Estudo dirigido   AV1 (1)
4 pág.

Estudo dirigido AV1 (1)

Disciplina:Psiquiatria Infantil78 materiais297 seguidores
Pré-visualização1 página
ESTUDO DIRIGIDO - AV1 - PSICOTERAPIA INFANTIL
Professora: Dra. Deyseane Lima - deyseanelima@yahoo.com.br
www.deyseanelima.com.br

Aponte as semelhanças e as diferenças entre Melanie Klein e Anna Freud em referência a História da Psicoterapia Infantil nos seguintes itens:
Papel do Analista
ANNA FREUD- Papel de educador, há uma impossibilidade de se estabelecer uma relação puramente analítica com uma criança em função de sua imaturidade e dependência do meio ambiente.
MELANIE KLEIN- Ser analista. Não deveria ser educador. É essencial o interpretar do brincar pelo analista.
Demanda
ANNA FREUD- A criança não tem consciência de sua doença, necessitando do adulto para enunciá-la. Falta o elemento fundamental para a entrada de um paciente na análise, que é o mal-estar em relação a seus sintomas e sua necessidade de tratamento.
MELANIE KLEIN- A criança mostra sua demanda a partir do brincar.
Transferência positiva e negativa
ANNA FREUD- A criança não tem capacidade de transferência, portanto, um trabalho prévio não analítico, com finalidade de prepará-las para o tratamento, proporcionando-lhes consciência da enfermidade, dando-lhe confiança na análise e no analista, criando uma transferência positiva que faça interna a decisão externa de analisar-se. Não se utilizava da transferência negativa.
MELANIE KLEIN- a transferência na criança é espontânea e deve ser interpretada, tanto a positiva como a negativa. Interpretava a transferência negativa, sem o cultivo de afetos positivos do paciente. Percebeu a intensa angústia que os sentimentos agressivos despertam nas crianças e, caso não fossem interpretados, impossibilitaria a continuidade da análise.
Associação Livre e Inconsciente Infantil
ANNA FREUD- A maior dificuldade na análise com crianças continua sendo o fato de não haver associação livre. Por isso ela só atendia crianças que já passaram pelo complexo de édipo e que falavam.
MELANIE KLEIN- Foram as fantasias das crianças, seus desejos e vivências através de jogos e brinquedos, isto é, suas expressões simbólicas, que serviram de fundamento para a elaboração de uma técnica diferente da técnica do adulto. Nessa técnica, as associações livres eram substituídas por jogos.
Brincar
ANNA FREUD- O jogo era importante para o processo pedagógico, embora não seja um instrumento técnico comparável a associação livre.
MELANIE KLEIN- Atividade natural das crianças, foi considerado a expressão simbólica das fantasias do inconsciente.

De acordo com a psicanálise com crianças, responda objetivamente os seguintes itens:
Autor(a) que fundamentou inicialmente a importância do brincar no processo analítico:
Freud ao observar seu neto de um ano e meio, através da brincadeira de Fort e Da, verificou que o brincar corresponde a fantasia no adulto.
Primeiro caso de atendimento infantil (indireto) na psicanálise com crianças: Pequeno Hans, atendido via cartas intermediado por seu pai, para Freud.
Autor(a) que criou o termo Ludoterapia:
Virginia Axline
Quais são os pontos principais da teoria de Melaine Klein e Winnicott sobre a relação entre mãe e bebê?
MELANIE KLEIN- Relação objetal que o bebê inicia com a mãe, relação essa que resulta das primeiras experiências da amamentação do bebê e da presença da mãe. A fantasia de um seio ideal (produto do desejo de gratificação ilimitada), assim como de um seio devorador e perigoso (produto da ansiedade persecutória), fazem parte da mente da criança.
WINNICOTT- Uma mãe dedicada para suprir as necessidades fisiológicas e emocionais da criança. Demonstra o vínculo entre o bebê e a sua mãe: amor é o nome desse vínculo. O amor da mãe é algo semelhante a uma força primitiva. Há a necessidade de proteger a mãe e o bebê de tudo que pretenda interferir no vínculo entre eles, que é fundamental na própria natureza do cuidado materno. O terapeuta deve ser suficientemente bom.

Qual a relevância do brincar na psicoterapia infantil, para Winnicott e para Melaine Klein?
WINNICOTT- Experiências de brincadeira física e emocional. São capazes de encontrar objetos e inventar brincadeiras com facilidade. Adquire experiências internas e externas brincando, em que podem evoluir por intermédio de suas próprias brincadeiras e das invenções das brincadeiras feitas por outras crianças e por adultos.
MELANIE KLEIN- É possível observar
- compulsão a repetição
- projeção da realidade psíquica
- forma de acesso ao inconsciente infantil
- um modo de tornar a realidade psíquica interna real

Como surgiu o termo Ludoterapia? E como se apresenta na atualidade?
Nasceu como um processo de Psicoterapia Infantil na Abordagem de Centrada na Pessoa, com Virginia Axline. Hoje em dia o termo pode ser utilizado em qualquer abordagem, sendo assim sinônimo de um processo psicoterápico com crianças que utiliza o brincar e o lúdico. O processo de psicoterapia que facilita as crianças a se auto-ajudarem.
Qual a definição de Ludoterapia?
Processo terapêutico infantil que trabalha com o lúdico (brincar) como forma de auto expressão das crianças.
Retrate a concepção de psicoterapia infantil na abordagem humanista existencial.
LUDOTERAPIA CENTRADA NA CRIANÇA- Não diretiva. A responsabilidade e direção são deixadas às crianças.
- tendência atualizante: pressuposto de que o individuo tem dentro de si, não só a capacidade de resolver seus problemas satisfatoriamente, mas também esse impulso de crescimento que faz o comportamento maduro mais satisfatório do que o comportamento imaturo.
- congruência
- conceito interior de si mesmo (confiança) = comportamento – auto realização.
- aceitação incondicional: permite ao indivíduo ser ele mesmo, aceitar-se completamente, sem avaliação ou pressão para mudança: reconhece e esclarece as atitudes emocionais expressas pela reflexão do que o cliente expressou
- resposta reflexo

GESTALT TERAPIA COM CRIANÇAS
- Relação entre o Organismo e o Meio;
- Autorregulação;
- Figura e Fundo;
- Ressentimento - Situação inacabadas - Gestalten abertas.

PSICODRAMA COM CRIANÇAS- É necessário que o psicoterapeuta tenha respeito à liberdade e ao potencial de criatividade da criança.
- Papéis: Capacidade da criança de jogar e de inverter papéis. Propiciar condições para o surgimento de novos papéis e fortalecer os papéis pouco desenvolvidos ou mal estruturados.
- Criatividade e espontaneidade;
- Conserva cultural;
- Dramatização;
- Empatia.

- >Temas de estudo para a avaliação:
- História da Psicoterapia Infantil (Anna Freud e Melaine Klein);
- Importância do brincarna psicoterapia infantil (Winnicott);
- Ludoterapia;
- Psicoterapia Infantil na Abordagem Humanista Existencial e Psicanálise;
- Livro “Dibs: em busca de si mesmo”, Virginia Axline.