A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Síndrome Edemiogênica em crianças

Pré-visualização | Página 1 de 6

1 Lorena Leahy 
 
Edema é o intumescimento de tecidos moles 
decorrente do aumento de líquido intersticial. O 
líquido predominante é água, mas pode haver 
acúmulo de líquido rico em células e proteínas, se 
houver infecção ou obstrução linfática. 
O edema pode ser generalizado ou local (p. ex., 
limitado a um único membro ou a parte deste). Às 
vezes, surge abruptamente, provocando nos 
pacientes a queixa de que o membro inchou 
repentinamente. Com maior frequência, o edema 
desenvolve-se insidiosamente, iniciando-se por 
ganho de peso, olhos inchados ao despertar pela 
manhã e sapatos apertados no final do dia. 
Fisiopatologia 
O edema resulta do aumento do movimento de 
líquido do meio intravascular ao intersticial ou da 
diminuição do movimento de água do interstício 
aos capilares ou vasos linfáticos. O mecanismo 
compreende um ou mais dos seguintes fatores: 
 Aumento da pressão hidrostática capilar 
 Diminuição da pressão oncótica plasmática 
 Aumento da permeabilidade capilar 
 Obstrução do sistema linfático 
À medida que o líquido se desloca para o espaço 
intersticial, ocorre depleção do volume 
intravascular. Depleção do volume intravascular 
ativa o sistema renina-angiotensina-
aldosterona- vasopressina (ADH), resultando em 
retenção renal de sódio. 
Aumentando a osmolaridade, a retenção renal de 
sódio deflagra a retenção de água pelos rins e 
ajuda a manter o volume plasmático, bem como o 
aumento da pressão hidrostática capilar. O 
aumento da retenção renal de sódio também pode 
ser a causa primária de sobrecarga hídrica e, 
portanto, de edema. A ingestão excessiva de sódio 
exógeno também pode contribuir. 
Com menor frequência, o edema resulta de 
diminuição do movimento de líquido do meio 
intersticial para os capilares, pela ausência de 
pressão oncótica plasmática adequada, como na 
síndrome nefrótica, na enteropatia com perda de 
proteínas, insuficiência hepática ou inanição. 
Ocorre aumento da permeabilidade capilar em 
infecções ou por lesão tóxica ou inflamatória das 
paredes capilares. No angioedema, mediadores, 
incluindo mediadores derivados de mastócitos (p. 
ex., histamina, leucotrienos, prostaglandinas) e 
bradicinina e mediadores derivados do 
complemento, causam edema focal. 
O sistema linfático é responsável pela remoção de 
proteína e leucócitos (junto com um pouco de 
água) do interstício. A obstrução linfática permite 
que essas substâncias se acumulem no interstício. 
Conceitos: Pressão hidrostática (força exercida 
pelo sangue contra a parede do vaso) que empurra 
o liquido para fora do vaso. Pressão oncótica ou 
colodoidosmótica (força exercida pelas proteínas 
plasmáticas, principalmente a albumina, que não 
atravessam a parede vascular) puxa o liquido pra o 
vaso. Logo, a pressão hidrostática capilar favorece 
o movimento do fluido transcapilar para o 
interstício, a pressão oncótica através do capilar 
favorece a retenção de fluido dentro do vaso. 
 
Etiologia 
Fisiopatologia do edema 
https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/dist%C3%BArbios-end%C3%B3crinos-e-metab%C3%B3licos/metabolismo-de-l%C3%ADquidos/sobrecarga-de-volume
https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/imunologia-dist%C3%BArbios-al%C3%A9rgicos/dist%C3%BArbios-al%C3%A9rgicos,-autoimunes-e-outras-rea%C3%A7%C3%B5es-de-hipersensibilidade/angioedema
 
