A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
TCC   A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Pré-visualização | Página 8 de 10

comunidade, ambas se beneficiarão da confraternização dos escolares, ou das pessoas na comunidade ali presente. Nota-se que as relações de sociabilidade auxiliaram a aprendizagem musical e vice-versa. A música representa uma pessoa, uma história, até mesmo uma empresa. 
Algumas empresas que são lembradas por suas ações, se utilizam de uma qualidade sonora, para marcar sua presença, seu nome em um segmento, com músicas que ao começarem a tocar, sabemos de quem estão falando. Grandes empresas buscam projetos que combinem a diversidade de ritmos brasileiros com conceitos sonoros universais, empresa está como Natura que incentiva e valoriza a música com origem e essência da brasilidade que ao se espalhar entrará em contato com diferentes culturas e sons do mundo todo. Projetos que contribuem para a preservação, perpetuação e difusão da música brasileira e que enriquecem nosso legado musical. Nesta categoria serão aceitos projetos que prevejam em seu escopo a realização de formação musical, a difusão de manifestações culturais artísticas tradicionais, o registro de artistas, gêneros ou movimentos culturais e a criação ou recuperação de acervos relevantes para a música brasileira.
Atuando como educadora durante muitos anos, Teca Alencar de Brito considera-se uma pesquisadora. Através de seus livros e artigos podemos perceber que a autora busca, constantemente, analisar e refletir sobre o modo como as crianças aprendem a fazem música, e qual é o significado que este fazer musical tem em suas vidas. Teca destaca que somos seres musicais, que a música é importante para nossa vida e por isso deve fazer parte do currículo das escolas. Nada mais simples! Segundo Teca:
O fazer musical é um modo de resistência, de reinvenção (questões caras ao humano, mas ainda pouco valorizadas no espaço escolar) que, ao mesmo tempo, fortalece o estar juntos, o pertencimento a um grupo, a uma cultura. O viver (e conviver) na escola - espaço de trocas, de vivências e construção de saberes, de ampliação da consciência - deve, obviamente, abarcar todas as dimensões que nos constituem, incluindo a dimensão estética.
Podemos mencionar como uma importante proposta pedagógica, que visa a formação integral de seres humanos e não apenas, a formação musical especializada, pela pessoa de Koellreutter, uma das personalidades mais expressivas da música e cultura brasileiras, atuando de modo dinâmico, ousado, polêmico e inovador. Apesar de ser reconhecido como o “grande mestre” de muitas gerações de músicos brasileiros, as reflexões. Para Koellreutter (2011):
pesquisas e propostas de Koellreutter para a realização de um projeto de educação musical dirigido a todos, e não apenas aos futuros músicos, priorizando a formação integral dos indivíduos, ainda são pouco conhecidas e entendidas. Este foi um dos principais motivos que me impulsionaram a escrever o livro “Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical.
Se juntar a um grupo de pessoas que tenham experiência ou interesse na mesma área cultural – música, teatro, dança, artes visuais, literatura ou cultura popular, estará se elaborando um projeto. Baseado nesse interesse comum a várias pessoas, a abrangência de estruturar movimentos que possam ser desenvolvidos passará a ser um projeto com possibilidades de oferecer a uma comunidade ótimas oportunidades de conhecimento, realização, a mesma busca pode partir de uma entidade escolar, motivando seus alunos de interesses mútuos a desenvolverem atividades que vão gerar muitos frutos. Educador como Koellreutter, propõem que seguindo determinados princípios, um educador terá uma postura realizável de aprender a apreender dos alunos o que ensinar; questionar tudo, sempre; por fim, não ensinar ao aluno o que ele pode encontrar nos livros. 
A atualização de conceitos musicais, de modo a viabilizar a incorporação de elementos presentes na música contemporânea no trabalho de educação musical. Ele sempre propôs a superação do currículo fechado, com conteúdos previamente determinados a serem transmitidos sem avaliar criteriosamente o que é realmente importante ensinar a cada aluno, grupo, em cada contexto. “Ensinar aquilo que o aluno quer saber”, cabe ao educador facilitar situações para uma aprendizagem autodirigida. Mais do que programas que visam resultados precisos e imediatos, é preciso contar com princípios metodológicos que favoreçam o relacionamento entre o conhecimento, a sociedade, o indivíduo, estimulando, e não tolhendo, o ser criativo que habita em cada um de nós.
8.2 Projeto Guri
Mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é considerado o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contra turno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos. Atualmente, mais de 50 mil alunos são atendidos por ano, em 410 polos de ensino distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os cerca de 360 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Amigos do Guri, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social.
A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 600 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral. Ao ingressar no Projeto Guri, o aluno opta pelo aprendizado de um instrumento musical, de canto coral, ou de ambos os cursos, além da opção pelo curso de luteria. Nas aulas são trabalhados os mais variados gêneros musicais, desde canções populares e músicas folclóricas a composições eruditas. Além de apresentar aos alunos novos estilos de música e manifestações culturais, a variedade de repertório trabalhada nos polos mantém viva as raízes culturais da própria comunidade.
Nos polos do Guri as atividades são sempre praticadas em grupo, o que estimula a participação dos alunos. Todos fazem parte de uma equipe que passa pelos mesmos desafios e aprendizado. Nas apresentações realizadas ao público, em pequenos, médios ou grandes eventos, o resultado é produto da dedicação do grupo e, ao mesmo tempo, também de cada um. Para os jovens, participar do Projeto Guri significa unir aprendizado e satisfação. Por tudo isso, o ensino musical é a ferramenta escolhida pelo Projeto Guri para o cumprimento da sua missão de inclusão sociocultural.
Dentre as várias ações desenvolvidas dentro do Projeto Guri, destacamos:
Grupos de Referência
Oportunidade para alunos e ex-alunos do Guri, que estejam num estágio mais avançado de aprendizagem, de aprimorar seu conhecimento musical, melhorar suas técnicas, refinar seu repertório e participar de diversas atividades e eventos que proporcionam a troca de experiência com estudantes de diferentes polos, músicos e regentes de grande destaque nacional e internacional. Além disso, é o momento de deixar de seguir para serem seguidos, tornando-se exemplo para os guris em desenvolvimento. 
 Projeto Guri Inclusivo
Todos nós temos alguma característica que nos torna únicos e, ao mesmo tempo, mais capazes de compreender as diferenças entre uma pessoa e outra. É disso que a Cartilha Guri Inclusivo fala: de como todos, com diferentes características, podemos realizar muitas coisas juntos no mundo da música. Quando neste trabalho procuramos uma definição para projetos, buscamos entender como a música modifica a vida das pessoas em todos os sentidos, da mais jovem faixa etária, ao adulto, quando ela se faz importante para uma criança entender seus movimentos, suas sensações, como se desenvolver como um adulto pleno, motivado para a vida, encontramos a resposta de que a música é a palavra determinante, da mudança, da opção e da plenitude.
Os projetos mencionados nesse trabalho têm como