Buscar

Histologia Buco-dental - Cemento Dental

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 3 páginas

Prévia do material em texto

Tecidos Periodontais: Cemento Dental
INTRODUÇÃO:
Os tecidos periodontais se encontram adjacentes
ao elemento dentário e são compostos por
estruturas que estão voltados para a inserção do
dente no osso.
● O cemento reveste externamente a raiz do
dente e incorpora na sua estrutura fibras
colágenas que atravessam o espaço
periodontal e são incorporadas no lado oposto
ao osso alveolar. O cemento está firmemente
aderido à raiz do dente.
● Os tecidos e estabelecem no mesmomomento
durante sua formação e se originam das células
ectomensênquimais do folículo dentário, que
se estabelecem já na fase de capuz da
odontogênese.
● O germe dentário, o epitélio do órgão do
esmalte e a papila dentária que vão dar origem
aos tecidos dentários.
PERIODONTO:
→ Peri = tecidos da periferia
Colabora para que o dente fique fixado ao osso,
possui funções estética,mastigatória e fonética.
O dente se relaciona com os ossos guináticos, os
superiores com a maxila e inferiores com a
mandíbula e se articulam por meio da articulação
gonfose.
O periodonto de sustentação se forma na fase de
raiz da odontogênese e compõe cemento,
ligamento periodontal e osso alveolar.
O cemento possui função de inserir suas fibras
colágenas que compõe o tecido adjacente, o
ligamento periodontal (único que possui
características de tecido frouxo).
A gengiva é uma extensão da mucosa bucal. Parte
da gengiva colabora para proteção do
periodonto e é classificada com periodonto
marginal.
CEMENTO DENTAL:
● Tecido conjuntivo duro que reveste a dentina
radicular;
● Celularizado, avascular, sem inervação;
● Nutrição por meio do ligamento periodontal.
● Composto por 60% de cristais de
hidroxiapatita: matriz inorgânica; Fibras
colágenas (principalmente o tipo I): matriz
orgânica.
● Composto por células cementócitas e
cementoblastos.
● Sua espessura vai aumentando ao longo da raiz
no sentindo crescente da cervical (terço médio)
para a apical.
★ Osteoblastos: produzem o tecido ósseo;
★ Cementoblastos: produzem o cemento;
Ambos produzem matriz orgânica e mineralizam os
seus respectivos tecidos.
★ Odontoclastos: realiza os fenômenos de
reabsorção. Geralmente as reabsorções
cementárias possuem relação patológica em
dentes permanentes;
★ Osteócitos: células aprisionadas dentro da
matriz do osso (lacunas que se comunicam por
canalículos);
★ Cementócitos: aprisionadas dentro da matriz
do cemento.
CEMENTOGÊNESE:
Ocorre em conjunto com a formação do ligamento
periodontal e com a formação do osso alveolar.
Resumo por Jhennifer Gonçalves Viana | Graduanda de Odontologia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
2024 | Jequié — Ba
O papel do folículo dentário no
desenvolvimento dos tecidos periodontais:
● As células do folículo dentário, inicialmente
indiferenciadas, requerem indução para se
transformarem em tecidos maduros.
● A indução ocorre pelo contato dessas
células com a superfície da dentina em
desenvolvimento.
● A fragmentação da Bainha Epitelial
Radicular de Hertwig é necessária para o
contato das células do folículo dentário
com a dentina.
● Esse contato induz a diferenciação das
células em cementoblastos, fibroblastos e
osteoblastos, iniciando a deposição dos
tecidos periodontais.
Formação da camada hialina e sua
importância na adesão entre dentina e
cemento:
● A camada hialina é formada por proteínas
depositadas pelas células de Hertwig e
pelas células em diferenciação.
● Sua composição contribui para a eficiência
do mecanismo adesivo entre dentina
radicular e cemento.
Formação dos Restos Epiteliais de Malassez e
seu papel na formação do periodonto de
inserção:
● Após a fragmentação de Hertwig, a maioria
das células sofre apoptose, exceto os
Restos Epiteliais de Malassez, que se
formam próximos à raiz.
● Esses remanescentes contribuem para a
formação dos tecidos do periodonto de
inserção.
Diferenciação e mineralização do cemento:
● Ao se diferenciarem, as células sintetizam o
cementoide, a parte orgânica do cemento.
