A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
doenças prostáticas do idoso

Pré-visualização | Página 1 de 1

DOENÇAS PROSTÁTICAS 
AULA 2 – GERIATRIA 
A próstata é uma glândula presente nos homens que faz 
parte do aparelho reprodutor. Fica próximo ao anus e 
bexiga. Passa uma uretra prostática. Algum problema na 
próstata vai ter sintomas urinários por causa disso. 
A maioria dos homens tem problemas prostáticos como 
hiperplasia. Isso é devido a quantidade de testosterona. Se 
teve mais exposição a testosterona, vai ter sintomas mais 
acentuados. 
hiperplasia prostática benigna 
Aumento benigno da próstata; causa exata não conhecida 
(testosterona e di-hidrotestosterona) – mas que levam a 
proliferação celular. 
Quantos mais exposição a testosterona e di-
hidrotestosterona, mais a chance de desenvolver HPB. 
O di-hidrotestosterona se liga a receptores androgênicos 
nucleares e transcrevem as proteínas que fazem a 
ploriferação celular. 
Isso gera: obstrução uretral, sintomas irritativos, estímulos 
neurais anormais. 
Sintomas obstrutivos: disúria, estranguria (o saco escrotal 
começa a subir), gotejamento terminal. 
Sintomas irritativos: tenesmo vesical (vontade de fazer xixi 
toda hora), urgência miccional e nocturia. 
DIAGNÓSTICO 
→ É clinico. 
→ Toque retal (lisa, consistência ferroelástica, 
amolecida e aumentada de tamanho), 
→ urofluxometria (Volume e Frequência urinaria 
durante todo o dia). Inclusive o calibre pode ser 
avaliado. 
→ USG prostática e transretal 
→ Biopsia ou ressonância se necessário. 
No câncer, a consistência é mais endurecida. E parece que 
está pegando em escama de peixe 
Obs: o HPB pode apresentar PSA aumentado também. 
TRATAMENTO 
MEDICAMENTOS: 
→ Bloqueadores alfa-adrenérgicos (dilatam vasos de 
músculo liso) – doxazosina*, tansulosina*, 
alfazusina, silodosina; aumentam o calibre da 
uretra para melhorar o sintoma. EC: hipotensão. 
→ finasterida e dutasterida – bloqueiam efeitos da 
testosterona. Tto acessório, associar se os 
bloqueadores não estiverem sendo eficazes. 
Passar bloqueadores alfa adrenérgicos pela manhã porque 
a noite é perigoso. 
Cirurgia: ressecção transuretral da próstata (RTUP). 
Apresenta efeitos colaterais como ejaculação retrógrada, 
incontinência urinária, disfunção erétil. 
COMPLICAÇÕES: 
→ Retenção urinaria 
→ ITU 
→ Incontinência por transbordamento 
→ Litíase 
PROSTATITES 
→ Dor e inchaço, inflamação. 
→ Dor em escroto e/ou anus, pênis. 
→ Urgência miccional 
→ Infecção bacteriana 
 
SINTOMAS 
→ Dor ao urinar 
→ Urgência miccional 
→ Ereção, defecação dolorosa. 
→ Os sintomas são mais irritativos. Podem acontecer 
em jovens e idosos. Pode acontecer por andar a 
cavalo, bicicleta. É uma inflamação. 
DIAGNÓSTICO 
→ Clinico 
→ EAS + cultura de urina. A infecção causada na 
prostatite é o mesmo a gente que causa Infecção 
de urina (E. coli). 
→ Toque retal COM dor. 
TRATAMENTO 
→ Antibióticos: Bactrim (Sulfametoxozal + 
trimetoprima). Não é a primeira linha para o tto da 
E. coli (fosfomicina). Bactrim a próstata absorve 
bastante. Então é a melhor opção. 
→ Sintomáticos: analgésicos 
CÂNCER DE PRÓSTATA 
Brasil: 65840 novos casos de câncer de próstata 2020-2022. 
Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o 
câncer de próstata ocupa a primeira posição no país em 
todas as Regiões brasileiras 
No mundo é o segundo mais frequente em homens. 
O principal fator de risco é a idade e sua incidência 
aumenta significativamente a partir dos 50 anos (INCA). 
ETIOLOGIA 
→ Instabilidade genética: proto-oncogenes 
sobmetidos a quadros de inflamação ou 
medidores locais. São genes que tem potencial em 
se desenvolver. BRCA1 por exemplo. 
→ Testosterona. 
FATORES DE RISCO 
→ Raça: 70% maior em negros e 70 % menor em 
orientais e índios. 
→ História familiar: 2,2x mais em parentes de 1° grau; 
4,9 vezes quando dois parentes de 1° grau e 10,9 
vezes quando três parentes de 1° grau têm a 
doença. 
→ Fatores genéticos hereditários: síndrome de Lynch 
e mutações no BRCA1 e BRCA2. Se sua mãe teve ca 
de mama com BRCA1 tb pode ter esse gene. 
 
