A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
130 pág.
Apostila - Resumo

Pré-visualização | Página 11 de 39

II e III estão corretas.
d) Somente a afirmativa I está correta.
e) As afirmativas I, II e III estão corretas.
Resolução dos exercícios
1 Resposta: a
O comportamento micro-organizacional se refere ao indivíduo e estuda as diferenças individuais, 
a percepção, motivação etc. O meso-organizacional estuda os grupos e, portanto, estuda liderança, 
equipe, conflito. Já o macro-organizacional se refere ao sistema e estuda a cultura da organização, 
estrutura etc.
2 Resposta: e
O ser humano é genérico enquanto espécie humana, mas é único enquanto indivíduo, portanto, as 
organizações devem definir padrões de comportamentos, regras etc., mas não podem se esquecer de 
tratar as pessoas como indivíduos que possuem expectativas, necessidades, emoções diferentes.
32
Unidade II
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
Unidade II
Falamos na unidade anterior sobre os níveis do comportamento organizacional, o ser humano, o 
homem e o trabalho, personalidade, valores e atitude.
Essa unidade pretende continuar a abordar o comportamento micro-organizacional, ou seja, o 
indivíduo na organização. Trataremos aqui da percepção e das implicações do mesmo no ambiente 
organizacional, e ainda, da motivação, tema bastante discutido nos dias de hoje.
3 PERCEPÇÃO
Há muita coisa para ver, mas nossos olhos da manhã descrevem um mundo diferente 
do que os olhos da tarde contemplam, enquanto os olhos da noite, cansados, só 
podem registrar um mundo noturno cansado (John Steinbeck).
A percepção é algo individual e influi na forma como as pessoas se comportam na organização, é 
a base para o entendimento do comportamento humano nas organizações, se entendermos os fatores 
que levam a moldar ou distorcer a percepção.
Observe as figuras abaixo:
 Fonte: autoria desconhecida
 
