Buscar

RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E AFRODESCENDÊNCIA II

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 10 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 10 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 10 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

· Pergunta 1
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	(Concurso Público - IFAL - Docente Copema, 2010) Dentre as iniciativas, no âmbito do poder público para as ações afirmativas de inclusão social, insere-se a publicação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Sobre essas Diretrizes, o princípio da consciência política e histórica da diversidade deve conduzir:
I- Ao conhecimento e à valorização da história dos povos africanos e da cultura afro-brasileira na construção histórica e cultural brasileira.
II- À crítica pelos coordenadores pedagógicos, orientadores educacionais, professores, das representações dos negros e de outras minorias nos textos, materiais didáticos, bem como providências para corrigi-las.
III- Ao esclarecimento a respeito de equívocos quanto a uma identidade humana universal.
IV- À desconstrução, por meio de questionamentos e análises críticas, objetivando eliminar conceitos, ideias, comportamentos veiculados pela ideologia do branqueamento, pelo mito da democracia racial, que tanto mal fazem a negros e brancos.
Estão corretas as afirmações:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	d. 
I e IV.
	Respostas:
	a. 
I e II.
	
	b. 
II e IV.
	
	c. 
I, II e III.
	
	d. 
I e IV.
	
	e. 
II, III e IV.
	Comentário da resposta:
	Resposta: D
Comentário: na afirmação II, a necessidade do uso crítico de todo material didático por professores e demais envolvidos no processo educativo não está explícita na lei, apesar de configurar um importante posicionamento na promoção da igualdade racial na escola, na sala de aula, na sociedade etc. A questão apresentada na afirmação III não é pertinente, visto que as Diretrizes não trazem uma discussão ou crítica sobre uma suposta "identidade humana universal", mas incentiva o respeito à diversidade étnico-racial, bem como as contribuições das populações afrodescendentes para a construção da história e da cultura do Brasil.
	
	
	
· Pergunta 2
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	A Constituição Federal de 1988, resultado de um amplo processo de mobilização popular, resultado da abertura democrática a partir de 1985, define em seu artigo 20, inciso XI, que as terras ocupadas pelos índios são bens da União, isso significa que:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	c. 
O Estado (Governo Federal) detém o direito sobre a propriedade desses territórios.
	Respostas:
	a. 
Os índios são considerados patrimônio histórico da humanidade.
	
	b. 
As terras indígenas só podem ser comercializadas entre as esferas públicas: municipal, estadual e federal.
	
	c. 
O Estado (Governo Federal) detém o direito sobre a propriedade desses territórios.
	
	d. 
As escolas indígenas deverão ser construídas especificamente nessas terras públicas.
	
	e. 
Não existem conflitos por terra, uma vez que a União reconhece o direito do índio à propriedade, sendo responsável por sua administração.
	Comentário da resposta:
	Resposta: C
Comentário: essa determinação da União, por meio da Constituição Federal, em se considerar tutora das propriedades indígenas, tem causado muitos conflitos entre os grupos indígenas brasileiros. Entretanto, o artigo ainda prevalece na Constituição, sendo objeto de discussão e debate na elaboração do Estatuto do Índio.
	
	
	
· Pergunta 3
0 em 0,3 pontos
	
	
	
	A respeito da promulgação de leis antirracistas no Brasil, é incorreto afirmar que:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	d. 
Após 1988, o movimento negro se fortaleceu no Brasil, principalmente por sua autovalorização e sua percepção racializada de si mesmo e do outro.
	Respostas:
	a. 
Foi a partir de 1988, com a nova Constituição brasileira, que o racismo passou a ser considerado crime.
	
	b. 
A década de 1990 trouxe grandes avanços nas legislações antirracistas, ao mesmo tempo em que fez crescer o movimento negro, que passou a ganhar projeção desde então.
	
	c. 
As leis no Brasil, no tocante às questões étnico-raciais, são bastante avançadas e consideradas uma das mais modernas do mundo, embora não sejam plenamente aplicadas.
	
	d. 
Após 1988, o movimento negro se fortaleceu no Brasil, principalmente por sua autovalorização e sua percepção racializada de si mesmo e do outro.
	
	e. 
Como as leis no Brasil não são cumpridas, a legislação antirracista teve pequeno impacto na promoção da igualdade racial no país.
	
