Conceito de Consumidor - Resumo
2 pág.

Conceito de Consumidor - Resumo

Pré-visualização2 páginas
1
Consumidor stricto sensu
Consumidor por equiparação
Art. 2° CDC: “Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produ-
to ou serviço como destinatário nal” – dene consumidor como toda pessoa física ou
jurídica e traz a ideia de destinatário nal.
Dois correntes clássicas acerca da denição de consumidor: nalista e maximalista.
Teoria nalista: destinatário nal é o destinatário fático e econômico do bem ou
serviço. O produto/serviço não pode ser utilizado para revenda ou uso prossional.
Teoria maximalista: destinatário nal é meramente o destinatário fático do produto
ou serviço, independentemente do emprego que dá ao produto/serviço adquirido.
3ª corrente: nalismo mitigado/aprofundado (teoria predominante e adotada pelo
STJ): ainda que seja caracterizada uma relação jurídica entre 2 empresas, é possível o
enquadramento de uma delas no conceito de consumidor, caso seja vericada uma vul-
nerabilidade no caso concreto.
Previsto em 3 dispositivos diversos do Código:
Art. 2º, parágrafo único (genérico).
Art. 17 (bystander).
Art. 29 – aplicável a todas seções do capítulo V (Práticas comerciais).
Art. 2º, parágrafo único do CDC
São consumidores equiparados a coletividade de pessoas, ainda que indeterminá-
veis, que intervenham nas relações de consumo.
Aplicável a todos os capítulos e seções do CDC.
Conceito de Consumidor
Direito do Consumidor
2
Art. 17 do CDC
Aplicável apenas à seção de responsabilidade civil por fato do produto/serviço.
Tutela de todas as vítimas do acidente de consumo e não apenas daqueles que par-
ticiparam da relação consumerista diretamente.
Terceiros amparados pelo CDC em caso de acidente de consumo = bystanders.
Art. 29 do CDC
Disposição especial, aplicável ao Capítulo do Código sobre práticas comerciais.