TESTES ESPECIAIS
8 pág.

TESTES ESPECIAIS


DisciplinaFisioterapia em Ortopedia e Traumatologia1.856 materiais28.148 seguidores
Pré-visualização4 páginas
K
A
R
L
A
 C
A
S
T
R
O
 F
O
R
M
IG
H
IE
R
I
 
 
 
 
 
 1
 
 
 
 
TESTES 
ESPECIAIS 
OMBRO 
 
 
 
T. DE COÇAR DE APLEY; Com o paciente sentado, instruí-lo para colocar a mão no lado do ombro 
afetado atrás da cabeça e tocar no ângulo superior da escápula oposta. A seguir, instruir o paciente para 
colocar a mão atrás das costas e tentar tocar o ângulo inferior da escápula oposta. Ao se fazer isso, está 
sendo posta tensão nos tendões do manguito rotador. A exacerbação da dor indica tendinite 
degenerativa de um dos tendões do manguito, usualmente do tendão supra-espinhoso. 
 
T. APREENSÃO DO OMBRO; Teste para o deslocamento do ombro (luxação), paciente em posição D. D., 
fisio irá abduzir 90º com cotovelo flexionado, e rode externamente o braço para uma posição em que 
ele facilmente se deslocará, paciente olhará com expressão de apreensiva, positivo apreensão para a 
luxação do ombro 
 
 
T.YERGASON; Teste para verificar se o tendão da cabeça longa do bíceps encontra-se estável no sulco 
bicipital, paciente sentado ou em pé com o cotovelo flexionado 90º, junto ao corpo e tentará fazer uma 
supinação, o fisio fará a resistência ao movimento, segurando o punho do paciente com uma mão e a 
outra palpando o tendão da cabeça longa do bíceps, positivo dor no sulco intertubercular do ombro ou 
estalidos (pela subluxação do tendão da cabeça longa do bíceps). 
 
T. SPEED; Teste para tendinite ou ruptura parcial do tendão do bíceps braquial, paciente sentado com 
flexão do ombro a 90º e braço estendido e supinado, fisio aplica resistência com uma das mãos na 
direção contraria 
Descrição 
TESTE DE JOBE; A finalidade do teste de Jobe é testar a instabilidade anterior da articulação 
glenoumeral. Este teste é muito semelhante em natureza ao teste de apreensão do ombro, e é 
frequentemente administrado após o teste de apreensão ter produzido um resultado positivo. O 
paciente é posicionado em decúbito dorsal, com o cotovelo flexionado a 90º e abduzido a 90º. O 
terapeuta aplica então uma força de rotação externa no ombro. Se o paciente relata apreensão de 
qualquer forma, o teste de apreensão é considerado como positivo. Neste ponto, o terapeuta pode 
aplicar uma força dirigida posteriormente ao ombro - se a apreensão do paciente ou a dor é reduzida 
nesta posição, o teste de Jobe é considerado positivo. É importante notar que o terapeuta deve sempre 
libertar a força de deslocação para trás antes de voltar a colocar o braço do paciente em rotação neutra, 
pelo risco de luxação do ombro. 
 
 
K
A
R
L
A
 C
A
S
T
R
O
 F
O
R
M
IG
H
IE
R
I
 
 
 
 
 
 2
 
TESTE DE QUEDA DE BRAÇO; Este teste serve para detectar um problema no ombro chamado Síndrome 
do impacto. Como é realizado o teste: Paciente faz a abdução do ombro a 90º, Fisioterapeuta solicita 
que o paciente desça o braço lentamente, se o mesmo não conseguir o teste é positivo, sugere ruptura 
total do tendão do supra espinal. Ao realizar a abdução do ombro (com a suspeita da síndrome do 
impacto), neste movimento o tubérculo maior do úmero se choca com o acrômio, vai rasgando o tendão 
e nos casos mais graves pode pode detectar ruptura total do tendão 
 
 
 
