Prioridades competitivas em produção e operações
2 pág.

Prioridades competitivas em produção e operações


DisciplinaProgramação e Controle da Produção I21 materiais449 seguidores
Pré-visualização1 página
Prioridades competitivas em produção e operações 
 Prioridades competitivas são objetivos que a empresa deve buscar mais fortemente com o intuito de aumentar a sua competitividade e, por conseguinte, a sua participação no mercado e a sua lucratividade. As principais prioridades competitivas são nas seguintes regiões:
Região vantagens competitiva (manutenção) _ nesta região são considerados dois critérios, que são \u201cganhador dos pedidos\u201d e o desempenho operacional da unidade analisada é \u201cmelhor que\u201d a melhor concorrência. 
Região de urgência _ deve ser colocado esforços com prioridade alta, pois são considerado muito importante e ao mesmo tempo o desempenho encontra \u2013se pior que o da melhor concorrência 
Região de urgência máxima _o critério considerado é pelo do mercado visado como qualificador e simultaneamente o desempenho comparado á concorrência considerado pior. Talvez a prioridade máxima deva ser a alocar recursos e esforços gerenciais para melhorar desempenho neste critério.
Região \u201cexcesso (urgente?) significam que neste critério a operação apresenta desempenho superior à concorrência em critérios considerados pelos mercados visados como menos importante. tem três possível ações .
*Trajetória J- se os recursos estão sendo alocado para manter a operação numa posição de superioridade em relação á melhor concorrência. 
*Trajetória M- trata-se de migração no sentido horizontal, ou seja, de ações que alteram o grau de importância dada pelos mercados pretendidos em relação ao critério em análise 
*Trajetória K- quando as outras não são consideradas adequadas.
Região excesso (útil) - significa alocar esforços e recursos no sentido, via comunicação e persuasão junto ao cliente. Outro possível curso de ação poderia ser reduzir o nível de operacional (melhor uso do recurso) para região mais adequada.
Região \u201cmelhorar 1 e melhorar 2 \u2013 quanto melhorar 1 ,melhoria deve ser providenciada ; entretanto,a prioridade não é tão grande quanto aquela a se dada na região melhorar 2 significar que um critério considerado ganhador de pedidos tem sido seu desempenho meramente igualando aquele da melhor concorrência.
Regiões \u201cAdequada 1\u201d e \u201cAdequado 2 \u201crefere á importância dado pelo mercado visados e em relação ao desempenho comparado á melhor concorrência são considerando adequadas.
Regiões \u201coportunidades atuais \u201csua característica é o desempenho identificados como resultado de competência importante da operação, este supera já hoje aquele da concorrência .não esta sendo sequer cogita pelos mercado visado .
Trajetória E \u2013 procurar via sensibilização e persuasão, converse o mercado visado de que aquela característica pode ser um qualificador.
Trajetória G- esta ligado a uma competência não esteja sendo valorizada por este par produto - mercado ,cumpre investigar se não há outro par que possivelmente valorizado 
Região \u201cOportunidades futuras\u201d neste caso trata-se de um de um aspecto de desempenho que hoje não está sendo sequer cogitado pelo mercado visados e que não ao mesmo tempo não tem desempenho superior comparado á melhor concorrência.
Permite, portanto, priorizar ao melhoramento do desempenho dos critérios competitivos, em termos de curtos, médio e longos prazos. Tendo claras as prioridades, cumpre estabelecer os planos de ação para atingir aprimoramento desejado. 
Bibliografia _ Corrêa, Henrique L. Administração de produção e operação: manufatura e serviços: uma abordagem estratégica / Henrique L. Corrêa, Carlos A. Corrêa \u2013 2 edição página 75 \u2013 São Paulo , 2008