Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
apg 23 - roteiro

Pré-visualização | Página 1 de 3

Apg 23 – “O toque do bem” 
MORFOFISIOLOGIA DA PROSTATA
Anatomia 
A próstata é um órgão glandular fibromuscular localizado logo abaixo da bexiga. Apresenta formato de cone invertido, possuindo, aproximadamente, 3 cm de comprimento, 4 cm de largura e 2 cm de profundidade, sendo do tamanho de uma noz, de consistência firme e localizada ao redor da uretra prostática. 
Ela secreta um líquido alcalino leitoso fino, que contém ácido cítrico, cálcio, fosfato ácido, uma enzima coagulante e uma profibrinolisina. Durante a ejaculação, a cápsula da próstata contrai-se e o líquido liberado aumenta o volume do sêmen. A composição alcalina das secreções prostáticas é essencial ao sucesso da fecundação do óvulo.
A próstata também elimina urina através de uma seção apropriada da uretra (uretra prostática). Essa região da próstata consiste em uma cápsula fibrosa fina, que circunda as fibras musculares lisas orientadas circunferencialmente, e o tecido colágeno, que envolve a uretra na área de comunicação com a bexiga. 
A uretra prostática atravessa a glândula prostática, onde é revestida por uma camada longitudinal final de músculo liso, que se encontra em continuidade com a parede da bexiga. O músculo liso, que cerca a glândula prostática, origina-se principalmente da musculatura longitudinal da bexiga. 
Como a próstata circunda a uretra, o crescimento da glândula pode causar obstrução urinária.
A próstata é constituída por glândulas secretórias dispostas em três áreas concêntricas que circundam a uretra prostática, na qual se abrem. Essas glândulas incluem:
· As diminutas glândulas mucosas associadas à mucosa uretral; 
· As glândulas submucosas intermediárias que se localizam na periferia das glândulas mucosas 
· As glândulas prostáticas principais maiores, situadas perto da superfície externa da glândula.
A HPB nos idosos é causada pela proliferação excessiva das glândulas mucosas.
A próstata é composta por várias glândulas independentes, aproximadamente 30 a 50 glândulas tubuloalveolares, que circundam a parede uretral, a qual é perfurada por seus ductos. Essas glândulas estão distribuídas em três regiões da próstata e, por esta razão, são classificadas como no grupo interno, estão as glândulas mucosas e as submucosas e, no externo, as glândulas externas ou prostáticas propriamente ditas. 
Há ainda uma outra designação topográfica em três zonas. A zona de transição corresponde à região que envolve a uretra proximal; a zona central, à porção que acompanha os ductos ejaculadores; a zona periférica (maior), à parte que envolve a uretra distal e que corresponde à região posterior da próstata. A divisão em zonas é a mais utilizada no estudo ultrassonográfico da próstata.
A maioria das lesões hiperplásicas surge na região mais interna da zona de transição, ao passo que a maioria dos carcinomas (entre 70-80%) surge nas zonas periféricas
Histologia 
A próstata normal contém glândulas com duas camadas de células: uma camada de célula basal plana e uma sobrejacente de célula secretora colunar. 
O estroma que envolve a próstata contém uma mistura de músculo liso e tecido fibroso. Ela é acometida por distúrbios infecciosos, inflamatórios, hiperplásicos e neoplásicos, dos quais o câncer de próstata é, de longe, o mais importante clinicamente. O estroma tem importante função na regulação da proliferação e diferenciação do epitélio glandular por meio da produção e liberação de diferentes polipeptídeos: fator de crescimento semelhante à insulina (IGF), fator de crescimento de fibroblastos (FGF), fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF) e fator de crescimento transformante (TGF)
As glândulas prostáticas são constituídas de ácinos e ductos excretores revestidos por células cúbicas ou cilíndricas altas. Os núcleos dessas células são basais, e o citoplasma mostra, à imuno-histoquímica, forte positividade para o antígeno específico da próstata (PSA). 
