Buscar

REAIS

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Meus
Simulados
Teste seu conhecimento acumulado
Disc.: DIREITO CIVIL - REAIS   
Aluno(a): LAIS DA SILVA MACEDO LADEIRA 201908170671
Acertos: 9,0 de 10,0 14/04/2023
Acerto: 1,0  / 1,0
Não é exemplo de obrigação propter rem:
As obrigações ambientais.
 As obrigações pessoais.
Obrigações decorrentes de direitos da vizinhança.
A obrigação tributária referente ao IPTU.
A obrigação de contribuir para a conservação da coisa comum.
Respondido em 14/04/2023 15:28:44
Explicação:
A doutrina menciona, com efeito, a existência de algumas �guras híbridas ou intermédias, que se situam entre o
direito pessoal e o direito real. Constituem elas, aparentemente, um misto de obrigação e de direito real e provocam
alguma perplexidade nos juristas, que chegam a dar-lhes, impropriamente, o nome de obrigação real. Outros
preferem a expressão obrigação mista. Os jurisconsultos romanos as denominavam, com mais propriedade,
obligationes ob rem ou propter rem. Os ônus reais, uma das �guras híbridas, tem mais a�nidade com os direitos reais
de garantia.
Feita essa ressalva de cunho terminológico, podemos ingressar no estudo das chamadas obrigações propter rem,
denominadas por alguns de obrigações ambulatórias. Este tipo de obrigação é aquela que recai sobre uma pessoa, por
força de determinado direito real. Só existe em razão da situação jurídica do obrigado, de titular do domínio ou de
detentor de determinada coisa.
Acerto: 0,0  / 1,0
São direitos reais de fruição, exceto:
 Anticrese.
Servidão.
Superfície.
Uso.
 Laje.
Respondido em 14/04/2023 15:18:52
 Questão1
a
 Questão2
a
https://simulado.estacio.br/alunos/inicio.asp
javascript:voltar();
Explicação:
A anticrese é um direito real de garantia. Os chamados direitos reais na coisa própria (ius in re propria) se confundem,
por isso, com a própria noção de propriedade, uma vez que o direito de propriedade pode comportar uma restrição
dessas faculdades ou poderes dominiais de usar, gozar e dispor: o proprietário pode ceder temporariamente uma ou
mais dessas prerrogativas e isso só é possível devido à característica da elasticidade do direito de propriedade. Tal
elasticidade permite que o direito seja comprimido temporariamente para depois retornar ao seu estado normal, tal
como uma mola. Durante o período de compressão, a faculdade dominial ainda está presente, só não pode ser
exercida. Findo esse prazo, a ¿mola¿ retorna ao seu estado natural de plenitude, reunindo mais uma vez na �gura do
proprietário os poderes dominiais. Ou seja, os direitos na coisa alheia ou direitos limitados, em princípio, são direitos
em coisa de propriedade de outrem.
Acerto: 1,0  / 1,0
A posse de um imóvel
 transmite-se aos herdeiros ou legatários do possuidor com os mesmos caracteres, sendo que o sucessor
universal continua de direito a posse do seu antecessor, e, ao sucessor singular, é facultado unir sua
posse à do antecessor para os efeitos legais.
não se transmite de pleno direito aos herdeiros ou legatários do possuidor, mas eles podem, assim como
a qualquer sucessor a título singular é facultado, unir sua posse à do antecessor, para efeitos legais.
não se transmite aos herdeiros ou legatários do possuidor com os mesmos caracteres, tendo, cada novo
possuidor, de provar seus requisitos para os efeitos legais.
só pode ser adquirida pela própria pessoa que a pretende, mas não por representante ou terceiro sem
mandato, sendo vedada a rati�cação posterior.
transmite-se de pleno direito aos sucessores a título universal e a título singular, não se permitindo a
este recusar a união de sua posse à do antecessor, para efeitos legais.
Respondido em 14/04/2023 15:20:53
Explicação:
A posse transmite-se de pleno direito, sendo facultativo unir apenas para o sucessor singular; transmite-se com os
mesmos caracteres; a posse pode ser adquirida por representante ou pela gestão de negócios, com rati�cação.
