Buscar

Prévia do material em texto

AULAS
15 e 16
➢ADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES
➢PAGAMENTOS ESPECIAIS – CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO
Conteúdo da AV2
INTRODUÇÃO
• EFEITOS
- Gerar para o credor o direito de exigir do devedor o
cumprimento da prestação;
- E para o devedor, o dever de prestar (cumprir);
OBJETIVO: extinção da obrigação.
PAGAMENTO
• É o principal modo de extinção das obrigações;
• Cumprimento/ Adimplemento voluntário da obrigação.
• Grande importância: desobriga o devedor da obrigação.
• Meio NORMAL;
*Pode se extinguir por meios anormais (ou seja, sem pagamento).
Ex: prescrição, nulidade, anulabilidade, novação, compensação, etc.
MAIOR PREOCUPAÇÃO: pagar certo.
ADIMPLEMENTO / PAGAMENTO
•PAGAMENTO DIRETO: exato cumprimento da
obrigação principal.
•PAGAMENTO INDIRETO: cumprimento de uma
forma diversa. Ex: sub rogação, novação, remissão.
QUEM DEVE/PODE PAGAR?
(art. 304, 305 e 306 do CC)
• DEVEDOR (ou seu representante)
• TERCEIRO INTERESSADO: interessado juridicamente.
Ex: fiador, devedor solidário (sub locatário).
OBS: sub-roga no direito de credor (art. 346, III, CC) – Sub-rogação legal.
• TERCEIROS NÃO INTERESSADOS: vem quitar a divida, mas não tem interesse jurídico, mas
APENAS moral/afetivo.
Ex: pais, avós.
- Tem direito a reembolso, mas não sub-roga.
* 2 FORMAS:
- Em nome próprio: direito de reembolso. Não há sub-rogação.
- Em nome do devedor: doação. Não tem reembolso e nem sub-rogação.
QUEM RECEBE?
(art. 308 a 312, CC)
REGRA
• Tradicionalmente, o credor.
• Mas pode ser recebido por um representante. Ex: pais, tutor, curador ou representante
convencional (instituído por ato de manifestação de vontade das partes).
REPRESENTANTE:
- Legal: decorre da lei, pais, tutores e curadores.
- Judicial: nomeado pelo juiz. Ex: inventariante.
- Convencional: recebe mandato outorgado pelo credor.
• PAGAR MAL? 
E SE EU 
PAGAR MAL….
O QUE 
ACONTECE?
QUEM RECEBE?
(art. 308 a 312, CC)
EXCEÇÃO
• Terceiro
Mas só tem efeito se:
- O credor ratificar o pagamento;
- Ficar provado que o credor tirou proveito;
- Credor putativo (aparente);
• Art. 308. O pagamento deve ser feito ao credor ou a quem de direito o represente, sob
pena de só valer depois de por ele ratificado, ou tanto quanto reverter em seu proveito.
• Art. 309. O pagamento feito de boa-fé ao credor putativo é válido, ainda provado
depois que não era credor.
QUEM RECEBE?
(art. 308 a 312, CC)
EXCEÇÃO (também extingue a obrigação)
• Pagamento de boa-fé a quem aparentava ser o credor (putativo), vai
exonerar – Art. 309, CC;
- Nesse caso, o credor originário vai ter que buscar a satisfação do seu crédito.
• Pagamento a pessoa não autorizada/não representava o credor, mas
posteriormente o credor vem e confirma o pagamento.
• Vide: 319, CC.
CREDOR PUTATIVO
É aquele que se apresenta aos olhos de todos como verdadeiro
credor. Recebe tal denominação, portanto, quem aparenta ser
credor, como é o caso do herdeiro aparente.
Ex: Locador aparente, que se intitula proprietário de um apartamento e o aluga a outrem.
Ex 2: O único herdeiro conhecido de uma pessoa com grandes condições que veio a falecer, é o seu
sobrinho, o pagamento a ele feito de boa-fé é válido, mesmo que se apure, posteriormente, ter o de cujus,
em disposição de ultima vontade, nomeado outra pessoa como seu herdeiro testamentário.
OBJETO DO PAGAMENTO
• É a prestação em si;
• Só se libera pagando exatamente o objeto que prometeu.
• Substituição apenas com o consentimento do credor. (dação em pagamento).
Art. 313. O credor não é obrigado a receber prestação diversa da que lhe é devida, ainda que mais valiosa.
Art. 314. Ainda que a obrigação tenha por objeto prestação divisível, não pode o credor ser obrigado a
receber, nem o devedor a pagar, por partes, se assim não se ajustou.
Art. 315. As dívidas em dinheiro deverão ser pagas no vencimento, em moeda corrente e pelo valor nominal,
salvo o disposto nos artigos subseqüentes.
Art. 316. É lícito convencionar o aumento progressivo de prestações sucessivas.
PROVA DO PAGAMENTO
• REGRA GERAL: não há presunção de pagamento.
• EXCEÇÃO: Há presunção:
