Buscar

TRATO URINÁRIO - RESUMO

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

TRATO URINÁRIO
 - Constituído pelos rins, ureteres, bexiga e uretra.
Embriologia:
 Mesoderme Comum: Sistema urogenital. – Cordão nefrogênico
Os rins e ureteres passam por 3 conjuntos de órgãos excretores ou rins:
Pronefros (rim cervical)
· no início da 4ª semana surge um grupo de sete a dez células na região cervical, que formam unidades excretoras, denominadas nefrótomos, rudimentares e não funcionais, que logo se degeneram.
Mesonefros (torácico, abdominal e lombar)
· consiste em glomérulos e túbulos mesonéfricos que se abrem nos ductos mesonéfricos (ou de Wolff), funcional em um período entre 6 e 10 semanas. No sexo feminino, o mesonefro regride, enquanto no feto masculino, dá origem ao epidídimo e ducto deferente.
Metanefros (rim definitivo) – Surge do Broto uretral
· -Começa a desenvolver no início da 5ªsemana -Formados pela parte mais caudal do cordão nefrogênico -Nessa região não ocorre segmentação do cordão
Os rins se desenvolvem de 2 fontes:
· Broto uretérico ou (parte coletora) – Broto do ducto mesonéfrico
Ureter, Pelve renal, Cálices maiores e menores, Túbulos coletores
· Blastema metanefrogênico (parte excretora)
Néfron
Rins fetais: divididos em lobos
Essa lobulação desaparece durante a infância, a medida que os néfrons aumentam e crescem.
Mudança de posição dos rins
 - Resulta do crescimento do corpo do embrião e diminuição da curvatura do corpo
Desenvolvimento da bexiga
Tecido de preenchimento: septo urorretal 
· Seio urogenital : termina na membrana urogenital
 -Parte vesical: bexiga
 -Parte pélvica: uretra
A parte pélvica do seio urogenital formará a uretra feminina e a uretra prostática.
 -Parte fálica
Morfofisiologia e Vascularização
Os rins são um par de órgãos abdominais retroperitoneais do sistema urinário que estão localizados de cada lado da coluna vertebral. Externamente, eles são envoltos por uma cápsula fibrosa e por tecido adiposo, que os protegem de lesões. Funcionalmente, as principais partes do rim são o córtex, a medula e o hilo. Sua principal função é regular a quantidade de fluidos e eletrólitos no corpo. Eles também excretam resíduos do metabolismo e produzem hormônios que facilitam vários processos metabólicos. 
O rim tem importante função na regulação da PA, pois se o sangue está em excesso (>5L) ele aumenta a filtração e excreção de líquidos, o inverso também ocorre.
Os rins também participam da produção de calcitriol (a forma ativa da vitamina D). Além disso, em situações de perdas sanguíneas significativas, os rins liberam um hormônio chamado eritropoietina, que estimula a medula óssea a produzir mais células sanguíneas
· Anatomia dos Rins
Os rins têm uma superfície anterior e uma posterior.  Essas superfícies são separadas pelas bordas do rim, que consistem em uma convexidade maior, lateralmente, e uma concavidade menor, medialmente. O centro da concavidade menor é conhecido como o hilo renal, e é o local onde a artéria renal entra e a veia renal e o ureter saem do rim.
O rim esquerdo é ligeiramente mais alto que o direito pois no lado direito há o fígado e o estomago que empurram o rim direito um pouco mais pra baixo.
De superior para inferior, as estruturas que passam no hilo renal são a veia renal, a artéria renal e o ureter. Isto é, o vaso mais superior é a veia renal, que deixa o rim, e imediatamente abaixo dela encontra-se a artéria renal, que entra no rim. Inferiormente à artéria renal encontra-se o ureter.
O tecido renal é protegido por três camadas que recobrem o rim totalmente:
· Uma cápsula fibrosa (cápsula renal)
· Gordura perinéfrica (panículo adiposo perirrenal)
· E a fáscia renal, que, além do rim, também envolve a glândula suprarrenal e o tecido adiposo adjacente
Externamente à fáscia renal, encontra-se a camada mais superficial — uma camada de tecido adiposo conhecida como gordura perinéfrica. Esta camada encontra-se posterior e lateralmente a cada rim, e os separa dos músculos da cavidade abdominal.
· Anatomia interna
O parênquima do rim consiste no córtex renal, mais externamente, e na medula renal, mais internamente.
A unidade principal da medula é a pirâmide renal. Em cada rim há entre 8 e 18 pirâmides renais, que no corte coronal parecem triângulos alinhados uns ao lado dos outros, com suas bases voltadas para o córtex e seu ápice apontando para o hilo renal. O ápice da pirâmide projeta-se medialmente em direção ao seio renal. Essa projeção apical é chamada de papila renal, e se abre para o cálice menor. Os cálices menores unem-se para formar um cálice maior. Normalmente, existem dois a três cálices maiores em cada rim (superior, médio e inferior). Os cálices, por sua vez, se unem para formar a pelve renal, da qual emerge o ureter, que deixa o rim através do seu hilo. As pirâmides renais são separadas por extensões do córtex, chamadas colunas renais.
As pirâmides contêm as unidades funcionais do rim, os néfrons, que filtram o sangue para produzir a urina, a qual é transportada através dos cálices e da pelve renal até o ureter.
· Néfron
O néfron é a unidade funcional do rim. Cada néfron contém um corpúsculo renal, que é o componente inicial que filtra o sangue, e um túbulo renal, que processa e transporta o líquido filtrado para o sistema de cálices renais. O corpúsculo renal tem dois componentes: a cápsula glomerular (de Bowman) e o glomérulo, que está contido na cápsula glomerular.
O glomérulo é, na verdade, uma teia de arteríolas e capilares, com uma membrana especial que filtra o sangue que passa pelos capilares, conhecida como membrana glomerular. O vaso que leva o sangue para o glomérulo é a arteríola aferente, enquanto o vaso que transporta o sangue não filtrado para fora do glomérulo é chamado de arteríola eferente.
A membrana glomerular, permite a passagem de substancias pequenas como moléculas de sódio e potássio, mas não permite a passagem de moléculas grandes como proteínas. Portanto, no fluido filtrado que vai para os túbulos renais há substancias que vão ser reabsorvidas.
O caminho correto dos excretas filtrados pelo néfron é: cápsula de Bowman, túbulo contornado proximal, alça de Henle, túbulo contornado distal, duto coletor.
 
