aprendizagem, a qual são: conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se. A criança possui a capacidade de observação, questionar, levanta hipótese, concluir, fazer julgamentos, assimilar valores, construir conhecimentos, apropriar de conhecimento sistematizado por meio de ações e interações com o mundo físico e social, a qual resulta em um desenvolvimento natural e espontâneo. Dessa forma, de acordo com o documento, o professor deve refletir suas práticas pedagógicas na Educação Infantil, frente a essas necessidades de desenvolvimento e direitos efetivados.
	A partir dessa concepção, é preciso enfatizarmos a ludicidade no contexto escolar nessa modalidade de ensino. De acordo com pesquisas, é um tema debatido e refletido pelos professores, a qual ludicidade reflete a brincadeira, jogos, brinquedos, a qual relaciona em atividades livre ou dirigidas, sendo ela muito prazerosa.
As brincadeiras na Educação Infantil são atividades lúdicas bastante utilizadas pelos professores (as) nas salas de aula, elas representam muito mais do que um “faz de conta”, é um momento privilegiado, que oferece as crianças a possibilidade de experimentarem situações novas, compartilharem experiências, bem como as preparam para superar novos desafios (CARMO, et al, 2017, p.12901)
	Entretanto, compreendemos que o professor deve considerar a ludicidade muito mais que uma simples brincadeira, isto é, atribuir de maneira significativa sem sua prática, de modo organizado, sistematizados e objetivos a cumprir por meio dessas brincadeiras. Sendo assim, a brincadeira promove diversos pontos positivos e efetivos para a pratica no professor, pois nela, pode ser identificado seus sentimentos, seus desejos, suas dificuldades, entre outros. Além disso, essa prática promove uma aprendizagem ampla, no sentido de respeitar regras e se colocar no lugar do outro. 
	Conforme Carmo et

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.