A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
revista_cientifica_edicao_19_jul_ago_2012-final

Pré-visualização | Página 14 de 25

miofascial: com-
paração entre o tratamento com infiltração de trigger points
e medicação oral (ciclobenzaprina). Acta Fisiátrica, 2002;
9(3):117-26.
11. Brioschi ML, Yeng LT, Pastor EM, Col-
man D, Silva FMRM. Documentação da síndrome dolorosa
miofascial por imagem infravermelha. Acta Fisiátrica. 2007;
14(1):41-8.
12. Brioschi ML, Yeng LT. Teixeira MJ.
Diagnóstico Avançado em Dor por Imagem Infravermelha
e Outras Aplicações. Prática Hospitalar. 2007; 9(50):93-8.
13. Vasconcelos DA. Eletroestimulação: des-
complicando a eletroterapia. João Pessoa: JRC Gráfica e
Editora, 2009.
14. Hubbard DR, Berkoff GM. Myofascial
Trigger points show spontaneous needle EMG activity. Rev
Spine.1993; 18: 1803-7.
15. Hong CZ, Simons DG. Pathophysiologic
and electrophysiologic mechanisms of myofascial trigger
points. Arch Phys Med Rehabil. 1998; 55: 863-72.
16. O’Sullivan. Fisioterapia: avaliação e tra-
tamento. Rio de Janeiro: Manole, 2003.
17. Hans G. Locating and treating low back
pain of myofascial origin by ischemic compression. J Can
Chiropr Assoc. 2002; 46(4):257-
18. Chaitow, L. Técnicas de Energia Muscular.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
19. Lavelle ED, Lavelle W, Smith HS. Mio-
fascial Trigger Points. Med Clin North America. 2007; 91:
229-39.
20. Chaitow L. Técnicas de Liberação Posi-
cional para Alívio da Dor. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
21. D’Ambrogio KJ, ROTH GB. Terapia de
Liberação Posicional (PRT). Avaliação e tratamento da
disfunção musculoesquelética. São Paulo : Manole; 2005.
22. Souza FAEF, Silva JA. A métrica da dor
(dorimetria): problemas teóricos e metodológicos. Rev Dor.
2005; 6(1):469-513.
23. Biagongiari A, Franciulli PM, Souza FA,
Mochizuki L, Araújo RC. Análise da Atividade Eletromio-
gráfica de Superfície de Pontos Gatilhos Miofasciais. Rev
Bras Reumatol. 2008; 48(6):319-24.
24. Mense S, Simons DG, Russell IJ. Dor
muscular: natureza, diagnóstico e tratamento. São Paulo:
Editora Manole, 2008.
25. Hermens HJ, Freriks B. Development of
recommendations for SEMG sensors and sensor placement
produres. J Electromyogr Kinesiol.2000;10(5): 361-74.
26. Balbino LF, Vieira LR. Avalição objetiva
da síndrome dolorosa miofascial: uso da termografia antes
e após o tratamento associando a mesoterapia a bloqueio
anestésico. Acta Fisiátriaca. 2005; 12(3):115-17.
27. Yeng LT, Kaziyama HHS, Teixeira MJ.
Síndrome Dolorosa Miofascial. Rev Med. 2001; 80: 94-110.
28. Sobral MKK, Silva PG, Vieira RAG, Si-
queira GR. A efetividade da terapia de liberação posicional
(TLP) em paciente com cervicalgia. Fisioter Mov. 2010;
23(4):513-21.
29. Kostopoulos D, Nelson AJ, Ingber RS,
Larkin RW. Reduction of Spontaneous Electrical Activity
and Pain Perception of Trigger Points in the Upper Trapezius
Muscle through Trigger Point Compression and Passive
Stretching. J Musculoskelet Pain. 2008; 16(4):267-79.
30. Gemell H, Bagust J. Can surface elec-
tromyography differentiate muscle activity between upper
trapezius muscles with active versus latent trigger points?
A cross-sectional study. Clin Chiropratic. 2009; 12:67-73.
31. Aranha MFMA, Alves MC, Brézin F, Ga-
vião MBD. The Effect Of The Electroacupuncture On The
Pressure Pain Threshold And On The Electromyographyc
Activitie Of The Upper Trapezius With Myofacial Pain.
Braz J Oral Sci. 2010; 2(9): 147.
 Página - 26
REVISTAINSPIRAR • movimento & saúde
Volume 4 • Número 4 • julho/agosto de 2012
Existe Correlação Entre Força Muscular com Teste de Caminhada
de Seis Minutos em Idosos Institucionalizados?
Are there correlation between muscle strength and six minute walking test in
elderly institutionalized?
