Buscar

Resumo - Processos Psicológicos Básicos - Sonhos

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Desde os tempos antigos, os sonhos e seus significados sempre foram 
cercados de misticismo e superstições, considerados previsões do futuro e avisos do 
além-mundo. Ainda hoje, não há consenso sobre as funções biológicas e os 
significados dos sonhos, mas várias teorias discorrem sobre a atividade onírica. 
No que concerne à neurociência, sabe-se que os sonhos são experienciados 
principalmente durante a fase REM (rapid eye movement), uma das cinco etapas do 
sono. Na fase REM, pode-se observar o rápido movimento dos olhos do indivíduo 
adormecido – característica que dá nome à fase. Imagens de ressonância magnética 
funcional (fMRI) mostram que a atividade cerebral durante a fase REM é intensa, 
praticamente igual à do cérebro em estado de vigília. Estudos recentes afirmam que 
esses processos, similares ao estado de vigília, estabelecem uma relação funcional 
entre a fase REM – e, consequentemente, os sonhos – e a consolidação da memória. 
O conteúdo dos sonhos é altamente influenciado pelas experiências pessoais 
de cada indivíduo, o ambiente em que vive e sua cultura – o que explica o porquê de 
pessoas diferentes, mas de uma mesma cultura, terem sonhos iguais ou parecidos. 
No campo da psicologia, o primeiro grande estudioso do conteúdo dos sonhos foi 
Sigmund Freud, neurologista austríaco fundador da psicanálise. A teoria onírica de 
Freud, exposta em “A Interpretação dos Sonhos”, é uma das mais conhecidas e mais 
controversas. Freud propôs que os sonhos seriam representações simbólicas 
inconscientes de vontades não satisfeitas, resultantes de inquietações internas, 
desejos e repressões da sociedade. 
No decorrer da história da psicologia, vários estudiosos, contrariando a teoria 
de Freud, se manifestaram sobre os sonhos, em busca de explicações alternativas. O 
antropologista americano Edward Hall concordava com Freud ao dizer que os sonhos 
continham uma carga simbólica. Contudo, Hall acreditava que estes símbolos não 
eram inconscientes ou subjetivos, mas sim fragmentos da realidade e da vivência do 
indivíduo (MARTIN et. al., 2010, p. 364). Partindo deste ponto, em 1977 a psicóloga 
Rosalind Cartwright propôs “uma visão cognitiva da resolução de problemas” 
(WEITEN, 2011, p. 150), na qual as experiências do indivíduo se estenderiam aos 
sonhos, onde a criatividade para solucionar problemas é irrestrita. 
O psiquiatra americano Allan Hobson, em 1988, propôs, também, uma teoria 
onírica – um modelo biológico de síntese-ativação – através de experimentos formais 
sobre as etapas do sono e dos sonhos (MARTIN et. al., 2010, p. 365). Hobson 
observou que, durante a etapa REM do sono, a área de controle da visão era ativada 
e, frequentemente, trazia à tona experiências, memórias e assuntos de interesse 
recentes. Hobson sugeriu que os sonhos eram meramente resultados da alta atividade 
cerebral durante a fase REM e não possuíam um significado subjetivo conforme Freud 
sugeriu. Righetto (2011, p. 28) destaca que, mais tarde, Hobson passou a associar a 
etapa REM e o conteúdo dos sonhos a funções adaptativas e cognitivas, 
“relacionadas, sobretudo, à consolidação e integração de memórias”. 
As terapias cognitivas e comportamentais se apropriaram dessas teorias para 
tentar compreender o comportamento humano e relacionar o conteúdo dos sonhos 
com as experiências vividas pelos indivíduos, considerando os sonhos “rico material 
terapêutico, onde padrões cognitivos e afetivos são expressados e esquemas podem 
estar exercendo sua máxima influência” (SHINOHARA, 2006, p. 86). 
O surgimento da teoria cognitivo-comportamental aconteceu por volta de 1956, 
com o intuito de revisar alguns pressupostos psicanalíticos a respeito da depressão. 
Aaron Beck, ao iniciar estudos cognitivos-comportamentais acerca da depressão, 
chegou a respostas diferentes daquelas da teoria psicanalítica. Beck e outros 
pesquisadores, então, intensificaram as pesquisas e, nos anos 2000, definiram o 
cognitivo como a principal atividade responsável pela dedução das experiências 
adquiridas e pela projeção e interpretação de situações futuras.( CARLOS HENRIQUE 
GONÇALVES, 2014, p. 2) 
Os sonhos na visão cognitivo-comportamental são importantes à medida que 
têm interferência no comportamento humano e são vistos como uma extensão do que 
é vivenciado cotidianamente, diferenciando-se da teoria psicanalítica, que vê os 
sonhos como manifestações do inconsciente, ligadas a desejos reprimidos. 
Em um primeiro momento, a teoria cognitivo-comportamental tentou encontrar 
padrões nos sonhos e relacioná-los ao diagnóstico de doenças: uma pessoa que têm 
depressão, por exemplo, poderia sonhar mais com situações frustrantes de rejeição e 
abandono, enquanto uma pessoa que apresenta sintomas de paranoia poderia ter 
sonhos recorrentes de perseguição. Entretanto, essa relação entre diagnósticos e 
padrões de sonhos acabou não sendo o objeto de maior interesse da teoria cognitivo-
comportamental (VANDENBERGHE & PITANGA, 2007, p. 241). 
O principal fascínio da teoria cognitivo-comportamental é o relato de sonhos, 
pois a atividade onírica apresenta conteúdo relevante e significativo a respeito dos 
mecanismos cognitivos. Beck salienta que os sonhos advêm de um processo 
idiossincrático, ou seja, caracterizado pela forma de ser, sentir, agir e pensar de cada 
indivíduo (VANDENBERGHE & PITANGA, 2007, p. 241). Logo, as preocupações e 
projeções vivenciadas na vigília são encontradas também nos sonhos e seguem o 
mesmo padrão cognitivo de quando a pessoa está acordada. 
Beck acredita que os sonhos, por estarem relacionados diretamente com as 
vivências em estado de vigília, não devem ser interpretados para alcançar um sentido 
mais profundo, afinal, já fazem parte das temáticas cognitivas da pessoa que sonha. 
Freeman & Bayll também afirmam que a compressão dos sonhos deve ser temática, 
inserida num contexto de vida, e não simbólica, podendo, assim, colaborar de fato na 
terapia do paciente (VANDENBERGHE & PITANGA, 2007, p. 241). 
É importante que o próprio paciente consiga avaliar suas cognições e 
inquietações, a fim de encontrar os pensamentos envolvidos com a ansiedade e 
depressão, mais tarde podendo modificar essas questões afetivas. Para Freeman a 
interpretação dos sonhos deve ser feita em estado de vigília, para que os 
pensamentos e sentimentos relatados possam ser questionados e reestruturados, o 
que demonstra o papel relevante dos sonhos dentro da terapia (VANDENBERGHE & 
PITANGA, 2007, p. 241). 
Ainda que não exista consenso sobre a função dos sonhos, diversos estudos 
na área da neurociência indicam que o sono é um processo importante para a 
consolidação de memórias, e que a fase REM está claramente envolvida nas funções 
cognitivas (CHENIAUX, 2006, p.172). No que concerne à terapia cognitivo-
comportamental, Vandenberghe & Pitanga destacam que “examinar os sonhos dos 
pacientes e considerar as interpretações que eles fazem é uma maneira econômica 
de descobrir esquemas disfuncionais” (2007, p. 241), pois os conteúdos dos mesmos 
são produto das experiências e crenças de cada indivíduo. 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 
BACHTOLD, L. Os Sonhos na Terapia Comportamental. InterAÇÃO. Curitiba, n. 3, 
p. 21-34, 1999. 
 