2 Lorena Leahy 
Aumento da pressão hidrostática de retenção de 
sódio e água 
 Insuficiência cardíaca: pode se manifestar 
com edema devido ao aumento da pressão 
venosa devido à retenção de sódio e água. 
Isso produz um aumento paralelo na 
pressão hidráulica capilar com aumento do 
movimento transcapilar de fluido para o 
espaço intersticial. O local de acúmulo de 
edema é variável e depende da natureza 
da doença cardíaca.Os sinais clínicos de 
insuficiência cardíaca em crianças mais 
velhas incluem taquicardia, taquipnéia, 
estertores ou sibilos, ritmo de galope, 
hepatomegalia e edema. Os bebês com 
insuficiência cardíaca apresentam mais 
frequentemente taquipneia e diaforese 
durante a alimentação, alimentação 
inadequada, ganho de peso reduzido, 
letargia e irritabilidade. Embora o edema 
facial possa ser observado com a 
insuficiência do VD , o edema periférico é 
geralmente menos observado em crianças 
com insuficiência cardíaca do que em 
adultos. O edema periférico é incomum 
em bebês com insuficiência cardíaca 
 Glomerulonefrite: O edema resultante de 
glomerulonefrite aguda (AGN) pode ser 
generalizado ou localizado. O edema é 
principalmente devido à retenção renal de 
sódio e água. Além do edema, os achados 
clínicos incluem hipertensão, hematúria e 
proteinúria, urina cor de cola e / ou 
azotemia. Nem todos esses recursos estão 
presentes em cada paciente. O achado de 
cilindros eritrocitários, mesmo que apenas 
um seja visto, é virtualmente diagnóstico 
de glomerulonefrite. A causa mais comum 
de AGN é a glomerulonefrite pós-
infecciosa, geralmente causada por uma 
infecção estreptocócica recente. Outras 
causas de AGN primário incluem 
nefropatia por imunoglobulina A (IgA), 
nefrite hereditária (também conhecida 
como síndrome de Alport) e 
glomerulonefrite membranoproliferativa. 
As doenças sistêmicas associadas à 
glomerulonefrite incluem lúpus 
eritematoso sistêmico (LES), vasculite por 
imunoglobulina A (vasculite IgA; púrpura 
de HenochSchönlein [HSP]), autoanticorpo 
citoplasmático antineutrófilo (ANCA) 
associado a doenças como poliangiite e 
poliangiite doença da membrana basal 
glomerular (anti GBM) 
 Insuficiência renal - Crianças com 
insuficiência renal aguda ou crônica 
podem apresentar edema devido à 
retenção renal de sódio e água. 
 Medicamentos: Os agentes anti - 
hipertensivos que são potentes 
vasodilatadores causam retenção renal de 
sódio e água, levando ao aumento da 
pressão hidrostática. Esses medicamentos 
incluem o minoxidil e os bloqueadores dos 
canais de cálcio diidropiridina (CCBs; por 
exemplo, nifedipina , amlodipina , 
felodipina ou nicardipina ) 
Aumento da pressão hidrostática capilar devido à 
obstrução 
 Trombose venosa profunda , outra doença 
venosa ou obstrução venosa (p. ex., por 
tumor): o edema que se desenvolve ocorre 
distalmente ao local da obstrução. Como 
exemplo, a trombose sintomática na veia 
cava inferior (VCI) geralmente se 
apresenta como inchaço dos membros 
inferiores e parte inferior do corpo. Em 
comparação, a trombose da veia cava 
superior (VCS) geralmente se apresenta 
como inchaço do braço, pescoço e cabeça. 
A gravidade do edema depende do 
tamanho do trombo e do grau das vias 
venosas colaterais alternativas. 
Freqüentemente, a tromboflebite se 
apresenta com sensibilidade, edema e, 
ocasionalmente, um cordão palpável. 
 Cirrose:definida como lesão irreversível do 
parênquima hepático com fibrose do 
fígado. Crianças com cirrose podem 
desenvolver hipertensão portal com 
aumento da pressão venosa abaixo do 
fígado doente, resultando em ascite e 
https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/doen%C3%A7as-cardiovasculares/insufici%C3%AAncia-card%C3%ADaca/insufici%C3%AAncia-card%C3%ADaca-ic
https://www.msdmanuals.com/pt-br/profissional/doen%C3%A7as-cardiovasculares/doen%C3%A7as-venosas-perif%C3%A9ricas/trombose-venosa-profunda-tvp
 
3 Lorena Leahy 
edema dos membros inferiores. Embora a 
cirrose seja relativamente incomum em 
crianças, o distúrbio pode ser causado por 
distúrbios genéticos (deficiência de alfa-1 
antitripsina, fibrose cística, doença de 
Wilson), etiologias infecciosas (hepatite 
viral) e problemas estruturais da árvore 
biliar (atresia biliar, síndrome de Alagille ). 
 Diminuição da pressão oncótica capilar - A 
hipoalbuminemia resulta em uma 
diminuição da pressão oncótica capilar que 
favorece o movimento do fluido do 
compartimento vascular para o intersticial. 
A hipoalbuminemia é observada na 
síndrome nefrótica, insuficiência hepática, 
desnutrição