RESUMO
Contextualização: A distância percorrida no teste de
caminhada de seis minutos (TC6) sofre infl uência de diferen-
tes fatores, tais como, a força muscular respiratória e a força
muscular periférica. O envelhecimento pode levar a perda da
força muscular e conseqüentemente da capacidade funcional
avaliada por meio do TC6. Objetivo: Correlacionar a força
muscular respiratória e a força de preensão palmar (FPP) com
o desempenho no TC6 em idosos institucionalizados. Métodos:
Foram incluídos nesta pesquisa 9 idosos institucionalizados
(78,8±7,3 anos) de ambos os sexos. Foram realizadas mano-
vacuometria, dinamometria manual e TC6. Os dados foram
correlacionados utilizando o teste de correlação de Pearson e
o teste de correlação de Spearman (p<0.05). Resultados: Foi
obtido pressão inspiratória máxima de -75,7±33,6cmH2O,
pressão expiratória máxima de 62,4±25,0cmH2O, força de
pressão palmar de 0,4±6,2 kgf no membro direito e 20,7±6,8
kgf no membro esquerdo e distância no TC6 de 238,5±99,0
metros. Houve correlação da pressão expiratória máxima com
a força de pressão palmar de ambos os membros (esquerdo:
r= 0,65; p<0,05; direito: r=0,70; p<0,05) e com a distância no
TC6 (r=0,81; p<0,01). Conclusão: Pode-se concluir que há
correlação da força muscular expiratória com a força muscular
de preensão palmar e com a capacidade funcional de idosos
institucionalizados.
Palavra Chave: idoso; testes de função respiratória;
teste de esforço.
Flora Isabel Ramalho Leite Reis1, Marcelo Tavella Navega2,3, Robison José Quitério2,3, Alexandre
Ricardo Pepe Ambrozin2
Recebido: 07/2012
Aceito: 08/2012
Autor para correspondência:
Alexandre Ricardo Pepe Ambrozin
Av. Higyno Muzzi Filho, 737
Email: aleambrozin@marilia.unesp.br
1 - Fisioterapeuta formada pelo Faculdade de Filosofi a e Ciências/Universidade
Estadual Paulista/ Marília/ São Paulo/ Brasil.
2 - Professor Assistente Doutor do Departamento de Fisioterapia e Terapia Ocupacional
da Faculdade de Filosofi a e Ciências/Universidade Estadual Paulista/ Marília/ São
Paulo/ Brasil.
3 - Docente do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Humano e
Tecnologias/ Universidade Estadual Paulista / Rio Claro/ São Paulo/ Brasil.
ABSTRACT
The six-minute walking test can be affected by several
variables, among them, the respiratory and peripheral muscle
strength. The objective of this study was to correlate the respi-
ratory muscle strength (maximum inspiratory pressure – MIP;
and maximum expiratory pressure - MEP) and the hand grip test
(HGT)with the six minute walking test distance in institutio-
nalized elderly. It was included in this study 9 institutionalized
elderly with age over 70 years old, both gender, evaluated by
means of manometer, dynamometry and six minute walking test.
The data were correlated by using the Pearson’s correlation test
and the Spearman correlation test. From the evaluated elderly, it
was four men and fi ve women, with mean age: 78.8±7.3 years
old, MIP: 75.7±33.6 cmH2O, MEP: 62.4±25.0 cmH2O, HGT:
20.4±6.2 kgf (right member) and 20.7±6.8 kgf (left member)
and the distance on six minute walking test: 238.5±99.0 meters.
There was correlation between expiratory strength and hand grip
of both members with the distance on the six minute walking
test. It is possible to conclude that there are correlation betwe-
en expiratory muscle strength with the hand grip test and the
functional capacity in institucionalized elderly.
Key-words: aged; respiratory function tests; exercise test.
 Página - 27
Volume 4 • Número 4 • julho/agosto de 2012
movimento & saúde • REVISTAINSPIRAR
INTRODUÇÃO
 O envelhecimento é uma fase da vida do ser humano
onde os diferentes sistemas orgânicos começam a perder ou
alterar suas funções, dentre os sistemas afetados estão o mus-
culoesquelético e o cardiorespiratório1.
 No sistema musculoesquelético ocorre perda da força,
elasticidade e massa muscular, deterioração na função dos ten-
dões e ligamentos, maior índice de fadiga e menor resistência,
fatores estes que podem contribuir para reduzir a mobilidade
dos idosos2.
 No sistema cardiorrespiratório ocorrem alterações
na captação e transporte de oxigênio e na demanda metabó-
lica corporal, infl uenciando a funcionalidade e