	
	
· Pergunta 4
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Analise as afirmações a seguir, que abordam a relação entre o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e as populações afrodescendentes:
I- Pela primeira vez, crianças e adolescentes passam a ser tratados como cidadãos de direitos.
II- A partir da publicação do ECA, as crianças e os adolescentes passam a ser protegidos por lei, não podendo sofrer qualquer forma de negligência ou discriminação.
III- Há estreita relação entre a aprovação do ECA e as normativas internacionais, que igualmente se colocam contra toda forma de discriminação fundada na raça, sexo, origem e cor.
IV- A Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, pode ser considerada o marco inicial da preocupação com as questões étnico-raciais pelos instrumentos normativos internacionais.
V- O ECA trouxe pouca contribuição à promoção da igualdade racial no Brasil, uma vez que apenas um de seus artigos trata especificamente da discriminação de raça, cor e origem. 
Estão corretas as seguintes afirmações:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	b. 
I, II, III e IV.
	Respostas:
	a. 
I, II e III.
	
	b. 
I, II, III e IV.
	
	c. 
II, III, IV e V.
	
	d. 
I, II, IV e V.
	
	e. 
I, III, IV e V.
	Comentário da resposta:
	Resposta: B
Comentário: apesar de um único artigo do ECA fazer alusão à discriminação, pode-se considerar que, após a promulgação da nova Constituição brasileira, em 1988, essa foi a legislação mais importante para crianças e adolescentes no Brasil, refletindo-se também nas políticas de assistência social e educacionais a partir de então.
	
	
	
· Pergunta 5
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Analise as afirmativas, sobre a Lei 12.288/2010, e assinale a alternativa incorreta:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	c. 
Foi a partir da aprovação dessa lei que o racismo passa a ser considerado um crime inafiançável no Brasil.
	Respostas:
	a. 
Foi o resultado de uma ampla e demorada discussão na Câmara e no Senado, desde 2003, quando foi apresentado o projeto dessa lei.
	
	b. 
O documento versa sobre os principais direitos garantidos à população afrodescendente no Brasil.
	
	c. 
Foi a partir da aprovação dessa lei que o racismo passa a ser considerado um crime inafiançável no Brasil.
	
	d. 
Há um capítulo especial no combate às assimetrias de gênero e raça, dando condições de inclusão especialmente às mulheres negras.
	
	e. 
Preocupou-se em valorizar a autodefinição de cor ou raça, no sentido de que as pessoas passem a se autodeclarar pretas e pardas, conforme critérios definidos pelo IBGE.
	Comentário da resposta:
	Resposta: C
Comentário: foi a partir da nova Constituição brasileira, em 1988, que o racismo passa a ser considerado um crime inafiançável e imprescritível. Depois da Constituição, várias outras legislações específicas trouxeram a preocupação em combater toda forma de discriminação étnico-racial, especialmente o Estatuto da Igualdade Racial, ou Lei 12.288, aprovada com emendas no dia 20 de julho de 2010.
	
	
	
· Pergunta 6
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	As alternativas apresentam alguns dos mitos e inverdades que acabaram sendo propalados a respeito de nosso passado colonial e escravista, exceto:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	c. 
O Brasil já era parte de um grande projeto capitalista moderno desde o início de sua colonização, com altos investimentos da elite econômica da época, representada pela burguesia.
	Respostas:
	a. 
O nosso povoamento é fruto de uma política colonial que teria enviado às terras brasileiras os “piores cidadãos” portugueses, indesejados na Europa, como ladrões, corruptos e desqualificadosde toda sorte.
	
	b. 
Os índios não puderam ser escravizados, pois eram mais rebeldes, tinham o espírito de liberdade e não se sujeitaram às condições impostas pelo trabalho escravo.
	
