CENHA
13 pág.

CENHA

Disciplina:Psicologia e Inclusao13 materiais151 seguidores
Pré-visualização2 páginas
�PAGE \* MERGEFORMAT�2�

SUMÁRIO:

31 - INTRODUÇÃO.	�
42 – A INSTITUIÇÃO.	�
83 – OS ATENDIDOS.	�
94 – CONCLUSÃO.	�
10REFERÊNCIAS.	�
11ANEXOS	�
�

�
1 - INTRODUÇÃO.

Em visita realizada no CENHA Centro Social Nossa Senhora da Penha, pudemos observar o funcionamento e a dinâmica desta instituição tão comprometida com o bem estar social.

Atuando desde 1965 no Tatuapé na zona leste de São Paulo, o Cenha realiza um grande trabalho e tem por missão promover o apoio ao desenvolvimento das habilidades da pessoa com deficiência (intelectual e motora) nas esferas educacional e terapêuticas sem limite de idade.

Psicólogos, Assistentes Sociais, Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais, Pedagogos e Fonoaudiólogos, preocupam-se em oferecer um tratamento de qualidade.

Fomos recebidos carinhosamente pela Sra. Regina, que atua no setor mais administrativo da instituição, e está apenas a dois meses trabalhando no CENHA, ela está bastante engajada no projeto e tem uma preocupação acentuada nos cuidados tanto com as pessoas que são atendidas por eles, quanto com seus familiares que os acompanham.

Em um segundo momento fomos atendidos pela Sra. Rosa......uma das fundadoras do Cenha e dispensa um tratamento muito afetuoso na administração do local.

Foi uma experiência muito rica, a observação do trabalho realizado por esta instituição.

�
2 – A INSTITUIÇÃO.

Tendo como slogan “Desenvolvendo dons especiais”, o Cenha faz isso com muito amor e responsabilidade.

Situados em um grande terreno na região Tatuapé em São Paulo, oferece tratamento de qualidade, onde estruturou um programa que prevê um atendimento de várias patologias e é aplicado de acordo com a necessidade de cada pessoa tratada.

A instituição é uma organização filantrópica com utilidade pública nas esferas: Federal, Estadual (CONFRAS – Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social nº 2278 e no CONSEAS – Conselho Estadual de Assistência Social nº 0163/SP/2000) e Municipal (CMDCA – Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescente, COMAS – Conselho Municipal de Assistência Social e CEMAS – Conselho Municipal de Auxílio e Subvenções.

Contando com uma equipe de trabalho multidisciplinar a entidade leva conhecimento, desenvolvimento de habilidades, curso preparatórios para o mercado de trabalho, como por exemplo a oficina de serigrafia, que torna possível a profissionalização da pessoa com necessidades especiais.A musicoterapia é outra atividade importante que é realizada por voluntárias e acontece quinzenalmente.

Além do apoio pedagógico e socialização, oferece também a clínica de reabilitação com atendimentos terapêuticos, que vai desde a estimulação precoce até a idade adulta, gerando o bem-estar nas esferas biopsicossocial, por meio de tratamentos como: hidroterapia, Psicologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Psicopedagogia.

Uma especialidade oferecida e que merece destaque é a Equoterapia, um método terapêutico que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais.

A Equoterapia emprega o cavalo como agente promotor de ganhos a nível físico e psíquico. Esta atividade exige a participação do corpo inteiro, contribuindo, assim, para o desenvolvimento da força muscular, relaxamento, conscientização do próprio corpo e aperfeiçoamento da coordenação motora e do equilíbrio.

A interação com o cavalo, incluindo os primeiros contatos, os cuidados preliminares, o ato de montar e o manuseio final desenvolvem, ainda, novas formas de socialização, autoconfiança e autoestima.

A instituição também tem forte atuação em relação ao serviço social que preconiza o referencial e pesquisas e análises de realidade social, na formulação, programas e políticas sociais que buscam a preservação, defesa e ampliação dos direitos humanos e a justiça social.