PATOLOGIA 
→ Adenocarcinomas – mais Periféricos 
→ 5 graus – 1 é mais diferenciado e 5 indiferenciado. 
→ No score de Gleason faz-se uma somatória dos 
padrões. Analise de dois mais presentes. Muito 
grau 2 e muito grau 3. 
→ Varia de 1+1=2 até 5+5=10 
Se um paciente tem o score igual a 5 e outro paciente tb 
não quer dizer que eles tem a mesma gravidade. Depende. 
 
DIAGNÓSTICO 
→ Toque digital da glândula 
→ PSA sérico 
>2,5 : aumenta riscos 
2,5 – 10: chance de 35 – 40% 
10 – 20: chance de 55% 
→ USG prostática (transretal) 
→ Biopsia: área de maior consistências e/ou elevação 
de PSA. 
Da tríade de toque, PSA e USG se 2 estiverem alterados, 
pede biopsia. 
ESTÁGIO 
→ PSA 
→ Cintilografia Óssea – principal sitio de metástase é 
para osso. Depois fígado e pulmão. 
→ USG transretal 
→ RNM 
→ PET-CT 
→ Linfaenectomia ilíaca – retirada de linfonodo na 
região ilíaca. 
ESTADIAMENTO 
 
Câncer diferenciado: menos agressivo. Mais próximo do 
tecido natural. 
Indiferencial: muita modificação. Pior prognostico. 
TRATAMENTO 
→ Levar em consideração estadiamento. 
→ Cirurgia 
→ Radioterapia ou Braquiterapia com iodo radioativo 
→ Castração Quimica - Gosserelina 
PERFORMANCE STATUS 
 
0 – vida normal. Tem câncer mas vive normal. 
1 – já cansa mais. Mas consegue fazer atividades diárias. 
2 – passa mais de 50% do tempo em pé. 
3 – mais que 50% do tempo acamado. 
4 – só fica acamado. É paliativo. 
5 – morto. 
CASO CLINICO 
JCS, 74 anos, sexo masculino, 
QP: Dificuldade miccional há 3 meses. 
HMA: Paciente idoso queixa de disúria, estrangúria, 
ardência ao urinar e aumento de idas ao banheiro há cerca 
de 03 meses. Relata que quadro clínico tem sido com piora 
progressiva e há 2 dias ficou sem urinar todo o dia até que 
procurou PS da Upa, onde colocaram sonda vesical para 
alívio. Nega febre, inapetência, perda de peso e outros 
sintomas. Nega que tenha feito exames de rotina e não 
aceita fazer toque retal. 
AP: Nega tabagismo, Etilista social. Nega Hipertensão 
Arterial Sistêmica e Diabetes Melito. 
HF: Pai falecido, teve o mesmo problema, mas não sabe 
refereir causa de morte. Mãe falecida, teve CA de mama, 
HAS e DM. 
Exame Físico: 
Abdome = plano, flácido, indolor, com ruídos hidroaéreos 
(RHA) presentes, região supra púbica distendida e globo 
vesical palpável. 
PA = 140 x 80mmHg; FC = 92 bpm; FR = 18 ipm; T = 36,5 o. C 
Perguntas: (OBS: Responda as questões diretamente no 
SEI). Esta é a atividade da Semana. 
1) Quais as pincipais hipóteses diagnósticas? 
2) Quais exames complementares você solicitaria e porque? 
3) Qual o tratamento para Hiperplasia Prostática Benigna? 
4) Qual o seguimento e tratamento par CA de próstata? 
5) Qual o tratamento para Prostatite? 
 
	prostatites
	câncer de próstata
	caso clinico