dor comentada
26 pág.

dor comentada


DisciplinaFisiologia do Exercício6.795 materiais254.359 seguidores
Pré-visualização26 páginas
PEDRO SCHESTATSKY
JOSÉ GERALDO SPECIALI
E COLABORADORES

DOR
QUESTÕES
COMENTADAS

questões
comentadas
dor

Pedro Schestatsky
José Geraldo Speciali

e colaboradores

São Paulo \ufffd 201
0ª Edição

QUESTÕES COMENTADAS: DOR
Copyright® 2013, Produzido por Editora e Eventos Omnifarma Ltda.

Proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer sistema,
sem prévio consentimento de Editora e Eventos Omnifarma Ltda.

Todos os direitos reservados para Editora e Eventos Omnifarma Ltda.

EDITORA OMNIFARMA LTDA
Rua Capitão Otávio Machado, 410 - São Paulo, SP - CEP 04718-000
PABX: 55.11.5180-6169 - E-mail: atendimento@editoraomnifarma.com.br

Diretor Executivo: Marcelo Valente
Diretor: José Eduardo Valente
Gerente Administrativa: Karina Pinheiro
Assistente Administrativo: Ellison Kleber Forner
Contato: Magali de Souza
Coordenador de Produção: Edson Honorio
Diagramação: Fernando F. dos Santos
Revisão: Thais Naufel

© 2013 Editora OMNIFARMA Ltda. - Todos os direitos reservados
e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/98. Nenhuma parte desta
publicação poderá ser reproduzida, sem autorização prévia, por
escrito da Editora OMNIFARMA Ltda., sejam quais forem os meios
empregados: eletrônicos, mecânicos, fotográficos, gravação ou
quaisquer outros. O conteúdo deste material é de inteira respon-
sabilidade dos autores. Código da Publicação: 3843.2013

Distribuição exclusiva à classe médica.

DaDOs InTErnaCIOnaIs DE CaTaLOgaçãO na PubLICaçãO (CIP)
(Câmara brasILEIra DO LIvrO, sP, brasIL)

schestatsky, Pedro
 Questões comentadas : dor / Pedro schestatsky, José geraldo
speciali e colaboradores. -- 1. ed. -- são Paulo : Editora e Eventos
Omnifarma, 2013.

 bibliografia.
 Isbn 978-85-62477-34-8

 1. Dor - Obras de divulgação. I. speciali, José geraldo. II. Título.

CDD-616.0472
13-09694 nLm-Wb 176

Índices para catálogo sistemático:

1. Dor : Obras de divulgação : Ciências médicas 616.0472

Impresso no Brasil

2013

editorial...........................................................................................5

autores ............................................................................................7

capítulo 1. dor neuropática ........................................................9

capítulo 2. cefaleias ................................................................... 51

capítulo 3. dor miofascial ......................................................... 81

capítulo 4. fibromialgia ............................................................ 113

editorial

5

Caros colegas neurologistas da ABN!

Mesmo com os grandes avanços tecnológicos e farmacológicos observados nos úl-timos anos, o tratamento da dor crônica continua sendo um dos maiores desafios
da Medicina. A principal dificuldade, refletida na refratariedade dos pacientes com esta
condição, é a pouca de compreensão dos mecanismos fisiopatológicos e da variabilidade
fenotípica dos diferentes quadros clínicos de predomínio doloroso. De fato, compreender
os mecanismos causadores da dor não é uma tarefa fácil. Muitas vezes o próprio espe-
cialista na área de dor é incapaz de reconhecer o substrato neuropático de uma queixa
dolorosa. Assim sendo, nós, neurologistas do DC de Dor da ABN acreditamos que o ca-
minho para uma maior compreensão deste tema tão complexo é a melhora do currículo
da formação neurológica na área de dor e, sobretudo, a na maior interação com colegas
de outras especialidades. Ampliar a discussão sobre dor \u2013 sintoma multidisciplinar por
definição \u2013 entre a comunidade médica não só evita gastos com procedimentos e fárma-
cos desnecessários, como pode precaver surpresas desagradáveis: um diagnóstico bem
feito de uma neuropatia paraneoplásica dolorosa ajuda a detectar um câncer de pulmão
um ano antes do mesmo aparecer na tomografia de tórax.