No Cenha há a busca por humanização no tratamento do deficiente, há um respeito mútuo, tanto da parte dos agentes internos quanto por parte dos agentes internos, eles possuem um interação e um respeito precisos, o que facilita o desenvolvimento do trabalho como um todo.

A aproximação com essa realidade nos permitiu ampliar nossa visão a respeito das características e comportamento dos deficientes e da grande responsabilidade e trabalho atribuídos a família que busca no Cenha um auxílio para este que não deixa de ser um problema social grande.

Soubemos que há uma recusa por parte das mães quando da possibilidade de colocar seu filho no mercado de trabalho, uma vez que a instituição também conta com esse recurso, ensinando o aluno o processo de serigrafia (também conhecido como silk screen, é utilizado na transferência de imagens em tecidos e diversos outros materiais.O grande destaque da serigrafia é sua qualidade e durabilidade. Além disso, é um processo relativamente simples, no qual é usada uma tela que transfere a imagem colorida para o tecido ou qualquer outra superfície onde se deseja imprimir a mensagem), porém quando o aluno está apto a exercer a função, com a expectativa de abertura de novos horizontes, e a possibilidade de se tornar um trabalhador e com isso trazer novas relações para a sua vida, a mãe diz não a essa possibilidade, os motivos são diversos, mas não ficam muito claros, talvez por haver uma grande carga emocional envolvida nesse processo de “dar uma novo passo”, um dos motivos apresentados é o medo da perda da aposentadoria que o aluno tem direito, ou então a difícil decisão de libertar-se da relação simbiótica existente entre mãe e filho.

O Cenha também conta com o clube de mães, lugar onde é disponibilizado curso de artesanato, crochê, tricô, principalmente para mães que permanecem no recinto enquanto seu filho faz as atividades.

Um fato que nos chamou atenção foi uma das mães que dormia em um banco enquanto aguardava, ela estava muito mal acomodada ali, e a funcionária que nos atendeu falou do projeto que tem, no sentido de providenciar um espaço para descanso para esses casos, fato que nos leva a olhar novamente para o cuidado e o carinho que as pessoas que trabalham lá dispensam as pessoas que são atendidas.

Embora a entidade receba recursos públicos dos órgãos supra citados, as despesas são grandes e constantes, o que leva o Cenha a realizar festas para arrecadação de verbas e a contar com doações tanto de pessoas físicas como jurídicas. Há também a locação do espaço para festas visando obtenção de dinheiro para as melhoria no atendimento. Nos foi relatado também a falta de recursos humanos voluntários para trabalho nas festas que são realizadas.

O Corpo de Bombeiros em parceria com a ONG Operação Conta Gotas cujo slogan é “doar para salvar”, realizaram a festa de Páscoa este ano, eles doaram 280 ovos de chocolate e estiveram lá com uma equipe de palhaços que trouxeram ainda mais alegria a festa, que já estava bastante feliz pelas musicas que o DJ tocava e todos dançavam com desenvoltura e sorrisos.

Imagem 1 – Os palhaços e o Bombeiro

Imagem 2 – Trabalhos realizados pelas crianças.

�
3 – OS ATENDIDOS.

Durante a visita, transitamos pelo local, incluindo as salas de aula, onde os professores estavam aplicando alguma atividade.

A cada sala que entrávamos sentíamos a surpresa das crianças, e a felicidade das mesmas. Muitas mostravam o desenho, outras interagiam ao seu modo, seja nos chamando para entrar ou apenas sorrindo um pouco mais timidamente.

Em alguns casos, o que foi mais comum, fomos abraçadas por eles, que ns receberam contentes e com muito carinho; o que ficou muito notado foi a forma como cada um deles teve de expressar seu afeto, um, que era acompanhado até a sala, nos chamou de “Amor” assim nos viu, e já sorrindo. Então fica nítido como são sociáveis, como eles querem que você participe do que eles fazem.

Mas não são todos assim, muitos estão aprendendo a lidar com