Fisiologia
A próstata está sob influência hormonal. O hormônio luteinizante (LH), produzido na adeno-hipófise por ação do hormônio liberador do LH (LHRH) sintetizado no hipotálamo, estimula as células de Leydig do testículo a produzir testosterona (T). 
O epitélio glandular prostático responde à ação da di-hidrotestosterona (DHT), que resulta da ação da enzima 5α-redutase sobre a testosterona nas células estromais. A testosterona tem função na libido e na potência sexual, enquanto a di-hidrotestosterona atua na proliferação e na função do epitélio glandular da próstata.
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA
A hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma condição observada em homens, cuja próstata apresenta aumento de volume, todavia não canceroso. A HPB também é denominada hipertrofia prostática benigna ou obstrução prostática benigna. 
A próstata passa por dois períodos de crescimento, ao longo da vida do homem. 
· O primeiro ocorre no início da puberdade, quando seu tamanho duplica.
· A segunda fase do crescimento tem início aos 25 anos e continua pelo resto da vida. Durante a segunda fase de crescimento, à medida que a próstata aumenta de volume, a glândula afeta a uretra, obstruindo o fluxo de urina. Ocorre o espessamento da parede da bexiga que, enfim, pode se tornar mais enfraquecida e perder a capacidade de esvaziar completamente, causando o acúmulo de uma pequena quantidade de urina no seu interior.
A HPB é caracterizada pela formação de lesões grandes e discretas na região periuretral da próstata, e não nas zonas periféricas, comumente afetadas pelo câncer de próstata 
Epidemiologia
A HPB é uma das doenças mais comuns dos homens de idade avançada. Segundo relatos, mais de 75% dos homens com mais de 80 anos de idade apresentam HPB 
O desenvolvimento do quadro é incomum em homens com menos de 40 anos de idade.
Etiologia e fatores de risco
Genética; histórico familiar de HPB;
Envelhecimento: 40 anos de idade ou mais; À medida que envelhecem, a quantidade de testosterona ativa no sangue diminui, resultando em uma proporção maior de estrogênio. Estudos sugeriram que a HPB é resultado dessa maior proporção de estrogênio, a qual promove o crescimento prostático
Condições clínicas como obesidade, doença cardiovascular e diabetes tipo 2; falta de exercícios físicos; 
Alterações hormonais: a di-hidrotestosterona (DHT é um hormônio masculino envolvido no desenvolvimento e no crescimento da próstata. Pesquisas sobre a DHT sugerem que, mesmo com o declínio nos níveis séricos de testosterona associados ao envelhecimento, os homens continuam a produzir e acumular níveis altos de DHT na próstata; e esse acúmulo de DHT pode ser responsável pelo crescimento contínuo do órgão. 
Inflamações 
Fisiopatologia
Existem dois componentes prostáticos nas propriedades obstrutivas da HPB e no desenvolvimento dos sintomas do trato urinário inferior: dinâmico e estático
O componente estático da HPB está relacionado a um aumento do tamanho da próstata e ocasiona sintomas como jato urinário fraco, gotejamento pós-micção, alterações na frequência da micção e noctúria. 
O componente dinâmico está relacionado ao tônus do músculo liso prostático. Os receptores alfa1-adrenérgicos são os principais receptores do componente muscular liso da próstata. 
Componente vesical: a instabilidade do músculo detrusor e o comprometimento da contratilidade vesical pode contribuir para os sintomas de HPB, independentemente da obstrução da saída ocasionada pelo aumento de volume da próstata
A próstata afetada fica aumentada, pesa tipicamente 60-100g e contém muitos nódulos bem circunscritos que causam protrusão na superfície de corte. A uretra é geralmente comprimida pelos nódulos hiperplásicos, que deixam apenas uma estreita fenda de passagem.
Manifestações clínicas 
Os sintomas do trato urinário inferior sugestivos de HPB podem ser subdivididos em sintomas de Armazenamento, de Esvaziamento e Pós-miccionais e podem incluir: 
· Alterações na frequência da micção (ocorrendo oito ou mais vezes/dia); 
· Urgência na micção (incapacidade de adiar a micção; problemas para iniciar a micção; jato de urina fraco ou com interrupções);
Página123