	c. 
O Brasil já era parte de um grande projeto capitalista moderno desde o início de sua colonização, com altos investimentos da elite econômica da época, representada pela burguesia.
	
	d. 
Os negros, por já estarem mais acostumados à escravidão no continente africano, foram mais facilmente trazidos ao Brasil e submetidos ao trabalho forçado.
	
	e. 
A escravidão no Brasil foi uma das mais longas na história moderna, devido ao caráter passivo e acomodado dos negros, que pouca ou nenhuma resistência apresentavam à sua condição de escravo.
	Comentário da resposta:
	Resposta: C
Comentário: ao contrário do que algumas fontes apresentam, o Brasil colonial e agrário não representava uma sociedade arcaica e medieval, mas constituiu-se como a maior empresa capitalista de Portugal no período chamado do “capitalismo monopolista-comercial-manufatureiro”. As demais alternativas trazem afirmações errôneas, que em muito colaboraram e ainda colaboram para a construção de estereótipos a respeito dos negros na história do Brasil.
	
	
	
· Pergunta 7
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Leia o texto abaixo e responda à questão:
Gobineau – As bases do pensamento racista
Paisagem do Rio de Janeiro imperial
“Mal o conde Gobineau colocou os pés no cais da Baía da Guanabara, declarou guerra aos da terra. Não hesitou muito em classificar o país como um império de malandros. O calor, as baratas, os insetos de todos os tamanhos, os ratos audazes que cruzavam as casas por todos os lados, as cobras que passeavam pelos jardins, sapos grandes como cachorros, e até voos rasantes de morcegos fizeram com que ele imaginasse se encontrar num anexo do inferno. E, olhando aquilo tudo, indiferente, com um cigarro enfiado na orelha e um palito no canto da boca, eis o carioca, um contumaz vadio incapaz de qualquer iniciativa.
  
Gobineau no Brasil, ao contrário de Tocqueville na América do Norte, não percebera, ou não quis ver, que o problema da pouca dedicação ao trabalho com que ele se deparou no Brasil devia-se à existência da escravidão. Enquanto Tocqueville, ao comparar os estados de Ohio (livre), com o Kentuky (escravista), deixou páginas de inteligente observação sobre os estragos que o regime servil provocava nos brancos sulistas, deixando-os apáticos, menosprezando o esforço físico, o conde Gobineau atribuía a malevolência que encontrou no Brasil ao miscigenismo. O Rio de Janeiro, disse ele, assemelhava-se a ‘uma bonita donzela inculta e selvagem que não sabe ler nem escrever’, uma paisagem exuberante emoldurada com florestas sensacionais, mas que não estavam impregnadas de ‘natureza moral’. Naquele descalabro – onde o até o círculo diplomático encontrava-se ‘estagnado em sua própria imbecilidade’ – salvava-se o imperador.”
 
Medo da miscigenação
“D. Pedro II, homem culto, estimava Gobineau, reservando-lhe horas de boa e variada conversa, não evitando, entretanto, que ele fosse também um outro francês acometido por um ‘terror religioso’ no Novo Mundo. O medo dele porém era outro. Não temia a democracia que por aqui não havia, mas sim um mundo devastado pela miscigenação, quando não pelo absoluto reino da vadiagem. O mau humor de Gobineau nunca o abandonou, mesmo com o imperador correspondendo-se com ele até um pouco antes da sua morte, em 1882, parece que nunca deixou de praguejar contra o que viu no Brasil.”
Fonte: Texto e imagens (sem identificação de autoria) disponíveis em: http://projetodehistoriaanjodaguarda.blogspot.com.br/2009/03/gobineau-as-bases-do-pensamento-racista.html Data de acesso: 12/04/2012.
 