- Quando o devedor de uma nota promissória, e tem ela em seu poder; (Art.
324, CC)
- Prestações em quotas sucessivas (trato sucessivo). Ex: carnê. Art. 322, CC
- Pagamento principal, sem reserva de acessórios (acessório acompanha o principal).
Se extingue o principal, o acessório também será extinto. (Art. 323, CC)
*OBS: presunção iuris tantum (admite prova em contrário).
LOCAL DE PAGAMENTO
(ART. 327 a 330, CC)
•REGRA GERAL:
Domicílio do devedor.
(queráble ou quesível)
*OPÇÃO:
As partes podem decidir que será
cobrada no domicílio do credor.
OBS: DEVE ESTAR EM CONTRATO.
(Portável / Portable)
LOCAL DE PAGAMENTO
(ART. 327 a 330, CC)
• E SE AS PARTES TIVERAM PACTUADO MAIS DE UM LUGAR PARA
PAGAMENTO?
A escolha cabe ao credor. (Art. 327, parágrafo único, CC)
• PAGAMENTO REITERADO EM LUGAR DIVERSO DO PACTUADO?
Gera presunção da renúncia do credor. Abriu mão. (art. 330, CC)
QUANDO PAGAR?
TEMPO DE PAGAMENTO (331 a 333, CC)
• REGRA: devem estar estipuladas em contrato.
• REGRA: Paga-se em seu vencimento.
• Se não tiver, presume-se que devam ser cumpridas de imediato.
- Qualquer dúvida de quando se pagar, sempre será decidido favoravelmente ao
devedor.
- OBS: VIDE ART. 134, CC.
* O credor só pode cobrar a dívida depois de vencida.
EXCEÇÕES: Art. 333, CC.
Risco de não receber o crédito.
CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO
|PAGAMENTOS ESPECIAIS|
CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO
CONCEITO: Art. 334, CC.
Art. 334. Considera-se pagamento, e extingue a obrigação, o depósito judicial ou em
estabelecimento bancário da coisa devida, nos casos e forma legais.
- Código Civil: 334 a 345 - (diz os casos cabíveis)
- Código de Processo Civil: 539 a 549 - (como se consigna)
• Direito de Remição – Direito de pagar
• Pagamento forçado;
CABIMENTO
(Art. 335, CC)
• Credor não quer receber;
• Credor não quer dar quitação;
• Não se sabe quem é o credor;
• Credor está ausente;
• Credor incapaz;
• Credor em LINS (Local incerto e não sabido);
• Mais de uma pessoa se diz credor.
CÓDIGO CIVIL
Art. 335. A consignação tem lugar:
I - se o credor não puder, ou, sem justa causa, recusar receber o
pagamento, ou dar quitação na devida forma;
II - se o credor não for, nem mandar receber a coisa no lugar, tempo e
condição devidos;
III - se o credor for incapaz de receber, for desconhecido, declarado
ausente, ou residir em lugar incerto ou de acesso perigoso ou difícil;
IV - se ocorrer dúvida sobre quem deva legitimamente receber o
objeto do pagamento;
V - se pender litígio sobre o objeto do pagamento
CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO
*EXTRAJUDICIAL - 539, CPC
- Pagamento for dinheiro;
1º Depósito em banco
2º Carta com aviso de recebimento (credor)
3º 10 dias que receber a devolução do AR
- Silêncio: pagamento feito
- Recusa: Ação de consignação (ingressar em 1 mês)
CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO
*JUDICIAL
- Pagamento em qualquer obrigação: dar, fazer, não fazer.
1º Petição Inicial
2º Juiz Defere
3º 5 dias para depósito (542, CPC)
[ou informar dia e hora para cumprir a tarefa – 342 CC]
[ se for coisa incerta, já se fixa o prazo para o credor indicar. Se ele não quiser indicar, o devedor já indica – 543, CPC]
4º Citação
5º Contestação – 15 dias (544, CPC)
6º Sentença
[ se for valor insuficiente,o juiz já condena a completar o valor – 545, § 2º CPC]
[ Se mais de uma pessoa se disser credor, o juiz dá a carta de quitação ao devedor e a ação segue só com os prováveis – Art. 548, II e III do CPC]
JULGADA PROCEDENTE: faz cessar juros, multa, riscos, qualquer consectário de
mora/inadimplemento (Art. 540, CPC)
REQUISITOS DE VALIDADE
LEGITIMIDADE
• Legitimidade ativa / autor da ação: Devedor, terceiro interessado na dívida ou terceiro
não interessado, se o fizer em nome e à conta do devedor (art. 304 e parágrafo único
do CC).
• Legitimidade passiva / réu da ação: Credor capaz de exigir o pagamento ou seu
representante.
OBJETO
• Integralidade do depósito
• Se forentrega de coisa, deverá realizar-se com os respectivos acessórios
MODO E TEMPO
• Aquele convencionado.
DÚVIDAS
PRÓXIMA AULA
CONTINUAÇÃO DOS
PAGAMENTOS ESPECIAIS

Mais conteúdos dessa disciplina