Acerto: 1,0  / 1,0
Considerando o instituto da posse no Código Civil, é correta a a�rmação:
Contra o terceiro que recebeu a coisa esbulhada, ainda que não soubesse que o era, pode o possuidor
intentar ação de esbulho ou de indenização.
Terá direito a indenização, independentemente de ter agido de boa-fé, aquele que semeia, planta ou
edi�ca em terreno alheio
O possuidor de boa-fé não tem direito de retenção.
Aquele que edi�ca em terreno próprio com materiais alheios responde por perdas e danos, ainda que
tenha agido de boa-fé.
 O possuidor de boa-fé tem direito à indenização das benfeitorias necessárias e úteis, abrangendo,
inclusive, o direito de retenção pelo seu valor.
Respondido em 14/04/2023 15:22:20
Explicação:
Não cabe indenização contra o terceiro de boa-fé que adquire bem a non domino.
 Questão3
a
 Questão4
a
Acerto: 1,0  / 1,0
(FCC, 2010) Considera-se petitória ação
de imissão na posse, porque não incluída entre as ações possessórias, mas não a ação reivindicatória,
porque visa recuperar a coisa.
reivindicatória, que �ca inviabilizada se anterior ação de reintegração ou manutenção de posse ajuizada
pelo mesmo autor houver sido julgada improcedente.
de interdito proibitório, porque nela há cominação de pena pecuniária.
 reivindicatória que não é vedada em virtude de anterior julgamento de improcedência de ação de
reintegração de posse ajuizada pelo mesmo autor.
de manutenção de posse, porque nela não é expedido mandado de devolução do bem.
Respondido em 14/04/2023 15:23:11
Explicação:
A reivindicatória é demanda petitória, isto é, fundada em título, admitida quando o autor já teve, em algum momento,
posse pretérita. O julgamento de improcedência na ação possessória não obstaculiza o manejo da ação petitória, uma
vez que os fundamentos se a�guram distintos. A ação de manutenção de posse visa repelir a turbação (perturbação)
da posse que não impede totalmente o exercício desta. O possuidor deve, assim, ajuizar essa ação com o objetivo
exclusivo de manter a posse. Como é uma ação que visa resguardar uma situação de fato (posse), não pode ser
classi�cada como ação petitória. Na ação de reintegração de posse, o possuidor visa recuperar a posse, pois a ofensa
exercida contra ele o impediu de continuar exercendo suas prerrogativas e seus direitos. São requisitos para essa ação
a comprovação da condição de que era realmente o antigo possuidor e o esbulho, ou seja, a ofensa que determinou a
perda da posse. O interdito proibitório é utilizado quando o possuidor se vê ameaçado de seu direito de posse. Trata-
se de uma ação preventiva, pois intenta impedir a concretização de perturbação ou de esbulho à posse.
Acerto: 1,0  / 1,0
(VUNESP, 2014) Assinale a alternativa correta acerca da ação reivindicatória e de suas peculiaridades.
 Pode o réu, em contestação, alegar exceção de domínio com fundamento na usucapião.
Presta-se à expedição de mandado proibitório àquele que ameaça praticar turbação ou esbulho ao
possuidor.
O autor deve demonstrar a posse anterior, mas não se exige a comprovação da propriedade do bem.
A ação segue rito especial, de�nido no vigente Código de Processo Civil.
Tem natureza de interdito possessório, objetivando a reintegração de posse de bem imóvel.
Respondido em 14/04/2023 15:23:47
Explicação:
A ação reivindicatória é espécie de ação petitória, devendo ser ajuizada pelo proprietário desprovido de posse contra
o possuidor sem propriedade (art.1.228, do Código Civil). A ação reivindicatória tem natureza real e e�cácia erga
omnes, sedimentada no direito de sequela. O autor deverá provar dois requisitos para o êxito da ação reivindicatória:
(i) domínio sobre a coisa; (ii) posse injusta do réu (violenta, clandestina ou precária). O rito é comum, segundo o CPC.
e) art. 932. O possuidor direto ou indireto, que tenha justo receio de ser molestado na posse, poderá impetrar ao juiz
que o segure da turbação ou esbulho iminente, mediante mandado proibitório, em que se comine ao réu determinada
pena pecuniária, caso transgrida o preceito.
Acerto: 1,0  / 1,0
 Questão5
a
 Questão6a
 Questão7
a
(TJRS - 2009) Considere as assertivas abaixo.