O termo miscigenação, no contexto do texto, possui o seguinte sentido:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	a. 
Refere-se à mistura das raças presentes no Brasil, que resultaria em uma raça inferior.
	Respostas:
	a. 
Refere-se à mistura das raças presentes no Brasil, que resultaria em uma raça inferior.
	
	b. 
Refere-se apenas à mistura das raças consideradas inferiores, isto é, os índios e os africanos.
	
	c. 
Refere-se a uma visão crítica que o termo adquiriu ao longo dos tempos, tornando-se uma bandeira de luta.
	
	d. 
Refere-se a uma visão que, apesar da crítica, acreditava no potencial do povo brasileiro no futuro.
	
	e. 
Refere-se ao início do processo que resultaria na libertação dos negros e na formação da democracia racial no Brasil.
	Comentário da resposta:
	Resposta: A
Comentário: de acordo com as teorias eugenistas, que influenciaram o mundo durante o século XIX e a primeira metade do século XX, nossa terra produzia sujeitos “degenerados e instáveis”, incapazes de acompanhar o desenvolvimento do país; tal degeneração seria causada primordialmente pela miscigenação presente em nossa sociedade. De acordo com esses teóricos eugenistas, para retomar o rumo do desenvolvimento do Brasil, era necessário extirpar os resquícios de nossa miscigenação.
	
	
	
· Pergunta 8
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Leia o trecho da poesia “Pai João”, de Jorge de Lima:
 
“Pai João remou nas canoas.
Cavou a terra.
Fez brotar do chão a esmeralda
Das folhas - café, cana, algodão.
Pai João cavou mais esmeraldas
Que Paes Leme.
A pele de Pai João ficou na ponta
Dos chicotes.
A força de Pai João ficou no cabo
Da enxada e da foice.
A mulher de Pai João o branco
A roubou para fazer mucamas.
O sangue de Pai João se sumiu no sangue bom
Como um torrão de açúcar bruto
Numa panela de leite.
Pai João foi cavalo pra os filhos do ioiô montar [...]”
(LIMA, Jorge de. Pai João. "Revista Nossa América", nov./dez., 1991, p. 9.)
 
Com base nessa poesia de Jorge de Lima, publicada originalmente em 1927, e nos conhecimentos sobre a presença do negro na sociedade brasileira, considere as afirmativas a seguir:
I- A poesia confirma que, por ter sido um dos primeiros países a acabar com a escravidão, o Brasil foi palco de uma inserção efetiva do negro no mercado de trabalho como mão de obra qualificada.
II- Na comparação feita pelo poeta entre o sangue de Pai João e o torrão de açúcar bruto, percebe-se uma referência à importância do negro na mistura de etnias que definiu ao longo dos séculos a formação do povo brasileiro.
III- A poesia de Jorge de Lima infere que a mestiçagem e a hibridez da cultura brasileira, bem como o papel central desempenhado pelo trabalho do negro na produção de riquezas, coexistiram com uma imensa exploração e injustiça social.
IV- O mito da "democracia racial", baseado na mestiçagem biológica e cultural entre negros e brancos, preconiza a ideia de uma convivência harmoniosa e teve uma significativa presença na sociedade brasileira.
 
Assinale a alternativa correta:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	e. 
II, III e IV são verdadeiras.
	Respostas:
	a. 
I e III são verdadeiras.
	
	b. 
I e IV são verdadeiras.
	
	c. 
II e IV são verdadeiras.
	
	d. 
I, II e III são verdadeiras.
	
	e. 
II, III e IV são verdadeiras.
	Comentário da resposta:
	Resposta: E
Comentários: o processo de abolição da escravidão no Brasil não foi acompanhado de uma política pública de inserção dos negros "recém-libertos" no mercado de trabalho nem da inclusão dos direitos fundamentais do cidadão a esse segmento da população. Ainda que a contribuição das populações africanas e negro-descendentes para a formação social, econômica e cultural do Brasil tenha tido uma importância inquestionável, não houve interesse político em resolver os enormes problemas de desigualdade econômica e injustiça social em nosso país. A solução desse problema aparece ao longo da história do século XX no Brasil por meio do chamado "mito da democracia racial", uma tentativa de apagar nosso passado de escravidão e exploração das populações africanas com a propagação da ideia de uma suposta convivência harmoniosa entre os grupos étnicos no interior da sociedade brasileira.
	