● As fibras colágenas produzidas pelos
fibroblastos do ligamento periodontal se
inserem no cementoide, resultando na
mineralização da matriz do cemento,
tornando-o um tecido duro.
Cada camada que o cementoblasto deposita, na
subsequente ele se afasta para gerar um novo
espaço de deposição. Assim, formação do cemento
é uma formação aposicional em que cada
aposição representa a desenvoltura de uma
camada nova de cemento que colabora para que
este aumente sua espessura.
TIPOS DE CEMENTO:
● Cemento acelular – Fibras Extrínsecas;
● Cemento celular – Fibras Mistas;
● Cemento celular – Fibras Intrínsecas.
Cemento Acelular com Fibras Extrínsecas:
● Também denominadas de Fibras de Sharpey;
● Matriz secretada por cementoblastos;
● Este tipo de cemento é caracterizado pela
ausência de células;
● Fibras secretadas por fibroblastos do ligamento
periodontal;
● Suas principais funções incluem ancoragem do
dente ao osso alveolar e suporte estrutural.
● Origem: desde a margem cervical até 2/3 da
raiz. Em dentes unirradiculares pode ser única
forma de cemento (até o forame apical).
● Cementóide: parte orgânica da matriz que
ainda não obteve mineralização.
Cemento Celular com Fibras Mistas:
● O cemento celular possui células encapsuladas
em lacunas;
● As fibras mistas consistem em uma
combinação de fibras extrínsecas e intrínsecas;
● Desenvolve-se do terço médio a região apical da
raiz;
Resumo por Jhennifer Gonçalves Viana | Graduanda de Odontologia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
2024 | Jequié — Ba
● Este tipo de cemento desempenha um papel
importante na regeneração e reparo do tecido
periodontal.
Cemento Celular com Fibras Intrínsecas:
● Já houve o sistema de ancoragem do dente;
● Também possui cementócitos encapsuladas
em lacunas na matriz mineralizada.
● As fibras intrínsecas são produzidas pelas
próprias células do cemento (cementócitos e
cementoblastos);
● Após casos de reabsorção cementária ou
compensação de desgastes oclusais.
● Este tipo de cemento é vital para a integridade
estrutural do dente e é especialmente
importante durante os estágios iniciais do
desenvolvimento dental.
LIMITE AMELOCEMENTÁRIO
O limite amelocementário é a linha de transição
entre o esmalte dentário e o cemento radicular.
● Essa junção é uma estrutura anatômica
importante que marca o ponto onde a porção
coronal do dente (o esmalte) encontra-se com a
porção radicular (o cemento).
● Protege a área cervical do dente contra
agressões externas, como cárie dentária e
doença periodontal.
● Auxilia na distribuição de forças durante a
mastigação e outros movimentos funcionais da
mandíbula.
● Vital para a integridade do dente,
especialmente na região cervical onde as raízes
se inserem no osso alveolar.
● Pode se desgastar ao longo do tempo devido ao
atrito e à abrasão, tornando-se mais vulnerável a
danos.
● O desgaste pode resultar na exposição da
dentina subjacente, aumentando o risco de
sensibilidade dentária e outros problemas
dentários.
★ 1ª relação: ocorre em 60% dos casos - o
cemento recobre a porção terminal do
esmalte, sua ocorrência se dá pela
fragmentação da porção do epitélio reduzido
do órgão do esmalte que recobre a coroa,
protegendo o esmalte dentário da ação das
células do folículo dentário.
★ 2ª relação: ocorre em 30% dos casos, ela é
denominada de borda a borda, essa forma de
relacionamento acontece quando o término
do esmalte ele se dá no início do cemento,
vice-versa, não permitindo que haja nem
sobreposição de um sobre o outro e exposição
da dentina. Essa relação se estabelece
quando, na odontogênese, todos os tecidos se
desenvolvem e eles evoluem da maneira mais
perfeita.
★ 3ª relação: ocorre em 10% dos casos, o esmalte
e o cemento não se tocam, acontece quando,
na formação radicular, a parte inicial da bainha
de Hertwig não se fragmenta, impedindo a
formação do cemento sobre a superfície da
dentina radicular e na região do terço cervical,
gerando uma não cobertura da dentina
radicular pelo cemento.
Resumo por Jhennifer Gonçalves Viana | Graduanda de Odontologiapela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)
2024 | Jequié — Ba