 
COTOVELO 
TESTE DE COTOVELO DE TENISTA: Fixar o antebraço em pronação, e pedir para o paciente para fechar e 
estender o punho. A seguir, forçar o punho estendido para flexão contra a resistência do terapeuta. Se 
for provocado dor no epicôndilo lateral (origem comum dos extensores), deverá suspeitar de 
epicondilite. 
TESTE DE COTOVELO DE GOLFISTA: avalia a suspeita de epicondilite medial. O paciente sentado estende 
o cotovelo e supina à mão. Solicita-se que ele flexione o punho contra resistência. Os tendões que 
flexionam o punho estão fixados ao epicôndilo medial. Se for provocado dor no epicôndilo medial, deve-
se suspeitar de epicondilite medial. 
TESTE DE STRESS EM VALGO DO COTOVELOO objetivo deste teste é determinar a presença de uma lesão 
no ligamento colateral medial do cotovelo. 
Técnica: O cotovelo afetado será colocado a 20º de flexão com o úmero em rotação lateral e o 
antebraço em posição neutra, enquanto o fisioterapeuta palpa a interlinha articular medial. De seguida 
o terapeuta aplica uma força em valgo ao cotovelo. Se o paciente sente dor ou restrição de mobilidade 
em comparação com o outro cotovelo, o teste é considerado positivo. 
TESTE DE STRESS EM VARO DO COTOVELO: O objetivo deste teste é determinar a presença de uma lesão 
no ligamento colateral lateral do cotovelo. 
Técnica: O cotovelo afetado será colocado a 20º de flexão com o úmero em rotação medial e o 
antebraço em posição neutra, enquanto o fisioterapeuta palpa a interlinha articular lateral. De seguida o 
terapeuta aplica uma força em varo ao cotovelo. Se o paciente sente dor ou restrição de mobilidade em 
comparação com o outro cotovelo, o teste é considerado positivo. 
SINAL DE TINEL: Finalidade Testar a integridade do nervo ulnar. Execução É realizada a percussão da 
área do nervo ulnar no sulco entre o olécrano e o epicôndilo medial. Interpretação Considera-se o sinal 
positivo qdo o paciente refere uma sensação de formigamento na distribuição ulnar do antebraço e na 
mão, distal ao ponto de compressão do nervo. 
PUNHO 
TESTE DE FINKELSTEIN; Teste para avaliar tenossinovite dos músculos extensor curto e abdutor longo do 
polegar, o paciente irá flexionar o polegar e os outros dedos por cima do polegar, e fará um desvio 
ulnar, positivo se houver dor na região dos tendões extensor curto e abdutor longo do polegar na 
tabaqueira anatômica. 
 
 
K
A
R
L
A
 C
A
S
T
R
O
 F
O
R
M
IG
H
IE
R
I
 
 
 
 
 
 3
 
TESTE DE PHALEN; Teste para avaliar a Síndrome do Túnel do carpo, o paciente irá flexionar os dois 
punhos apoiando o dorso das mãos uma contra a outra, positivo se houver parestesia ou formigamento 
nos dedos polegar, indicador e médio após manter esta posição por 60 segundos. 
TESTE MOTOR para FLEXORES PROFUNDOS e SUPERFICIAIS dos DEDOS; Teste para avaliar o tendão 
flexor superficial e profundo dos dedos, para avaliar o tendão profundo o fisio estabiliza a articulação 
interfalangeana proximal e pede ao paciente para flexionar a articulação interfalangeana distal, e para 
avaliar o flexor su perficial dos dedos o fisio estabiliza os dedos que não serão avaliados e pede a flexão 
do dedo avaliado. Positivo para lesão no tendão se não ocorrer a flexão da articulação testada. 
 
 
TESTE DE ALLEN: Este teste é utilizado para avaliar o fluxo de sangue arterial para a mão. 
 O paciente deve estar sentado. O fisioterapeuta palpa e aplica pressão sobre as artérias radial e cubital 
no punho, usando três dedos em cada artéria. Isso obstruí o fluxo de sangue para a mão. Deve pedir ao 
paciente que aperte e abra a mão 10 vezes, terminando com a mão aberta, mas evitando a 
hiperextensão. A palma da mão deve, então, estar branca/pálida. O examinador então remove a 
pressão de uma artéria. Um teste positivo ocorre quando demora mais de 5 segundos para a cor 
(sangue) voltar à palma da mão. Repetir o processo para a outra artéria. 
TESTE DE TINEL: Posição do paciente: sentado ou em pé, com o punho em supinação e palma da mão 
aberta. Descrição do teste: o terapeuta percute com o seu indicador as regiões do túnel do carpo e do 
túnel de Gyon. Sinais e sintomas: no momento da percussão, nos trajetos dos nervos mediano e ulnar 
nos túneis carpais, o paciente refere à sensação de formigamento ou choque irradiado para o 3º dedo 
no caso de síndrome do túnel do carpo e no 5º dedo no caso da inflamação do túnel do nervo ulnar. 
QUADRIL 
TESTE DE OBER; Teste para avaliar