	
	
· Pergunta 9
0 em 0,3 pontos
	
	
	
	O projeto nacional de branqueamento pode ser compreendido a partir das afirmações aseguir, exceto:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	 [Sem Resposta]
	Respostas:
	a. 
Não se preparou nenhuma condição para que os negros recém-libertos estivessem em igualdade de direitos e oportunidades no então mercado de trabalho; milhares de imigrantes brancos foram trazidos a partir, principalmente, do início do século XX, para que ocupassem esses postos de trabalho.
	
	b. 
A Guerra do Paraguai pode ser considerada uma das estratégias do projeto nacional de branqueamento, uma vez que nela morreram cerca de 90.000 negros, abrindo ainda mais postos de trabalho para imigrantes brancos recém-chegados ao Brasil.
	
	c. 
O ideal de branqueamento também produziu as chamadas ideologias raciais do negro e mulato e do branco, colocando, de forma evidente, negros e brancos em lugares sociais desiguais e hierarquizados.
	
	d. 
Os quilombos foram muito importantes no processo de branqueamento, uma vez que milhares de escravos negros se refugiavam nesses locais, bem afastados e de difícil acesso aos senhores brancos, abrindo espaço para o imigrante branco no mercado de trabalho.
	
	e. 
Uma das consequências do projeto nacional de branqueamento foi a marginalização social das populações negras, uma vez que, sem possibilidade de trabalho remunerado, acabaram se instalando nas periferias das cidades, nas regiões mais pobres do Brasil.
	
	
	
· Pergunta 10
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Sobre a diáspora vivida pelos negros após sua transferência forçada ao Brasil, a partir de 1550, avalie as afirmações e assinale aquela que melhor descreve esse fenômeno histórico:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	a. 
Desterrados de seu continente, separados de seus laços de relação pessoal, ignorantes da língua e dos costumes, o deslocamento dos negros foi de tal monta que acabou alterando cores, costumes e a própria estrutura da sociedade local.
	Respostas:
	a. 
Desterrados de seu continente, separados de seus laços de relação pessoal, ignorantes da língua e dos costumes, o deslocamento dos negros foi de tal monta que acabou alterando cores, costumes e a própria estrutura da sociedade local.
	
	b. 
Toda a história da África foi sendo apagada dos livros, que passaram a contar a história apenas sob a perspectiva do branco colonizador.
	
	c. 
Foi inegável influência que a cultura brasileira, em formação, recebeu como herança africana, não só no campo econômico, por meio do trabalho escravo e não remunerado, mas nos campos demográfico, cultural, entre outros.
	
	d. 
Os quilombos contribuíram como força de resistência negra durante o período de escravidão, surpreendendo também pela capacidade de organização e por apresentar uma proposta social e política alternativa ao modelo colonial.
	
	e. 
Trata-se do envio de milhares de imigrantes brancos ao Brasil a partir, principalmente, do início do século XX, para substituir a mão de obra negra após a abolição da escravatura.
	Comentário da resposta:
	Resposta: A
Comentário: a diáspora caracterizou-se pela transferência, para o Brasil, de, aproximadamente, quatro milhões de africanos, separados de suas origens, de seus familiares, impedidos de falar sua língua, praticar suas atividades religiosas, danças e outras manifestações culturais. Todo esse referencial étnico-cultural africano foi sendo paulatinamente apagado dos livros de história, que passam a mostrar exclusivamente a perspectiva do europeu. Apesar desse "apagar" da história africana, é inegável a contribuição que esses povos trouxeram à construção da história e da identidade brasileira, seja no âmbito cultural, econômico, social etc. Os quilombos foram importantes organizações das populações africanas e afrodescendentes, no sentido de oferecer uma resistência ao regime escravagista no período colonial. A vinda dos imigrantes brancos, a partir principalmente do início do século XX, não apresenta nenhuma relação com o conceito de diáspora, mas diz respeito à política nacional de branqueamento, desenvolvida pelo governo brasileiro após a abolição da escravidão no país.

Continue navegando