Você pode ter percebido algumas coisas que outras pessoas não perceberam e vice-versa.
• Cada pessoa compreende a realidade de forma diferente.
• O fato de um perceber de uma determinada forma não exclui a percepção do outro (certo-errado).
• A não percepção do ponto de vista do outro pode acarretar problemas nos níveis prático e relacional.
• Percepções diferentes podem aprofundar relacionamentos.
Segundo Robbins (2008), percepção é o processo em que as pessoas selecionam, organizam e 
interpretam informações existentes por meio de suas impressões sensoriais (tato, olfato, paladar, 
O que você percebe nessas figuras?
33
COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
audição e visão), com a finalidade de dar sentido ao ambiente ou ao modo como vemos objetos e 
situação.
A percepção é um processo pelo qual um indivíduo recebe um conjunto de estímulos por meio 
dos sentidos, selecionando-os, comparando-os e interpretando-os convenientemente. Segundo Kemp 
(1975, p. 13), percepção é “o processo pelo qual um indivíduo se apercebe do mundo que o rodeia”. Os 
diferentes órgãos sensoriais (olhos, ouvidos, tato etc.) são submetidos a uma “multidão” de estímulos 
e produzem uma sensação no indivíduo. Esta sensação é uma resposta imediata dos órgãos sensoriais 
aos estímulos.
A sensação é um fato fisiológico, já que se trata de uma resposta do organismo aos estímulos, 
enquanto que a percepção constitui a tomada de consciência dessa reação. Mais que um simples 
fenômeno sensorial, a percepção é uma conduta psicológica complexa que corresponde a um 
quadro de referência particular, elaborado segundo a nossa experiência pessoal e social, diz 
Moderno (2000).
Pensamos de modo usual, criando um padrão que se ajusta ao nosso padrão tradicional, ou àquilo que 
gostaríamos que nosso padrão fosse, e raramente tentamos a verdadeira interpretação de uma situação. 
A percepção não reflete a realidade objetiva. Vemos o mundo da forma como fomos condicionados 
a vê-lo; na verdade, quando descrevemos o que vemos, estamos descrevendo a nós mesmos, nossas 
percepções e nossos paradigmas.
3.1 Fatores que influenciam na percepção
Existem vários fatores que interferem na nossa percepção, como atenção, fatores externos e internos, 
conforme figura abaixo:
Fatores do observador
- Atitudes - Motivação
- Interesse - Experiência
- Expectativa - Emoção
- ValoresFatores da situação
- Momento
- Ambiente de trabalho
- Ambiente social
 ↓
→ Percepção
 ↑
Fatores do alvo
- Novidade - Sons
- Movimento - Tamanho
- Proximidade - Tempo
- Semelhança
Figura: Fatores que influenciam na percepção (adaptada de Soto, 2002).
Dentre os fatores que influenciam em nossa percepção, temos os fatores internos, ou seja, os 
fatores ligados ao observador. A forma como observo e interpreto uma situação, objeto ou pessoa está 
intimamente ligada aos meus valores, crenças, experiências passadas, interesse, emoção e motivação. 
34
Unidade II
Re
vi
sã
o:
 E
la
in
e 
- 
Di
ag
ra
m
aç
ão
: L
éo
 -
 0
2/
02
/2
01
1
Por exemplo, você pode passar todos os dias pela mesma rua e nunca ter reparado num restaurante, 
mas, se você estiver com fome, com certeza notará.
Outro ponto importante a ser destacado é a respeito do conceito que cada um tem de si mesmo, ou 
seja, sua autopercepção, pois ela influenciará fortemente a forma como vemos os objetos e as pessoas. 
Ela pode variar de acordo com as relações que mantemos, o trabalho que desenvolvemos e em como 
lidamos com os nossos sucessos e fracassos.
Os fatores externos ou do alvo também podem interferir em nossa percepção. O fato de estar mais 
próximo, como a estratégia utilizada nos supermercados de se colocar o que se quer vender no campo 
de visão do consumidor, por exemplo. Podemos citar outros fatores do alvo, como: tamanho, tempo, 
semelhança etc. Como o alvo está sempre relacionado a uma situação, estes fatores também irão 
interferir na percepção.
O nosso foco de estudo está centrado no modo como percebemos os outros – heteropercepção –, 
está ligado à impressão que tenho a respeito do outro, pelas suas ações, voz, gestos, movimento, reação 
e pela experiência que tive com o outro. O comportamento (atitudes, conduta) das pessoas é que nos 
leva a percebê-las e julgá-las.
Segundo Soto (2002), a teoria da atribuição procura explicar como julgamos de maneiras diferentes 
as pessoas, diante do sentido que atribuímos a um dado comportamento. A teoria sugere que, quando 
observamos o comportamento de alguém, tentamos identificar se o que o motiva é interno ou externo.
Ainda segundo o mesmo autor, as causas internas estariam sob o controle do indivíduo, enquanto 
as causas externas estariam relacionadas a uma situação externa que ocasionou tal comportamento. 
Por exemplo, se um colaborador chega atrasado, posso atribuir o atraso ao fato de que ele ter acordado 
tarde ou ao trânsito. Aqui entram três fatores que irão interferir na atribuição:
• Diferenciação – se refere a comportamentos diferentes em situações diferentes. Se existe um 
comportamento que é habitual (chegar atrasado), a atribuição será a uma causa interna, caso 
contrário, se não é um comportamento habitual, o observador atribuirá a uma causa externa.
• Consenso – quando todas as pessoas que enfrentam determinada situação respondem de maneira 
semelhante. Por exemplo, se todos os colegas do funcionário que chegou atrasado fazem o mesmo 
percurso e também chegaram atrasados, a atribuição será a uma causa externa, se o consenso for 
alto.
• Coerência – O observador sempre busca uma coerência nas ações das pessoas. Se o funcionário 
chega sempre atrasado, a atribuição será a uma causa interna. Quanto mais coerente o 
comportamento, mas a atribuição tenderá a ser interna.
Soto (2002) nos diz que

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.