· 4, 5 e no tubo coletor, ocorre ação do hormônio antidiurético (ADH), responsável pelo aumento do processo de reabsorção passiva de água.
· Artérias
Cada rim é irrigado por uma única artéria renal, que é ramo direto da aorta abdominal. As artérias renais direita e esquerda se originam imediatamente abaixo da artéria mesentérica superior, com a artéria renal esquerda posicionada um pouco superiormente. A artéria esquerda tem um caminho curto até o rim esquerdo, enquanto a direita tem que passar posteriormente à veia cava inferior para alcançar o rim direito. Além da artéria renal, existem artérias renais acessórias. Tratam-se de ramos da aorta abdominal que, em conjunto, são chamadas de artérias renais extra-hilares.
Quando as artérias renais entram no rim através do seu hilo, elas se dividem em ramos anterior e posterior. O ramo posterior irriga a parte posterior do rim, enquanto o ramo anterior se divide em cinco artérias segmentares, uma para cada segmento renal diferente. As artérias segmentares, em seguida, ramificam-se nas artérias interlobares, que se ramificam ainda mais, formando as artérias arqueadas. Por fim, as artérias arqueadas ramificam-se nas artérias interlobulares, que se ramificam ainda mais, dando origem às arteríolas aferentes, que chegam ao glomérulo para a filtração do sangue. O rim tem, assim, um suprimento sanguíneo muito rico.
· Veias 
Cada rim tem uma única veia renal, que transporta o sangue para fora do órgão e se posiciona anteriormente à artéria homônima. As veias renais drenam na veia cava inferior, e por isso a veia renal direita é mais curta, já que a veia cava inferior se encontra mais próxima do rim direito do que do esquerdo. A veia renal esquerda passa anteriormente à aorta,

Outros materiais