CHAVES, M.; CAIXETA, M.; MACHADO, D. C. Neuropsicologia da Atividade Onírica. 
Arq Neuropsiquiatr. São Paulo, n. 55 (3-B), p. 661-665, 1997. 
 
CHENIAUX, E. Os sonhos: integrando as visões psicanalítica e neurocientífica . Rev. 
psiquiatr. Rio Gd. Sul Porto Alegre, n. 28 (2), p. 169-177, 2006. 
 
GONÇALVES, C. H. A terapia cognitiva e a teoria cognitiva da emoção de 
Lazarus. 2014. 103 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Juiz 
de Fora, 2014. 
 
MARTIN, G. N.; CARLSON, N. R.; BUKIST, W. Psychology. 4. ed. Harlow: Pearson, 
2010. 
 
PASTORINO, E.; DOYLE-PORTILLO, S. What is psychology? 3. ed. Belmont: 
Cengage, 2012. p. 140-145. 
 
RIGHETO, F. S. L. Sonho e comunicação: novos contextosteóricos. 2011. 102 f. 
Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Católica, São 
Paulo, 2011. 
 
SHINOHARA, H. O trabalho com sonhos na terapia cognitiva. Revista Brasileira de 
Terapias Cognitivas. Ribeirão Preto, v. 2, n. 2, p. 85-90, 2006. 
 
VANDENBERGHE, L.; PITANGA, A. V. A análise de sonhos nas terapias cognitivas 
e comportamentais. Estudos de Psicologia. Campinas, n. 24 (2), p. 239-246, 2007. 
 
WEITEN, W. Introdução à psicologia: temas e variações. 7. ed. São Paulo: 
Thomson, 2002.

Continue navegando