I- Imóvel urbano público ou privado, de até 250 m², pode ser objeto de usucapião, desde que utilizado como
moradia, de forma ininterrupta e sem oposição, pelo prazo de cinco anos.
II - A desapropriação do imóvel rural improdutivo, por interesse social, para �ns de reforma agrária, depende de
prévia e justa indenização em dinheiro.
III - A pequena e média propriedade rural, assim de�nida em lei, não é suscetível de desapropriação para �ns de
reforma agrária, desde que seu proprietário não possua outra.
Quais são corretas?
I, II e III
Apenas I
Apenas II
Apenas I e III
 Apenas III
Respondido em 14/04/2023 15:24:41
Explicação:
Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos,
ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde
que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. São insuscetíveis de desapropriação para �ns de reforma
agrária: a pequena e média propriedade rural, assim de�nida em lei, desde que seu proprietário não possua outra.
Conforme art. 184 da CF, compete à União desapropriar por interesse social, para �ns de reforma agrária, o imóvel
rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária,
com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua
emissão, e cuja utilização será de�nida em lei.
Acerto: 1,0  / 1,0
(FCC - 2010) O imóvel urbano que o proprietário abandonar, com a intenção de não mais o conservar em seu
patrimônio, e que se não encontrar na posse de outrem, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar:
cinco anos depois, à propriedade do respectivo Estado ou à do Distrito Federal, se se achar nas
respectivas circunscrições.
dez anos depois, à propriedade da União.
dez anos depois, à propriedade do Município ou à do Distrito Federal, se se achar nas respectivas
circunscrições.
cinco anos depois, à propriedade da União.
 três anos depois, à propriedade do Município ou à do Distrito Federal, se se achar nas respectivas
circunscrições.
Respondido em 14/04/2023 15:25:35
Explicação:
trata-se da arrecadação de bem público particular (artigo 1.276 do Código Civil). As demais alternativas não se
aplicam ao quadro factual trazido no enunciado da questão.
Acerto: 1,0  / 1,0
(VUNESP - 2018 - Câmara de Olímpia - SP - Procurador Jurídico) No direito de construir, é permitido:
 Questão8
a
 Questão9
a
abrir janelas a menos de um metro e meio do terreno vizinho.
 encostar à parede divisória fogões de cozinha.
levantar edi�cações a menos de três metros do terreno vizinho, desde que seja área rural.
realizar construções capazes de poluir a água de poço, desde que mediante indenização.
ao proprietário construir de maneira que seu prédio despeje águas diretamente sobre o prédio vizinho.
Respondido em 14/04/2023 15:26:38
Explicação:
O proprietário construirá de maneira que o seu prédio não despeje águas, diretamente, sobre o prédio vizinho. É
defeso abrir janelas, ou fazer eirado, terraço ou varanda, a menos de metro e meio do terreno vizinho. Na zona rural,
não será permitido levantar edi�cações a menos de três metros do terreno vizinho. São proibidas construções
capazes de poluir, ou inutilizar, para uso ordinário, a água do poço, ou nascente alheia, a elas preexistentes.
Acerto: 1,0  / 1,0
Para registrar o penhor no Cartório de Títulos e Documentos, não é necessário constar no título constitutivo:
 O valor estimado da coisa objeto do penhor.
As especi�cações da coisa objeto do penhor.
O prazo para pagamento do crédito.
O valor nominal ou estimado da dívida.
A taxa de juros da dívida, se houver.
Respondido em 14/04/2023 15:27:33
Explicação:
Veja o art. 1.424. Os contratos de penhor devem declarar, sob pena de não terem e�cácia: o valor do crédito, sua
estimação, ou valor máximo (valor do crédito e valor da dívida são a mesma coisa); o prazo �xado para pagamento; a
taxa dos juros, se houver; o bem dado em garantia com as suas especi�cações. Nas hipóteses dos incisos não consta a
estimativa de valor da coisa. É verdade que o inciso IV exige a descrição da coisa, mas descrição é quanto aos
"elementos indispensáveis à sua identi�cação", ou seja, suas características físicas. Não se inclui, aí, o valor nominal ou
estimado da coisa.
 Questão10
a

Outros materiais