Nosso livro foi dividido em quatro capítulos: [1] Dor Neuropática, [2] Cefaléias, [3]
Dor Miofascial e [4] Fibromialgia. Seu conteúdo é bastante didático e, por ser voltado
para a prática clínica, optamos pelo formato pergunta-resposta seguida por comentários.

QuAL O PAPEL DO NEuROLOGIsTA NO ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DOR
CRôNICA?
O neurologista tem um papel fundamental no entendimento da dor neuropática. Sua
função é chegar ao diagnóstico adequado do tipo de dor (neuropática, nociceptiva ou
mista) e discutir opções de tratamento baseadas na fisiopatologia específica da dor, tais
como nos casos de diabetes melito, neuralgia pós-herpética e neuralgia trigeminal entre
outras \u2013 muitas delas de difícil reconhecimento pelo clínico geral, especialmente nas
fases precoces. Através de uma entrevista e exame físico cuidadosos, o neurologista é
capaz de classificar a dor em neuropática, nociceptiva ou mista. Para isso o DC de Dor
da ABN validou recentemente a escala Leeds Assessment of Neuropathic Symptoms and
Signs (LANSS) que ajuda nesse processo. Depois disso, o neurologista deve definir qual
a estrutura do sistema nervoso está lesada e, através de seu profundo conhecimento
acerca das doenças que tradicionalmente causam dor, estabelecer prognóstico funcional
e crias estratégias terapêuticas individualizadas.

POR QuE FALAR sOBRE DOR NEuROPáTICA é IMPORTANTE?
Um estudo recente, avaliando randomicamente 6000 adultos procedentes de postos
de saúde do Reino Unido, encontrou uma prevalência de dor crônica de origem predo-
minantemente neuropática de 8,2%. Esta cifra representou 17% de todos os pacientes

q u es t õ e s c o m e n t a d a s | d o r a u to r es

6 7

COORDENADOREs

PEDRO sChEsTATsky. Coordenador do Departamento Científico de Dor da Academia Brasi-
leira de Neurologia e da European Neurological Society. Neurologista e Neurofisiologista. Pro-
fessor Adjunto do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio Grande
do Sul, Porto Alegre.

JOsé GERALDO sPECIALI. Professor Associado de Neurologia da Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto. Preceptor da Residência Médica em Neurologia com Área de Atuação em Dor.
Coordenador do Serviço de Cefaleias, Dores Craniofaciais e Dor Neuropática do Hospital das
Clínicas de Ribeirão Preto.

COLABORADOREs

ARIOvALDO ALBERTO DA sILvA JúNIOR. Doutor em Neurociências. Universidade Federal de
Minas Gerais. Assistente do Ambulatório de Cefaleias do Hospital das Clínicas da Universidade
Federal de Minas Gerais. Professor de Neurologia e Coordenador do Núcleo de Pesquisa -
UNIFENAS, Belo Horizonte.

CLáuDIA FERREIRA DA ROsA sOBREIRA. Coordenadora do Departamento Científico de Mo-
léstias Neuromusculares da Academia Brasileira de Neurologia. Professora Doutora do De-
partamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

CARLOs ALBERTO BORDINI. International Headache Society Board of Trustees. Mestre e
Doutor em Neurologia, Universidade de São Paulo. Ex-Presidente da Sociedade Brasileira de
Cefaleia. Diretor da Clinica Neurológica Batatais.

DANIEL CIAMPI DE ANDRADE. Livre Docente, Coordenador do Centro de Dor do Departamen-
to de Neurologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Médico do Centro
de Dor do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo.

DEusvENIR DE sOuzA CARvALhO. Médico Neurologista. Professor Adjunto do Departamen-
to de Neurologia e Neurocirurgia da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de
São Paulo.

FERNANDA s. vALéRIO. Médica Neurologista. Pós-Graduanda do Programa de Prática Pro-
fissionalizante em Dor como Área de Atuação - Neurologia. Departamento de Neurologia da
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

GABRIELA NATáLIA FERRACINI. Fisioterapeuta. Mestre em Ciências pela Faculdade de Medi-
cina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Doutoranda pela Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

com dor