A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Lúpus eritematoso sistêmico brait pdf

Pré-visualização | Página 3 de 3

• Apresentação precoce: quando abre um LES jovem, o 
sistema imunológico está muito mais ativo – e com o 
passar dos anos esse sistema imune vai ficando mais 
inativo 
• Nível socioeconômico: devido ao atraso no 
diagnóstico e no tratamento 
• Acometimento renal e neurológico: toda vez que eles 
abrem o quadro com alt. Renal → você trata → ele 
entra em remissão → e quando ele abrir a doença 
novamente, vai abrir com acometimento no mesmo 
orgão! 
MEDIDAS GERAIS 
• Fotoproteção 
► UV-B → o raio solar faz quebra de queratinócios 
e causa lesão tecidual → estimula o sistema 
imunológico → começa a ter lesões em orgãos 
alvos 
► São fornecidos pelo alto custo 
• Cessar tabagismo 
► Aterosclerose 
► Diminuição do efeito cloroquina 
• Controle de comorbidades 
► O risco cardiovascular desse paciente já é maior 
por ele ser um indivíduo autoimune 
• Vacinação 
► Pois o sistema imunológico deles não pode ficar 
trabalhando para combater a infecção, se não a 
doença volta 
TRATAMENTO MEDICAMENTOSO 
• Individualizado: nenhum paciente é igual ao outro 
• Compartilhado 
• Gravidade e órgão / sistema acometido 
• Hidroxicloroquina = sempre usar se possível 
► Ao menos que o paciente tenha 
contraindicação ao uso dessa medicação. 
► Droga usada a mais de 70 anos e tem todos os 
efeitos colaterais muito bem descritos. 
► Dose: 5mg/kg/dia → NUNCA DAR SOBREDOSE. 
► Tem como efeito colateral fazer deposição na 
retina (acompanhamento pelo menos anual 
com oftalmo) → Em 5 anos tem 1% de chance, 
em 10 anos 2%, em 20 anos ai aumenta 20% 
mesmo assim, ainda é baixa para a segurança 
da droga. 
► Medicação reduz flares do paciente. 
► Melhora o perfil lipídico. 
► Melhora a alteração plaquetária. 
► Droga que modula o sistema imunológico, ela 
não é imunossupressora, então pode-se usá-la 
em pacientes gestantes, em pacientes que está 
infectado. 
• Corticoide: Saber quanto e quando entrar!! 
► Tomar cuidado com os pacientes que fazem 
infecção porque não podem fazer pulso. 
► Pacientes com alteração renal é feito pulso de 
corticoide que consiste em doses elevadas de 
corticoide. Ex: doses de 1g por 3 dias 
► Ex.: infecção + pulso 
Na maioria das vezes não costuma evoluir: se ele é mais 
brando ele vai permancer assim. Porém isso não é regra. 
ÓRGÃO ESPECÍFICO: 
• Avaliar qual órgão eventualmente está sendo 
acometido e a partir disso avaliar quais 
imunossupressores podem ser usados. 
• Exemplos de imunossupressores usados no lúpus: 
► Azatioprina 
► Micofenolato de mofetil (ótimo principalmente 
para controle da parte renal) 
► Ciclofosfamida (medicação que se consegue no 
alto custo fácil) 
► Metotrexato (nos casos de maior 
acometimento articular) 
BIOLÓGICOS: 
• Rituximab: medicação que ajuda muito o flare da 
doença. 
Quando já usou a ciclofosfamida e ele entra em atividade 
novamente e não responde a ciclofosfamida → tenta o 
Rituximabe nesses pacientes 
• Belimumabe: medicação que ajuda muito na parte de 
pele e articular, não tem indicação para a parte renal. 
LEMBRAR SEMPRE 
• MULHER JOVEM + 
• Fazendo poliartralgias inflamatórias; 
• Que tem febre sem causa; 
• Emagrecimento sem causa; 
• HAS dentro e fora da gestação, angina/IAM, 
convulsão/AVC; 
• Fotossensibilidade e/ou lesão cutânea eritematosa; 
• Alopecia; 
• Fazendo fenômeno de Raynaud; 
• Hematúria sem história de litíase renal ou ITU.