A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
127 pág.
DIREITO CIVIL IV - BEDONE

Pré-visualização | Página 14 de 14

e irregular, assim permanece.
	- Método de abordagem do assunto: abordar-se-á o condomínio geral voluntário, depois o condomínio geral necessário, e por fim o condomínio edilício.
B-) CONDOMÍNIO GERAL VOLUNTÁRIO:
	- Noção: vide supra.
	- Origem: ato de vontade inter vivos ou mortis causa, ou seja, alienação (compra e venda, troca, doação) ou sucessões (legítima ou testamentária).
	- Direitos dos condôminos: os mesmos do proprietário em geral, com as devidas adaptações à realidade condominial.
	Em geral, como já examinado anteriormente, os atributos da propriedade são os previstos no art. 1.228, caput, com o complemento advindo do art. 1.314, caput, de sorte que incumbe ao proprietário o direito de usar, gozar, dispor, reaver e gravar a coisa.
	- Usar e gozar da coisa: o uso e gozo são os compatíveis com a situação regular do condomínio, ou seja, o pro indiviso, de sorte que todos possam fazê-lo harmoniosamente; daí a razão de ser do parágrafo único, do art. 1.314, pelo qual o co-proprietário não pode alterar a destinação da coisa ou dar posse da mesma a terceiros.
	- Dispor: direito de se alienar a respectiva quota-parte (ou fração ideal).
	Nesse caso, os demais condôminos possuem preferência na aquisição, sob as penas do art. 504.
	- Reaver: reivindicar a propriedade ou restabelecer a posse de toda a coisa (art. 1.314, caput).
	- Gravar: possibilidade da imposição de ônus reais sobre a respectiva fração ideal (art. 1.420, § 2º).
	- Divisão da coisa: a qualquer momento, pode o co-proprietário exigir a divisão da coisa, se a mesma for divisível, mediante a já mencionada ação de divisão (art. 1.320, caput).
	Possível a pactuação de cláusula de indivisibilidade entre os condôminos, pelo prazo de 05 anos, prorrogáveis, salvo se proveniente de doação ou testamento (art. 1.320, §§ 1º e 2º).
	- Alienação da coisa: não sendo divisível o bem e não havendo acordo entre os condôminos a respeito da aquisição de tudo por um só, deve se proceder à alienação judicial do mesmo (art. 1.322, do CC, e art. 1.117, do CPC).
	- Renúncia: o art. 1.316, caput, fala em renúncia do condômino à sua quota-parte, mas, na verdade, trata-se de doação da fração ideal para os demais co-proprietários.
	- Deveres dos condôminos: enumerados a seguir.
	1-) arcar com as despesas de conservação e manutenção, proporcionalmente ao quinhão de cada um, podendo-se cobrar dos demais pelo que se pagou (arts. 1.315 e 1.318);
	2-) dividir os frutos, também proporcionalmente ao quinhão (art. 1.319);
	3-) vedado alterar a coisa ou sua destinação, salvo o consentimento dos demais (art. 1.314, parágrafo único);
	4-) proibido dar posse, uso e gozo a terceiros, sem a autorização dos demais (art. 1.314, parágrafo único) .
	- Administração do bem comum: se não se der por todos os condôminos, caberá ao co-proprietário que for escolhido pela maioria, a qual será obtida em função do quinhão respectivo, e não do número de condôminos (arts. 1.323 e 1.325).
	Ex: 10 donos, sendo 02 com 30% cada e 08 com 5% cada; os 02 já detém a maioria, pois suas frações ideais somam 60% face aos outros 08.
	Subentende-se que o administrador do bem comum seja um dos condôminos, mas admite-se a contratação de terceiros; se a minoria discordar, pode pedir a divisão ou alienação da coisa.
	O art. 1.324 prevê a possibilidade de mandato tácito, prevista no art. 656: é o caso de co-proprietário que administra o bem comum sem a oposição dos demais.
	- Extinção do condomínio: são os casos de extinção da causa que dá ensejo à propriedade plural, de sorte que a propriedade remanesce, mas nas mãos de um só.
	São os casos de adjudicação a um dos condôminos, de alienação a terceiro ou de divisão da coisa.
C-) CONDOMÍNIO GERAL NECESSÁRIO: 
	- Noção: vide item “A” da aula.
	- Origem: lei.
	- Aplicativo: cuida-se do condomínio de paredes, cercas, muros e valas, cujo valor deverá ser suportado pelos proprietários dos imóveis lindeiros.
	Assunto relacionado aos limites entre prédios e direito de tapagem nos Direitos de Vizinhança.
	Fundamento legal: arts. 1.297, 1.306, 1.327 e 1.328.
D-) 1ª ATIVIDADE EXTRA:
	- Hoje, data limite para a feitura de cadastro de grupos e de acórdãos visando à realização da 1ª Atividade Extra.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.